Rio Open e Fedex levam jovens de projetos sociais cariocas para serem boleiros no ATP Finals

O Rio Open apresentado pela Claro dará mais uma oportunidade única para alunos de projetos sociais de tênis no Rio de Janeiro. A Fedex levará dois jovens das iniciativas apoiadas pelo maior torneio de tênis da América do Sul para serem boleiros no ATP Finals de Londres, o torneio que reúne os melhores tenistas do mundo para encerrar a temporada.

Guilherme Rodrigues Fernandes, 14 anos, do projeto Futuro Bom e Vitória Almeida, também de 14 anos, do projeto Tênis na Lagoa, se juntam a uma seleta equipe de 26 boleiros, que terão a chance de pegar bolas em jogos de lendas do tênis, como Rafael Nadal, Roger Federer e Novak Djokovic.

A adolescente que participa do projeto às margens da Lagoa Rodrigo de Freitas, vizinha ao Jockey Clube, onde acontece o Rio Open, revela o momento em que soube do convite. “Eu estava voltando da IMG Academy e soube pelo meu pai que tinha sido escolhida para boleirar no ATP Finals. Fiquei em choque, mal tinha acabado de viver algo tão incrível nos EUA e já tinha outra grande oportunidade na minha vida, graças ao Rio Open. Mas, apesar da felicidade, eu sei do peso desta função. O boleiro tem que ser muito comprometido, não pode se deixar abalar pelo calor do jogo e tem que se manter concentrado 100% do tempo. Vai ser uma experiência inesquecível. Algo que nunca sonhei na minha vida”, comenta Vitória, campeã da categoria 16 anos do Winners deste ano.

Guilherme, morador do Vidigal, na zona sul carioca, se disse surpreso pelo convite. “No início eu não sabia que iria boleirar, mesmo assim fiquei todo bobo porque assistir de perto um torneio tão importante quanto o ATP Finals é demais. Daí, quando soube que iria boleirar, senti uma emoção que não cabia em mim. Ainda não tenho a dimensão do que vai ser estar lá. O Rio Open já é sempre a melhor semana do meu ano, estar no Finals então, vai ser mais do que um sonho”, comentou o jovem carioca que já boleirou para o Fognini no Rio Open e sonha boleirar um jogo com algum top 10.

Além do Rio Open, somente o Masters 1000 de Xangai também indicará dois boleiros. Esta não é a primeira vez que o maior torneio de tênis da América do Sul é reconhecido por seus esforços sociais. A ATP já deu ao Rio Open o prêmio Aces for Charity, que destinou US$ 10 mil aos projetos parceiros.

Nos dois últimos anos, o Rio Open promoveu o Winners, torneio com alunos desses projetos, com premiações como uma semana de treinamento na IMG Academy, na Flórida, e participação na Copa Guga Kuerten, em Florianópolis. O torneio também mantém o NERO (Núcleo Esportivo Rio Open), que oferece aulas grátis para alunos de escola pública no Parque Olímpico, em parceria com a AGLO, Autoridade de Governança do Legado Olímpico.

Rio Open e Fedex levam jovens de projetos sociais cariocas para serem boleiros no ATP Finals

O Rio Open apresentado pela Claro dará mais uma oportunidade única para alunos de projetos sociais de tênis no Rio de Janeiro. A Fedex levará dois jovens das iniciativas apoiadas pelo maior torneio de tênis da América do Sul para serem boleiros no ATP Finals de Londres, o torneio que reúne os melhores tenistas do mundo para encerrar a temporada.

Guilherme Rodrigues Fernandes, 14 anos, do projeto Futuro Bom e Vitória Almeida, também de 14 anos, do projeto Tênis na Lagoa, se juntam a uma seleta equipe de 26 boleiros, que terão a chance de pegar bolas em jogos de lendas do tênis, como Rafael Nadal, Roger Federer e Novak Djokovic.

A adolescente que participa do projeto às margens da Lagoa Rodrigo de Freitas, vizinha ao Jockey Clube, onde acontece o Rio Open, revela o momento em que soube do convite. “Eu estava voltando da IMG Academy e soube pelo meu pai que tinha sido escolhida para boleirar no ATP Finals. Fiquei em choque, mal tinha acabado de viver algo tão incrível nos EUA e já tinha outra grande oportunidade na minha vida, graças ao Rio Open. Mas, apesar da felicidade, eu sei do peso desta função. O boleiro tem que ser muito comprometido, não pode se deixar abalar pelo calor do jogo e tem que se manter concentrado 100% do tempo. Vai ser uma experiência inesquecível. Algo que nunca sonhei na minha vida”, comenta Vitória, campeã da categoria 16 anos do Winners deste ano.

Guilherme, morador do Vidigal, na zona sul carioca, se disse surpreso pelo convite. “No início eu não sabia que iria boleirar, mesmo assim fiquei todo bobo porque assistir de perto um torneio tão importante quanto o ATP Finals é demais. Daí, quando soube que iria boleirar, senti uma emoção que não cabia em mim. Ainda não tenho a dimensão do que vai ser estar lá. O Rio Open já é sempre a melhor semana do meu ano, estar no Finals então, vai ser mais do que um sonho”, comentou o jovem carioca que já boleirou para o Fognini no Rio Open e sonha boleirar um jogo com algum top 10.

Além do Rio Open, somente o Masters 1000 de Xangai também indicará dois boleiros. Esta não é a primeira vez que o maior torneio de tênis da América do Sul é reconhecido por seus esforços sociais. A ATP já deu ao Rio Open o prêmio Aces for Charity, que destinou US$ 10 mil aos projetos parceiros.

Nos dois últimos anos, o Rio Open promoveu o Winners, torneio com alunos desses projetos, com premiações como uma semana de treinamento na IMG Academy, na Flórida, e participação na Copa Guga Kuerten, em Florianópolis. O torneio também mantém o NERO (Núcleo Esportivo Rio Open), que oferece aulas grátis para alunos de escola pública no Parque Olímpico, em parceria com a AGLO, Autoridade de Governança do Legado Olímpico.

Maria Esther Bueno Cup reúne promessas do tênis brasileiro em SP e dá convite para o Rio Open

O Rio Open apresentado pela Claro lançará em 2018 a Maria Esther Bueno Cup, torneio em que oito jovens promissores do tênis brasileiro disputam em São Paulo um convite para o maior torneio de tênis da América do Sul, no Rio de Janeiro. O evento acontecerá de 22 e 25 de novembro na Sociedade Harmonia de Tênis.

Nomeada em homenagem à maior tenista brasileira da história, campeã de 19 Grand Slams, a Maria Esther Bueno Cup é uma iniciativa do Rio Open para incentivar a nova geração do tênis nacional, dando a um deles a chance de disputar a chave principal de um ATP 500. O Rio Open acontece entre 16 e 24 de fevereiro, no Jockey Club Brasileiro, e já tem o número 7 do mundo, o austríaco Dominic Thiem, confirmado no seu line-up.

“O Rio Open chega à sexta edição consolidado como o principal torneio da América do Sul. Agora, queremos levar um pouco dessa experiência para outros estados, começando por São Paulo, uma vez que o público paulista sempre prestigiou o nosso evento. Vamos homenagear Maria Esther Bueno, estrela maior do tênis brasileiro, que prestigiou o Rio Open desde sua primeira edição”, diz Márcia Casz, Diretora Geral do Torneio.

Os jogadores classificados para a Maria Esther Bueno Cup torneio são: João Menezes (21 anos), Orlando Luz (20), Thiago Wild (18), Rafael Matos (22), João Lucas Reis (18), Felipe Meligeni Alves (20), Gilbert Klier (18) e Lucas Koelle (20).

Os critérios de seleção foram: jogadores brasileiros com até 23 anos completos em 31 de dezembro de 2018; as seis primeiras vagas foram definidas por melhor posição no ranking da ATP; a sétima, de Gilbert Klier, foi pelo ranking juvenil da ITF; a oitava é um convite da Sociedade Harmonia de Tênis, dado a Lucas Koelle.

“A oportunidade de jogar um ATP 500 é algo que pode mudar o patamar da trajetória de um jogador nessa faixa etária. Queremos dar essa incrível chance a um tenista brasileiro”, disse Luiz Carvalho, Diretor do Torneio.

O formato da competição será de dois grupos com quatro jogadores cada jogando entre si, como no ATP Finals e ATP NextGen. Os dois campeões de cada grupo disputam a final. De quinta a sábado, serão realizados os jogos da fase de grupos e no domingo, a decisão. As partidas serão em melhor de três sets, com match tie-break (até 10 pontos) no terceiro set.

“Esta safra de tenistas brasileiros tem obtido resultados muito satisfatórios no juvenil e nos Futures. O Rio Open não poderia deixar de notar isso e de fazer parte de um momento da trajetória deles em que cada resultado importa muito”, disse Ricardo Acioly, Diretor de Relações do Rio Open e Diretor do ICT (Instituto Carioca de Tênis).

A Maria Esther Bueno Cup também é uma maneira de homenagear a rainha do tênis brasileiro. A capital paulista é a cidade natal da campeã de 19 Slams, que faleceu em junho deste ano, e a Sociedade Harmonia é o clube que ela frequentou até seus últimos momentos.

O Rio Open faz parte do seleto grupo dos 13 ATP 500, e é um dos três torneios da categoria disputados no saibro. Em 2018, distribuiu R$ 6,7 milhões de premiação para os tenistas e contou com 48 mil espectadores. O Rio Open é uma promoção da IMM com realização do ICT.

Tenistas de projetos sociais do Rio de Janeiro disputam a Copa Guga

Alunos de projetos sociais apoiados pelo Rio Open estão em Florianópolis (SC), para disputar a Copa Guga Kuerten. A viagem faz parte do prêmio dos campeões do Torneio Winners, realizado em todas as edições do ATP 500, na capital carioca. E Guga fez a alegria da garotada ao encontrar o time Winners, com 14 jogadores, no lounge da competição.

Muitos dos garotos nunca viajaram de avião nem saíram do Rio de Janeiro. A experiência de uma semana disputando o maior torneio juvenil da América do Sul está sendo muito aproveitada por todos, e Guga sabe o valor dessas iniciativas.

Sempre engajado em projetos sociais, Guga fez questão de enaltecer o trabalho do Rio Open no Nero -Núcleo Esportivo Rio Open- e no apoio aos Projetos Tênis na Lagoa, Futuro Bom, Arremessar para o Futuro, Tênis Solidário e Escolinha Fabiano de Paula, e parabenizou Valter Albuquerque pela vitória na estreia.

“Crença, fé, esperança, isso é o que eles representam, por já estarem aqui, por chegarem até aqui. “E você (Valter) está representando todas as comunidades do Rio, aqui. Vai levar essa lembrança para a vida, e vamos torcer por mais uma vitória na chave”, disse Guga.

O jovem de 12 anos, conhecido como Valtinho, é do projeto de Fabiano de Paula na Rocinha. Recentemente, ele foi protagonista de emocionante matéria no Esporte Espetacular, da TV Globo, na qual viajou para Chicago e conheceu o tenista sérvio Novak Djokovic. Ele também esteve no grupo do Winners que treinou por uma semana na IMG Academy, na Flórida, em 2017.

Valtinho volta a jogar nesta quarta-feira. Kauã Mendonça, do Futuro Bom, também passou pela estreia na Copa Guga.

Desde sua primeira edição, a organização do evento apoia iniciativas que usam o tênis como ferramenta de desenvolvimento humano e inclusão social. Os cinco projetos apoiados pelo Rio Open são Instituto Futuro Bom, Tênis na Lagoa, Tênis Solidário, Escolinha de Tênis Fabiano de Paula e Arremessar para o Futuro. Em 2017 também inaugurou o Núcleo Esportivo Rio Open, projeto em parceria com a AGLO, que acontece nas instalações de tênis do Parque Olímpico da Barra.

A próxima edição do maior torneio de tênis da América do Sul acontecerá de 18 a 24 de fevereiro de 2019, no Jockey Club Brasileiro.

Foto: Hermes Bezerra

Em comemoração ao Dia das Crianças, Rio Open reuniu dezenas de alunos dos projetos que apoia

Que água apaga o fogo a gente já sabe. Porém, nem mesmo a chuva que caiu na manhã da última terça-feira, 9, no Rio de Janeiro foi o suficiente para conter a euforia das crianças atendidas pelo Núcleo Esportivo Rio Open (NERO), em parceria com a AGLO, e por outros cinco projetos sociais apoiados pelo Rio Open, maior torneio de tênis da América do Sul. Isso porque grande parte dessas crianças se reuniram no Parque Olímpico da Barra, na Zona Oeste da cidade, para celebrar o Dia das Crianças.

“Essa confraternização entre os projetos é uma grande festa e uma oportunidade para as crianças interagirem. Além de podermos ver de perto a evolução delas e partilharmos um pouco do nosso tempo com elas. Isso é só o começo, pois temos ideias bem ambiciosas para seguir investindo na plataforma social do Rio Open, e cada fruto colhido como essa ida dos atletas do Winners para a Copa Guga ou os sorrisos e a felicidade dessas crianças são muito gratificantes para todos nós”, comenta Luiz Carvalho, Diretor do Rio Open, que acompanhou de perto a ação.

O momento de confraternização é sempre muito proveitoso porque as crianças e os adolescentes costumam se encontrar apenas em torneios como a própria Semana Guga Kuerten, que será realizada de 11 a 21 de outubro, em Florianópolis. Neste ano, o Rio Open está arcando com todos os custos para levar 13 alunos dos projetos que apoia (Instituto Futuro Bom, Tênis na Lagoa, Tênis Solidário, Escolinha de Tênis Fabiano de Paula e Arremessar para o Futuro). Os alunos que participarão da competição também receberam apoio da Confederação Brasileira de Tênis com suas anuidades.

Um desses alunos e semifinalista do Winners na categoria 16 anos, Hélio Machado Sampaio Neto, 15 anos, treina há pouco mais de um ano no Projeto Tênis na Lagoa, tempo suficiente para já ter transformado a vida de sua família que se mudou da cidade de Maricá, na região metropolitana do estado, para o bairro da Tijuca, na zona norte da cidade do Rio – uma distância de mais ou menos 60km.

“Essa experiência não será apenas um jogo, um treino ou uma viagem, será uma semana de muito aprendizado. O incentivo do Rio Open é espetacular porque o tênis não é um esporte barato e esta é uma oportunidade que muitos gostariam de ter. Uma oportunidade única”, avalia o jovem tenista e boleiro do maior torneio de tênis da América do Sul.

Os outros 12 alunos de projetos apoiados pelo Rio Open que irão para a Semana Guga são:

  • Carlos Eduardo do Nascimento Tavares Oliveira – 9 anos
  • Christian Felix Torres – 16 anos
  • Kaique Rodrigues da Silva – 14 anos
  • Lucas Henrique Torres – 17 anos
  • Marcus Vinicius Barbosa da Rocha – 17 anos
  • Marcus Vinicius Ferreira Gonçalves – 14 anos
  • Maria Eduarda Barbosa da Silva Gomes – 16 anos
  • Ryan Aurélio Vieira Reis – 15 anos
  • Thaís Soares – 10 anos
  • Thiago Araujo de Freitas – 14 anos
  • Valter Davi Marques Albuquerque – 12 anos
  • Victor Rodrigues dos Santos Crespo – 16 anos

A próxima edição do maior torneio de tênis da América do Sul acontecerá de 18 a 24 de fevereiro de 2019, no Jockey Club Brasileiro.

Rio Open reúne alunos dos projetos sociais para comemorar Dia das Crianças no Parque Olímpico

Na semana em que se comemora o Dia das Crianças, o Rio Open, maior torneio de tênis da América do Sul, vai reunir os alunos de seu projeto social, o Núcleo Esportivo Rio Open (NERO) , em parceria com a AGLO, e dos outros cinco projetos sociais que apoia para comemorar a data. Ao todo, 100 crianças são esperadas na próxima terça-feira, dia 9, às 9h30, nas instalações de tênis do Parque Olímpico da Barra.

Participam também do evento, 14 alunos dos projetos e do Núcleo, entre 9 e 18 anos, que irão disputar a Copa Guga Kuerten, em Florianópolis. Todos os custos da viagem são por conta do Rio Open, como parte da premiação do Torneio Winners. As crianças, que participam da competição, também recebem apoio da Confederação Brasileira de Tênis com suas anuidades.

Desde sua primeira edição, a organização do evento apoia iniciativas que usam o tênis como ferramenta de desenvolvimento humano e inclusão social. Os cinco projetos apoiados pelo Rio Open são Instituto Futuro Bom, Tênis na Lagoa, Tênis Solidário, Escolinha de Tênis Fabiano de Paula e Arremessar para o Futuro.

A próxima edição do maior torneio de tênis da América do Sul acontecerá de 18 a 24 de fevereiro de 2019, no Jockey Club Brasileiro.

Perfil de alguns dos participantes da Semana Guga Kuerten:

Valter Davi Marques Albuquerque, 12 anos – Escolinha Fabiano de Paula

Morador da Rocinha, Valter sempre gostou de assistir aos jogos de tênis na TV. E foi na Escola de Tênis de Fabiano de Paula, fundada em sua comunidade, que conheceu o esporte. Seus pais, que trabalham como garçom e cozinheira, sempre o incentivaram. No Torneio Winners deste ano, foi o campeão na categoria 12 anos, a mesma em que ele havia ficado em segundo lugar em 2017.

Apesar da pouca idade, Valtinho é muito convicto de seus sonhos. Como meta de virar profissional, o pequeno esportista se espelha em Novak Djokovic, quem conheceu pessoalmente há bem pouco tempo

Gabriel dos Santos de Lima , 16 anos  – Instituto Futuro Bom

Também morador da Rocinha, Gabriel, que é fã de  Federer,  está há 1 ano no Projeto do Instituto Futuro Bom. Começou a praticar o esporte com 14 anos e sonha em ser professor de tênis.  Está animado para a viagem e espera voltar mais experiente.

Carlos Eduardo do Nascimento Tavares Oliveira, 8 anos – Tênis Solidário

Fã do Nadal, Carlos Eduardo começou a praticar esportes pela natação, mas a paixão bateu mais forte pelo tênis. Há dois anos no Projeto Tênis Solidário, em Inhaúma, o pequeno carioca deseja ser um tenista profissional, mas para os próximos dias seu maior desejo é tirar uma foto ao lado do Guga, durante o torneio em Florianópolis.

Hélio Machado Sampaio Neto, 15 anos – Tênis na Lagoa

Hélio treina há pouco mais de um ano no Projeto Tênis na Lagoa, tempo suficiente para já ter transformado a vida de sua família. O jovem morava e treinava no município de Maricá, mas a família ficou sem condições de arcar com os custos das aulas, já que além de Hélio,  sua irmã também pratica o esporte. Foi então que eles conheceram o projeto do professor Alexandre.

O amor pelo tênis fez com que a família se mudasse para a cidade do Rio para ficar mais perto do local de treino, conseguiram bolsa numa escola particular e, ainda assim, a mãe cruza 60 km por dia para ir trabalhar em Maricá, pois é funcionária pública nessa cidade.

Marcus Vinicius Barbosa da Rocha, 17 anos – Arremessar para o Futuro

Quando tinha 10 anos (2011), Marcus, que mora no Anil (Jacarepaguá) foi convidado pelo tio para conhecer o tênis. Ele jogava futebol, mas não se considerava tão bom. Foi amor à primeira “jogada”. Treina todos os dias na escola NTC (Núcleo de Tênis City). No Rio Open, já participou de uma clínica oferecida pelo torneio e recebeu elogio da falecida Maria Ester Bueno, maior jogadora da história do tênis feminino no Brasil.

“Depois que ganhei minha primeira raquete, não parei mais. Evoluí tão bem, que me despertou o sonho de ser um jogador de tênis profissional. Sei que o caminho é duro, mas não existe distância quando se tem força de vontade. Vai ser uma honra participar pela primeira vez de um torneio tão importante para o Brasil e para mim também”.

Os Projetos parceiros do Rio Open:

ARREMESSAR PARA O FUTURO

O Projeto Arremessar para o Futuro ajuda hoje 26 crianças e jovens da comunidade do Terreirão (Recreio), Curicica e Jacarepaguá. O objetivo do Arremessar é transformar o cidadão através do esporte e da educação, dando a ele a chance de treinar, de conquistar pontos no ranking brasileiro e se aperfeiçoar para uma futura bolsa de estudos em uma universidade fora do país. O Arremessar conta hoje com o apoio do Instituto Kinder do Brasil e de uma etapa do Campeonato Brasileiro Infanto Juvenil realizado nas quadras da Escola de Tênis NTC (Núcleo de Tênis City) no Recreio dos Bandeirantes, que geram recursos para as bolsas.

ESCOLINHA DE TÊNIS FABIANO DE PAULA

O projeto de iniciação esportiva, fruto da parceria entre a Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude (Seelje) com o atleta brasileiro Fabiano de Paula, foi inaugurado em fevereiro de 2015 e funciona na quadra de saibro localizada na Rocinha, em São Conrado, na Zona Sul do Rio. Atualmente, a escolinha conta com cerca de 200 alunos que praticam o tênis diariamente. Fabiano, que é morador da Rocinha, inaugurou a quadra em novembro de 2012 junto com o sérvio Novak Djokovic. Ela é destinada a crianças e adolescentes carentes da comunidade entre 5 e 17 anos e os meninos e meninas de destaque ganham oportunidades de treinamento na academia Tennis Route, no Recreio dos Bandeirantes, também no Rio de Janeiro.

INSTITUTO FUTURO BOM

O Instituto Futuro Bom atenderá 260 crianças no ano de 2017 por meio dos projetos Tênis na Escola, Tênis para Todos e Dentro e Fora da Quadra, que utilizam o esporte como ferramenta de desenvolvimento humano, esportivo e educacional. Segue o modelo universitário americano, onde cada criança é acompanhada de perto em relação ao seu rendimento escolar, participação nos treinos e cursos do instituto, para a permanência nos projetos.

TÊNIS NA LAGOA

O Projeto Tênis na Lagoa é uma iniciativa particular do professor Alexandre Borges e existe desde 2003, tendo atendido até hoje mais de 2.500 crianças. A cada ano, 150 crianças entre 5 e 17 anos de comunidades como Cruzada São Sebastião, Vidigal, Rocinha, Parque da Cidade, Pavão-Pavãozinho, Cantagalo, Tabajaras e Rio das Pedras participam das aulas que acontecem nas quadras públicas localizadas às margens da Lagoa Rodrigo de Freitas, na Zona Sul. Aqueles que se destacam no projeto fazem parte de uma equipe de competição que viaja por todo o país. Muito além de forehands e backhands, o objetivo do Projeto Tênis na Lagoa é promover o desenvolvimento humano, a inclusão social e a integração e educação de jovens e suas famílias por meio da prática do tênis, promovendo melhoria da qualidade de vida.

TÊNIS SOLIDÁRIO

Localizado no bairro de Pilares, na Zona Norte do Rio, o projeto foi idealizado pelo professor de Educação Física Artur Ricardo e existe desde 2011. Cerca de 40 jovens entre 7 e 17 anos de idade, que estudam em escola pública, têm aulas gratuitas de tênis. A quadra — adaptada do futsal para o tênis — fica embaixo do viaduto de Pilares. Além de aprender fundamentos do esporte, a criançada recebe noções básicas de etiqueta, inglês e português. Os jovens atletas recebem também uniformes, material esportivo e lanches de forma gratuita.

Schwartzman bate Verdasco e é campeão do Rio Open, maior título da sua carreira

Diego Schwartzman é o grande campeão do Rio Open, ATP 500 disputado na capital carioca e maior torneio de tênis da América do Sul.

Na tarde deste domingo, no Jockey Club Brasileiro, ele bateu o espanhol Fernando Verdasco em sets diretos, com parciais 6/2 e 6/3, com uma grande atuação.

Foi o segundo título de ATP da carreira de Schwartzman, o primeiro de ATP 500, que já havia sido campeão do ATP 250 de Istambul, em 2016.

Na final, Verdasco já não mostrou a mesma precisão que teve ao longo da semana, principalmente nas quartas e na semifinal, e viu um adversário muito sólido do fundo de quadra, que errou pouco e deu poucas chances.

Além disso, Schwartzman conseguiu levar a melhor nos pontos mais importantes, principalmente no meio do segundo set, salvando break points, quando a torcida presente parecia apoiar Verdasco, provavelmente pra ter a oportunidade de acompanhar um terceiro set, que não aconteceu.

Com o resultado, “El peque”, como é conhecido, vai confirmar seu melhor ranking da carreira, chegando ao 18º posto, superando o 23º lugar, ocupado nesta semana, que já é sua melhor marca, confirmando seu grande momento na carreira.

“No começo da semana, eu não esperava ser campeão e muito menos sem perder set. Eu pude aproveitar o fato dele jogar muito simples e duplas durante a semana. Eu estou muito contente com meu primeiro ATP 500.” afirmou o argentino, que ainda falou sobre a emoção de receber o troféu de campeão das mãos de Gustavo Kuerten:

“Foi incrível. Nunca imaginei ele entregar um troféu pra mim. Foi um sonho cumprido, assim como poder falar com ele.” disse Schwartzman.

Depois do jogo, Verdasco deixou claro que não estava em suas melhores condições físicas, principalmente pelo cansaço acumulados depois de ter jogador os cinco jogos da chave de simples e de duplas, na qual teve dois jogos no quali, antes de conquistar o título, na noite de sábado:

“Hoje não estava fisicamente como nos outros dias da semana, cometi um número maior de erros não forçados. Fisicamente, ele estava melhor do que eu. Não pude dar o melhor de mim, pelo cansaço acumulado.” afirmou.

Foto: Fotojump

Depois de ir à final de simples, Verdasco é campeão de duplas do Rio Open ao lado de Marrero

Menos de uma hora depois de conquistar a vaga na final de simples, o espanhol Fernando Verdasco fez jornada dupla neste sábado para garantir seu primeiro título do Rio Open apresentado pela Claro. Ao lado do compatriota David Marrero venceu o croata Nikola Mektic e o austríaco Alexander Peya, de virada, por 2 sets a 1, com parciais de 5/7, 7/5 e 10/8, e conquistou o título inédito da chave de duplas do ATP 500 do Rio. Neste domingo, Verdasco busca o troféu de simples contra o argentino Diego Schwartzman, a partir das 17h. Os ingressos estão à venda no site www.tudus.com.br/rioopen . A dupla espanhola recebeu premiação de R$ 359 mil e vai somar 500 pontos no ranking.

Verdasco e Marrero já tinham outros seis títulos juntos, incluindo o ATP Finals de 2013. Foi a primeira vez que eles venceram no Rio, e o troféu é o terceiro da dupla de um torneio nível 500 – já conquistaram Acapulco e Hamburgo. Marrero foi vice-campeão no Rio em duas oportunidades – 2014, com o brasileiro Marcelo Melo, e 2016, com o espanhol Pablo Carreño Busta. O curioso é que a dupla espanhola entrou na chave como lucky loser, depois da desistência da parceria formada pelo uruguaio Pablo Cuevas e o espanhol Carreño Busta.

Animado com o título, e a cada dia mostrando grande simpatia pelo Brasil, Verdasco quer encerrar a semana com mais um troféu. “Foram jogos difíceis, me desgastei, mas o bom é que os venci e chego na final individual com ainda mais confiança. Espero vencer amanhã para ter a melhor recordação possível do Rio. Me identifico muito com o Brasil, tenho muitos amigos aqui que me dizem que tenho sangue brasileiro”, disse o jogador de 34 anos.

Marrero agradeceu o parceiro na conquista do título. “Fernando fez um sacrifício extra nesses dias para conquistarmos esse título. É muito especial ganhar esse troféu com ele, em um dos melhores torneios do circuito. Passei por problemas pessoais nos últimos anos, então essa conquista tem um sabor diferente”, disse.

Assim como na vitória sobre o brasileiro Bruno Soares e o britânico Jamie Murray, na semifinal, Verdasco entrou embalado pelo resultado nas simples. Depois de vencer o italiano Fabio Fognini, o espanhol descansou por 45 minutos e retornou à quadra Guga Kuerten. Os espanhóis tinham vencido Mektic e Peya na semana passada em Buenos Aires, na primeira rodada do torneio, mas encontraram mais dificuldades no Rio. Peya e Mektic venceram o primeiro set, e tinham vantagem de 4 a 1 no segundo. Os espanhóis continuaram acreditando e buscaram o empate. No match tie-break, Verdasco brilhou e fez a diferença na conquista do troféu.

RESULTADOS DE SÁBADO:

Fernando Verdasco (ESP)/David Marrero (ESP) 2 x 1 Nikola Mektic (CRO)/Alexander Peya (AUT) – 5/7, 7/5 e 10/8

Diego Schwartzman (ARG) 2 x 0 Nicolas Jarry (CHI) – 7/5 e 6/2

Fernando Verdasco (ESP) 2 x 0 Fabio Fognini (ITA) – 6/1 e 7/5

Foto: Fotojump

Verdasco mantém boa fase, elimina Fognini e faz final do Rio Open contra Schwartzman

Depois de eliminar o austríaco Dominic Thiem, em grande atuação, Fernando Verdasco manteve a boa fase e, neste sábado, garantiu vaga na grande final do Rio Open, ATP 500 disputado na capital carioca e maior torneio de tênis da América do Sul.

O espanhol jogou bem, mas também contou com uma atuação abaixo da média do italiano Fabio Fognini para triunfar em sets diretos, com parciais de 6/1 e 7/5.

Campeão de 7 torneio da ATP, o italiano terá pela frente, em busca do 8º troféu, o argentino Diego Schwartzman, que mais cedo passou pelo chileno Nicolas Jarry, com parciais de 7/5 e 6/2.

Está sendo uma semana incrível, eu já queria vir para o Rio há muito tempo e agora está tudo perfeito. Amanhã a final contra o Schwartzman vai ser muito dura, ele é um jogador completo e consistente, com ótimos golpes de fundo de quadra”, previu o espanhol que ainda largou um “obrigado galera” antes de sair da quadra central para descansar e voltar na decisão de duplas.

A final será disputada neste domingo, às 17hs, na quadra Guga Kuerten, no Jockey Club Brasileiro.

Foto: Fotojump

Schwartzman bate surpreende Jarry, vai à final do Rio Open e se garante no top 20 da ATP

Diego Schwartzman confirmou seu favoritismo e é o primeiro finalista da chave de simples do Rio Open, ATP 500 disputado na capital carioca e o maior torneio de tênis da América do Sul.

Neste sábado, o argentino superou o surpreendente chileno Nicolas Jarry e venceu em sets diretos, com parciais de 7/5 e 6/2, em 1h17min.

Depois de um primeiro set equilibrado, no qual o argentino sacou duas vezes pra fechar, Jarry não conseguiu manter o nível no 2º, errou muito e não ofereceu resistência, vencendo apenas 2 games.

Campeão do ATP de Istambul, em 2016, Schwartzman vai em busca do seu segundo título de ATP. Com o resultado no Rio de Janeiro, ele entra pela primeira vez no top-20 da ATP, ocupando, por enquanto, o 19º posto a partir da próxima segunda-feira.

“”Foi uma partida dura, demorei a entrar no jogo. No 2° set joguei melhor, mais intenso, saquei melhor, devolvi melhor e pude ganhar em 2 sets. Estou muito contente por entrar no top 20.” afirmou o argentino.

Apesar da derrota, Jarry aprovou sua semana no Rio, depois de furar o qualifying e vencer três jogos na chave principal.

“Estou feliz pela semana, mas triste por hoje. Cometi muito mais erros do que nos outros jogos da semana. Quando eu jogava um bom ponto, ele jogava melhor. Parabéns pra ele.” disse Jarry, que também falou sobre o que vem sendo diferencial na sua carreira: “Estou treinando muito bem, fazendo as coisas muito bem fora da quadra também, sendo muito profissional, e isso influencia dentro da quadra. Tenho que manter isso.” disse o jovem chileno.

Foto: Fotojump