Brasil e Bélgica no 1ª dia da Davis, que teve homenagem ao mineiro Marcelo Melo

Bastou uma hora e sete minutos para que Thiago Monteiro vencesse o belga Arthur de Greef, 202o do mundo, no primeiro jogo do confronto da Copa Davis by BNP Paribas, na cidade de Uberlândia (MG). Com parciais de 6/3, 6/2, o cearense canhoto, número 107o do mundo, levantou a torcida que acompanhou o primeiro dia de confronto entre Brasil e Bélgica, na Arena Sabiazinho. “Vim de uma fase boa, gosto muito das condições da quadra, com um pouco de altura, um pouco mais rápido, no saibro. Consegui executar um jogo que eu gosto, sacar muito bem, a torcida ajudou! Estou muito feliz com esse resultado!” ressaltou Thiago Monteiro.

O paulista Rogério Dutra Silva, 139o do mundo, lutou até o final, empurrado pela torcida brasileira, mas acabou superado pelo número 1 da Bélgica, Kimmer Coppejans, 195o colocado, por duplo 6/4. Mas o raquete 2 do Brasil garantiu que está preparado e confiante para fazer o quinto jogo contra De Greef, caso seja necessário. “Não tive um dia feliz, não me encontrei em quadra, faltou um pouquinho de sorte também. Infelizmente, não foi como planejamos, mas temos que manter a cabeça erguida, estamos na luta ainda. Logicamente ninguém gosta de perder, mas agora é olha para a frente, torcer para a dupla amanhã e, se precisar entrar em quadra de novo, vou entrar a mil por hora denovo e vou lutar até o último minuto”, assegurou Rogerinho.

Apesar de não entrar em quadra, o mineiro Marcelo Melo, número 12 do mundo em duplas, foi o grande homenageado do dia, recebendo um troféu de cristal do “Commitment Award” da ITF (Federação Internacional de Tênis) pela quantidade de participações na Copa Davis, sendo homenageado em quadra pelo representante da ITF, Ricardo Aguirre e pelo presidente da Confederação Brasileira de Tênis, Rafael Westrupp.

O duplista vestiu a camisa verde e amarela em 21 partidas, vencendo 17 de duplas e uma de simples. Desde 2008 Marcelo participa de confrontos da Copa Davis. Essa foi mais uma conquista de Marcelo, que em 2018 passou a ser o tenista brasileiro com maior número de semanas no topo do ranking mundial, 56 semanas, e o jogador nacional que mais disputou o ATP Finals. “Fiquei muito feliz de ter recebido. Todos sabem quanto é importante essa competição para nós tenistas. Então ser reconhecido foi muito legal, especialmente estando jogando em casa. Muito obrigado à ITF, à CBT e aos que fizeram essa homenagem. Foi muito gratificante. Agora é focar na dupla amanhã (sábado)”, afirmou Marcelo.

 

 

Amanhã ele entra em quadra juntamente com o também mineiro Bruno Soares, número 7 do mundo em duplas, no terceiro jogo do confronto e buscando colocar o Brasil em vantagem. Eles jogam contra a dupla belga formada por Sander Gille, número 83 do mundo em duplas, e Joran Vliegen, número 86 do mundo.

 

 

Ainda acontecem mais dois jogos de simples neste sábado, com Thiago Monteiro jogando contra Kimmer Coppejans e com Rogério Dutra Silva contra Arthur De Greef. Entre o jogo de duplas e o de simples haverá outra homenagem do “Commitment Award” da ITF. Desta vez para o brasileiro Tomas Koch, que disputou nada menos do que 74 partidas de Copa Davis, vencendo 44 delas, entre duplas e simples.

Monteiro abre o confronto da Davis contra a Bélgica. Rogerinho joga em seguida

Fazer parte do seleto grupo de 18 equipes que disputarão a primeira edição da Copa Davis no novo formato, com sede única, em novembro, na Caja Mágica, em Madri, na Espanha. É isto o que estará em jogo a partir desta sexta-feira, às 16h, no confronto entre Brasil e Bélgica, no saibro do Ginásio Sabiazinho, em Uberlândia – MG.

Depois de uma intensa semana de treinamentos na cidade do Triângulo Mineiro, a equipe brasileira vem com força máxima para o duelo com os belgas. “Fizemos uma adaptação muito boa, o time todo está perfeitamente ambientado às condições da quadra, que é coberta e à altitude. Está tudo como queríamos, todos se sentindo muito bem jogando, muito bem preparados”, avaliou o capitão João Zwetsch. “Queremos aproveitar novamente a chance de jogar a Copa Davis no Brasil e trazer a vitória para o nosso país e ter a oportunidade de jogar as finais na Espanha”, projetou João.

A última vez que o Brasil jogou uma edição da Davis em casa foi em 2016, quando venceu o Equador, em Belo Horizonte. Desta vez, o cearense Thiago Monteiro, 107o do ATP, abre o confronto contra Arthur De Greef, 202o colocado. Na sequência, o paulista Rogério Dutra Silva, 139o, encara Kimmer Coppejans, 195o. No sábado, a dupla de mineiros Bruno Soares, número 7 do mundo de duplas, e Marcelo Melo, 10o do ranking, enfrentam Sander Gille, 83o colocado, e Joran Vliegen, 86o, a partir das 14h. Na sequência, ocorrem os outros dois confrontos de simples invertidos. O paranaense Thiago Wild é o quinto atleta do Brasil.

Os dois jogadores de simples do Brasil vêm em um ótimo início de temporada, ambos com títulos importantes em Challenger. Rogerinho faturou o Challenger de Playford, na Austrália, logo na primeira semana do ano. Já Monteiro sagrou-se campeão do Challenger 80 de Punta Del Este, no Uruguai, na semana passada.

“Nós dois tivemos um bom começo de temporada, o time todo na verdade. Estou bem preparado, bem adaptado às condições e muito motivado para abrir este confronto. Esta é a minha quinta Copa Davis e eu nunca tinha jogado no Brasil, diante da torcida. Então, estou bem motivado e confiante pelo título no Uruguai”, afirmou Monteiro.

“Estou muito feliz de voltar a representar o Brasil em uma Copa Davis. Todo mundo sabe que é uma competição muito especial para mim. Eu conheço bem os dois jogadores deles, são atletas consistentes, serão jogos duros, mas estamos bem preparados. Fizemos uma excelente semana de treinamento aqui em Uberlândia, estamos todos muito focados e prontos para esta batalha”, ressaltou Rogerinho, que enfrentou Coppejans em três ocasiões e levou a melhor em duas, todas em 2015.

Os ingressos para o confronto podem ser adquiridos pelo site www.ingressonacional.com.br e na bilheteria do Ginásio Sabiazinho com valores promocionais até o início do evento. Após será cobrado os preços cheios (confira o box) . O complexo possui praça de alimentação com food trucks e abre duas horas antes do evento. Já o acesso ao ginásio se dá uma hora antes do início do primeiro jogo.

Foto: Luiz Cândido/CBT

Rio Open terá nova geração no quali, com Auger Aliassime e Norrie

A ATP divulgou nesta terça-feira (29) os jogadores classificados para o qualifying do Rio Open apresentado pela Claro, que acontece entre 16 e 24 de fevereiro, no Jockey Club Brasileiro. A fase classificatória do maior torneio de tênis da América do Sul será realizada nos dois primeiros dias (16 e 17) e definirá quatro tenistas que ganharão uma vaga na chave principal, com inicio dia 18. A entrada para o qualifying é franca. Os ingressos para a chave principal estão à venda em tudus.com.br/rioopen, com preços a partir de R$ 30.

A nova geração aparece em peso na lista. O britânico Cameron Norrie, de 23 anos, é o atual número 64 do mundo. Ele já fez uma final de ATP neste ano, em Auckland, e vem se destacando deste a última temporada, quando representou muito bem o seu país na Copa Davis durante a ausência de Andy Murray.

Outro nome de destaque é o canadense Felix Auger-Aliassime, um dos maiores prodígios dos últimos anos. Aos 14 anos e sete meses de idade, ele se tornou o tenista mais jovem a passar pelo qualifying e a vencer um jogo de chave principal de Challenger. Aos 18 anos, ele já tem quatro títulos de Challenger, marca similar à de nomes como Novak Djokovic e Juan Martin del Potro na mesma idade. Ele também venceu o US Open juvenil em 2016.

O paulista Rogério Dutra Silva representará o Brasil na luta pela vaga. Semifinalista do Rio Open em 2017, o norueguês Casper Ruud também jogará o qualifying, assim como o sueco Elias Ymer, o boliviano Hugo Dellien e o italiano Lorenzo Sonego.

“O público terá a chance de ver, com entrada gratuita, nomes que prometem ser o futuro do circuito. O Auger-Aliassime tem impressionado o mundo do tênis com um currículo de profissional mesmo ainda sendo adolescente. O Norrie vem em grande ascensão e tem tudo para estourar de vez neste ano. Sem falar no nosso guerreiro Rogerinho, que vai contar com todo o apoio dos torcedores”, afirmou Luiz Carvalho, Diretor do Torneio.

O qualifying é composto por uma chave com 16 tenistas. Outras três vagas serão preenchidas com wild card (convites).

Quem vencer duas rodadas entra na chave principal, que já tem cinco jogadores entre os 25 melhores do mundo: o austríaco Dominic Thiem, vice-campeão de Roland Garros, os italianos Fabio Fognini e Marco Cecchinato, o argentino Diego Schwartzman, atual campeão, e o espanhol Pablo Carreño Busta. Os brasileiros Thiago Monteiro e Thiago Wild receberam os dois primeiros convites.

Veja a lista do qualifying:

 

Cameron Norrie (GBR) – 64o

Pedro Sousa (POR) – 101o

Felix Auger-Aliassime (CAN) – 106o

Juan Ignacio Londero (ARG) – 112o

Lorenzo Sonego (ITA) – 113o

Paolo Lorenzi (ITA) – 114o

Elias Ymer (SUE) – 116o

Marco Trungelliti (ARG) – 117o

Hugo Dellien (BOL) – 119o

Casper Ruud (NOR) – 126o

Carlos Berlocq (ARG) – 135o

Rogério Dutra Silva (BRA) – 139o

Pedro Martinez (ESP) – 162o

 

ALTERNATES

Alessandro Gianessi (ITA) – 167o.

Andrea Arnaboldi (ITA) – 175o.

Horacio Zeballos (ARG) – 190o.

Kimmer Coppejans (BEL) – 195o.

Matteo Donati (ITA) – 207o.

Joao Domingues (POR) – 213o.

Thomaz Bellucci (BRA) – 223o.

Federico Gaio (ITA) – 226o.

Gian Marco Moroni (ITA) – 229o.

Kevin Krawietz (GER) – 232o.

 

Venda de Ingressos

As vendas de ingressos são feitas pelo site tudus.com.br/rioopen. O pagamento poderá ser feito com cartões de crédito Visa, Mastercard, Elo e Diners, com parcelamento em até 4 vezes sem juros. Não haverá cobrança de taxa de conveniência.

Os valores variam entre R$ 30 e R$ 490.

Em 2019, para maior facilidade do público, será possível a utilização do ingresso via QR Code.

Sobre o Rio Open:

O Rio Open 2019 conta com patrocínio máster da Claro, patrocínio do Santander, Peugeot, Mubadala, Fedex, Emirates. Também com as empresas, Rolex, Tokio Marine Seguradora, Shell, RedeDor, Petra. E ainda com Booking, Localiza, Dasa, Café Melitta, SegurPro, Prosegur, Zetaflex, Estácio, Shopping Leblon, Focus, Copagás e Sextante. A Fila será a responsável pelo material esportivo e a Head, fornecedora da bola oficial do evento. Lídio Carraro – a vinícola boutique brasileira-, oferecerá o espumante e vinho oficiais do Rio Open.
O Sportv é a emissora oficial do Rio Open e transmite em HD todos jogos da quadra central para o Brasil e mais de 130 países através da ATP Media.
O Rio Open é uma promoção da IMM com realização do ICT.

Fotos Getty Images –

Aliassime – Vaughn Ridel e Norrie – Hannah Peters

Com grande atuação, Djokovic vence Nadal por 3×0 e conquista o hepta do Australian Open

Em uma bela apresentação, em grande forma e com um nível de tênis incrível, Novak Djokovic conquistou o seu sétimo título do Australian Open, primeiro Grand Slam da temporada, disputado no piso duro de Melbourne.

Já no primeiro set, o sérvio mostrou em que nível jogaria, errando o mínimo, sempre batendo mais uma bola e vendo o espanhol errar mais do que de costume. Sem sustos, o sérvio fechou a parcial em 6/3.

O segundo foi bem parecido, com Nadal mostrando grande dificuldade pra entrar nos games de saque do sérvio, que conseguiu suas quebras pra fechar em 6/2.

No terceiro set, praticamente nada mudou. Praticamente sem errar, Djokovic abriu vantagem logo no início e caminhou firme pra vitória por  6/3. No fim, coube ao espanhol reconhecer a grande atuação do nº 1 do mundo:

“Acho que ele jogou de forma fantástica”, disse Nadal. “Quando ele está jogando dessa maneira, acho que eu precisava de algo novo. Eu não pude ter aquela ‘coisa’ extra hoje à noite. Era inacreditável a forma como ele jogava, sem dúvida … Joguei um tênis fantástico durante as duas semanas, mas provavelmente jogando muito bem, não sofri muito. Cinco meses sem competir, tendo esse grande desafio na minha frente, eu precisava de outra coisa … Esse é o meu sentimento, competir nesse nível super alto.” afirmou..

Foi um torneio quase perfeito do sérvio, que mostrou um nível excelente de jogo desde a primeira partida, com um aproveitamento excelente e apenas dois sets perdidos, sendo um título mais do que merecido.

“Marian (Vajda), obrigado por ter voltado ao meu time” disse o sérvio,  homenageando a equipe de treinadores, cujo retorno no meio da temporada de 2018 ajudou nos seus títulos de Wimbledon e US Open, e na volta ao número 1 do mundo. Então, ele voltou seus pensamentos para a esposa Jelena e os filhos Stefan e Tara de volta à Europa.

“Espero que eles tenham assistido – pelo menos antes do jogo que disseram que assistiriam”, brincou. “Os troféus são ainda mais especiais quando tenho alguém tão querido, tão especial na minha vida para compartilhar isso. Eles são as pessoas mais queridas neste planeta ao lado dos meus dois irmãos e meus pais.

Além de ser o 7º título em Melbourne, Djokovic chega ao seu 15º título de Slam. Por ter conquistado Wimbledon e o US Open do ano passado, ele pode conseguir o feito de conquistar os quatro Slams de forma consecutiva, se triunfar em Roland Garros, neste ano.

Foto: Ben Solomon/Tennis Australia

Osaka vence o Australian Open e se torna a nova no1 do mundo

A japonesa Naomi Osaka, de apenas 21 anos, conquistou neste sábado o título do Australian Open em uma decisão emotiva na Rod Laver Arena. Ela derrotou a cabeça-de-chave 8, Petra Kvitova, por 6/7 7/5 6/4 para conquistar o seu segundo Grand Slam consecutivo.

Osaka, cabeça 4, de quebra foi alçada ao posto de número um do mundo no ranking da WTA.

 

Poucos meses depois de uma final das mais históricas, pelos motivos errados, de Grand Slam, em que derrotou Serena Williams no US Open, quando a tenista american perdeu pontos por ofender o juiz, se sentiu prejudicada, chorou em quadra, perdeu a compostura e fez Osaka perder o grande momento, enfim a jovem japonesa pôde sentir o gostinho de uma vitória de um torneio desta magnitude.

No entanto, no discurso de campeã, ao erguer o trofeu, a Daphne Ahkhurst Memorial Cup, Osaka parecia sofrer mais para falar diante do público do que para fechar os match points que teve durante a partida. O público pareceu entender. Ela tem apenas 21 anos de idade e mesmo cheia de graça, ainda está se acostumando a viver diante dos holofotes do mundo.

Kvitova, por outro lado, emocionou a todos ao dizer que o trofeu de vice era praticamente o trofeu de campeã para ela. Foi às lágrimas ao agradecer a equipe “por ter ficado com ela, mesmo quando não sabiam se voltaria a segurar uma raquete novamente.”

Uma final emotiva e uma nova número um para a WTA, uma número um jovem, com potencial para atrair novos fãs para o esporte.

Diana Gabanyi

Foto – Getty Images Cameron Spencer

Djokovic não dá chances ao francês Pouille e marca grande final de Melbourne contra Nadal

Mais uma vez, Novak Djokovic e Rafael Nadal farão a grande final masculina do Australian Open, primeiro Grand Slam da temporada, disputado no piso duro de Melbourne.

Depois da grande atuação do espanhol na quinta-feira, passando com facilidade pelo grego Stefanos Tsitsipas na semifinal, o sérvio deu sua resposta nesta sexta-feira e não deu chances ao francês Lucas Pouille, perdeu apenas 2 games e venceu com parciais de 6/0 6/2 e 6/2.

Com isso, Djokovic garantiu seu lugar na final em Melbourne pela sétima vez na carreira e, em todas as outras, saiu com o título. A épica final de 2012, contra o mesmo Nadal, em jogo de quase 6 horas de duração.

Esse foi, inclusive, o confronto mais recente entre eles em Melbourne, em uma longa lista de partidas entre eles, com 52 jogos, sendo 27 vitórias do atual nº 1 do mundo.

Nadal chega à decisão teoricamente mais descansado, pois não perdeu um único set ao longo do torneio e jogou a semi um dia antes do sérvio, mas este, por sua vez, perdeu apenas um parcial – nas oitavas, para o russo Daniil Medvedev – e nas quartas viu o japonês Kei Nishikori abandonar a partida ainda no meio do segundo set.

Sem dúvida, será uma grande final no domingo. Dois jogadores em forma, descansados e jogando um nível de tênis de outro mundo. Sem favoritismo, mas com muita qualidade. Vale a pena acompanhar.

A decisão está marcada para às 06:30hs de domingo, no horário de Brasília.

Foto: Ben Solomon/Tennis Australia

Nadal joga muito, aplica pneu em Tsitsipas e chega à final em Melbourne sem perder set

Ratificando seu excelente momento, Rafael Nadal chegou à final do Australian Open, primeiro Grand Slam da temporada, disputado no piso duro de Melbourne.

Em um dia de muito calor na cidade australiana, o espanhol não deu chances ao grego Stefanos Tsitsipas, vencendo em sets diretos e perdendo apenas 6 games, fechando a partida com parciais de 6/2 6/4 e 6/0.

Com isso, ele vai à final em Melbourne pela 5ª vez na carreira, sendo que neste ano ele não perdeu um único game, apresentando uma ótima forma física e técnica.

Na grande final do próximo domingo, Nadal aguarda o vencedor da partida entre o sérvio Novak Djokovic e o francês Lucas Pouille, que jogam na manhã desta sexta-feira, no horário de Brasília, em um confronto que será inédito.

Foto: Ben Solomon/Tennis Australia

Osaka e Kvitova se enfrentam pelo títiulo em Melbourne e pelo topo do ranking

Que grande final terá a chave feminina do Australian Open, primeiro Grand Slam da temporada, disputado no piso duro de Melbourne.

A primeira classificada para a decisão foi a tcheca Petra Kvitova, que volta a jogar um grande tênis depois de todo drama que passou em sua carreira, com o a facada que levou na mão em um assalto, cirurgia e o risco de não voltar a jogar em alto nível.

Porém, Kvitova superou isso tudo. Em Melbourne, além disso, superou seis adversárias, a mais recente, na final, um surpreendente norte-americana, Danielle Collins, que havia eliminado a alemã Angelique Kerber em apenas dois sets e que estava bem confiante.

A ex-nº 2 do mundo foi firme, passou por um primeiro set equilibrado e depois se impôs, fechando a partida com parciais de 7/6(2) e 6/0.

Bicampeã de Wimbledon, Kvitova terá a chance de voltar aos títulos de um dos maiores torneios da temporada.

Sua adversária será Naomi Osaka, que fez uma semana com altos e baixos, saindo do buraco em alguns jogos e evoluindo ao longo do torneio.

Na semi, a japonesa, campeã do US Open no ano passado, superou a tcheca Karolina Pliskova, que não conseguiu impor seu saque como de costuma e viu a jogadora asiática crescer nas devoluções.

No final, vitória de Osaka em três parciais, com parciais de 6/2 4/6 e 6/4, garantindo seu lugar na decisão que será disputada no sábado de manhã, no horário de Brasília.

A partida entre elas, inédita no circuito, terá um ingrediente a mais: A campeã em Melbourne se tornará também, pela primeira vez, no caso de ambas, a nº 1 do mundo na segunda-feira seguinte.

Foto: Ben Solomon/Tennis Australia

Pouille vence Raonic, faz sua melhor campanha em Slam e desafia Djokovic

Foi definida nesta quarta-feira a segunda semifinal masculina do Australian Open, primeiro Grand Slam da temporada, disputado no piso duro de Melbourne.

Na primeira partida do dia, Milos Raonic tinha todo favoritismo diante de Lucas Pouille. A atuação anterior, contra Alexander Zverev, e o histórico favorável ao canadense deixava esse favoritismo mais evidente.

Porém, isso ficou fora da quadra. O francês dominou a partida e teve até chances de encerrar a disputa em sets diretos, mas triunfou por 3×1, com parciais de 7/6(4) 6/3 6/7(2) e 6/4.

Pouille faz sua melhor campanha da carreira em um Slam e terá um dos maiores desafios ao enfrentar Novak Djokovic.

O sérvio praticamente não teve dificuldade diante do Kei Nishikori, que não tinha condições físicas de competir e abandonou a partida quando perdia por 6/1 4/1. Vale lembrar, o japonês vinha de um jogo de mais de cinco horas de duração nas quartas de final.

Djokovic e Pouille farão um confronto inédito na semi.

Foto: Ben Solomon/Tennis Australia

Bellucci vence outra e vai às 8ªs em Newport Beach. Monteiro bate Feijão no Uruguai

Thomaz Bellucci conseguiu sua segunda vitória seguida no Challenger de Newport Beach, nos Estados Unidos, que é disputado no piso duro.

Nesta terça-feira, o brasileiro passou bem pelo alemão Dominik Koepfer, em sets diretos, com um duplo 6/4, conquistado sua vaga nas oitavas de final do torneio.

Agora, por vaga nas quartas de final, ele terá um desafio que deve ser mais duro pela frente, já que enfrenta o sérvio Miomir Kecmanovic, nº 125 do mundo e cabeça de chave nº 7. Os dois já se enfrentaram duas vezes, ambos no ano passado e em Challengers, com Bellucci vencendo em Tallahassee e Kecmanovic levando a melhor em Lisboa.

Já no Challenger de Punta del Este, no Uruguai, disputado no saibro, Thiago Monteiro levou a melhor no confronto nacional contra João Souza, ao triunfar com parciais de 7/6(6) 6/2 e garantindo sua vaga nas oitavas para enfrentar na quinta-feira o chileno Gonzalo Lama, que superou o brasileiro nas duas partidas disputadas entre eles até o momento.

Também no Uruguai, Pedro Sakamoto perdeu na primeira rodada para o argentino Matias Descotte, com parciais de 6/4 e 6/1,

Para esta quarta-feira está marcada a estreia de Rogério Dutra Silva, o Rogerinho, já na segunda rodada, enfrentando o colombiano Alejandro Gonzalez, nº 326 da ATP. Os dois já se enfrentaram cinco vezes, com três vitórias de Gonzalez.

No Challenger de Burnie, na Austrália, disputado no piso duro, Guilherme Clezar parou na primeira rodada diante do local Jeremy Beale, que venceu por 6/2 e 6/4.