Monteiro equilibra, tira set, mas perde para Auger-Aliassime no US Open. Wild é superado por Evans

Após 3h51 de uma partida muito disputada, Thiago Monteiro caiu nos detalhes na estreia do US Open, em Nova York. Nesta terça-feira, o tenista número um do Brasil e 83o. na ATP enfrentou o canadense Felix Auger-Alissime, 21º colocado no ranking, e foi superado por 6/3 6/7(7) 7/6(8) 7/6(8).

A partida foi marcada pelas oportunidades que Monteiro criou, chegando a ter chances de fechar o terceiro e o quarto set, mas vendo um Auger-Aliassime sólido do outro lado da quadra. “Foi um jogo difícil. É duro perder estes jogos assim, que eu estava tão próximo. Tive set point no terceiro e no quarto set. Joguei bem em muitos momentos do jogo, mas em certos pontos eu poderia ter encaixado melhor a devolução, pequei um pouco nisso. Eu estava devolvendo bem nos treinos, mas hoje estava complicado e o saque do Auger-Aliassime é bem chato de devolver. Ele também jogou bem nos pontos importantes,” resumiu Monteiro, chateado pelas chances perdidas.

“Sem dúvidas estou triste pela derrota, deixa um gosto amargo, mas também estou sentindo que venho evoluindo. Sei que este tipo de situação vai se converter em vitórias e que vai me dar confiança. Gostei de ter jogado bem depois de uma lesão e depois de tanto tempo parado, então é importante seguir nesta linha e usar esta confiança para ir bem nos torneios na Europa”, finalizou o brasileiro, que se recuperou de um estiramento leve no adutor direito sofrido durante a disputa do qualifying do Masters 1000 de Cincinnati.

Esta foi a terceira participação de Monteiro na chave principal do US Open, repetindo as campanhas de 2017 e 2019. O próximo destino do cearense será a Europa, onde disputará os qualifyings do ATP 250 de Kitzbuhel, do Masters 1000 de Roma e do ATP 500 de Hamburgo antes do início dos jogos em Roland Garros.

Outro brasileiro que estreou na terça-feira, também com derrota, foi Thiago Wild, que não teve muitas chances diante do britânico Daniel Evans, perdendo por 6/2 6/1 e 7/6(5).

 

Monteiro e Wild entram em quadra nesta terça-feira em Nova York

Os dois brasileiros na chave estreiam nesta terça-feira no US Open, em Nova York, torneio disputado no piso duro e, neste ano, em condições diferentes, sem público.

O tenista número um do Brasil, Thiago Moteiro, joga contra o francês Felix Auger Aliassime, 21o. Colocado na ATP.

“É uma estreia dura, mas acho que vai ser um bom jogo. A gente vem treinando para enfrentar os grandes nomes do circuito. Ele é um cara novo, apontado para ser o futuro do tênis, é o favorito, mas vou tentar usar bem o meu saque, ficar atento nas primeiras bolas que vem rápidas. As condições em Nova York estão bem boas e se eu estiver em um bom dia, acredito na vitória. Eu cheguei há muitos dias, joguei o quali de Cincinnati e apesar da lesão foi bom jogar. Foi leve e estou recuperado,” disse Thiago.

Nos últimos dias, o cearense, já 100% depois de ter sofrido a lesão no adutor direito na última rodada do qualifying em Cincinnati, que estava sendo disputado em Flushing Meadows, Thiago aproveitou para treinar com diferentes tenistas.

“Eu comecei a treinar bem desde quinta-feira e foram treinos variados. Treinei com o Munar, o Schwartzman e hoje com o Murray. Estou me sentindo bem e 100% preparado para fazer um bom jogo.”

Esta é a 3a. Vez que Thiago Monteiro, 83o colocado na ATP, joga o US Open na chave principal. Nas outras duas, em 2017 e 2019 ele perdeu na estreia.

O Grand Slam americano é o segundo torneio que ele disputa, depois de 5 meses do circuito parado pela pandemia do COVID.

Devido a pandemia, o torneio está sendo disputado sem público e com uma série de restrições. “Fazia muito tempo que a gente não sentia essas sensações de estar em um torneio novamente. A gente já sabia que seria desta maneira (sem público). Mas temos que aproveitar a oportunidade de estar jogando, mesmo não sendo da maneira ideal.”

Thiago Wild enfrenta o britânico Daniel Evans, 23º favorito e 28º do ranking mundial, em estreia que ocorre na terça-feira em torno das 15h no terceiro jogo da quadra 5.

Wild joga seu primeiro torneio após a quarentena. Ele vem treinando há cerca de uma semana no Billie Jean Tennis Center supervisionado pelo treinador João Zwetsch.

Thiago tem condições de enfrentar o Evans com ambições,ser inteligente para jogar. Evans joga bem em quadra rápida, bom slice,resolve bem na rede, quadra rápida. Ainda é um pouco inconstante. Quando está nos seus melhores dias consegue vitórias contra grandes nomes, é experiente. Jogo bem difícil, mas se o Thiago conseguir impôr um bom volume e principalmente mentalmente conseguir administrar em um controle por ser um jogo de cinco sets, ele tem uma boa chance, estamos treinando e trabalhando nessa linha. Tenho uma expectativa boa, muito tempo sem jogar, mas Thiago é um grande competir e tem boa chance de surpreender”, disse Zwetsch,

Monteiro e Wild terão adversários duros na estreia do US Open

Os dois brasileiros na chave já conhecem os adversários de estréia no US Open, Grand Slam disputado no piso duro da cidade de Nova Iorque, nos Estados Unidos, que neste ano terá uma dinâmica diferente em virtude da pandemia do novo coronavírus.

Os dois não terão vida fácil na primeira rodada. Começando por Thiago Monteiro, atual nº 82 do mundo, que terá pela frente o canadense Felix Auger-Aliassime, nº 20 do mundo, em confronto que será inédito.

Outro brasileiro na chave, Thiago Wild também não deve ter facilidade diante do britânico Thiago Wild, nº 28 da ATP, em outro confronto inédito.

Thiago Wild também embarca para os EUA

Thiago Wild, número 114 do mundo, atleta do Instituto Tennis Route, do Rio de Janeiro, finalizou sua intensa preparação na quadra rápida no Recreio dos Bandeirantes para a disputa do US Open que será seu primeiro Grand Slam na carreira.
O jovem natural de Marechal Candido Rondon (PR) vai disputar o torneio onde foi campeão juvenil em 2018 fazendo história para o Brasil. Ele embarca na noite deste sábado para Nova York e aguarda algumas desistências para jogar, a partir do dia 20, o qualificatório do Masters 1000 de Cincinnati que por conta da pandemia também será jogado na cidade no mesmo palco do US Open.
Os dois eventos marcam a retomada do circuito principal masculino.
“Jogar um Grand Slam é sempre um passo a mais, jogo de cinco sets, muito diferente em um ano de um tenista. Expectativa é jogar bem, fazer o que venho treinando e quem sabe avançar algumas rodadas”, disse Wild: “Sempre gostei de jogar em Nova York, uma quadra rápida com altitude mais baixa. Jogar um Slam é sempre especial e voltar lá dois anos depois de ter conquistado o título juvenil será muito gratificante pra mim”.
Nas últimas semanas, Wild treinou com a supervisão do treinador João Zwetsch com o tenista Thiago Monteiro, atual 82º do mundo e primeiro do Brasil. Nesta quarta-feira, os dois realizaram um jogo-treino melhor de cinco sets onde Wild venceu por 7/6 (7/2) 6/4 6/4 após cerca de 2h40min de duração. No final de semana passado, Wild superou Thomaz Bellucci, ex-21º do mundo e atual 289º, por 7/6 (7/4) 6/4 em exibição em São Paulo.
Zwetsch destacou a preparação do tenista durante a quarentena: “Fisicamente o Thiago está muito bem preparado, fizemos um bom trabalho nessa parte parado, está mais forte. Está preparado para jogar os cinco sets. Será a primeira vez que jogará cinco sets, ele não tem experiência em torneios ainda nesse tipo de jogo, mas ao longo da preparação uma vez por semana pelo menos buscamos colocar jogos de cinco sets para ele”, disse o treinador que comentou o foco do trabalho com o atleta.
“Demos o foco maior na parte de contra-ataque, slices, voleios, defesa. Dar uma gama maior de recursos para o Thiago ter variações usando com seus golpes de ataque que são muito bons”.
Wild fez história ao país pouco antes da paralisação do circuito ao conquistar o ATP 250 de Santiago, no Chile.
Foto de João Pires

Wild vence Bellucci em evento exibição. Paranaense segue para quali de Cincinnatti

A Vita Brasil Tennis Challenger chegou ao fim neste sábado com a vitória de Thiago Wild sobre Thomaz Bellucci. O paranaense demonstrou mais intensidade desde o início da partida e levou a melhor com parciais de 7/6 6/4. O evento, realizado pela Try no VO699 by JFL Living, serviu como preparação para os jogadores, já que ambos em breve embarcarão para treinos e competições no exterior.

Wild viajará para Nova York, onde primeiramente disputará o qualifying do Masters de Cincinnati e na sequência fará a sua estreia na chave principal do US Open, enquanto Bellucci embarca neste domingo com destino a Rio Maior, em Portugal, para um período de treinos, ao lado de Carol Meligeni Alves e Beatriz Haddad Maia, que também disputaram o Vita Brasil Tennis Challenger, e João Menezes. Este projeto foi idealizado pelo COB (Comitê Olímpico do Brasil) e proporcionará 15 dias de treinos aos jogadores escolhidos.

Desde o início da partida, o principal desafio de Bellucci quanto de Wild foi confirmar o serviço. A primeira parcial foi definida somente no tie-break com 7-4 a favor do paranaense. No segundo set, Wild chegou a abrir 4 a 0, perdeu um pouco de intensidade, mas soube administrar a vantagem ao fechar a partida com 7/6 (4) 6/4.

“Cometemos alguns erros, não sacamos tão bem nos primeiros games, só que depois o ritmo foi melhorando. Isso é normal, muito tempo sem jogar. Mesmo treinando, o time de jogo é outro”, analisou Wild. Uma novidade nesta exibição masculina foi a inclusão da comunicação direta entre técnicos e tenistas que, após o termino dos games, se comunicavam por headsets para tratar de táticas e ajustes no jogo.

Segundo Wild, o Vita Brasil Tennis Challenger foi fundamental para para a retomada do esporte. “Para todos nós é importante essa retomada de jogos, principalmente para ganharmos tempo de bola e ritmo de jogo”, afirmou o jovem tenista. O campeão do ATP 250 de Santiago enalteceu a segurança do evento. “Foram tomadas todas as providências necessárias e tenho certeza que todos os presentes puderam trabalhar de forma segura. Este foi um evento muito bem planejado e executado”, avaliou.

Foto: João Pires/Fotojump

Nova geração do tênis brasileiro disputa o Challenger de Olímpia

A nova geração do tênis brasileiro irá disputar o Torneio Internacional de Tênis – Olímpia Tennis Classic, que será realizado de 16 a 22 deste mês, no Thermas dos Laranjais, em Olímpia (SP).

Os paulistas Mateus Alves, 19 anos, e Igor Marcondes, 22, e mais o catarinense Pedro Boscardin, 17, receberam convites (wild cards) para ingressarem na chave principal do torneio da série ATP Challenger 50, que distribui uma premiação de US$ 35 mil e pontos importantes no ranking mundial.

Os três jovens tenistas se juntam a Thiago Wild, Guilherme Clezar, Pedro Sakamoto, Orlando Luz e Felipe Meligeni, já inscritos na chave, aumentando para oito o número de brasileiros confirmados no torneio.

Alves e Boscardin foram indicados pela Confederação Brasileira de Tênis. Já Marcondes foi campeão de um CNIP (Campeonato Nacional de Incentivo ao Profissionalismo), realizado no mês de janeiro, em Florianópolis, e que garantia ao vencedor uma vaga na chave principal do Olímpia Tennis Classic.

“Estou muito feliz por poder jogar o Olímpia Tennis Classic. Comecei bem o ano, com bons resultados no México em simples e duplas (foi campeão em duplas e semifinalista em simples no ITF de Cancún). Venho treinando bastante, me sinto confiante para o torneio”, afirmou Marcondes. “Fiz uma boa pré-temporada para começar com tudo esse ano, depois de ficar 2018 parado e voltar a jogar os torneios futures somente no meio de 2019. Então esse é ano que pretendo jogar a temporada inteira”, acrescentou.

Brasil sai atrás na Davis, mas empolga

O primeiro dia de Copa Davis, a Copa do Mundo do Tênis, terminou com a Austrália na frente do placar, mas a equipe mostrou que tem força para crescer na competição, independente do confronto em Adelaide, no sul do país da Oceania. A equipe da casa venceu os dois jogos de simples na sexta-feira, com as vitórias de Jordan Thompson e John Millman sobre Thiago Monteiro e Thiado Wild, respectivamente. Mas o duelo segue em aberto com as três partidas previstas para este sábado, a partir das 12h.

O primeiro duelo programado no Memorial Drive Tennis Club é entre a parceria formada por Marcelo Demoliner e Felipe Meligeni contra James Duckworth e John Peers. O capitão de cada time pode mudar a escalação até uma hora antes do início. O Brasil precisa da vitória neste jogo para se manter com chances na quarta partida, entre Thiago Monteiro e John Millman. A quinta partida programada é entre Thiago Wild e Jordan Thompson.

Nesta sexta-feira, Thiago Monteiro (82º do ranking da ATP) foi o primeiro a entrar em quadra para o jogo contra Jordan Thompson (63º). O brasileiro fez um jogo bastante equilibrado com Thompson, que contou com a força da torcida para fechar em duplo 6/4.

No segundo confronto, Thiago Wild (113º) mostrou toda confiança obtida após o título do ATP 250 de Santiago e teve um começo avassalador contra John Millman (43º). Ele chegou a abrir 5 a 2 no primeiro set antes de uma torcedora australiana precisar de atendimento médico por causa de um infarto, paralisando a partida em cerca de 30 minutos. Depois da pausa, o australiano conseguiu equiliberar o confronto para vencer por 4/6, 7/6 e 6/2.

“O Thiago Wild estava muito bem, mas a paralisação deu tempo para o Millman pensar no que fazer. Ele conseguiu aumentar o seu nível. Estou bem orgulhoso de nosso time, eles deram 100% em quadra. Não é como gostaríamos de estar, com 2 a 0 atrás, mas vejo um bom futuro para o nosso time. Ainda não está acabado. Temos três jogos neste sábado e vamos ver o que acontece”, destaca Jaime Oncins, capitão do time brasileiro.

“Eu tive minhas chances. Não diria que ele teve sorte, mas certamente ele conseguiu aumentar a sua intensidade, começou a sacar melhor e não errou mais nenhuma bola no terceiro set. Foi uma partida especial para mim, mas, no final, preciso tratar como apenas mais um jogo”, completa Thiago Wild.

O vencedor do confronto entre Brasil e Austrália vai se classificar para o Madrid Finals, em novembro, onde estarão as melhores equipes do planeta. O duelo é em melhor de cinco partidas, sendo necessárias três vitórias para obter a classificação. Os jogos são transmitidos pela DAZN, serviço online de streaming.

Thiago Wild conquista o título do ATP de Santiago e se torna o mais jovem brasileiro campeão de ATP

Thiago Wild fez história neste domingo no saibro de Santiago, no Chile, ao conquistar seu primeiro título nível ATP e se tornar, com 19 anos, o mais jovem brasileiro a vencer um título desse porte.
Wild, atual 182º colocado, natural de Marechal Candido Rondon (PR), derrotou o segundo favorito, o norueguês Casper Ruud, 38º colocado, por 7/5 4/6 6/3 após 2h16min de duração.
“É um grande feito, algo que sempre sonhei”, disse Wild sobre a primeira conquista de ATP: “Estou muito feliz, foi uma semana com um furacão de coisas. Quero agradecer à organização do ATP de Santiago e a Octagon pelo convite e pela hospitalidade. Agradecer ao público brasileiro , minha equipe da Tennis Route e todo mundo que faz parte disso aqui”, disse Thiago.
“A partida foi muito equilibrada,chances pros dois lados,saquei um pouco melhor no terceiro set , aproveitei minhas chances e pude sair com a vitória.  Tive muitas chances no segundo set, dois ou três 0/30 no saque do Casper, não pude converter, tive que focar para tirar o melhor tênis no terceiro set”,disse Wild que é o mais jovem desde Rafael Nadal a vencer um torneio da chamada Golden Swing, de eventos no saibro latino-americana, iniciado em 2001. Nadal foi campeão em 2005, em Acapulco, no México, com apenas 18 anos.
“Sempre tive o Rafa como um ídolo desde que comecei a jogar tênis com 5, 6 anos. Estou muito feliz com isso”, apontou Wild que destacou a confiança para o restante da temporada, mas fincou os pés no chão e evita euforia com o daqui por diante.
“Não pensei mais adiante e sim que com essa semana eu ganho confiança para o restante da temporada”, seguiu: “Não há muito o que pensar no que vou ser ou no que fiz antes, e sim no que está fazendo no momento, como estou jogando e como quero jogar, tenho que pensar no trabalho e nada mais”.
Wild quebra um jejum de quase cinco anos sem títulos de ATP. O último havia sido Thomaz Bellucci em maio de 2015 com o troféu em Genebra, na Suíça. Ele passa a ser o nono brasileiro a ter conquistado um ATP. Gustavo Kuerten venceu 20 canecos, Luiz Mattar ganhou sete, Bellucci faturou quatro, Fernando Meligeni ganhou três, Jaime Oncins e Thomaz Koch venceram dois, Ricardo Mello e Carlos Alberto Kirmayr venceram um cada.
“Foi uma semana que veio para comprovar o amadurecimento do Thiago dentro e fora da quadra, coisa que estamos há bastante tempo trabalhando. Semana do Rio de Janeiro do Rio Open teve bastante disso e agora essa semana coroou esse momento dele. É um trabalho importante que vem sendo feito também pelo Felipe Vardiero (psicólogo) uma peça fundamental que entrou em nosso time uns meses atrás para lidar nesse processo dele. Foi uma semana incrível, Thiago jogou tênis de alto nível do início ao fim do torneio. Lidou bem com as situações de cada jogo, foi muito bonito ver isso em quadra e mais bonito ainda sendo coroado com esse título. É um título fundamental nesse caminho que ainda é longo. Tem muita coisa ainda para melhorar e o Thiago sabe disso, está consciente e o mais importante é isso. Estamos com processo sólido, construído com o Alex Matoso na preparação física, o Roberto Bretas na fisioterapia, Cláudio o pai do Thiago ajuda muito. Equipe bem sólida que dá uma segurança bem legal para apostar na força que ele tem na capacidade como jogador. E parabenizar o Thiago pelo nível e disciplina aprendizado, esforço e dedicação que vem tendo. Agora é pés no chão, olhar adiante, muita coisa a ser feita e com muito trabalho”, detalhou o treinador de Wild, João Zwetsch, do Instituto Tennis Route
O paranaense começou sua campanha desbancando o 131º do mundo, o argentino Facundo Bagnis em três sets e eliminou na sequência o quinto favorito, o argentino Juan Londero, 63º, o chileno Cristian Garín, 18º e cabeça de chave 1, campeão do Rio Open e do ATP 250 de Córdoba, na Argentina, nas semis derrotou o qualifier Renzo Olivo (297º) até o triunfo final sobre Ruud, campeão em Buenos Aires.
Thiago não perde tempo e embarca na madrugada desta segunda-feira para Adelaide, na Austrália, onde defende o Brasil pela Copa Davis na próxima sexta e sábado em duelo que vale vaga nas finais da competição mundial, em novembro.

Monteiro e Wild vencem mais uma e Brasil tem dois tenistas nas quartas do ATP de Santiago

O brasileiro Thiago Monteiro venceu mais uma no ATP 250 de Santiago, no Chile. Após derrotar o argentino Leonardo Mayer na estreia, nesta quarta-feira foi a vez do tenista número um do Brasil e 88o. colocado no ranking mundial superar o espanhol Roberto Carballes Baena, 97o por 6/1 6/4. Cabeça de chave 8, Thiago agora está nas quartas-de final do último torneio da gira sul-americana de saibro.

“A partida de hoje foi muito boa. Eu estava muito sólido, muito firme. A gira é longa, mas vim melhorando a cada semana e estou sentindo que estou jogando bem. Aqui, em Santiago, as condições são mais rápidas que das últimas semanas, mas consegui me adaptar desde o primeiro dia”, comentou o brasileiro, destacando a rápida adaptação e o bom desempenho.

Campeão do challenger de Punta Del Este e quadrifinalista de Buenos Aires, Thiago espera atingir o seu melhor resultado do ano em ATPs agora, em Santiago. “Agora, preciso me preparar para a próxima rodada, que vai ser bem dura, independente do adversário. Vou pra cima em busca da minha primeira semi de ATP do ano”, finalizou Monteiro, já focado nas quartas. O seu adversário será o espanhol Albert Ramos-Viñolas, que o venceu em três dos quatro confrontos anteriores entre eles.

Quem também se garantiu nas quartas de final do torneio chileno foi Thiago Wild, que conseguiu uma excelente vitória sobre o argentino Juan Ignacio Londero, com parciais de 7/6(7) e 6/4.

Agora, por vaga na semifinal, Wild terá pela frente o espanhol Alejandro Davidovich-Fokina, que eliminou o local Cristian garin. O brasileilro e o espanhol se enfrentaram na primeira rodada do Rio Open, com vitória de Wild em três sets.

Monteiro vira sobre argentino Mayer e, assim como Wild, vai às oitavas do ATP de Santiago

Mais uma vez, pela segunda semana seguida, um torneio ATP tem dois brasileiros na fase de oitavas de final.

Dessa vez, em Santiago, no ATP local. Thiago Wild já havia conquistado sua vaga na segunda-feira, ao bater o argentino Facundo Bagnis por 2×1.

Nesta terça-feira, foi a vez de Thiago Monteiro garantir a sua ao passar pelo argentino Leonardo Mayer, de virada, com parciais de 6/7(0) 6/3 e 6/4.

Nas oitavas, o brasileiro terá pela frente o espanhol Roberto Carballes Baena. Os dois já se enfrentaram três vezes, com três vitórias de Monteiro.

Já Wild vai enfrentar o argentino Juan Ignacio Londero, em confronto que será inédito.