Ash Barty é a nova número um do mundo

O tênis tem uma nova número um do mundo, a australiana Ashleigh Barty.

Desde que o ranking mundial da WTA foi computadorizado pela primeira vez, em 1975, Barty é a 27a tenista a chegar a este posto, a segunda australiana depois de Evonne Goolagong, em 1976, uma tenista de origens aborígene como ela.
De Chris Evert a Barty passaram os maiores nomes do esporte. As lendas Navratilova, Graf, Seles, Austin, Hingis, Henin, Capriati, a ainda em atividade Serena Williams, a irmã Venus e muitas outras que passaram pelo topo, permaneceram muitas semanas, mas que o público médio do tênis não deve se lembrar.
Ana Ivanovic, Dinara Safina, Karolina Pliskova, Angelique Kerber, Simona Halep, Victoria Azarenka, Garbine Muguruza – todos nomes que fizeram história no nosso esporte, mas não se tornaram uma força do mesmo.
Tiveram seus momentos de glória, mas não pararam o mundo, não viraram o assunto da mesa de bar.
Osaka, que estava no posto até ser destronada por Barty, de 21 anos, pode vir a ter aquele impacto que tocam gerações, que influenciam de fato vidas.

A belga Kim Clijsters, número um há mais de 15 anos, por seu sorriso, simpatia e humildade, além dos títulos de Grand Slam, talvez lembre o jeito de ser de Barty.
Barty, recém campeã de Roland Garros, é um raro caso de coragem no esporte, não coragem de subir para rede e matar o ponto, mas coragem de fazer valer o que sente.

Campeã juvenil de Wimbledon em 2011, não aguentou a rotina do circuito. Nascida em um país de extrema tradição no tênis, sua vitória em Londres a colocaram como a nova número 1 (e não é que acertaram) e logo a levaram para treinar no centro da Tennis Australia, em Melbourne, longe da sua família e amigos em Ipswich.
Apesar do sucesso nas duplas –  foi vice de Grand Slams com Casey Dellacqua, hoje já aposentada – Barty não estava aguentando tanto tempo longe da sua base, das suas origens.
Largou o tênis em 2014, por tempo indeterminado. Se dedicou ao cricket e teve sucesso em equipes.
Mas, depois de dois anos sentiu que estava madura e pronta para retornar ao circuito.

Foi em meados de 2016 em Eastbourne, que ela voltou a competir, sem ranking, mas ao lado do técnico Craig Tyzzer, que ela não deixa de mencionar em momento algum.
Celebrou a equipe ao vencer Roland Garros há duas semanas e neste domingo, ao vencer o WTA de Birmingham, na grama, feito que a levará ao topo do ranking mundial nesta segunda-feira, fez o mesmo. “Estou muito orgulhosa de todo o trabalho que eu e o meu time fizemos. É uma honra chegar a número um do mundo, um lugar ocupado por tantas lendas do nosso esporte.”
Humilde, sorridente, sincera e com um jogo capaz de triunfar no saibro parisiense e na grama inglesa, essa é a nova número um do mundo, que esperamos deixe a sua marca no esporte.

Todas as números um do mundo (desde 1975)

ATUAL – ASHLEIGH BARTY

STEFFI GRAF
377*
 1987
MARTINA NAVRATILOVA
332
 1978
SERENA WILLIAMS
319
 2002
CHRIS EVERT
260
1975
MARTINA HINGIS
209
1997
MONICA SELES
178
 1991
JUSTINE HENIN
117
 2003
LINDSAY DAVENPORT
98
1998
CAROLINE WOZNIACKI
71
2010
SIMONA HALEP
64
2017
VICTORIA AZARENKA
51
2012
AMELIE MAURESMO
39
2004
ANGELIQUE KERBER
34
2016
DINARA SAFINA
26
2009
MARIA SHARAPOVA
21
2005
TRACY AUSTIN
21
1980
KIM CLIJSTERS
20
 2003
NAOMI OSAKA 20 2019
JELENA JANKOVIC
18
2008
JENNIFER CAPRIATI
17
2001
ANA IVANOVIC
12
2008
ARANTXA SANCHEZ VICARIO
12
1995
VENUS WILLIAMS
11
2002
KAROLINA PLISKOVA
8
2017
GARBINE MUGURUZA
4
2017
EVONNE GOOLAGONG
2
1976

 

Diana Gabanyi

Foto saibro – Cynthia Lum

Foto grama – Jordam Mansfield/Getty Images

Monteiro e Rogerinho estreiam nesta segunda-feira no quali de Wimbledon

Dois brasileiros entram em quadra no qualifying e buscam uma vaga na chave principal de Wimbledon, terceiro Grand Slam da temporada, disputado na grama de Londres, na Inglaterra.

Primeiro a entrar em quadra, Thiago Monteiro é o cabeça 6 do quali e tem o favoritismo diante do italiano Roberto Marcora, nº 210 do mundo, na primeira partida da quadra 07, ás 7h desta segunda-feira, horário de Brasília. Será a primeira partida entre eles.

Rogério Dutra Silva deve jogar por volta das 8h30min, fazendo o segundo jogo da quadra 10, enfrentando o local Evan Hoyt, nº 499 da ATP, em jogo que também será inédito.

Vale lembrar que, para furar o quali, são necessárias três vitórias e o Brasil não tem representante garantido na chave principal de simples masculino.

Meligeni Alves e Gutierrez são campeões de duplas em Rio Preto

Apesar das quedas nas semis de simples, Felipe Meligeni Alves e Oscar Gutierrez tiveram melhor sorte na chave de duplas e encerraram a programação deste sábado, em Rio Preto, como campeões do Ano II – Tennis Classic. Diante de bom público no Harmonia Tênis Clube, a parceria derrotou o tenista da casa Mateus Alves e o carioca Christian Oliveira com parciais 6/4 3/6 10-3.

“Foi uma semana positiva, consegui bons resultados em Rio Preto e saio confiante. Espero conquistar ainda mais na próxima semana, em Curitiba, e que eu tenha mais oportunidades para jogar no Brasil.”, disse Meligeni, agora oito vezes campeão de duplas no circuito ITF.

Para Gutierrez, o segredo para vencer nas duplas está na amizade com o parceiro. “Agradeço ao Felipe por ter me carregado nas costas nas primeiras rodadas, sem dúvida ele foi fundamental para chegarmos até aqui. Hoje eu finalmente consegui jogar bem, foi uma vitória para nos motivar a seguir firme no circuito”, disse o gaúcho após erguer seu sétimo troféu nas duplas.

A dupla campeão do ITF WTT de Rio Preto divide o prêmio de US$ 930 e soma 10 pontos no ranking de duplas da ATP.

CAMPANHA – Meligeni Alves & Gutierrez

1ª Rodada – d. Luis Britto/João Hinsching (BRA/BRA) – 6/1 7/5

Quartas de Final – d. Gabriel Ciro/Eduardo Ribeiro (BRA/BRA) – 6/2 6/4

Semifinal – d. Wilson Leite/André Miele (BRA/BRA) – 6/3 6/3

Final – d. Mateus Alves/Christian Oliveira (BRA/BRA) – 6/4 3/6 10-3

Bia Haddad e Luisa Stefani conquistam título de duplas na grama de Ilkley

Bia Haddad e Luisa Stefani conquistaram, neste sábado, o título de duplas do ITF US$ 100 mil de Ilkley.

Na decisão, em jogo bastante equilibrado, Bia e Luisa derrotaram as australianas Ellen Perez e Arina Rodionova, cabeças de chave 3, por 6/4 6/7(5) 10-4.

“Batemos na trave em Cagnes-Sur-Mer (foram vice-campeãs), mas agora o título veio. Hoje mantivemos a nossa concentração e tudo deu certo”, comentou Bia.

“Estou muito feliz, principalmente pela Lu (Luisa Stefani), em poder fazer parte dessa conquista dela, o primeiro título em um torneio de US$ 100 mil. Ela merece muito, é uma menina especial, que vem fazendo bons jogos e tenho certeza que virão muitas outras boas semanas jogando juntas”, afirmou Bia.

Na chave de simples em Ilkley, a tenista número 1 do Brasil alcançou as quartas de final e agora segue para o qualifying de Wimbledon, na próxima semana.

Matos e Ficovitch protagonizam final Brasil vs. Argentina no ITF WTT de Rio Preto

Pelo segundo ano consecutivo, a final do Ano II – Tennis Classic será definida no clássico Brasil e Argentina. Em 2018, o troféu de campeão foi entregue a Thiago Wild após vencer Camilo Carabelli em seu último título de ITF. Neste domingo, a partir das 10h30, será a vez de Rafael Matos representar o tênis brasileiro contra Juan Pablo Ficovitch, o número 1 do torneio. A entrada é gratuita no Harmonia Tênis Clube.

Em busca do quinto troféu no circuito ITF, Matos fez frente a Oscar Gutierrez, 7/5 6/1, ampliando o retrospecto direto para 5 vitórias em 6 jogos. O gaúcho, que chegou a ter set point contra na primeira parcial, acredita ter alcançado um novo patamar de resultados neste primeiro semestre.

“Tem sido um belo ano, a melhor sequência de resultados da minha carreira. Sempre fazia uma boa campanha, mas na semana seguinte eu já não conseguia manter o mesmo nível. Vejo que era isso o que me faltava para melhorar no circuito”, analisa Matos, dono de três finais e um título em 2019.

Ao longo desta semana, o argentino Ficovitch derrotou três brasileiros em sua caminhada rumo à decisão. João Hinsching e Christian Oliveira caíram nas oitavas e quartas, respectivamente, e nesta manhã foi a vez de Felipe Meligeni Alves ser a vítima do argentino de 22 anos, parciais de 7/5 6/1. O confronto deste domingo é inédito e irá premiar o campeão com 10 pontos no ranking da ATP, além de US$ 2.160.

“Estou contente por conseguir jogar de forma confiante, me manter mentalmente forte nas situações adversas e por chegar à final. Disputar uma decisão é sempre o mais motivante no tênis. Sei que o público estará totalmente a favor do tenista da casa, mas farei de tudo para sair campeão”, afirma Ficovitch, campeão há um mês do ITF de Brcko, na Bósnia.

Foto: Nelson Toledo/Fotojump

Bruno Soares é campeão em Stuttgart e conquista 31º título da carreira

O tenista brasileiro Bruno Soares conquistou neste domingo, ao lado do australiano John Peers, o 31o. título da carreira, em 60 finais disputadas. Eles foram campeões do ATP de Stuttgart, no primeiro torneio da temporada de grama, derrotando a parceria de Denis Shapovalov e Rohan Bopanna por 7/5 6/3, em 1h08min de jogo. Este foi o 2o. troféu do mineiro no torneio alemão, em três participações.

A conquista marca um novo ciclo na carreira do brasileiro, que encerrou em Roland Garros uma parceria de sucesso com o britânico Jamie Murray, em que conquistaram 2 títulos de Grand Slam. A partir desta semana, em Queen’s, na Inglaterra, Bruno começa a jogar ao lado do croata Mate Pavic.

“É maravilhoso ser campeão de mais um torneio e começar assim a temporada de grama. Foi uma semana que começou super difícil para gente, com set e break abaixo na primeira rodada e depois o torneio mudou completamente. Foi super importante para pegar confiança e entrar nesse ciclo novo com ritmo de jogo. A partir da outra semana começo a jogar com o Mate e espero levar tudo que aconteceu aqui para fazer com que a gente se entrose o mais rápido possível,” analisou o brasileiro, feliz com a decisão de ter jogado na Alemanha, já que originalmente estava programado para começar a temporada de grama em Queen’s.

“Stuttgart acabou se tornando um torneio especial para mim. Joguei aqui 3 vezes e fui campeão duas e vice em outra, fechando a semana hoje com chave de ouro.”
Soares foi campeão em 2017 com Murray e vice em 2015 com Peya.

Foto: Peter Staples/ATP Tour

Melo e Kubot iniciam temporada na grama com vitória no ATP de ‘s-Hertogenbosch

Marcelo Melo e Lukasz Kubot confirmaram o favoritismo e iniciaram com vitória a temporada de grama de 2019. Nesta segunda-feira (10), a dupla, principal cabeça de chave do ATP 250 de s-Hertogenbosch, derrotou o monegasco Romain Arneodo e o francês Pierre-Hugues Herbert, na primeira rodada, na Holanda, por 2 sets a 0, parciais de 7/5 e 6/2, em 1h19min, garantindo vaga nas quartas de final. Agora aguardam os vencedores da partida entre os holandeses Thiemo de Bakker e David Pel diante do britânico Dominic Inglot e do norte-americano Austin Krajicek.

“Um belo começo aqui na grama. Nós saímos abaixo no primeiro set, aí acabou interrompendo pela chuva e voltamos muito bem, dominando o jogo completamente. Primeira vitória nessa sequência e agora tentaremos fazer o máximo de jogos possíveis para chegar muito bem preparados no objetivo final, que é Wimbledon”, disse Melo.

Uma estreia em que Melo e Kubot impuseram seu jogo para avançar na Holanda. No primeiro set, os adversários conseguiram a quebra primeiro, marcando 4/2, e na sequência abriram 5/2. Logo em seguida, quando o placar estava em 5/3, a partida foi paralisada por causa da chuva. No retorno, só deu Melo e Kubot. Com dois breaks seguidos viraram a série para fechar em 7/5, em 50 minutos. No início do segundo set, mais duas quebras. Os cabeças de chave número 1 fizeram 4/0 e, com total domínio do jogo, marcaram 6/2 para comemorar a primeira vitória do ano na grama.

Nadal mantém seu domínio em Paris, vence Thiem e conquista Roland Garros pela 12ª vez

Na grande final de Roland Garros, deu o quase óbvio, mais uma vez: Rafael Nadal é dodecampeão em Paris, recorde absoluto e domínio espantoso.

Neste domingo, o espanhol fez um começo de jogo até equilibrado, chegou a ter quebra de desvantagem no 1º set, mas virou e conseguiu fechar por 6/3.

Depois, viu o austríaco conseguir uma quebra de saque decisiva no 2º set pra fechar em 7/5 e empatar a partida. Daí em diante, só deu Nadal.

O 3º set durou apenas 30 minutos e o set final, menos de uma hora. No fim, vitória com parciais de 6/3 5/7 6/1 e 6/1. Mais uma campanha absurda, com apenas um set perdido e 12º título em 12 finais no saibro de Paris.

Já Thiem segue em busca do seu primeiro título em um dos quatro maiores torneios da temporada, depois de ficar com o seu segundo vice, repetindo o resultado de Roland Garros do ano passado, quando também perdeu para Nadal, mas em três sets.

Neste ano, Nadal começou sua campanha vencendo Yannick Hanfmann, passando na sequência por Yannick Maden e por David Goffin, quando perdeu um set. Nas oitavas, bateu Juan Ignacio Londero, Kei Nishikori nas quartas e Roger Federer na semifinal, antes da decisão diante do austríaco.

Catorze anos atrás vimos Nadal vencer o primeiro Roland Garros, derrotando Mariano Puerta na decisão, que depois viria a ser pego no doping. Hoje ninguém nem sabe por onde anda Mariano Puerta. Em outras finais, Nadal derrotou Robin Soderling, por acaso um raro tenista a vencê-lo em Paris (2009) nas oitavas de final no ano anterior, ganhou do Wawrinka, do Djokovic e muitas vezes de Roger Federer. Dá pra imaginar quantas vezes Federer teria vencido em Paris se não fosse por Nadal?

Mas, hoje o dia é de Rafael Nadal. O tenista que mais vezes chegou em um torneio como franco favorito e conseguiu suportar a pressão de ser Nadal e se superar. Continua o mesmo Rafael da ilha de Mallorca que vi a primeira vez em Paris, em 2004, de muletas, se recuperando de uma primeira lesão na carreira que o impediria de disputar o torneio pela primeira vez.

Diana Gabanyi e Filipe Lima Alves

Todas as finais de Nadal em Roland Garros:

2019 – Rafael Nadal d. Dominic Thiem

2018 – Rafael Nadal d. Dominic Thiem

2017 – Rafael Nadal d. Stan Wawrinka

2014 – Rafael Nadal d. Novak Djokovic

2013 – Rafael Nadal d. David Ferrer

2012 – Rafael Nadal d. Novak Djokovic

2011 – Rafael Nadal d. Roger Federer

2010 – Rafael Nadal d. Robin Soderling

2008 – Rafael Nadal d. Roger Federer

2007 – Rafael Nadal d. Roger Federer

2006 – Rafael Nadal d. Roger Federer

2005 – Rafael Nadal d. Mariano Puerta.

Fotos: Cynthia Lum

Thiem supera Djokovic em 5 sets e repete final de Roland Garros contra Nadal

Depois de Rafael Nadal, que havia garantido sua vaga na sexta, ao vencer Roger Federer, o sábado foi dia de Dominic Thiem garantir seu lugar na decisão de Roland Garros, segundo Grand Slam da temporada, disputado no saibro de Paris, na França.

Com o jogo interrompido pela chuva na sexta, Thiem e Novak Djokovic entraram em quadra e completaram o jogo equilibrado que acabou com a vitória do austríaco em cinco sets, com parciais de 6/2 3/6 7/5 5/7 e 7/5.

Agora, Thiem e Nadal reeditam a decisão do ano passado, quando o espanhol levou a melhor em três sets, conquistando seu 11º título do torneio.

Os dois já se enfrentaram 12 vezes ao longo da carreira, com vantagem de 8×4 para o nº 2 do mundo. Porém, vale destacar que no confronto mais recente, há algumas semanas, no ATP de Barcelona, Thiem saiu com a vitória.

Barty se impõe, não dá chances para jovem Anisimova e conquista em Roland Garros seu 1º Slam da carreira

A australiana Ashleigh Barty é a mais nova campeã de Grand Slam, com a conquista de Roland Garros, no saibro de Paris, neste sábado.

Entrando em quadra como favorita, diante da jovem Amanda Anisimova, Barty fez valer sua maior experiência ao anotar uma bela vitória em dois sets, com parciais de 6/1 e 6/3.

“É inacreditável, estou um pouco sem palavras. É incrível, joguei a partida perfeita hoje e estou muito orgulhosa de mim e do meu time. Foram apenas duas semanas loucas ” disse a empolgada australiana, que não escondeu seu carinho ao abraçar a Coupe Suzanne-Lenglen.

“Obrigado à minha equipe por ficar comigo. Esta foi a jornada mais incrível para nós nos últimos três anos e sinto que este é apenas o começo para nós. Vamos comemorar hoje à noite! ” completou.

Com o resultado, ela vai dar um salto de 8 posições no ranking da WTA, indo do 8º ao 2º lugar, o que vai significar seu recorde na carreira.

Anisimova também vai subir muito e, pela primeira vez, vai chegar ao top-30, aparecendo na próxima semana no nº 26 do ranking, ou seja, 25 posições acima do atual.

Fotos: Cynthia Lum