Melo e Kubot ficam com o vice-campeonato do Masters 1000 de Indian Wells

Marcelo Melo e Lukasz Kubot são vice-campeões do Masters 1000 de Indian Wells, nos Estados Unidos. Neste sábado (16), a dupla cabeça de chave número 6 disputou a final diante croata do Nikola Mektic e do argentino Horacio Zeballos, que marcaram 2 sets a 1, parciais de 4/6, 6/4 e 10-3, em 1h28min, para ficar com o título. Esta foi a 14ª final de Masters 1000 da carreira de Marcelo – a sexta ao lado de Kubot. Com o vice, aparecerá no próximo ranking mundial individual de duplas da ATP como sexto do mundo. Kubot será quinto. Melo e Kubot já tinham sido finalistas em Indian Wells em 2017. Na próxima semana, a partir do dia 20, jogarão em Miami (EUA) o segundo Masters 1000 do ano.

Melo e Kubot encerram o Masters 1000 de Indian Wells com um balanço muito positivo, apesar de não terem conquistado o título. Foram quatro vitórias, com atuações de destaque, confiança e concentração nos momentos decisivos para chegar à final, superando quatro match tie-breaks. Um deles na semifinal, na sexta-feira (15), diante do número 1 do mundo em simples, o sérvio Novak Djokovic, e o italiano Fabio Fognini.

Neste sábado, diante de Mektic e Zeballos, começaram a partida com uma quebra, fazendo 1/0. Os adversários devolveram na sequência, 1-1. Mas, Melo e Kubot, com mais um break, marcaram 3-2, abriram 4-2, e fecharam em 6/4. O segundo set foi muito equilibrado. E os adversários conseguiram o break em um momento que não permitiu nenhuma reação, no décimo game, quando venciam por 5/4, marcando 6/4 para igualar o jogo e levar para o match tie-break. Nas quatro partidas anteriores em Indian Wells, Melo e Kubot garantiram a vitória com ótimas atuações no match tie-break. Mas, desta vez, o domínio foi todo de Mektic e Zeballos, que em nenhum momento estiveram ameaçados, fechando em 10-3 para comemorar o título.

“Infelizmente, não deu aqui hoje (sábado). Eles jogaram melhor a partir do segundo set. Começamos bem o jogo, mas depois foram melhores. E o Zeballos realmente fez a diferença no match tie-break, jogando muito bem. Mereceram a vitória. Tiveram uma chave incrivelmente dura. A gente fez o que pode, mas não deu”, disse Melo.

“Da mesma maneira, saímos felizes com o resultado, eu voltando a jogar bem, com a final de Masters Series. Agora é aproveitar essa confiança em Miami e para o resto da temporada. Saber que estamos jogando nosso alto nível novamente. Vitórias e derrotas acontecem e a cabeça está tranquila de que fizemos uma excelente semana, e saímos daqui somente com coisas positivas para frente”, afirmou. “E quero agradecer aos que torceram por mim, que me acompanham no Brasil e que estavam aqui. Muito obrigado pelo apoio. Gosto muito de Indian Wells, um dos melhores lugares para se jogar”, completou Marcelo, que já segue para Miami neste domingo (17).

Foto: MichaelCummo/BNPParibasOpen

Melo e Kubot derrotam Djokovic e Fognini e disputam a segunda final em Indian Wells

Marcelo Melo e Lukasz Kubot vão em busca de seu primeiro título no Masters 1000 de Indian Wells e na temporada 2019. Nesta sexta-feira (15), a dupla – cabeça de chave número 6 – derrotou o número 1 do mundo em simples, o sérvio Novak Djokovic, e o italiano Fabio Fognini, na semifinal do torneio: 2 sets a 1, parciais de 7/6 (7-5), 2/6 e 10-6,  em  1h40min, comemorando a vaga na decisão. Neste sábado (16), às 21h (horário de Brasília), com transmissão do SporTV 3, Melo e Kubot enfrentam o croata Nikola Mektic e o argentino Horacio Zeballos. É a segunda vez que a dupla chega à final em Indian Wells – foram vice em 2017.

“Muito contente com a atuação de novo hoje (sexta). Conseguimos ser agressivos e jogar de maneira consciente nos momentos importantes. O fato de jogarmos tanto tempo juntos fez a diferença no match tie-break, apesar de estarmos jogando contra dois excelentes simplistas, especialmente o Djokovic. Sabemos que ele tem muita confiança, mas conseguimos nos sobressair e fazer um belo jogo. Isso é muito importante para nós. Agora é ir com tudo nessa final”, explicou Marcelo.

Melo e Kubot começaram o jogo com uma quebra, logo no primeiro game. Quando venciam por 5/4, viram os adversários conseguirem o break e empatarem em 5/5, com a definição indo depois para o tie-break, quando saíram de uma desvantagem de 4-1 para empatar e vencer por 7-5, fechando o set em 7/6 (7-5). Na segunda série, quem saiu na frente, com um break, foram Djokovic e Fognini, que na sequência abriram 2/0 e, com mais uma quebra, no quinto game, fizeram 4/1 para vencer o set por 6/2 e levar a decisão para o match tie-break. Aí, mais uma vez com muita confiança, como nas outras três partidas em Indian Wells, Melo e Kubot ganharam por 10-6, garantindo vaga na final.

Melo e Kubot estão nas quartas de final do Masters 1000 de Indian Wells

A dupla Marcelo Melo e Lukasz Kubot – cabeça de chave número 6 –  avançou na madrugada desta segunda-feira (11) às quartas de final do Masters 1000 de Indian Wells, nos Estados Unidos. Para comemorar a segunda vitória no  torneio e na temporada, Melo e Kubot passaram pelo norte-americano Taylor Fritz e o australiano Nick Kyrgios por 2 sets a 1, parciais de 6/4, 1/6 e 10-8, em 1h13min. Na próxima rodada, valendo vaga nas semifinais, enfrentarão os vencedores da partida entre os  irmãos Bryan, Bob e Mike, e Dominic Inglot (Grã-Bretanha) / Franko Skugor (Croácia), programada para esta segunda-feira.

“Muito feliz, novamente, com mais uma vitória aqui em Indian Wells. Um jogo duríssimo que caiu para o nosso lado. Muitos detalhes. E o importante foi mantermos a calma, depois de não ter jogado tão bem o segundo set como o primeiro. Saber que estávamos no jogo ainda e começar bem o match tie-break foi muito importante para nós. A chave foi manter a tranquilidade e saber que precisávamos usar toda a nossa experiência e o fato de jogar junto para levar o jogo. Então ficamos muito felizes e agora é preparar para a próxima rodada”, disse Melo.

Melo e Kubot conseguiram a quebra de saque no sétimo game do primeiro set, marcando 4/3 e, na sequência, abriram 5/3, fechando a série em 6/4, após 33 minutos, para sair na frente no jogo. No segundo set, os adversários  fizeram 3/1, com um break no quarto game e, com mais uma quebra, 5/1. Aí confirmaram o serviço e venceram por 6/1, em 24 minutos, para empatar a partida e levar a decisão para o match tie-break. Como na estreia, na sexta-feira (8), mais uma vez Melo e Kubot não se abalaram com a derrota no segundo set e buscaram a reação, mantendo a confiança e a tranquilidade, marcando 10-8 para comemorar a vaga nas quartas de final.

Soares e Murray perdem na estreia em Indian Wells. Melo busca quartas neste domingo

Bruno Soares foi superado na primeira rodada do Masters 1000 de Indian Wells, que é disputado no piso duro norte-americano.

Na noite deste sábado, o brasileiro e seu parceiro, o britânico Jamie Murray, perderam para a dupla formada pelo indiano Rohan Bopanna e o canadense Denis Shapovalov, com um duplo 6/4.

Neste domingo, pelas oitavas de final, quem entra em quadra é Marcelo Melo. O mineiro e o polonês Lukasz Kubot terão pela frente a parceria formada pelo norte-americano Taylor Fritz e o australiano Nick Kyrgios.

Melo e Kubot vencem na estreia do Masters 1000 de Indian Wells

Marcelo Melo e Lukasz Kubot comemoraram nesta sexta-feira (8) a vitória na estreia do Masters 1000 de Indian Wells, nos Estados Unidos. Pela primeira rodada do torneio, a dupla – cabeça de chave número seis – derrotou o holandês Wesley Koolhof e o grego Stefanos Tsitsipas por 2 sets a 1, parciais de 7/6 (7-1), 6/7 (1-7) e 10-5, em 2h12min. Agora, nas oitavas de final, em busca da segunda vitória no torneio e na temporada 2019, terão pela frente os ganhadores da partida entre Steve Johnson (EUA) / Dominic Thiem (Áustria) e Taylor Fritz (EUA) / Nick Kyrgios (Austrália), programada também para esta sexta-feira.

“Eu e o Lukasz estamos bem felizes com a vitória hoje (sexta). Acho que foi resultado do treinamento que a gente vem fazendo em todos os torneios, independente de ganhar ou perder. E hoje jogamos muito bem. O Tsitsipas vem em segundo no Race de simples (ranking da Corrida para Londres). Então está com extrema confiança. Poder ganhar um jogo desse, ele junto com outro duplista, foi muito bom. Um belo jogo. Conseguimos executar muito bem. Um bom começo e é seguir jogando assim, que temos boas chances de passar pela próxima. Mas como sempre falo, vamos jogo a jogo, focados aqui”, explicou Marcelo.

O primeiro set começou com uma quebra de Koolhof e Tsitsipas logo no game inicial. Mas, Melo e Kubot devolveram o break na sequência, deixando tudo igual. A partir daí, muito equilíbrio, com as duas duplas mantendo seus serviços. No décimo segundo game, quando venciam por 6/5, Melo e Kubot tiveram nova chance de quebra, desta vez para fechar a série, com quatro set points. Mas, os adversários buscaram e empataram em 6/6. A oportunidade perdida não abalou Melo e Kubot que foram com tudo para o tie-break, dominando totalmente para marcar 7-1 e fechar o primeiro set em 7/6 (7-1), depois de quase uma hora de jogo.

No segundo set, após a partida seguir empatada até 4/4, Melo e Kubot conseguiram o break para marcar 5/4 e sacar para a vitória. Mas, como na primeira série, Koolhof e Tsitsipas foram em busca do empate, desta vez com a quebra, deixando tudo igual novamente e levando a definição para mais um tie-break. Aí, o domínio foi dos adversários, que devolveram o placar do primeiro set, fechando em 7/6 (7-1) para decidir o jogo no match tie-break.

Mas, a perda do segundo set não abalou a dupla Melo e Kubot. Mostrando concentração e confiança, foram para o match tie-break: saíram na frente, estiveram sempre em vantagem e fecharam em 10-5 para avançar às oitavas de final em Indian Wells.

Melo e Kubot estreiam nesta sexta-feira no Masters 1000 de Indian Wells

O mineiro Marcelo Melo e o polonês Lukasz Kubot estreiam nesta sexta-feira (8) no primeiro Masters 1000 da temporada 2019, que está sendo disputado em Indian Wells, nos Estados Unidos. Cabeças de chave número seis, Melo e Kubot enfrentam, pela primeira rodada, o holandês Wesley Koolhof e o grego Stefanos Tsitsipas.

Nesta temporada 2019, Melo e Kubot jogaram dois ATP 500, em Roterdã (Holanda) e Acapulco (México). Agora, iniciam o torneio, na Califórnia, disputando na sequência mas dois Masters 1000: a partir do dia 20 deste mês, em Miami, na Flórida, e, depois, em abril, no dia 14, em Monte Carlo (Mônaco).

“Foco total nesta estreia de amanhã (sexta) em Indian Wells, buscando nossa primeira vitória no Masters 1000 nesta temporada”, afirma Marcelo.

No ano passado, Melo e Kubot pararam na primeira rodada em Indian Wells. Em 2017, foram vice-campeões. Melo é o atual número 12 do ranking mundial individual de duplas da ATP, com 4.840 pontos. Kubot está em oitavo lugar, com 5.110 pontos.

Bellucci e Rogerinho eliminam Marcelo e Bruno e disputam vaga na final de duplas

Thomaz Bellucci e Rogério Dutra Silva surpreenderam Marcelo Melo e Bruno Soares, dupla cabeça-de-chave número 1, nesta quinta-feira, e garantiram vaga na semifinal do Rio Open. Bellucci e Rogerinho venceram Marcelo e Bruno por 6/2, 6/7 (6) e 10/5, e enfrentarão na semifinal, nesta sexta, no segundo jogo da quadra 1, o argentino Andres Molteni e o tcheco Roman Jebavy. Eles derrotaram o brasileiro Marcelo Demoliner e o dinamarquês Frederik Nielsen por 3/6, 6/4 e 10/3.

“Estamos bem contentes com a vitória, temos menos responsabilidade por sermos jogadores de simples e hoje deu tudo certo, fomos superiores a maior parte do jogo”, disse Bellucci.

Marcelo e Bruno, campeões de Grand Slam e que ainda não venceram no Rio, reconheceram a superioridade de Bellucci e Rogerinho. “Parece o fim do mundo quando perdemos, mas jogo de duplas é decidido em detalhes, e eles foram melhor hoje. Temos que olhar as coisas positivas, o momento especial de jogarmos juntos aqui, termos contato com a torcida, ver a quadra cheia”, disse Marcelo.

Na outra semifinal, os colombianos Juan Sebastian Cabal e Robert Farah, campeões em 2014 e 2016, enfrentarão, às 15h, na quadra 1, a parceria formada pelo chileno Nicolas Jarry e pelo argentino Maximo Gonzalez. Cabal e Farah venceram os britânicos Luke Bambridge e Jonny O’Mara por 6/2 e 6/3. Jarry e Gonzalez derrotaram o croata Nikola Mektic e o argentino Horacio Zeballos por 4/6, 7/6 (5) e 12/10.

Foto: Fotojump

Bruno Soares e Marcelo Melo jogam juntos no Rio Open

Dois dos maiores nomes da história do tênis brasileiro, Marcelo Melo e Bruno Soares, disputarão juntos a sexta edição do Rio Open apresentado pela Claro, que acontece de 16 a 24 de fevereiro, no Jockey Club Brasileiro. Os mineiros, campeões de sete Grand Slams no total, estão entre os destaques em line-up que também apresenta os colombianos Juan Sebastian Cabal e Robert Farah, bicampeões do torneio, além do brasileiro Marcelo Demoliner que jogará com o dinamarquês Frederik Nielsen. Com valores a partir de R$ 30, os ingressos estão à venda pelo site tudus.com.br/rioopen.

Tanto o britânico Jamie Murray quanto o polonês Lukasz Kubot, respectivos parceiros de Soares e Melo no circuito, não poderão viajar nesta data, o que possibilitou a retomada da parceria semifinalista do torneio em 2016. “Foi uma boa coincidência nossos parceiros não conseguirem vir ao Brasil este ano. O Jamie estava programado para vir, mas teve um problema pessoal e não poderá estar no Rio. A torcida que sempre marca forte presença em nossos jogos terá novamente uma dupla brasileira para torcer e quem sabe dar uma força extra para a gente buscar o nosso primeiro título do Rio Open e o primeiro título do Brasil no torneio”, disse Soares, campeão no início desta temporada em Sydney, na Austrália, com Murray.

Melo fez no último final de semana de Copa Davis a sua primeira apresentação desde que se recuperou da lesão muscular nas costas. O ex-número 1 do mundo tem boas expectativas para jogar ao lado de Soares, com quem soma 4 títulos na ATP. “Será um momento especial jogar mais uma vez o Rio Open com o Bruno. Tenho certeza que os torcedores ficarão felizes em poder nos ver jogando lado a lado mais uma vez”, afirma o tenista, que foi finalista do torneio em 2014, em parceria com o espanhol David Marrero. Antes de embarcar para o Rio de Janeiro, Melo ainda disputará o ATP 500 de Roterdã, na Holanda, com Kubot.

“É um privilégio para o Rio Open, ter o Marcelo e o Bruno jogando juntos. Eles são os principais expoentes do tênis nacional no circuito, são campeões de sete Grand Slams e é uma rara oportunidade da torcida poder ver essa dupla em ação no Brasil,” disse Luiz Carvalho, diretor do Rio Open.

Com o Brasil em busca do primeiro título no Rio Open, quem também disputará a competição é Marcelo Demoliner. O gaúcho, que conquistou seu primeiro título de ATP em 2018, virá ao Rio Open com seu novo parceiro de circuito, o dinamarquês Frederik Nielsen, campeão de Wimbledon em 2012.  Demoliner participou de todas as edições do torneio carioca, tendo como seu melhor resultado a semifinal em 2016, com o compatriota Thomaz Bellucci.

A chave também contará com os colombianos Juan Sebastian Cabal e Robert Farah, bicampeões do Rio Open. A dupla, que foi finalista no Australian Open em 2018 e o segundo melhor time da última temporada, volta ao Rio de Janeiro para tentar o tricampeonato no maior torneio de tênis da América do Sul. O espanhol Marc Lopez, campeão de Roland Garros em 2016 (com Feliciano Lopez) e medalhista de ouro nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro (com Rafael Nadal), e o uruguaio Pablo Cuevas, campeão de Roland Garros em 2008 (com Luis Horna), completam os destaques da chave de duplas.

Além das 11 vagas anunciadas, outras cinco serão preenchidas, sendo duas on-site, outras duas por convites da organização e a última por meio do qualifying.

A sexta edição do maior torneio de tênis da América do Sul terá entre os seus destaques as presenças do austríaco Dominic Thiem, número 8 do mundo, do argentino Diego Schwartzman, atual campeão do Rio Open, do italiano Fabio Fognini, top 15 do ranking, além dos brasileiros Thiago Monteiro e Thiago Wild, ambos garantidos na chave principal, enquanto Rogério Dutra Silva e Thomaz Bellucci estão confirmados para a disputa no quali.

DUPLAS

Marcelo Melo e Bruno Soares (BRA/BRA)

Juan Sebastian Cabal e Robert Farah (COL/COL)

Nikola Mektic e Horacio Zeballos (CRO/ARG)

Pablo Carreno Busta e João Sousa (ESP/POR)

Marco Cecchinato e Dusan Lajovic (ITA/SRB)

Austin Krajicek e Artem Sitak (EUA/NZL)

Pablo Cuevas e Marc Lopez (URU/ESP)

Maximo Gonzalez e Nicolas Jarry (ARG/CHI)

Malek Jaziri e Leonardo Mayer (TUN/ARG)

Luke Bambridge e Jonny O’Mara (GBR/GBR)

Marcelo Demoliner e Frederik Nielsen (BRA/DIN)

CAMPEÕES

2018 – David Marrero e Fernando Verdasco (ESP/ESP)

2017 – Pablo Cuevas e Pablo Carreño Busta (URU/ESP)

2016 – Juan Sebastian Cabal e Robert Farah (COL/COL)

2015 – Martin Klizan e Philipp Oswald (ESV/AUT)

2014 – Juan Sebastian Cabal e Robert Farah (COL/COL)

Foto: João Pires

Depois da vitória da Bélgica em Uberlândia, João Zwetsch não é mais o capitão do Brasil na Davis

Mesmo com uma equipe reserva, os belgas levaram a melhor e eliminaram o Brasil no qualifying do Grupo Mundial da Copa Davis.

Neste sábado, no ginásio Sabiazinho, em Uberlândia, a equipe nacional sofreu uma dura derrota com os duplistas Bruno Soares e Marcelo Melo, que foram surpreendidos por Sander Gille e Joran Vliegen, que triunfaram com parciais de 6/4 e 7/6(4).

Depois, Thiago Monteiro não se encontrou diante de Kimmer Coppejans, que anotou 6/3 e 6/4, fechando o confronto para os visitantes por 3×1.

Neste domingo, a Confederação Brasileira de Tênis informou que João Zwetsch não ocupará mais a função de capitão. Ele colocou o cargo à disposição na noite do dia 02/02. “Eu e a CBT já vínhamos conversando sobre esse ciclo e no meu entendimento chegou o momento de fechamento”, avaliou Zwetsch.

“Foi um ciclo importante, que abrangeu várias gerações de atletas, um ciclo de aglutinação de jogadores, com grandes momentos como a vitória do Brasil sobre a Espanha, com a participação no Grupo Mundial da competição. Toda a equipe possui muito respeito com o trabalho desenvolvido pelo João, que sempre priorizou um clima de parceria e respeito na equipe, dentro e fora das quadras”,  salientou Westrupp.

“Gostaria de agradecer a confiança depositada em mim, primeiramente pelo Jorge Lacerda e depois por Rafael Westrupp. Também agradecer a todos os profissionais que estiveram comigo nesse desafio, o técnico Daniel Melo, o preparador físico Eduardo Faria, os médicos Ricardo Diaz e Gilbert Bang, os fisioterapeutas Paulo Roberto Santos e Otávio Kiefer. Agradecer aos atletas que passaram pela equipe brasileira enquanto estive nela. Vivi momentos de muito crescimento com cada um da equipe”, falou João.

O próximo confronto da equipe brasileira na Copa Davis será no mês de setembro e até lá será definido o próximo capitão.

Foto: Luiz Cândido/CBT

Brasil e Bélgica no 1ª dia da Davis, que teve homenagem ao mineiro Marcelo Melo

Bastou uma hora e sete minutos para que Thiago Monteiro vencesse o belga Arthur de Greef, 202o do mundo, no primeiro jogo do confronto da Copa Davis by BNP Paribas, na cidade de Uberlândia (MG). Com parciais de 6/3, 6/2, o cearense canhoto, número 107o do mundo, levantou a torcida que acompanhou o primeiro dia de confronto entre Brasil e Bélgica, na Arena Sabiazinho. “Vim de uma fase boa, gosto muito das condições da quadra, com um pouco de altura, um pouco mais rápido, no saibro. Consegui executar um jogo que eu gosto, sacar muito bem, a torcida ajudou! Estou muito feliz com esse resultado!” ressaltou Thiago Monteiro.

O paulista Rogério Dutra Silva, 139o do mundo, lutou até o final, empurrado pela torcida brasileira, mas acabou superado pelo número 1 da Bélgica, Kimmer Coppejans, 195o colocado, por duplo 6/4. Mas o raquete 2 do Brasil garantiu que está preparado e confiante para fazer o quinto jogo contra De Greef, caso seja necessário. “Não tive um dia feliz, não me encontrei em quadra, faltou um pouquinho de sorte também. Infelizmente, não foi como planejamos, mas temos que manter a cabeça erguida, estamos na luta ainda. Logicamente ninguém gosta de perder, mas agora é olha para a frente, torcer para a dupla amanhã e, se precisar entrar em quadra de novo, vou entrar a mil por hora denovo e vou lutar até o último minuto”, assegurou Rogerinho.

Apesar de não entrar em quadra, o mineiro Marcelo Melo, número 12 do mundo em duplas, foi o grande homenageado do dia, recebendo um troféu de cristal do “Commitment Award” da ITF (Federação Internacional de Tênis) pela quantidade de participações na Copa Davis, sendo homenageado em quadra pelo representante da ITF, Ricardo Aguirre e pelo presidente da Confederação Brasileira de Tênis, Rafael Westrupp.

O duplista vestiu a camisa verde e amarela em 21 partidas, vencendo 17 de duplas e uma de simples. Desde 2008 Marcelo participa de confrontos da Copa Davis. Essa foi mais uma conquista de Marcelo, que em 2018 passou a ser o tenista brasileiro com maior número de semanas no topo do ranking mundial, 56 semanas, e o jogador nacional que mais disputou o ATP Finals. “Fiquei muito feliz de ter recebido. Todos sabem quanto é importante essa competição para nós tenistas. Então ser reconhecido foi muito legal, especialmente estando jogando em casa. Muito obrigado à ITF, à CBT e aos que fizeram essa homenagem. Foi muito gratificante. Agora é focar na dupla amanhã (sábado)”, afirmou Marcelo.

 

 

Amanhã ele entra em quadra juntamente com o também mineiro Bruno Soares, número 7 do mundo em duplas, no terceiro jogo do confronto e buscando colocar o Brasil em vantagem. Eles jogam contra a dupla belga formada por Sander Gille, número 83 do mundo em duplas, e Joran Vliegen, número 86 do mundo.

 

 

Ainda acontecem mais dois jogos de simples neste sábado, com Thiago Monteiro jogando contra Kimmer Coppejans e com Rogério Dutra Silva contra Arthur De Greef. Entre o jogo de duplas e o de simples haverá outra homenagem do “Commitment Award” da ITF. Desta vez para o brasileiro Tomas Koch, que disputou nada menos do que 74 partidas de Copa Davis, vencendo 44 delas, entre duplas e simples.