Teliana Pereira inicia temporada 2019 nos torneios do Brasil, em março

A tenista brasileira Teliana Pereira iniciará a temporada 2019 disputando uma série de três torneios no Brasil, a partir de 11 de março, na capital paulista, seguindo para Curitiba e Campinas.

Após quatro meses sem competir, se recuperando de lesões e fortalecendo o corpo, Teliana está fazendo os últimos ajustes para voltar à rotina de torneios. “Precisei colocar o meu corpo em primeiro lugar. O ano passado foi bem difícil. Logo no início machuquei a mão, o que me impediu de seguir o calendário que eu gostaria. Os torneios que eu disputei, achei que estava voltando ao ritmo e algumas semanas joguei muito bem e outras sofri com alguns incômodos físicos,” relatou Teliana. Mas, determinação e vontade nunca faltaram para a pernambucana radicada em Curitiba e que já teve que voltar de lesões e trabalhou duro para alcançar a 43a. posição no ranking mundial (2016). “Voltar não é simples. Eu já passei par isso quando operei o joelho. É preciso muita paciência, uma cabeça muito forte e tempo para recomeçar.”

A vontade de voltar a competir se intensificou depois das duas semanas comentando o Australian Open na ESPN. “Todas as vezes que saia da ESPN eu tinha vontade de ir direto pra quadra. Impossível assistir, comentar e não ter vontade de jogar.”

Mas, antes de retomar a rotina de torneios, Teliana vai aumentar ainda mais a vontade. Ela estará no Rio Open, durante toda a semana do ATP 500, participando de alguns eventos para o torneio, ora com o microfone, ora com a raquete na mão.

“Quero voltar logo, mas ao mesmo tempo tenho que ir com calma. O meu corpo está em primeiro lugar,” avaliou. “Vamos aos poucos. Vou jogar esses torneios do Brasil e depois vamos ver onde entro para decidir se vou para Bogotá ou para a Europa.”

Foto: Detlef Gottwald

Gilbert Klier Jr. recebe último convite para o quali do Rio Open

O Rio Open apresentado pela Claro definiu o terceiro e último wild card para o qualifying, que irá para Gilbert Klier Jr. O jovem talento brasiliense de 18 anos se junta a Thomaz Bellucci, Rogério Dutra Silva e Mateus Alves na fase classificatória, que distribui quatro vagas na chave principal. O qualifying tem entrada franca neste sábado (16) e domingo (17), no Jockey Club Brasileiro, com jogos a partir das 16h. Os ingressos para a chave principal podem ser adquiridos em tudus.com.br/rioopen com preços a partir de R$ 30.

Klier Jr. fará sua estreia em ATPs após alcançar na temporada passada bons resultados no circuito juvenil: o top 10 do ranking mundial, a classificação para as quartas de final de Wimbledon – melhor resultado de um juvenil brasileiro nos últimos dez anos – e a medalha de bronze nos últimos Jogos Olímpicos da Juventude.

“É uma oportunidade sensacional, me sinto feliz pela chance de jogar um qualifying desta importância, o meu primeiro ATP 500. Agradeço aos organizadores do Rio Open por este convite e com certeza irei desfrutar ao máximo desta nova experiência”, disse Klier Jr., que treina no Rio de Janeiro com outro jovem talento do Brasil, o paranaense de 18 anos Thiago Wild, garantido na chave principal do Rio Open após vencer em novembro a Maria Esther Bueno Cup, o primeiro torneio NextGen do tênis brasileiro.

Para o Diretor do Rio Open, Luiz Carvalho, os convites para tenistas da nova geração são fundamentais para o desenvolvimento de suas carreiras. “Desde a primeira edição procuramos valorizamos a nova geração do tênis brasileiro, além de oferecer oportunidades para que os jogadores em transição para o profissional sintam o que é o circuito de fato, conheçam os desafios que a carreira requer no alto nível de competição e amadureçam profissionalmente. O Klier Jr. é um jogador em evolução, mostrou todo seu potencial na disputa da Maria Esther Bueno Cup e pode crescer muito a partir das experiências que ele viverá este ano no Rio Open”, disse.

Além do quarteto brasileiro, o qualifying atrairá jovens tenistas de destaque, como o britânico Cameron Norrie, número 65 do mundo, além do norueguês Casper Ruud e do sueco Elias Ymer. Desta disputa, composta por 16 jogadores, quatro tenistas avançam para a chave principal do ATP 500 brasileiro, que tem sua lista encabeçada pelo austríaco Dominic Thiem, pelos italianos Fabio Fognini e Marco Cecchinato e pelo argentino Diego Schartzman, todos no top 20 da ATP.

O Rio Open apresentado pela Claro acontece de 16 e 24 de fevereiro de 2019, no Jockey Club Brasileiro. A entrada para o qualifying é gratuita nos dias 16 e 17 de fevereiro. Os ingressos para a chave principal estão à venda no site tudus.com.br/rioopen, com valores a partir de R$30. A expectativa é de que 50 mil pessoas acompanhem os jogos e a programação ao longo do evento.

Brasil conquista o Zonal Americano e volta a disputar Playoff Mundial da Fed Cup

O Brasil disputará, mais uma vez, o Playoff do Grupo Mundial II da Fed Cup, principal competição entre países do tênis feminino.

Com uma campanha invicta, as brasileiras chegaram à final, disputada neste sábado, no saibro colombiano de Medellín, para mais uma disputa equilibrada contra o Paraguai.

Porém, Carolina Meligeni Alves não sentiu a pressão e se impôs diante da experiente Montserrat Gonzalez para anotar 6/3 e 6/2 com certa tranquilidade.

Depois foi a vez de Bia Haddad passar por mais uma dura adversária, Veronica Cepde Royg, também em sets diretos, com parciais de 6/2 e 6/3, garantindo o título do Brasil no Zonal Americano.

A última vez que o Brasil disputou o Playoff do Grupo Mundial II foi em 2014, quando a equipe foi superada em casa pela forte equipe suíça de Timea Bacsinszky e Belinda Bencic.

Vale lembrar também que foi uma estreia vitoriosa da capitã Roberta Burzagli no comando da equipe brasileira.

Rogerinho e Monteiro estreiam neste sábado no quali do ATP de Buenos Aires

Dois brasileiros estão no qualifying do ATP 250 de Buenos Aires, na Argentina, que é disputado no saibro e que começa nesta sábado.

Rogério Dutra Silva, o Rogerinho, terá pela frente o norueguês Casper Ruud, nº 126 do mundo. Os dois já se enfrentaram duas vezes, com o jogador europeu levando a melhor na primeira rodada do Rio Open de 2017, enquanto o brasileiro venceu neste ano, no piso duro do Challenger de Playford City.

Thiago Monteiro também não deve ter facilidade, já que encara o local Facundo Bagnis. Os dois já se enfrentaram seis vezes, com cinco triunfos do argentino.

Quali do Brasil Open terá Cuevas, Monteiro e Rogerinho

A ATP (Associação dos Tenistas Profissionais) divulgou nesta terça-feira a lista dos tenistas que disputam o qualifying em busca de vaga na chave principal do Torneio Aberto do Brasil – ATP 250 – Brasil Open 2019. Entre os principais nomes da lista estão o tricampeão uruguaio Pablo Cuevas, os brasileiros Thiago Monteiro e Rogério Dutra Silva, além de quatro argentinos, como o experiente Carlos Berlocq.

O Brasil Open terá o qualifying disputado nos dias 23 e 24 de fevereiro, com entrada gratuita, no Complexo Desportivo Constâncio Vaz Guimarães – Ginásio do Ibirapuera.

A chave principal, que tem nomes como o argentino Federico Delbonis, o português João Sousa, o tunisiano Malek Jaziri, o espanhol Jaume Munar e o brasileiro Thiago Wild, acontece entre 25 de fevereiro e 3 de março, com ingressos à venda a partir de R$ 25 (R$ 12,50 meia-entrada) pelo site http://www.ingressorapido.com.br/event/12279/d/53971.

Além dos nomes já conhecidos do público, o quali terá como novidade a participação do jovem espanhol Pedro Martinez, o boliviano Hugo Dellien, além da presença do belga Kimmer Coppejans, destaque da Copa Davis no último fim de semana em Uberlândia.

Jovem mineiro joga o quali pela primeira vez 

O mineiro João Menezes, de 22 anos, recebeu o primeiro wild card (convite) para disputar o qualifying do Brasil Open, onde fará a sua estreia em torneios ATP.

De volta de Barcelona, na Espanha, onde treinou durante dois anos no time do espanhol Galo Blanco, Menezes é uma das apostas do Itamirim Clube de Campo, onde treina com Patrício Arnold e Luiz Peniza. Vice-campeão juvenil de duplas no US Open 2014, ele ocupa atualmente o número 391 do ranking mundial e integrou o time brasileiro da Copa Davis como reserva no último fim de semana.

“Acabar o ano entre os 200 é a minha principal meta e não poderia estar mais feliz com essa confirmação para jogar o quali do Brasil Open. Vai ser o meu primeiro torneio de nível ATP, então é muito especial, vou fazer o máximo para retribuir o convite dentro de quadra”, afirma o tenista natural de Uberaba.

Confira abaixo a lista completa do qualifying:

  1. Pablo Cuevas (URU) – 92º
  2. Thiago Monteiro (BRA) – 108º
  3. Hugo Dellien (BOL) – 116º
  4. Marco Trungelliti (ARG) – 117º
  5. Carlos Berlocq (ARG) – 135º
  6. Rogerio Dutra Silva (BRA) – 139º
  7. Facundo Bagnis (ARG) – 149º
  8. Pedro Martinez (ESP) – 159º
  9. Alessandro Giannessi (ITA) – 168º
  10. Andrej Martin (SVK) – 181º
  11. Daniel Gimeno-Traver (ESP) – 188º
  12. Facundo Arguello (ARG) – 191º
  13. Kimmer Coppejans (BEL) – 194º
  14. Matteo Donati (ITA) – 211º

WC – João Menezes (BRA) – 391º

WC – a definir

Alternates

  1. João Domingues (POR) – 215º
  2. Marcelo Arevalo (ESA) – 220º
  3. Thomaz Bellucci (BRA) – 221º
  4. Federico Gaio (ITA) – 224º
  5. Daniel Elahi Galan (COL) – 227º
  6. Gian Marco Moroni (ITA) – 228º
  7. Kevin Krawietz (GER) – 231º
  8. Thai-Son Kwiatkowski (USA) – 269º
  9. Federico Coria (ARG) – 288º
  10. Carlos Taberner (ESP) – 291º

Wild leva virada de italiano Giannessi na estreia do ATP 250 de Cordoba

Depois de ganhar um convite para a chave principal, Thiago Wild foi eliminado na primeira rodada do ATP 250 de Córdoba, na Argentina, que é disputado no saibro.

Nesta terça-feira, o jovem brasileiro foi superado de virada pelo italiano Alessandro Giannessi, com parciais de 6/7(8) 7/5 e 7/6(4).

Wild segue agora para o Rio Open, ATP 500 disputado no saibro carioca, torneio para o qual ganhou um convite na chave principal após vencer a Maris Esther Bueno Cup, competição disputada no ano passado, entre jovens tenista promissores do país.

Bruno Soares e Marcelo Melo jogam juntos no Rio Open

Dois dos maiores nomes da história do tênis brasileiro, Marcelo Melo e Bruno Soares, disputarão juntos a sexta edição do Rio Open apresentado pela Claro, que acontece de 16 a 24 de fevereiro, no Jockey Club Brasileiro. Os mineiros, campeões de sete Grand Slams no total, estão entre os destaques em line-up que também apresenta os colombianos Juan Sebastian Cabal e Robert Farah, bicampeões do torneio, além do brasileiro Marcelo Demoliner que jogará com o dinamarquês Frederik Nielsen. Com valores a partir de R$ 30, os ingressos estão à venda pelo site tudus.com.br/rioopen.

Tanto o britânico Jamie Murray quanto o polonês Lukasz Kubot, respectivos parceiros de Soares e Melo no circuito, não poderão viajar nesta data, o que possibilitou a retomada da parceria semifinalista do torneio em 2016. “Foi uma boa coincidência nossos parceiros não conseguirem vir ao Brasil este ano. O Jamie estava programado para vir, mas teve um problema pessoal e não poderá estar no Rio. A torcida que sempre marca forte presença em nossos jogos terá novamente uma dupla brasileira para torcer e quem sabe dar uma força extra para a gente buscar o nosso primeiro título do Rio Open e o primeiro título do Brasil no torneio”, disse Soares, campeão no início desta temporada em Sydney, na Austrália, com Murray.

Melo fez no último final de semana de Copa Davis a sua primeira apresentação desde que se recuperou da lesão muscular nas costas. O ex-número 1 do mundo tem boas expectativas para jogar ao lado de Soares, com quem soma 4 títulos na ATP. “Será um momento especial jogar mais uma vez o Rio Open com o Bruno. Tenho certeza que os torcedores ficarão felizes em poder nos ver jogando lado a lado mais uma vez”, afirma o tenista, que foi finalista do torneio em 2014, em parceria com o espanhol David Marrero. Antes de embarcar para o Rio de Janeiro, Melo ainda disputará o ATP 500 de Roterdã, na Holanda, com Kubot.

“É um privilégio para o Rio Open, ter o Marcelo e o Bruno jogando juntos. Eles são os principais expoentes do tênis nacional no circuito, são campeões de sete Grand Slams e é uma rara oportunidade da torcida poder ver essa dupla em ação no Brasil,” disse Luiz Carvalho, diretor do Rio Open.

Com o Brasil em busca do primeiro título no Rio Open, quem também disputará a competição é Marcelo Demoliner. O gaúcho, que conquistou seu primeiro título de ATP em 2018, virá ao Rio Open com seu novo parceiro de circuito, o dinamarquês Frederik Nielsen, campeão de Wimbledon em 2012.  Demoliner participou de todas as edições do torneio carioca, tendo como seu melhor resultado a semifinal em 2016, com o compatriota Thomaz Bellucci.

A chave também contará com os colombianos Juan Sebastian Cabal e Robert Farah, bicampeões do Rio Open. A dupla, que foi finalista no Australian Open em 2018 e o segundo melhor time da última temporada, volta ao Rio de Janeiro para tentar o tricampeonato no maior torneio de tênis da América do Sul. O espanhol Marc Lopez, campeão de Roland Garros em 2016 (com Feliciano Lopez) e medalhista de ouro nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro (com Rafael Nadal), e o uruguaio Pablo Cuevas, campeão de Roland Garros em 2008 (com Luis Horna), completam os destaques da chave de duplas.

Além das 11 vagas anunciadas, outras cinco serão preenchidas, sendo duas on-site, outras duas por convites da organização e a última por meio do qualifying.

A sexta edição do maior torneio de tênis da América do Sul terá entre os seus destaques as presenças do austríaco Dominic Thiem, número 8 do mundo, do argentino Diego Schwartzman, atual campeão do Rio Open, do italiano Fabio Fognini, top 15 do ranking, além dos brasileiros Thiago Monteiro e Thiago Wild, ambos garantidos na chave principal, enquanto Rogério Dutra Silva e Thomaz Bellucci estão confirmados para a disputa no quali.

DUPLAS

Marcelo Melo e Bruno Soares (BRA/BRA)

Juan Sebastian Cabal e Robert Farah (COL/COL)

Nikola Mektic e Horacio Zeballos (CRO/ARG)

Pablo Carreno Busta e João Sousa (ESP/POR)

Marco Cecchinato e Dusan Lajovic (ITA/SRB)

Austin Krajicek e Artem Sitak (EUA/NZL)

Pablo Cuevas e Marc Lopez (URU/ESP)

Maximo Gonzalez e Nicolas Jarry (ARG/CHI)

Malek Jaziri e Leonardo Mayer (TUN/ARG)

Luke Bambridge e Jonny O’Mara (GBR/GBR)

Marcelo Demoliner e Frederik Nielsen (BRA/DIN)

CAMPEÕES

2018 – David Marrero e Fernando Verdasco (ESP/ESP)

2017 – Pablo Cuevas e Pablo Carreño Busta (URU/ESP)

2016 – Juan Sebastian Cabal e Robert Farah (COL/COL)

2015 – Martin Klizan e Philipp Oswald (ESV/AUT)

2014 – Juan Sebastian Cabal e Robert Farah (COL/COL)

Foto: João Pires

Djokovic pode derrotar Nadal também em Roland Garros em 2019?

Rafael Nadal é frequentemente mencionado como o rei do saibro, porque ele parece ser simplesmente invencível nesse tipo de superfície. Um exemplo disso é que ele é o atual detentor do maior recorde de vitórias em Roland Garros, com onze títulos a seu favor.

Fonte: Rafa Nadal via Facebook

Apenas dois homens conseguiram derrotá-lo neste torneio: um foi o tenista sueco (atualmente aposentado) Robin Soderling em 2009, e o outro é o atual número 1 do mundo, o sérvio Novak Djokovic, que fez o seu em 2015. Mas, embora o sérvio já tenha enfrentado este ano a Nadal, ele o venceu em três sets sem deixá-lo nem respirar. Na verdade, como a ESPN descreve, essa vitória foi dentro do Aberto da Austrália, que é jogado em piso sintético e não em terra batida, como em Roland Garros.

Djokovic como o único que pode derrotar Nadal hoje

A rivalidade entre Nadal e Djokovic é uma das mais fortes do mundo do tênis atual, e por isso os dois jogadores europeus habitualmente estão entre os favoritos para ganhar os torneios em que participam. No entanto, Roland Garros é um torneio separado em que Nadal parece simplesmente não ter competição.

De fato, desde 1º de fevereiro, o site de apostas Betfair já dá a Rafael Nadal como o favorito com 54,6%, acima de Novak Djokovic, quem fica como segundo com 36,4% de chances de levar o troféu para casa. Apesar do sérvio estar no topo do ranking da ATP, e de que está iniciando o ano bastante forte, o domínio de Nadal sobre o barro põe as apostas a seu favor.

 

Um fato curioso é que desde 2011 Djokovic já comentava que derrotar Nadal no saibro era o seu maior desafio, como mostra o site esportivo Globoesporte, e só conseguiu completar essa conquista quatro anos depois, superando o espanhol nas quartas de final de Roland Garros, mas ficando a um passo do título, porque perdeu para o suíço Stanislas Wawrinka na final.

Um novo ano, uma nova oportunidade

Em 2019, Djokovic tentará se manter no topo do ranking da ATP e conseguir mais uma vitória no segundo Grand Slam do ano. No entanto, poderá encontrar Nadal o meio do caminho, num jogo em que o espanhol buscaria vingança por sua derrota na Austrália, impondo seu título como o rei do barro.

Um ponto a considerar é que Nadal teve que se abster de participar do torneio ATP Finals em novembro passado, porque sofria de problemas físicos no abdômen e teve que passar por uma cirurgia no tornozelo. A partir daí, o espanhol perdeu o primeiro lugar no ranking mundial para Djokovic, e Roland Garros, será a quadra ideal para recuperar sua posição como o melhor do mundo.

A competição entre Nadal e Djokovic pode chegar a um novo clímax neste 2019 dentro do saibro de Roland Garros, já que, embora o espanhol seja o favorito para vencer o torneio, Djokovic vai chegar num grande momento físico e mental, depois de vencer Nadal de forma tão convincente no primeiro Grand Slam do ano.

Depois da vitória da Bélgica em Uberlândia, João Zwetsch não é mais o capitão do Brasil na Davis

Mesmo com uma equipe reserva, os belgas levaram a melhor e eliminaram o Brasil no qualifying do Grupo Mundial da Copa Davis.

Neste sábado, no ginásio Sabiazinho, em Uberlândia, a equipe nacional sofreu uma dura derrota com os duplistas Bruno Soares e Marcelo Melo, que foram surpreendidos por Sander Gille e Joran Vliegen, que triunfaram com parciais de 6/4 e 7/6(4).

Depois, Thiago Monteiro não se encontrou diante de Kimmer Coppejans, que anotou 6/3 e 6/4, fechando o confronto para os visitantes por 3×1.

Neste domingo, a Confederação Brasileira de Tênis informou que João Zwetsch não ocupará mais a função de capitão. Ele colocou o cargo à disposição na noite do dia 02/02. “Eu e a CBT já vínhamos conversando sobre esse ciclo e no meu entendimento chegou o momento de fechamento”, avaliou Zwetsch.

“Foi um ciclo importante, que abrangeu várias gerações de atletas, um ciclo de aglutinação de jogadores, com grandes momentos como a vitória do Brasil sobre a Espanha, com a participação no Grupo Mundial da competição. Toda a equipe possui muito respeito com o trabalho desenvolvido pelo João, que sempre priorizou um clima de parceria e respeito na equipe, dentro e fora das quadras”,  salientou Westrupp.

“Gostaria de agradecer a confiança depositada em mim, primeiramente pelo Jorge Lacerda e depois por Rafael Westrupp. Também agradecer a todos os profissionais que estiveram comigo nesse desafio, o técnico Daniel Melo, o preparador físico Eduardo Faria, os médicos Ricardo Diaz e Gilbert Bang, os fisioterapeutas Paulo Roberto Santos e Otávio Kiefer. Agradecer aos atletas que passaram pela equipe brasileira enquanto estive nela. Vivi momentos de muito crescimento com cada um da equipe”, falou João.

O próximo confronto da equipe brasileira na Copa Davis será no mês de setembro e até lá será definido o próximo capitão.

Foto: Luiz Cândido/CBT

Brasil e Bélgica no 1ª dia da Davis, que teve homenagem ao mineiro Marcelo Melo

Bastou uma hora e sete minutos para que Thiago Monteiro vencesse o belga Arthur de Greef, 202o do mundo, no primeiro jogo do confronto da Copa Davis by BNP Paribas, na cidade de Uberlândia (MG). Com parciais de 6/3, 6/2, o cearense canhoto, número 107o do mundo, levantou a torcida que acompanhou o primeiro dia de confronto entre Brasil e Bélgica, na Arena Sabiazinho. “Vim de uma fase boa, gosto muito das condições da quadra, com um pouco de altura, um pouco mais rápido, no saibro. Consegui executar um jogo que eu gosto, sacar muito bem, a torcida ajudou! Estou muito feliz com esse resultado!” ressaltou Thiago Monteiro.

O paulista Rogério Dutra Silva, 139o do mundo, lutou até o final, empurrado pela torcida brasileira, mas acabou superado pelo número 1 da Bélgica, Kimmer Coppejans, 195o colocado, por duplo 6/4. Mas o raquete 2 do Brasil garantiu que está preparado e confiante para fazer o quinto jogo contra De Greef, caso seja necessário. “Não tive um dia feliz, não me encontrei em quadra, faltou um pouquinho de sorte também. Infelizmente, não foi como planejamos, mas temos que manter a cabeça erguida, estamos na luta ainda. Logicamente ninguém gosta de perder, mas agora é olha para a frente, torcer para a dupla amanhã e, se precisar entrar em quadra de novo, vou entrar a mil por hora denovo e vou lutar até o último minuto”, assegurou Rogerinho.

Apesar de não entrar em quadra, o mineiro Marcelo Melo, número 12 do mundo em duplas, foi o grande homenageado do dia, recebendo um troféu de cristal do “Commitment Award” da ITF (Federação Internacional de Tênis) pela quantidade de participações na Copa Davis, sendo homenageado em quadra pelo representante da ITF, Ricardo Aguirre e pelo presidente da Confederação Brasileira de Tênis, Rafael Westrupp.

O duplista vestiu a camisa verde e amarela em 21 partidas, vencendo 17 de duplas e uma de simples. Desde 2008 Marcelo participa de confrontos da Copa Davis. Essa foi mais uma conquista de Marcelo, que em 2018 passou a ser o tenista brasileiro com maior número de semanas no topo do ranking mundial, 56 semanas, e o jogador nacional que mais disputou o ATP Finals. “Fiquei muito feliz de ter recebido. Todos sabem quanto é importante essa competição para nós tenistas. Então ser reconhecido foi muito legal, especialmente estando jogando em casa. Muito obrigado à ITF, à CBT e aos que fizeram essa homenagem. Foi muito gratificante. Agora é focar na dupla amanhã (sábado)”, afirmou Marcelo.

 

 

Amanhã ele entra em quadra juntamente com o também mineiro Bruno Soares, número 7 do mundo em duplas, no terceiro jogo do confronto e buscando colocar o Brasil em vantagem. Eles jogam contra a dupla belga formada por Sander Gille, número 83 do mundo em duplas, e Joran Vliegen, número 86 do mundo.

 

 

Ainda acontecem mais dois jogos de simples neste sábado, com Thiago Monteiro jogando contra Kimmer Coppejans e com Rogério Dutra Silva contra Arthur De Greef. Entre o jogo de duplas e o de simples haverá outra homenagem do “Commitment Award” da ITF. Desta vez para o brasileiro Tomas Koch, que disputou nada menos do que 74 partidas de Copa Davis, vencendo 44 delas, entre duplas e simples.