USTA inaugura centro de treinamento com 100 quadras em Orlando

Está inaugurado oficialmente o Novo Centro de Treinamento da USTA, em Orlando, na Flórida, mais precisamente em Lake Nona. O centro conta com 100 quadras de tênis, dos mais variados pisos, alta tecnologia e programação para tenistas de lazer e competição, do juvenil ao profissional. É chamado de a  “nova casa do tênis americano.”

USTA inaugura centro de treinamento com 100 quadras em Orlando

O Complexo inovador e “state of the art” como gostam de dizer os americanos, foi  projetado para melhorar o esporte em todos os níveis e proporcionar uma Experiência inigualável de jogo, treinamento e receber Jogadores recreativos, competitivos, treinadores e espectadores.

Mais de 100 eventos e torneios internacionais, nacionais e locais já estão programados para as instalações em 2017. O centro de tênis atenderá a comunidade de Orlando, com atividades durante todo o ano para todos os níveis de jogo.

Até o prefeito de Orlando esteve presente na inauguração. “Não poderíamos estar mais satisfeitos em ver a visão da USTA de um campus nacional se tornar realidade “, disse Oo prefeito Buddy Dyer. “Como a nova ‘Home of American Tennis “, Orlando se solidifica ainda mais como um íman global para Esportes, saúde e inovação de bem-estar. ”

O Campus será o epicentro da inovação do ténis, gerando portunidades para o teste de tecnologias novas e emergentes.

O USTA National Campus é uma das maiores instalações de tênis do mundo. Ele está localizado em 64 hectares e dividido em áreas dedicadas, com um total de 100 quadras (32 rápidas, 32 saibro verde de Har-Tru 16 quadras poli esportivas, oito quadras de DecoTurf, seis de saibro e seis duras indoor. Tudo isso e ainda mais dois estádios.

Há alojamento para 40 atletas, salas de musculação, preparação física, massagem, para médico, para receber familiares e visitantes também.

Uma estrutura mais do que completa, o “Magic Tennis Kingdom”

Ex-tenistas profissionais como Jim Courier, James Blake e Chris Evert prestigiaram a inauguração.

Courier e Blake na inauguração em Orlando

 

Mattar e André Silva serão homenageados no Rio Open

O Rio Open apresentado pela Claro, maior torneio da América do Sul, receberá entre os dias 20 e 26 de fevereiro no Jockey Club do Rio de Janeiro, inúmeras personalidades do esporte nacional e mundial. Assim como nas edições anteriores, quando foram homenageados grandes nomes do esporte, neste ano outros dois nomes receberão homenagem na quadra central do torneio, a quadra Guga Kuerten: Luiz Mattar e André Silva.

Luiz Mattar será homenageado no Rio Open

Por cerca de 7 anos, Luiz Mattar foi o melhor do Brasil dentro das quadras. Em 1989, atingiu a melhor posição no ranking da Associação dos Tenistas Profissionais (ATP), chegando a 29º do mundo, a quinta melhor colocação de um brasileiro na história.

Em um país que só conheceu momentos de grandeza no esporte com Gustavo Kuerten, quase uma década depois, isso não é pouco. Ainda mais quando sabemos que ele começou a carreira profissional bem tarde, aos 22 anos, no ano de 1985.

Mattar estava terminando a faculdade de engenharia civil no Mackenzie e foi para a França nas férias. Para ter hospedagem gratuita e ainda conseguir dinheiro para pagar a viagem, ele resolveu jogar torneios amadores de tênis. Na volta ao Brasil, disse ao pai que iria seguir a carreira de tenista.

O pai Fuad não acreditou e resolveu fazer um pacto com o filho: se a carreira como tenista profissional não vingasse em dois anos, Luiz teria de terminar o curso de engenharia e esquecer a aventura no esporte. Final da história: Luiz Mattar nunca se formou engenheiro.

Em pouco mais de 10 anos de carreira, o paulistano nascido em 18 de agosto de 1963 conquistou 7 títulos de simples e 5 de duplas. Dois destes 7 títulos foram conquistados justamente no Rio de Janeiro (1989 e 1990, local de disputa do Rio Open. O torneio foi disputado na Praia de Copacabana. Os outros foram no Guarujá (1987 e 1988), São Paulo (1992) e Delray Beach (1994)

Durante a carreira, Mattar acumulou vitórias importantes sobre Andres Gomez, no US Open, quando o equatoriano era quinto do mundo; venceu Yannick Noah em pleno Roland Garros e disputou em Itaparica, a final com Andre Agassi, em 1987, no que viria a ser o primeiro título da estrela americana.

Na Copa Davis, Luiz Mattar defendeu o Brasil por 9 anos a partir de 1986, disputando um total de 20 confrontos, com vitórias históricas também no Rio de Janeiro, derrotando a Alemanha, em 1989, em uma de apenas duas temporadas em que o país chegou à semifinal da competição entre nações.

Durante o Rio Open, Luiz Mattar reviverá algumas das principais emoções da carreira, antes de se tornar um empresário de sucesso, que foram justamente no Rio de Janeiro. Ele encerrou a carreira em 1995.

Brasileiro de Campinas, André Silva é hoje o Diretor do torneio de Cincinnatti, um ATP Masters 1000 e um WTA Premier.
Ele começou a carreira no tênis profissional, no ano 2000 na ATP. Antes disso Silva jogou o circuito juvenil e seguiu o caminho do tênis universitário. Com diploma de Sports Management da Universidade de South Carolina, chegou a ter uma passagem pela IMG Academy, de Nick Bollettieri, antes de começar a trabalhar na ATP como um Tour Manager.

Com facilidade de comunicação e bom relacionamento com os jogadores, André logo se tornou Vice-Presidente do Departamento de Relações com os Tenistas e em 2007 assumiu o cargo de Chief Player Officer.
Ele foi também o responsável pelo Departamento de Relações com os Jogadores e pelo Departamento Médico da ATP, além de trabalhar diretamente com o Conselho da ATP e o Conselho dos Jogadores.
Foi também Diretor do Torneio do ATP World Finals, em Londres.

Depois de mais de uma década na ATP, Andre Silva foi trabalhar com Roger Federer, na sua empresa a TEAM 8, até assumir o cargo de Diretor do torneio de Cincinnati.
Durante o período em que trabalhou na ATP, ele foi um integrante importante para o Rio Open conseguir a data e enfim ganhar o seu ATP 500.

Desde a primeira edição, em 2014, o Rio Open iniciou uma tradição de homenagear personalidades que marcaram o esporte nacional ou mundialmente. Homenageou Maria Esther Bueno e Gustavo Kuerten em 2014. Em 2015 foi a vez de Thomaz Koch, Nick Bollettieri e Antônio Carlos de Almeida Braga, o Braguinha. No ano passado, Fernando Meligeni e Alcides Procopio foram os homenageados.

As homenagens acontecerão durante a semana do evento.

Projetos sociais do Rio Open ganham prêmio da ATP

O ano de 2017 mal começou e o Rio Open já recebeu uma excelente notícia. O torneio, através dos projetos sociais que apoia, foi um de quatro selecionados pelo ATP Aces for Charity, para receber apoio financeiro neste ano. O programa de incentivo a causas sociais da ATP (Association of Tennis Professionals) irá doar 15 mil dólares a serem divididos entre os quatro projetos sociais, apoiados pelo Rio Open: Tênis Para Todos (coordenador – Marcus Fonseca), Tênis na Lagoa (coordenador – Alexandre Borges), Tênis Solidário (coordenador – Artur Ricardo) e Escolinha de Tênis Fabiano de Paula (coordenador – Fabiano de Paula).

screen-shot-2017-01-05-at-10-48-34-am

“É muito gratificante receber este reconhecimento e apoio da ATP, em tão pouco tempo de Rio Open. Acreditamos muito no potencial destes projetos. Não é à toa que eles estão com a gente desde 2014 e que a cada ano buscamos ampliar ainda mais esta parceria. Temos certeza de que este apoio irá ajudar bastante no desenvolvimento de cada um deles ,” diz Luiz Carvalho, diretor do torneiro.

A ATP destaca a integração dos projetos sociais diretamente ao Rio Open, tanto com os grandes ídolos do tênis que disputam o maior torneio da América do Sul, quanto a realização de torneios para as crianças dos projetos, durante o ATP 500.

Em 2017, o programa ATP ACES for Charity completa sete anos e é uma iniciativa global voltada às comunidades onde são realizados os eventos da ATP World Tour. Além de reconhecer e apoiar iniciativas de caridade dos torneios, o programa também apoia projetos de atletas. Desde 2011, o programa entregou 76 concessões que totalizam mais de $ 940.000 em doações.

Sobre os projetos sociais apoiados pelo Rio Open:

Desde sua primeira edição, o Rio Open apoia importantes projetos sociais do Rio de Janeiro, que usam o esporte como ferramenta de desenvolvimento e inclusão social. Os projetos apoiados em 2016 foram o Tênis Solidário, Escolinha de Tênis Fabiano de Paula, o Tênis na Lagoa e o Tênis Para Todos. O objetivo da parceria do maior torneio de tênis da América do Sul com essas iniciativas é estimular crianças de diversas comunidades cariocas a praticar um dos esportes que mais vem evoluindo no país: o tênis.

Por meio da parceria com os projetos, o Rio Open já disponibiliza:

– Bolas usadas durante o torneio para aproveitamento nos treinos das crianças

– Material para treinamento

– Ingressos para os alunos dos projetos assistirem a jogos do Rio Open

– Oportunidade para cerca de 75 crianças atuarem como “boleiros” do torneio/ano

– Clínicas de tênis para jovens com a presença de jogadores profissionais

-Em 2016, foi realizado um campeonato entre os projetos nas quadras do complexo.

Este ano, o Rio Open realizará o torneio Winners, com os integrantes dos projetos, também durante o evento. Os vencedores de cada categoria ganharão a chance de treinar por uma semana na IMG Academy, mais conceituada do mundo. É comandada por Nick Bollettieri, considerado um mago e que descobriu nomes como Andre Agassi e Maria Sharapova, por exemplo.

“Esta parceira é apenas o início de um plano de longo prazo. Todos os anos iremos buscar ampliar o programa social do Rio Open, mapeando novos projetos da cidade e do estado, para que outros projetos possam se beneficiar dessa oportunidade. Com essa iniciativa queremos incentivar crianças carentes a seguir praticando nosso esporte para que no futuro elas possam se tornar campeãs dentro e fora das quadras”, explica o Diretor do Torneio, Luiz Procópio Carvalho.

O Rio Open, que acontece desde 2014, é um evento fixo no calendário da cidade e a expectativa é de que, a cada ano, novas melhorias sejam feitas para o desenvolvimento do esporte em comunidades carentes do Estado do Rio de Janeiro.
Foto: John Isner na Rocinha

crédito: João Pires

Bruno Soares viaja nesta 4a. para Doha rumo à temporada 2017

O brasileiro Bruno Soares inicia nesta 4a. feira a jornada rumo a temporada 2017. Ele deixa Belo Horizonte em direção a Doha, no Qatar, onde disputa o primeiro torneio do circuito no ano novo, depois de ter terminado a temporada 2016 como a melhor dupla do mundo, ao lado do parceiro britânico Jamie Murray. Depois do melhor ano na carreira, em que conquistou três Grand Slams – dois de duplas e um de duplas mistas, Bruno Soares quer agora se manter no topo e ir em busca de mais conquistas.

Bruno Soares viaja nesta 4a. para iniciar a temporada em Doha

“A pré-temporada foi muito boa. Consegui trabalhar e descansar bem com o Chris (Bastos – preparador físico) e com o Hugo Daibert em Belo Horizonte. Estou muito motivado depois de um ano especial como esse,” disse Bruno, que foi campeão do Australian e do US Open, logo no seu primeiro ano de parceria com Jamie Murray. “Ano passado era um ano de mudanças e incertezas. Tínhamos muita expectativa, mas também muitas dúvidas e acabou sendo um ano fantástico. Agora a pressão e a responsabilidade aumentam, mas a motivação aumenta de mais também, por sabermos do nosso potencial. Queremos continuar a conquistar coisas grandes, ganhando Grand Slam e brigando pelo posto de número um.”

A temporada 2017 começa com o ATP 250 de Doha (02 janeiro) e segue para a Austrália, onde o mineiro e o britânico jogam o ATP 250 de Sydney (08 janeiro) e o Australian Open (16 janeiro), onde foram campeões no ano passado. Depois, a parceria segue para o Rio Open (20 fevereiro), o ATP 500 da América do Sul, no saibro.
“Continuamos esse trabalho duro que fizemos o ano passado todo. Estamos nos falando muito nos últimos dias – eu aqui em BH e o Jamie nos EUA – para colocar os ajustes em dia, já pensando no começo do ano em Doha e na Austrália, que tem Grand Slam logo no início do ano.”

Guerra de titãs no tênis: Djokovic, Murray e Wawrinka brigam para manter sua posição no ranking

A temporada de 2016 da ATP ainda não acabou, mas já tem seus favoritos. Como no ano passado, o sérvio Novak Djokovic está na frente, com 12 vitórias em Grand Slams e 30 Masters (66 títulos); seguido pelo britânico Andy Murray, com 3 Grand Slams e 12 Masters (39 títulos);  e pelo suíço Stan Wawrinka, com 3 Grand Slams e 1 Master (15 títulos).

O imparável Djokovic 

Com 742 vitórias e apenas 152 derrotas no currículo, o jogador sérvio ganha fãs por onde passa. Seu histórico nas disputas por tie-break também é impressionante: 205 vitórias ali, sob pressão. Contra os top 10 do esporte, Novak computa 176 vitórias contra apenas 82 derrotas. Estes números extraordinários o colocam como favorito nas próximas competições.

Andy Murray: a esperança britânica

Com seu ar de bom moço, Andy Murray conquistou os ingleses em Wimbledon ao vencer o torneio pela segunda vez em julho deste ano. O jogador, conhecido por seu backhand destro de duas mãos, soma 607 vitórias (173 no tie-break), e 94 vitórias contra os top 10 do tênis.

Embora tudo indique que Djokovic irá terminar o ano na primeira colocação, Andy Murray ainda tem chances, mesmo que remotas, de chegar como número 1 do ranking no ATP World Finals, em Londres, sua cidade natal, que será realizado no fim do ano.

O conterrâneo de Federer

Embora tenha permanecido algum tempo sob a sombra do astro Roger Federer, que se manteve 302 semanas como número 1 mundial entre 2004 e 2012, o também suíço Stan Wawrinka finalmente teve sua chance de mostrar a que veio.  O jogador acumula até agora 435 vitórias, 177 vitórias no tie-break e 46 contra os top 10 do esporte.

Para saber um pouco mais sobre os jogadores que estão atualmente no Top 3 do ATP, confira o infográfico abaixo:

 

infografico

 

Confira os favoritos para 2017

O tênis é um esporte reconhecido pela volatilidade de posições no ranking, e cada semana entre os Top 3 é extremamente disputada. Saber quem vai ganhar os torneios do próximo ano então, é uma tarefa ainda mais difícil, mas dá para saber os favoritos.

De acordo com o site de apostas Betsson, Novak Djokovic aparece como favorito para o Australian Open 2017 com 54.1% de chances de vitória , seguido por Andy Murray  com 28.6% e Roger Federer, empatado com Stanislaw, com 9.1%.

Já para o French Open 2017 conta com alguns outros favoritos: Novak Djokovic com 50% de chances de vitória , Andy Murray com 16.7%, empatado com Rafael Nadal, e

Stan Wawrinka com 10%.

Linkinfirm agencia carreira de Thiago Monteiro

A LinkinFirm, agência de marketing esportivo do brasileiro Marcio Torres, confirmou nesta quinta-feira que agenciará com exclusividade a carreira do mais novo integrante da nova geração do tênis mundial, o cearense Thiago Monteiro, 101o. colocado no ranking mundial.

Número dois do ranking nacional, atrás apenas de Thomaz Bellucci, o tenista que subiu do 463o. lugar para o 98o. desde o início da temporada e fará sua estreia na Copa Davis nesta sexta-feira, enfrentando a Bélgica, no Play Off do Grupo Mundial e desde esta semana passou a ser agenciado por Marcio Torres, com exclusividade.

Torres, que chegou a ser o 132o. colocado no ranking mundial de duplas, jogou tênis pela Universidade da Carolina do Norte e fez um MBA em Business Communication na Universidade de Phoenix em 2010, nunca deixou o circuito. Depois de parar de jogar atuou um período como técnico e logo depois partiu para a carreira de empresário, trabalhando atualmente, além de Monteiro, com Bruno Soares, Teliana Pereira, com os irmãos Bob e Mike Bryan no tênis, no surfe com Mineirinho e no UFC com Werdum e Rafael dos Anjos.

Linkinfirm agencia carreira de Thiago Monteiro

“O Thiago Monteiro tem muito potencial dentro e fora das quadras. Ele é um garoto jovem, guerreiro e carismático. Temos inúmeras possibilidades de trabalharmos a imagem dele e de guiarmos também a carreira e os negócios, através da LinkinFirm,” disse Marcio Torres.

Com residência nos Estados Unidos, onde fundou a LInkinfirm em 2008, Marcio Torres acompanha os tenistas na maioria dos campeonatos e vem frequentemente ao Brasil. Recentemente ele se tornou parceiro comercial da Tennis Route, a maior academia de tênis do Brasil, a Tennis Route, em que será responsável pela parte comercial do centro de treinamento, ao lado de Rogerio Melzi, João Zwetsch e de Duda Mattos, técnico de Thiago Monteiro.

Foto de Cristiano Andujar

Guga emociona ao entrar com a tocha no Maracanã. Tenistas são destaque.

O Brasil começou bem o primeiro dia da primeira olimpíada da América do Sul. A Cerimônia de Abertura encantou o mundo, encheu os olhos da nação de orgulho e ratificou a máxima de que ninguém sabe fazer uma festa como os brasileiros.

Guga emociona ao entrar com a tocha no Maracanã. Tenistas são destaque.

Teve Paulinho da Viola cantando o hino nacional, Caetano, Gil e Annita no palco, samba, Santos Dummont, a imigração, as diferenças, o desfile das nações, com diversos tenistas em destaque: Rafael Nadal, Andy Murray, Caroline Wozniacki e Gilles Muller de porta-bandeira e uma enormidade de astros do nosso esporte desfilando. Serena, Kerber, Del Potro, Fognini, os nossos brasileiros, todos curtiram a festa no Maracanã.

Marcelo Melo e Bruno Soares na cerimônia de abertura

No ápice da festa, Gustavo Kuerten voltou a emocionar não só o mundo do tênis, mas as bilhões de pessoas que assistiam o espetáculo na tv, ao entrar com a tocha no estádio, ser ovacionado, passá-la para Hortênsia que entregou para o heróis Vanderlei Cordeiro de Lima acender a pira.

O tênis agradece mais uma vez a enormidade de Gustavo Kuerten e suas estrelas.

Let the games begin.

Diana Gabanyi

Especial olímpico: a história do tênis nos Jogos. Irmãs Williams, as maiores medalhistas

Jogos da XXXI Olimpíadas e XV Paraolimpíadas

Especial Olímpico: a história do tênis nos Jogos. As irmãs Williams, as mais vitoriosas

 

Esta é a primeira vez que a América do Sul abriga os Jogos Olímpicos, mais especificamente no Rio. Depois de jogos de sucesso em Londres, as Olimpíadas chegaram ao Rio de Janeiro e independente de atrasos, casos de corrupção, preocupações com a segurança, Zika, doping, entre outros, promete fazer história.

22 Cidades Já Sediaram o Evento

A história registra que os Jogos Olímpicos foram criados em 776 a.C. na Grécia Antiga, como homenagem a Zeus, divindade da mitologia grega, e teve fim em 324 D.C. por questões religiosas. A competição voltou a ser disputada em 1896, na chamada Era Moderna, foi interrompida após a edição de 1912, devido a I Guerra Mundial, voltou ao calendário dos atletas entre 1920 e 1936 e teve sua sequência novamente interrompida devido ao segundo conflito entre países, retornando definitivamente ao calendário no ano de 1948.

A primeira participação do Brasil nos Jogos Olímpicos foi em 1920, na Antuérpia, com uma delegação composta por 22 homens, distribuídos entre cinco modalidades esportivas. Na ocasião, foram conquistadas três medalhas, ouro, prata e bronze, em diferentes provas de tiro. Desde então, o evento sempre teve brasileiros em sua lista de inscritos, com exceção da edição de 1928, em Amsterdã, quando nosso País atravessava uma grave crise econômica

 

Americanos lideram ranking de medalhas

 

De 1896 a 2012, o tênis foi disputado em 14 edições dos Jogos Olímpicos. O maior número de medalhas de ouro, nas chaves de simples masculina e feminina, foi conquistado por representantes dos Estados Unidos, entre os quais Andre Agassi, último norte-americano a subir no topo do pódio da competição entre nações, em 1996. Na segunda colocação está a Grã-Bretanha, seguida pela França. A lista de medalhas de ouro se completa com representantes de outros oito países: África do Sul, Checoslováquia, Suíça, Rússia, China, Espanha, Alemanha e Bélgica.

 

Ranking dos países medalhistas de ouro

 

1º lugar – Estados Unidos – 8 medalhas

2º lugar – Grã-Bretanha – 7 medalhas

3º lugar – França – 3 medalhas

 

O quadro dos medalhistas de ouro

 

1988 – Seul

Simples – Miloslav Mecir (TCH) e Steffi Graf (ALE)

Duplas – Ken Flach/ Robert Seguso (EUA) e Pam Shriver/ Zina Garrison (EUA)

 

1992 – Barcelona

Simples – Marc Rosset (SUI) e Jennifer Capriati (EUA)

Duplas – Boris Becker/ Michael Stich (ALE) e Gigi Fernandez/ Mary Joe Fernandez (EUA)

 

1996 – Atlanta

Simples – Andre Agassi (EUA) e Lindsay Davenport (EUA)

Duplas – Todd Woodbridge/ Mark Woodforde (AUS) e Gigi Fernandez/ Mary Joe Fernandez (EUA)

 

2000 – Sidney

Simples – Yevgeny Kafelnikov (RUS) e Venus Williams (EUA)

Duplas – Sebastien Lareau/ Daniel Nestor (CAN) e Venus Williams/ Serena Williams (EUA)

 

2004 – Atenas

Simples – Nicolas Massu (CHI) e Justine Henin (BEL)

Duplas – Fernando Gonzalez/ Nicolas Massu (CHI) e Li Ting/ Sun Tian-Tian

 

2008 – Pequim

Simples – Rafael Nadal (ESP) e Elena Dementieva (RUS)

Duplas – Roger Federer/ Stalistas Wawrinka (SUI) e Serena Williams/ Venus Williams (EUA)

2012 – Londres

Simples – Andy Murray (GBR) e Serena Williams (EUA)

Duplas – Bob Bryan/Mike Bryan (EUA) e Serena Williams/Venus Williams (EUA)

Texto de Fabiana Barros de Oliveira

Rio Open inaugura complexo esportivo em Queimados

Maior torneio de tênis da América do Sul, o Rio Open rende frutos no campo do legado social. Numa contrapartida do patrocínio da Secretaria de Estado de Esporte, Lazer e Juventude do Rio de Janeiro à competição, foi inaugurado o Complexo Esportivo de Queimados, com uma área de 4.203,40 metros quadrados com duas quadras esportivas, sendo uma poliesportiva,  outra de futebol e uma academia com aparelhos voltada para terceira idade. Uma estrutura que ficará à disposição para o uso da população local.

Rio Open inaugura complexo esportivo em Queimados

O local escolhido para o complexo esportivo era uma área que até então estava abandonada. Além das quadras e academia, o entorno do Complexo foi todo revitalizado, a fim de criar um patrimônio para os moradores de Queimados.

Além disso, a organização do Rio Open também entregou outras dez academias da terceira idade em campo de esportivos em locais como Belford Roxo, Realengo, Taquara, Arrozal, Pinheiral e Bangu.

“Uma das principais vantagens da Lei de Incentivo ao Esporte é termos este retorno de investimento. O Complexo Esportivo de Queimados e as Academias da Terceira Idade são frutos da contrapartida social do Rio Open 2016, torneio realizado em fevereiro. Na Secretaria, recebemos muitas demandas para a terceira idade e, por isso, decidimos investir neste tipo de prática esportiva, que é tão benéfica para esta faixa etária” – afirmou o secretário de Esporte, Lazer e Juventude, Marco Antônio Cabral.

Projetos sociais recebem apoio do Rio Open

Desde sua primeira edição, o Rio Open apoia importantes projetos sociais do Rio de Janeiro, que usam o esporte como ferramenta de desenvolvimento e inclusão social. Os projetos apoiados em 2016 foram o Tênis Solidário, Escolinha de Tênis Fabiano de Paula, o Tênis na Lagoa e o Tênis Para Todos. O objetivo da parceria do maior torneio de tênis da América do Sul com essas iniciativas é estimular crianças de diversas comunidades cariocas a praticar um dos esportes que mais vem evoluindo no país: o tênis.

Por meio da parceria com os projetos, o Rio Open já disponibiliza:

– Bolas usadas durante o torneio para aproveitamento nos treinos das crianças

– Material para treinamento

– Ingressos para os alunos dos projetos assistirem a jogos do Rio Open

– Oportunidade para cerca de 75 crianças atuarem como “boleiros” do torneio/ano

– Clínicas de tênis para jovens com a presença de jogadores profissionais

– Neste ano, foi realizado ainda um torneio nas quadras do complexo do evento

“Esta parceira é apenas o início de um plano de longo prazo. Todos os anos iremos buscar ampliar o programa social do Rio Open, mapeando novos projetos da cidade e do estado, para que outros projetos possam se beneficiar dessa oportunidade. Com essa iniciativa queremos incentivar crianças carentes a seguir praticando nosso esporte para que no futuro elas possam se tornar campeãs dentro e fora das quadras”, explica o Diretor do Torneio, Luiz Procópio Carvalho.

O Rio Open, que acontece desde 2014, é um evento fixo no calendário da cidade e a expectativa é de que, a cada ano, novas melhorias sejam feitas para o desenvolvimento do esporte em comunidades carentes do Estado do Rio de Janeiro.

Torneio de cadeirantes define campeões

O Torneio de Tênis de Cadeirantes – Ano II/ São Paulo Wheelchair Tennis Open já tem seus campeões definidos. O torneio foi disputado de quarta-feira a domingo, no Clube Esperia, em São Paulo.

Torneio de cadeirantes define campeões

Neste domingo foram realizadas as finais das categorias Men 1, Men 2 e Women. Já as categorias Junior, Quad, Men Consolação, Women Consolação, Men Duplas 1, Men Duplas 2, Women Duplas e Quad Duplas foram finalizadas no sábado.

Como já era esperado, Carlos “Jordan” Santos, cabeça 1, e Rafael Medeiros, cabeça 2, decidiram o título da categoria Men1, com Jordan ratificando a condição de principal favorito ao título ao vencer Medeiros por 6/3 6/9.

Os dois tenistas vão representar o Brasil nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, a partir de 9 de setembro. Jordan disputará sua quarta olimpíada, já esteve em Atenas-2004, Pequim-2008 e Londres-2012, Já Medeiros esteve nos Jogos de Londres-2012.

“Já estive em outras olimpíadas, mas sem dúvida os Jogos Olímpicos do Rio é mais especial, principalmente por termos a oportunidade de jogarmos em casa uma competição dessa grandeza. Esta semana aqui no Esperia foi importante para já iniciarmos a preparação para o Rio”, afirmou Jordan.

Pela categoria Men 2, Adair Salvador derrotou Marcelo de Paula, por 6/1 6/0. Na categoria Women, Merycoll Duval, cabeça 1, foi a campeã ao bater Marisa Ferreira por duplo 6/2.

O Torneio de Tênis de Cadeirantes contemplou dois torneios infanto-juvenis, válidos pela 1a. e 3a. etapa do Circuito Paulista da Capital, com pontos para o ranking paulista, e o São Paulo Wheelchair Tennis Open, como forma de integração entre as duas modalidades.

Confira os resultados de todas as finais:

Men 1
Carlos Santos d. Rafael Medeiros – 6/3 6/0

Men 2
Adair Salvador d. Marcelo de Paula – 6/1 6/0

Women
Meyrecoll Duval d. Marisa Ferreira – 6/2 6/2

Men Consolação
Fabio Padila d. Jucelio Torquato – 4/0 4/0

Women Consolação
Ana Caldeira d. Thaila da Conceição – 4/0 4/0

Quad (sistema de grupos)
Campeão – Ymanitu Silva
Vice-camepeão – Pablo Araya

Junior
Jucelio Torquato d. Fabio Bernardes – 6/2 6/4

Men Duplas 1
Campeão – Bruno Makey/Rafael Medeiros d. Mauricio Pomme/Carlos Santos – 1/6 6/3 10-5

Men Duplas 2
Renato S. De Melo/ Fabio Souza da Silva d. João Lucas Takaki/Victor Wang – 6/2 6/1

Women Duplas
Ana Caldeira/Meyrecoll Duval d. Maria Fernanda Alves/Aline Cabral – wo

Quad Duplas
Lemos Raposo/Ymanitu Silva d. Vinicius Pontes/Lucio Umeki – 6/1 6/2

3a. etapa do Circuito Paulista da Capital tem seus campeões

A 3a.etapa do Circuito Paulista da Capital foi encerrada na noite deste sábado com a disputa das finais das categorias 11M1, 16M1, 16MP1, 18F1 e 18M1.


Confira o quadro geral de honra:

10M1
Campeão – Davi Domarco Carlos (CE)
Vice-campeão – José Antonio Pereira Pinto (CPM)

10ME1
Campeão – Eduardo Faria Batista (NCC)
Vice-campeão – Lucca Pires Casarejos Pecin (TCMC)

11F1
Campeã – Julia Pereira (CPM)
Vice-campeã – Sofia Marangoni (ECP)

11M1
Campeão – Luis Felipe F.S. Carvalho (ECP)
Vice-campeão – Otavio L. Louzado dos Santos (CPM)

12F1
Campeã – Aline Midori Silva (JSAT)
Vice-campeã – Bruna Fernandes Pestana (AV)

12FE1
Campeã – Maria Eduarda C. Finzezeto (AESJ)
Vice-campeã – Juliana Alcoforado Santos (TEA)

12M1
Campeão – Filippo Marangoni (ECP)
Vice-campeão – Victor Benatti M. Braga (CE)

12M2
Campeão – Luiz Felipe Gobbi Brandão (AV)
Vice-campeão – Lucas Telles P. Durighetto (AV)

12ME1
Campeão – Guilherme Riofrio Quaglio (AV)
Vice-campeão – Bernardo Lorijola Rodrigues (AV)

14F1
Campeã – Nicolly Layane Soares Ferreira (AV)
Vice-campeã – Giovanna Rodrigues Castro (TCSCS)

14M1
Campeão – Andrew Gustavo Teixeira (CE)
Vice-campeão – Lucca Galpern Wasserstein (ABH)

14MP1
Campeão – Murilo dos Santos Fernandes (AV)
Vice-campeão – Enrico Chicone Recchia (KIM)

14ME1
Campeão – Amogh Balaji (AV)
Vice-campeão – Pedro Monteiro de Mello (AV)

16M1
Campeão – Kaio Maestrini Sacchi (CAC)
Vice-campeão – Rafael Haber Premisleaner (ABH)

16MP1
Campeão – Fabio Adala Gliosci (CE)
Vice-campeão – Miguel Namba Macedo (CE)

18F1
Campeã – Júlia Sanz Iglesias (CAP)
Vice-campeã – Maria Victoria G.P. Prado (SBTC)

18M1
Campeão – IshwaraPola (SCCC)
Vice-campeão – Pedro Conceição V. Braga (KIR)