Sérvio Djere surpreende Auger-Aliassime e conquista o título do Rio Open

Com uma bela campanha, sem perder set, o sérvio Laslo Djere conquistou neste domingo o título da sexta edição do Rio Open, ATP 500 disputado no saibro da capital carioca.

Neste domingo, o sérvio mostrou muita eficiência e poucos erros pra superar o talentoso canadense Felix Auger-Aliassime, em sets diretos, com parciais de 6/3 e 7/5.

Djere começou muito bem a partida, se defendendo com eficiência e sendo agressivo, abrindo vantagem de 4/1 antes de fechar a parcial.

No segundo set, Auger-Aliassime chegou a abrir 2/0, mas jogou um game ruim com vantagem de 3/2, mesmo abrindo 40/0, cometendo 3 duplas faltas e sendo quebrado.

Depois, Djere chegou a desperdiçar 4 match points, antes de conseguir a quebra de saque decisiva pra garantir seu primeiro título de ATP, sendo logo um 500, o primeiro de um sérvio desde Novak Djokovic.

Foto: Fotojump

Gonzalez e Jarry vencem Bellucci e Rogerinho e conquistam título de duplas

O argentino Maximo Gonzalez e o chileno Nicolas Jarry venceram os brasileiros Thomaz Bellucci e Rogério Dutra Silva por 2 sets a 1, com parciais de 6/7 (3), 6/3 e 10/7, neste sábado, e conquistaram o título de duplas do Rio Open apresentado pela Claro. A premiação pela conquista foi de R$ 440.572. Os vice-campeões ficaram com R$ 215.650.

Foi a segunda vez que o Brasil teve representantes na final do torneio. Marcelo Melo e o espanhol David Marrero foram vice-campeões em 2014.

No caminho para o título, Gonzalez e Jarry eliminaram a dupla cabeça de chave número 2, formada por Juan Sebastian Cabal e Robert Farah, campeã em 2014 e 2016. Foi o sexto título da carreira de Gonzalez nas duplas, e o segundo de Jarry, mas o primeiro dos dois juntos. No ano passado, o chileno foi semifinalista nas simples. “Não é fácil jogar com a torcida contra, mas conseguimos nos manter concentrados para buscar a vitória”, disse o chileno, que vem jogando com Gonzalez há um ano. “Estamos muito felizes com a conquista, e espero continuarmos jogando juntos. Vencemos um ATP 500, o próximo pode ser um Masters 1000 e quem sabe um Grand Slam”, brincou Gonzalez.

Os brasileiros lamentaram a derrota em casa, que teve quadra cheia para a decisão, com clima de Copa Davis. “Foi frustrante perder em casa, com toda a torcida nos apoiando, mas a derrota não pode apagar a boa semana que tivemos aqui. Não jogamos tão bem como nas outras partidas e sentimos um pouco a pressão pela ansiedade de buscar a vitória em casa”, disse Bellucci. Os brasileiros ganharam convite da organização e eliminaram na semifinal Melo e Bruno Soares, dupla cabeça-de-chave número 1.

 

CAMPEÕES CHAVE DE DUPLAS DO RIO OPEN:

2019 – Maximo Gonzalez (ARG)/Nicolas Jarry (CHI)

2018 – Fernando Verdasco (ESP)/David Marrero (ESP)
2017 – Pablo Carreño Busta (ESP)/Pablo Cuevas (URU)
2016 – Juan Sebastian Cabal (COL)/Robert Farah (COL)
2015 – Philipp Oswald (AUT)/Martin Klizan (SVK)
2014 – Juan Sebastian Cabal (COL)/Robert Farah (COL)

Foto: Fotojump

Talentoso e carismático Auger-Aliassime bate Cuevas e faz sua 1ª final de ATP no Rio Open

Depois de Laslo Djere, que já havia garantido sua vaga na decisão, Felix Auger-Aliassime se garantiu na grande final do Rio Open, ATP 500 disputado no saibro da capital carioca.

Neste sábado, diante do experiente Pablo Cuevas, o jovem canadense não se intimidou e usou seus melhores golpes, principalmente seu bom saque e forte backhand pra triunfar com parciais de 6/3 3/6 e 6/3.

Tanto Djere, nº 90 do mundo, quanto Auger-Aliassime, nº 104 da ATP, vão jogar sua primeira final de torneio ATP, no que será o primeiro confronto entre eles.

Ambos também já garantiram seu melhor ranking da carreira com o resultado no Rio, já que o sérvio vai entrando no top-50 e o canadense vai garantindo um lugar no top-60 da ATP.

Foto: Fotojump

Bedene sente lesão na perna direita e Djere avança à final do Rio Open

O esloveno Aljaz Bedene sentiu uma lesão na perna direita e não poderá disputar a semifinal do Rio Open apresentado pela Claro, programada para este sábado, no Jockey Club Brasileiro. Com isso, o sérvio Laslo Djere garantiu a vaga na grande final deste domingo, a primeira dele em um torneio nível ATP 500.

“Eu senti dores na perna direita um dia antes da minha estreia no Rio Open. Na partida de ontem (contra o boliviano Hugo Dellien), dei um pique e a dor piorou”, explicou Bedene. “Estava ansioso para o confronto contra Djere, depois de bons jogos que fiz na gira sul-americana, e estava gostando de jogar no Rio. Sinto por ter que me retirar da partida, peço desculpas para meus fãs e agradeço o apoio que recebi nesta semana. Espero voltar a jogar no Rio Open.”

A outra semifinal, entre a sensação do torneio, o canadense Felix Auger-Aliassime, e o uruguaio Pablo Cuevas, campeão de 2016, será neste sábado, às 18h. Na sequência, os brasileiros Thomaz Bellucci e Rogério Dutra Silva disputam o título de duplas contra o argentino Maximo Gonzalez e o chileno Nicolas Jarry.

Foto: Fotojump

Next Gen Auger-Aliassime enfrenta Cuevas na semi do Rio Open, bucando sua 1ª final de ATP

O Rio Open apresentado pela Claro será palco de um confronto de gerações na semifinal. O canadense Felix Auger-Aliassime, uma das grandes promessas do circuito, enfrenta o experiente uruguaio Pablo Cuevas, campeão da edição 2016, neste sábado, no segundo jogo da rodada que começa às 17h, no Jockey Club Brasileiro. O jovem de 18 anos busca alcançar sua primeira final da carreira em um torneio nível ATP. Na outra semifinal, às 17h, o sérvio Laslo Djere enfrentará o esloveno Aljaz Bedene. Os ingressos do Rio Open podem ser adquiridos em tudus.com.br/rioopen .

Nesta sexta, Auger-Aliassime venceu o espanhol Jaume Munar por 2 sets a 0, com parciais de 6/4 e 6/3, no duelo entre dois tenistas Next Gen da ATP. Já Cuevas derrotou o espanhol Albert Ramos-Vinolas por 6/3, 3/6 e 6/3. Será a primeira semifinal de um torneio ATP 500 do canadense. O uruguaio soma seis títulos na carreira, sendo o maior deles no Rio.

O tenista do Canadá, de 18 anos, coleciona alguns feitos na carreira. Foi o mais jovem – 14 anos e sete meses – a passar o qualifying e vencer uma partida de torneio nível Challenger, e soma quatro títulos de campeonatos deste nível, marca similar a nomes como do sérvio Novak Djokovic com essa idade. Simpático, Auger-Aliassime diz que desde cedo aprendeu a lidar com as expectativas depositadas nele. “Nunca me senti um prodígio, acho que sou alguém que é bom no que faz. Sempre trabalhei muito e acreditei no meu jogo”.

O público do Rio Open tem torcido por ele. “A cada vitória aqui, mais pessoas me procuram, vêm falar comigo. Estou muito feliz com isso, é uma sensação boa na quadra ver todos me apoiando. Estou usando isso nas partidas, e quero ir o mais longe possível”.

A vitória sobre Munar foi a primeira de Auger-Aliassime em três confrontos entre os dois. O espanhol de 21 anos também faz parte da lista de jovens jogadores que são apostas da ATP para o futuro.

Cuevas, de 33 anos, conquistou a sétima vitória em oito jogos contra Ramos-Vinolas, mas acha que precisa melhorar para enfrentar a sensação do torneio. “Foi um jogo difícil, alternei bons e maus momentos, cometendo muitos erros. Para a partida contra Auger-Aliassime, que é um jogador bem completo, com bons recursos, preciso ser mais consistente, disse o 63º do ranking.

Foto: Fotojump

Bellucci e Rogerinho eliminam Marcelo e Bruno e disputam vaga na final de duplas

Thomaz Bellucci e Rogério Dutra Silva surpreenderam Marcelo Melo e Bruno Soares, dupla cabeça-de-chave número 1, nesta quinta-feira, e garantiram vaga na semifinal do Rio Open. Bellucci e Rogerinho venceram Marcelo e Bruno por 6/2, 6/7 (6) e 10/5, e enfrentarão na semifinal, nesta sexta, no segundo jogo da quadra 1, o argentino Andres Molteni e o tcheco Roman Jebavy. Eles derrotaram o brasileiro Marcelo Demoliner e o dinamarquês Frederik Nielsen por 3/6, 6/4 e 10/3.

“Estamos bem contentes com a vitória, temos menos responsabilidade por sermos jogadores de simples e hoje deu tudo certo, fomos superiores a maior parte do jogo”, disse Bellucci.

Marcelo e Bruno, campeões de Grand Slam e que ainda não venceram no Rio, reconheceram a superioridade de Bellucci e Rogerinho. “Parece o fim do mundo quando perdemos, mas jogo de duplas é decidido em detalhes, e eles foram melhor hoje. Temos que olhar as coisas positivas, o momento especial de jogarmos juntos aqui, termos contato com a torcida, ver a quadra cheia”, disse Marcelo.

Na outra semifinal, os colombianos Juan Sebastian Cabal e Robert Farah, campeões em 2014 e 2016, enfrentarão, às 15h, na quadra 1, a parceria formada pelo chileno Nicolas Jarry e pelo argentino Maximo Gonzalez. Cabal e Farah venceram os britânicos Luke Bambridge e Jonny O’Mara por 6/2 e 6/3. Jarry e Gonzalez derrotaram o croata Nikola Mektic e o argentino Horacio Zeballos por 4/6, 7/6 (5) e 12/10.

Foto: Fotojump

Auger-Aliassime e Munar, dois jovens muito talentosos, se enfrentam nas 4ªs do Rio Open

O confronto entre o canadense Felix Auger-Aliassime e o espanhol Jaume Munar, dois tenistas da Next Gen da ATP, é o destaque das quartas de final do Rio Open apresentado pela Claro, nesta sexta-feira, no Jockey Club Brasileiro. A partida será a terceira da rodada que começa às 15h. Os ingressos do Rio Open podem ser adquiridos em tudus.com.br/rioopen .

Os outros jogos serão entre o uruguaio Pablo Cuevas, campeão em 2016, e o espanhol Albert Ramos-Vinolas, entre o norueguês Casper Ruud, também Next Gen, e o sérvio Laslo Djere, e entre o esloveno Aljaz Bedene e o boliviano Hugo Dellien, que abre a rodada às 15h.

Nesta quinta, Cuevas derrotou o argentino Juan Ignacio Londero por 6/1 e 6/4, e Ruud, de 20 anos, passou pelo português João Souza, cabeça de chave número 5, por 6/3, 3/6 e 6/4. Cuevas ganhou seis dos sete jogos que fez contra seu próximo adversário, Ramos-Vinolas. “Não me sinto favorito, mas estou contente como venho jogando nas últimas semanas. Tenho boas recordações daqui e espero fazer um bom jogo”, disse o uruguaio.

A rodada valendo vaga para a semifinal promoverá o encontro de dois jovens promissores do circuito.  Auger-Aliassime, de 18 anos, e que eliminou na estreia o italiano Fabio Fognini, e Munar,de 21 anos, que foi semifinalista do Next Gen Finals no ano passado. Os dois já se enfrentaram duas vezes no circuito ATP, com duas vitórias de Munar. “Espero uma partida bem dura, mas acredito no meu jogo e acho que posso conseguir a vitória”, disse o canadense.

Ruud, de 20 anos, foi semifinalista do Rio Open em 2017, e terá um confronto duro contra Djere, responsável por eliminar o austríaco Dominic Thiem na estreia. Nesta quinta, o sérvio derrotou o japonês Taro Daniel por 6/4 e 6/2. “O jogo contra Sousa foi difícil, uma batalha, mas acho que joguei melhor nos momentos decisivos. Nunca joguei com Djere, no papel ele é favorito, mas espero sair com a vitória”, disse Ruud.

Foto: Fotojump

Guga reforça importância do Rio Open e dá oportunidade a jovens jogadores

Gustavo Kuerten chegou ao Rio Open nesta quarta-feira, pelo sexto ano seguido e em coletiva de imprensa, ressaltou a importância do ATP 500 e dos jovens jogadores brasileiros terem a oportunidade de disputar o maior torneio de tênis da América do Sul.

“Um campeonato como este ajuda muito o esporte, resgata a história e contamina as pessoas a gostarem mais do tênis”, disse Guga. “É muito legal os jogadores jovens participarem desse universo, ganhar a experiência de jogar um torneio desse porte em casa. O Rio Open serve de alavanca para a transição, para eles ganharem fôlego para o restante da temporada”, disse o tricampeão de Roland Garros, que teve dois tenistas da sua equipe no qualifying da chave de simples, Mateus Alves e Natan Rodrigues. “Claro que não é legal ver um jogador como o Thiem (Dominic Thiem) sendo eliminado na primeira rodada, mas também serve de oportunidade para nossos jogadores. É o momento de eles brilharem e aproveitarem a chance”.

O ex-número 1, que dá nome à quadra central do complexo,mun do aproveitou sua visita ao torneio para lançar sua equipe, o Time Guga, que contará com a participação de Bruno Soares e Thomaz Bellucci como mentores dos jovens promissores. “Até hoje chegamos onde chegamos por esforços individuais. Com esse projeto, queremos unir forças para ajudar esses jovens jogadores e tornar o cenário mais favorável”, explicou Bruno. “Com esse trabalho em equipe, esperamos não ter apenas um, ou dois jogadores em destaque, mas dez jogadores com chances de desenvolver uma boa carreira”, completou Guga.

Thiem, Schwartzman, Fognini e Cecchinato jogam na super terça do Rio Open

O segundo dia do Rio Open apresentado pela Claro vai ter em ação os principais favoritos ao título da edição 2019. A super terça do ATP 500, com o austríaco Dominic Thiem, o argentino Diego Schwartzman e os italianos Fabio Fognini e Marco Cechinnato em quadra, vai começar às 13h, no Jockey Club Brasileiro. Os jogos desta segunda-feira foram cancelados devido à chuva que caiu no Rio, e desta maneira  a rodada de terça ficou recheada de boas partidas.

Thiem, campeão em 2017, estreia contra o sérvio Laslo Djere, por volta das 19h, na quadra central. Na sequência, Schwartzman, vencedor no ano passado, encara o uruguaio Pablo Cuevas, campeão em 2016. Na quadra 1, Cecchinato, cabeça de chave 3, pega o esloveno Aljaz Bedene, seguido pelo compatriota Fognini, jogador que mais venceu partidas no Rio Open, que enfrentará o canadense Felix Auger-Aliassime.

Três partidas foram interrompidas pela chuva nesta segunda. O espanhol Roberto Carballes Baena vencia o chileno Nicolas Jarry por 4 games a 3, e o argentino Federico Delbonis estava à frente do tunisiano Malek Jaziri por 5 a 3. Pela chave de duplas, os brasileiros Thiago Monteiro e Fernando Romboli venciam os britânicos Luke Bambridge e Jonny O’Mara por 6/2 e 1 a 1. Monteiro fará sua estreia nas simples nesta terça contra o português Pedro Sousa, no terceiro jogo da quadra central.

Thiem e Schwartzman chegam otimistas para boa campanha em 2019

Será a primeira vez que Thiem enfrentará Djere, 91º do ranking mundial. O oitavo melhor do mundo chegou nesta segunda-feira ao Rio, após conquistar a semifinal em Buenos Aires. “Tenho ótimas recordações do torneio, foi onde conquistei minha segunda vitória sobre um top 10 (em 2016, diante do espanhol David Ferrer, então seis do ranking), e onde venci um dos meus maiores títulos da carreira”, disse o vice-campeão de Roland Garros em 2018, que visitou o Museu Histórico do Exército e Forte de Copacabana, nesta segunda, em companhia do duplista brasileiro Marcelo Demoliner.

Outro jogo que promete nesta terça será entre Schwartzman e Cuevas dois campeões do Rio Open. Schwartzman é o atual campeão e Cuevas venceu em 2017. Schwartzman, 19º, chega ao Rio após o vice-campeonato em Buenos Aires, no último domingo. “Comecei bem a temporada, conquistei o título aqui no ano passado, isso me dá mais confiança para fazer uma boa campanha aqui de novo”, disse Schwartzman.

Comunicado – INGRESSOS

Com o cancelamento das partidas desta segunda-feira, dia 18, por conta da chuva, a programação do Rio Open sofreu alterações. Os jogos desta segunda (18) foram transferidos para terça-feira (19) a partir das 13h (Sessão 1, que terá 3 jogos na Quadra Guga Kuerten) e 19h (Sessão Noite). Os compradores das Sessões 1 e Noite de segunda podem realizar a troca do ingresso para as respectivas sessões desta terça-feira, dia 19, na bilheteria do Jockey, a partir das 10h. É preciso que a troca seja feita pelo titular da compra (nome que consta no ingresso), apresentação do mesmo e documento com foto. Para solicitar a devolução do valor do ingresso, é preciso enviar e-mail para atendimento@tudus.com.br até o dia 26/2 às 23h59, com os dados do pedido.
Os ingressos do tipo promocional, cortesia, corporativo ou de gratuidade não são sujeitos a reembolso nem troca.

 

ORDER OF PLAY – TUESDAY, FEBRUARY 19, 2019
QUADRA GUGA KUERTEN start 1:00 pm
G. Pella (ARG) vs [5] J. Sousa (POR)
R. Carballes Baena (ESP) vs [8] N. Jarry (CHI) 43
P. Sousa (POR) vs [WC] T. Monteiro (BRA)

Not Before 7:00 pm
[1] D. Thiem (AUT) vs L. Djere (SRB)
P. Cuevas (URU) vs [4] D. Schwartzman (ARG)

QUADRA 1 start 1:00 pm
[Q] C. Ruud (NOR) vs P. Andujar (ESP)
[7] M. Jaziri (TUN) vs F. Delbonis (ARG) 35
[3] M. Cecchinato (ITA) vs A. Bedene (SLO)
[WC] F. Auger-Aliassime (CAN) vs [2] F. Fognini (ITA)
[WC] T. Seyboth Wild (BRA) vs T. Daniel (JPN)

QUADRA 2 start 1:00 pm
J. Munar (ESP) vs L. Mayer (ARG)
L. Sonego (ITA) vs A. Ramos-Vinolas (ESP)
C. Garin (CHI) vs M. Marterer (GER)
[Q] E. Ymer (SWE) vs [Q] J. Londero (ARG)

QUADRA 4 start 1:00 pm
[6] D. Lajovic (SRB) vs C. Norrie (GBR)
G. Andreozzi (ARG) vs [Q] H. Dellien (BOL)

Foto: Fotojump

 

Depois de furar o quali do Rio Open, boliviano Dellien, elogiado por Evo Morales, sonha com título de Roland Garros

Já é um fato a importância de Hugo Dellien para o tênis da Bolívia. Porém, sua entrada no top-100 do ranking da ATP em 2018, pela primeira vez na carreira, não foi exatamente uma surpresa para o dedicado jogador nascido em Trinidad, histórica cidade boliviana fundada no século XVII e com menos de 100 mil habitantes.

Ex-nº 2 do mundo, o atual nº 113 do ranking vai jogar no Rio de Janeiro a sua segunda chave principal de ATP (entrou como lucky-loser no ATP de Cordoba), depois de furar o qualifying do Rio Open, neste domingo. Na primeira rodada, já nesta segunda-feira, ele encara o argentino Guido Andreozzi.

Depois de 34 anos sem um top-100 boliviano, Dellien se tornou apenas o segundo jogador do seu país a ocupar essa faixa do ranking, depois do seu compatriota Mario Martinez. E essa falta de tradição da Bolívia no esporte é confirmada pelo próprio jogador, que falou da emoção depois de conseguir sua segunda vitória no Rio de Janeiro:

“Estou muito contente por passar no primeiro quali de ATP e logo um 500. Estou muito emocionado, muito contente porque já vinha na gira Sul-Americana em Cordoba e Buenos Aires (dois ATP’s 250 na Argentina) perdendo na última rodada do quali, com três match points perdidos em Cordoba. Hoje me passou algo similar, mas consegui fechar no tiebreak (do segundo set)” afirmou o jogador de 25 anos, que joga pela primeira vez no Brasil como profissional, sem se assustar com as condições mais quentes da capital carioca:

“O tempo está bom, com muita umidade, mas sem muito calor. É o primeiro ano que venho (para o Rio Open), mas já joguei torneio juvenil e é muito calor. Sou da Bolívia, de Trinidad, são condições praticamente iguais, talvez até um pouco mais de calor.”

Mesmo nascido em país sem muita História no esporte, Dellien não vê isso como um fator decisivo para não ter sucesso no tênis:

“É difícil, difícil, mas eu creio que é possível. Não importa o lugar que você nasceu, se tem tradição, se não tem tradição. Se você quer crescer, a sua vontade está acima de qualquer coisa. Com a vontade que eu tenho, com a atitude que tenho em cada treinamento, em cada partida, creio que eu possa triunfar.”

Aliás, jogar tênis não foi sua única opção, já que ele era praticamente um triatleta durante sua infância, optando pelo tênis por volta dos 9 ou 10 anos:

“Na minha cidade tinha três clubes. Um de tênis, um de natação e um de futebol. E eu joguei os três esportes. Joguei torneios nacionais nos três e o que eu mais gostei foi o tênis. Com 9, 10 anos eu escolhi…na verdade não escolhi. O caminho foi me levando pro tênis.”

Em 2018, depois da conquista do seu primeiro Challenger, em Sarasota, nos Estados Unidos, o boliviano recebeu um elogio via Twitter do presidente do país, Evo Morales, que escreveu:

“Felicitar al hermano Hugo Dellien, número uno del tenis boliviano, por su primer título individual en el circuito de la Asociación de Tenistas Profesionales (ATP), en el torneo Challenger de Sarasota. Por llevar a Bolivia tan alto en el tenis internacional, estamos muy orgullosos”

Dellien fez questão de mostrar sua emoção com esse momento, por levar alegria não apenas ao presidente, mas para toda população do seu país:

“Foi muito lindo. Foi um momento muito lindo. Na verdade, me orgulhei muito, pois é uma luta muito grande. O tênis é muito sacrifício. Sofre muito, pois se perde mais do que se ganha…então, quando recebi esse tipo de felicitação, quando todo país se colocou feliz por você triunfar…isso, na verdade, isso dá muita satisfação a todo desportista.” disse Dellien, que reconheceu que isso não significou uma mudança no que se refere ao apoio financeiro estatal:

“Agora tenho alguns patrocínios, de empresa privada. Não é muito, mas antes não tinha nada. Pelo menos agora estão pensando em focar mais no tênis. E esse é meu objetivo, que eles foquem mais no tênis.”

Por fim, de forma muito coerente, ele falou sobre seus planos pra temporada 2019, que inclui o estabelecimento como jogador de ATP:

“Meu objetivo neste ano é me consolidar no top-100, pensar em trocar meus pontos de Challenger por ATP e me consolidar nos ATP.”

Um título dos sonhos?

“Roland Garros! Me encantaria ganhar Roland Garros ou Wimbledon.” finalizou.

Foto: Fotojump