Teliana bate Cé, vai às oitavas de final de ITF na Alemanha e encara cabeça 1

Teliana Pereira venceu a terceira partida seguida e avançou às oitavas-de-final no torneio de Wiesbaden, na Alemanha, com premiação de U$ 25mil. Ela derrotou a também brasileira Gabriela Cé, 443a. por 6/1 6/2 e enfrenta na próxima rodada a cabeça de chave número um da competição, Kathinka Von Deichmann, de Liechtenstein, 182a na WTA.

“Fui extremamente sólida e fiz um bom jogo hoje,” disse Teliana. “Não é uma situação agradável. A gente passa o dia todo juntas. Mas encaramos bem, aquecemos juntas e sabemos que essas coisas acontecem.”

Para a próxima rodada, Teliana, 507a. espera uma partida dura. “Tenho um jogo bem difícil pela frente. O importante é seguir buscando os meus sentimentos em quadra.”

Foto: www.detlef-gottwald.de

Brasil fecha participação na Fed Cup vencendo a Bolívia

Luisa Stefani peqO Brasil encerrou neste sábado a sua participação no Zonal Americano I da Fed Cup com vitória por 2 a 0 diante da Bolívia para se manter no primeiro zonal da competição na próxima temporada.

O capitão Fernando Roese promoveu a estreia da jovem paulista Luisa Stefani em simples para enfrentar a boliviana Maria Fernanda Alvarez Teran e a brasileira conseguiu sair com a vitória apesar de o nervosismo a ter atrapalhado um pouco no terceiro set, fechando com 6/4 6/7(0) 7/6(3).

“Eu estava bem motivada para esse jogo, ontem o Fernandão falou que talvez precisasse de mim para a simples e a dupla, então estava pronta, todos os dias eu estava pronta para jogar e hoje foi o dia. Felizmente consegui ganhar o jogo, foi um jogo duro, tive que lidar com bastante emoção, mas fiquei muito animada. Representar o Brasil foi um prazer bem grande, ainda mais a minha primeira vez aqui, foi muito especial”, afirmou Stefani.

“Aprendi muito essa semana de várias formas e acho que o tênis universitário, com o fato de jogar por um time, me ajudou, ainda mais hoje nos momentos de pressão, quando não joguei tao bem, mas consegui sair com a vitória”, completou a novata da equipe.

Gabriela Cé entrou em quadra precisando da vitória para confirmar a permanência do Brasil no Zonal Americano I e conseguiu se sair bem contra a boliviana Noelia Zeballos, vencendo com duplo 6/3.

“Hoje era tão tenso quanto jogar a final, porque são os dois extremos, um é lutar para subir para o Playoff e outro é para permanecer no Zonal. Era uma responsabilidade bem grande que a gente tinha e o fato de a Lu ter ganho o jogo dela foi determinante porque se ela tivesse perdido poderia ser dramático o segundo jogo e eventualmente uma dupla.  Me deu uma tranquilidade muito grande para entrar em quadra e realizar o meu trabalho”, afirmou Cé.

Desfalcado de duas de suas principais tenistas, o Brasil teve confrontos equilibrados, mas acabou perdendo nos detalhes em disputa contra a Colômbia, a Argentina e o Chile, sempre tendo chances de vencer as partidas, mas as derrotas acabaram por colocar o time do capitão Fernando Roese na disputa para permanecer no primeiro Zonal em 2017.

“O nível das equipes estava muito parelho e assim como jogamos contra o rebaixamento, a gente poderia ter jogado pelo terceiro lugar. Escapou em alguns jogos muito em função de detalhes. A Teliana fez um esforço muito legal, como capitão fiquei muito feliz com a presença dela por tudo o que representou para o tênis do Brasil. Ela ter vindo participar da equipe foi uma consideração muito grande, ainda mais sabendo que a Paula não quis jogar e a Bia por lesão não veio. Só a presença dela faz a diferença para a gente, mas alguns jogos escaparam”, afirmou Roese.

“A Gabriela hoje segurou a onda, veio a semana inteira sofrendo um pouco com os jogos, mas em termos de experiência foi muito bom. A equipe teve que se superar muito e perdemos nos detalhes, o fator muito positivo aqui foi a presença da Carol e da Luisa, que já mostra uma renovação, as duas tiveram a chance de jogar, a Carol e a Luisa na dupla, e hoje a Luisa na simples em um momento muito delicado. Ela tem um jogo que favorece ela nessas condições e isso foi determinante na escolha por ela jogar. Ela sentiu um pouco, ficou nervosa, poderia ter ganhado o terceiro set um pouco mais fácil, teve três match points antes do tiebreak mas segurou a onda no final”, analisou o capitão sobre a disputa.

Roese finalizou enfatizando o lado positivo da equipe em termos de experiência e lembrou que o resultado final alerta para que o tênis feminino tenha uma maior atenção na formação de mais jogadoras.

“Foi uma experiência muito boa, principalmente para elas que estão entrando agora e um aprendizado grande para a Gabriela de jogar como titular, acho que a gente tem que tirar desse momento difícil as coisas boas. Logicamente é um alerta para a gente pensar e ver mais meninas no nosso tênis feminino que está tão fraco já faz algum tempo, para a gente conseguir fazer alguma coisa melhor”, finalizou o capitão.

Foto: Jaime Lopez/ITF

Brasil é superado pela Argentina na Fed Cup e fica sem chances de classificação

Teliana - Fed Cup peqO Brasil foi superado nesta quinta-feira pela Argentina em disputa definida apenas no terceiro set do jogo decisivo em Metepec, no México, e ficou sem chances de classificação para os Playoffs do Grupo Mundial II na Copa do Mundo do Tênis.

Com as duas equipes precisando vencer para seguir com chances de classificação, o confronto começou com vitória da argentina Nadia Podoroska por 2 sets a 0, com parciais de 6/3 6/4, em 1h18min.

Teliana Pereira conseguiu igualar o confronto para o Brasil mesmo depois de sair atrás na partida contra a argentina Catalina Pella. A número 1 da equipe brasileira venceu o duelo por 2 sets a 1, com parciais de 3/6 6/4 6/2, em 1h58min.

Nas duplas, Gabriela e Teliana foram novamente escaladas pelo capitão Fernando Roese para encarar Maria Irigoyen e Catalina Pella. As brasileiras acabaram derrotadas por 2 sets a 1, com parciais de 6/2 3/6 6/3, em 1h51min de jogo.

O Brasil volta a jogar nesta sexta-feira, às 10h locais (14h de Brasília), diante do Chile pela última rodada da fase de classificação e busca uma vitória para encerrar sua participação em quinto lugar no Zonal Americano da Fed Cup.

A equipe do Brasil é formado pelas tenistas Teliana Pereira, Carolina Meligeni Alves, Gabriela Cé e Luisa Stefani. A comissão técnica é formada pelo capitão Fernando Roeese, a fisioterapeuta Claudia Tamachiro e o chefe da delegação Paulo Moriguti.

Foto: JAM Media/ITF

Brasil vence o México, se recupera na Fed Cup e enfrenta Argentina nesta quarta-feira

Fed Cup peq

O Brasil venceu nesta terça-feira o confronto com o México pela segunda rodada do Grupo B da Fed Cup, a Copa do Mundo do Tênis, em Metepec, no México, e se manteve na briga pela classificação para os Playoffs do Grupo Mundial II.

Depois de um início com derrota diante da Colômbia na segunda-feira, as brasileiras bateram as mexicanas por 3 a 0 em partidas que foram todas decididas apenas no terceiro set.

A primeira partida no Club Deportivo la Asunción teve a gaúcha Gabriela Cé enfrentando a mexicana Marcela Zacarias. Após um início melhor da adversária, a brasileira conseguiu se recuperar, salvou match points e venceu de virada, com parciais de 5/7 6/1 7/6(7), após 2h27min de jogo, para dar o primeiro ponto para o país.

Depois de vencer tendo conseguido salvar alguns match points para se recuperar da estreia, quando teve  chances de vencer e acabou derrotada, Gabriela Cé creditou à mudança de postura o resultado alcançado nesta terça-feira no México.

“Acho que ontem eu não consegui administrar as coisas da melhor maneira possível, estava bastante nervosa. Desde ontem a noite a gente converseou e é uma coisa que muda do dia para a noite, hoje tive uma postura totalmente diferente. Durante o jogo não passou pela minha cabeça nem 30 milésimos da partida de ontem, acho que pra mim o que mais fez a diferença foi que eu estava com a cabeça totalmente diferente, era outra Gabriela”, comemorou a gaúcha.

“Eu entrei hoje na quadra, tive chance no 5/3 mas estava com outra postura, tive uma queda, não consegui fechar, voltou um pouco a postura de ontem e no segundo eu falei que era aquela postura que eu tinha que ter ganhando ou perdendo, no segundo joguei muito bem e no terceiro foi pegado, ela teve alguns match points e eu consegui salvar”, completou Cé.

Teliana Pereira também precisou se superar após um início de partida melhor da adversária Renata Zarazua no segundo jogo de simples e venceu por 2 sets a 1, com parciais de 4/6 6/3 6/3, em 2h12min, garantindo assim a vitória ao Brasil no confronto.

Nas duplas, Teliana e Gabriela enfrentaram as mexicanas Giuliana Olmos e Renata Zarazua. As brasileiras conseguiram a vitória por 2 sets a 1, com parciais de 6/4 3/6 6/3, em 1h53min.

Com a vitória o Brasil se iguala a Argentina, Chile e Colômbia, todos com uma vitória, enquanto o México teve apenas um confronto com derrota. O time brasileiro folga nesta quarta-feira, quando a Argentina enfrenta o México e a Colômbia encara o Chile, pelo Grupo B.

As brasileiras voltam a jogar na quinta-feira contra a Argentina, equipe que foi a vencedora do Zonal Americano I no ano passado e tem campanha igual à do Brasil neste ano, com uma derrota para o Chile e vitória sobre a Colômbia.

A equipe do Brasil é formada pelas tenistas Teliana Pereira, Carolina Meligeni Alves, Gabriela Cé e Luisa Stefani. A comissão técnica é formada pelo capitão Fernando Roeese, a fisioterapeuta Claudia Tamachiro e o chefe da delegação Paulo Moriguti

Foto: JAM Media/ITF

Brasil perde para a Colômbia no 1º confronto do Zonal da Fed Cup

Teliana - Fed Cup peqO Brasil não começou muito bem na disputa do Zonal Americano da Fed Cup, que é disputado no piso duro de Metepec, no México.

Nesta segunda-feira, na primeira partida do dia, Gabriela Cé foi superada em uma longa e dura partida pela colombiana Maria Camila Osório Serrano, com parciais de 4/6 6/3 e 7/6(15).

Depois, Teliana Pereira perdeu para Mariana Duque Marino, por 6/4 e 6/1, e o time colombiano confirmou o ponto no confronto.

Nas duplas, Luisa Stefani e Carolina Meligeni Alves viraram sobre Maria Fernanda Herazo e Maria Paulina Perez, com parciais de 4/6 6/4 e 6/2, garantindo a primeira vitória para a equipe brasileira.

Além da Colômbia, o Brasil ainda tem como adversárias na sua chave as equipes da Argentina, Chile e México.

 

Brasil trabalha na adaptação antes da estreia na Fed Cup, no México

Teliana 1 peqO Brasil segue em preparação para a estreia no Zonal Americano I da Fed Cup, a Copa do Mundo do Tênis, que acontece a partir desta segunda-feira em Metepec, no México.

 

As tenistas Carolina Alves e Gabriela Cé, que chegaram ao local dos jogos na quinta-feira, realizaram neste sábado o terceiro dia de treinos já contando também com Teliana Pereira, tenista número 1 da equipe.

 

O capitão Fernando Roese ressalta a importância da adaptação ao local de jogo, já que os confrontos acontecem em quadras duras, em local com altitude e bastante seco, o que requer uma atenção maior.

 

“O clima é muito seco e talvez o fator que a gente mais esteja estranhando é a altitude. Aqui tem entre 2.300 m e 2.400 m, então é um trabalho que a gente fez nos primeiros dias de elas se adaptarem principalmente com as bolas. A bola aqui anda bastante, mas treinamos bem esses primeiros dias. Até segunda estará todo mundo bem ambientado, bem aclimatado e bem para começar os jogos”, afirma o capitão.

 

A gaúcha Gabriela Cé disputa pelo quarto ano seguido a Fed Cup pelo Brasil e espera confrontos difíceis na primeira fase devido aos países que integram o grupo das brasileiras.  

 

“O nosso grupo aqui é bem homogêneo, é muito parelho. Realmente é um grupo muito difícil, são confrontos todo dia pedreira, mas eu acredito muito que a gente possa fazer uma boa campanha. Ano passado éramos favoritas e não conseguimos sair como campeãs, mas esse ano nós não somos, estamos com uma equipe diferente, renovada de certa forma, então acho que é uma questão que tem que passar a bola para as outras e a gente só se preocupar em jogar o nosso tênis dentro da quadra. Estou bem confiante no que depender de mim, me identifico bastante nesse tipo de competição”, afirma Cé.

 

Luisa Stefani completa o time brasileiro neste domingo em Metepec, onde já treinará com Teliana, Gabriela e Carolina Alves. O Brasil estreia nesta segunda-feira, às 10h locais (14h de Brasília) contra a Colômbia.

 

A equipe do Brasil é formado pelas tenistas Teliana Pereira, Carolina Meligeni Alves, Gabriela Cé e Luisa Stefani. A comissão técnica é formada pelo capitão Fernando Roeese, a fisioterapeuta Claudia Tamachiro e o chefe da delegação Paulo Moriguti. 

Paula vai à semi em Bogotá e se garante entre as 180 do mundo. Cé chega à final de duplas

Gonçalves 2 peqPaula Gonçalves conseguiu, nesta sexta-feira, o melhor resultado da sua carreira, ao chegar às semifinal do WTA de Bogotá, na Colômbia, que é disputado no saibro.

A brasileiro conseguiu uma boa vitória sobre  a russa Alexandra Panova, com parciais de 6/4 e 6/3, garantindo vaga na semi de um torneio WTA pela primeira vez na carreira. Até então, sua melhor campanha havia sido no Rio Open desse ano, quando passou pelo qualifying e chegou às quartas.

Sua adversária por uma vaga na final será a espanhola Silvia Soler-Espinosa, nº 170 do mundo, em confronto que será inédito.

O resultado vai fazer com que Paula chegue ao seu melhor ranking da carreira, entrando pela primeira vez no top-200 da WTA. Até o momento, sua melhor marca foi o 220º posto.

Também em Bogotá, mas na chave de duplas, Gabriela Cé chegou à final do torneio, jogando ao lado da venezuelana Andre Gamiz.

Nesta sexta, ela venceram a búlgara Alexandrina Neydenova e a chilena Daniela Seguel, com parciais de 3/6 6/3 e 10/5.

Na decisão, elas encaram a espanhola Lara Arruabarrena e a alemã Tatjana Maria.

Rio Open traz exposição do International Tennis Hall of Fame ao Brasil pela primeira vez. Cé ganha convite para chave principal

Rio Open 2015 - Pauline Parmentier (USA) x Gabriela CE (BRA)O Rio Open apresentado pela Claro, que acontece já na próxima semana, de 15 a 21 de fevereiro, vai receber em suas instalações no Jockey Club Brasileiro, no Rio de Janeiro, o International Tennis Hall of Fame, o maior museu de tênis do mundo. Será a primeira vez que o mais nobre salão da fama do tênis, que tem sede em Newport, Rhode Island, nos Estados Unidos, vem ao continente. E o público presente na terceira edição do maior torneio de tênis da América do Sul poderá apreciar, com exclusividade, uma exposição incrível, reunindo homenagens aos maiores astros da história do esporte.

Um dos temas da exposição que o Hall of Fame trará ao Rio Open será a história do tênis nas Olimpíadas. O material que será exibido conta com informações dos medalhistas de cada edição dos Jogos. Além disso, a mostra vai exaltar dois ícones do tênis brasileiro: Gustavo Kuerten, o Guga, e Maria Esther Bueno, que integram o Hall of Fame.

Os fãs que forem ao Rio Open vão encontrar o International Tennis Hall of Fame no Leblon Boulevard, uma área interativa que contará também com lojas, food-trucks com muitas opções gastronômicas, um telão que exibirá as partidas, assim como stands de patrocinadores. A exposição promete ao público uma emocionante viagem aos grandes momentos do tênis imortalizados na história do esporte.

GABRIELA CÉ GANHA CONVITE PARA CHAVE PRINCIPAL DO RIO OPEN

Depois do surpreendente resultado em 2015, quando conquistou a primeira vitória em um torneio WTA, Gabriela Cé, 22 anos ganha o segundo convite para a chave principal do Rio Open apresentado pela Claro, em 2016.
No ano passado, Cé , então 261a do mundo, venceu a francesa Pauline Parmentier na estreia da chave, com direito a pneu no terceiro set. A garra e determinação da gaúcha aliada à boa campanha que vem fazendo no circuito feminino lhe rendeu a entrada direto na chave deste ano. Número três do Brasil e atual 247a da lista, Gabriela Cé se junta às brasileiras Bia Haddad Maia, também convidada, e Teliana Pereira na principal disputa do maior torneio da América do Sul.

” A Gabriela Ce foi muito bem no ano passado e é uma jogadora jovem, que vem batalhando com muita dedicação no circuito. Em 2015 ela reuniu grande torcida na estreia na quadra 1 e valeu a pena. É esse tipo de jogadora que levanta o público e que faz bem para o tênis brasileiro e para o Rio Open”, disse Luiz Carvalho, diretor do Rio Open.

Ghem e Clezar conhecem adversários de estreia no quali do US Open. Cé joga seu primeiro quali de Slam

Ghem 2 peqDois brasileiros buscarão, através do qualifying, uma vaga na chave principal do US Open, quarto e último Grand Slam da temporada, disputado no piso duro de Nova Iorque, nos Estados Unidos.

Cabeça de chave nº 25, o gaúcho André Ghem joga na primeira rodada contra o húngaro Marton Fucsovics, nº 200 do mundo, em confronto que será inédito.

O outro representante nacional no quali masculino é Guilherme Clezar, que enfrenta na estreia o israelense Amir Weintraub, nº 435 do ranking. Será o primeiro jogo entre eles.

Entre as meninas, Gabriela Cé vai jogar pela primeira vez um quali de Grand Slam e sua primeira partida será contra a chinesa Zhaoxuan Yang, nº 159 da WTA, em partida inédita.

Brasileiros vencem nas duplas mistas nos Pan de Toronto

Rio Open 2015 - Pauline Parmentier (USA) x Gabriela CE (BRA)Os tenistas brasileiros Gabriela Cé e João Menezes avançaram neste domingo às quartas de final de duplas mistas nos Jogos Pan-Americanos de Toronto, em um dia que acabou tendo derrotas de brasileiros nos outros três jogos.

Na primeira vez em que jogaram uma partida de duplas mistas juntos, Cé e Menezes conseguiram a vitória diante dos mexicanos Ana Sofia Sanchez e Maniel Sanchez por 2 sets a 1, com parciais de 6/4 2/6 e 10/6, em 1h08min.

“Foi bom, o jogo era bem duro, a dupla mista acaba sendo bem dinâmica e parelha. Acho que a gente foi super bem, jogamos com bastante intensidade nos momentos importantes e fiquei feliz de ter saído com a vitória”, afirma Cé. “A gente conseguiu jogar relativamente bem, ela conseguiu segurar bem no fundo e sacou bem”, completou Menezes.

Os brasileiros voltam à quadra em busca de uma vaga nas semifinais nesta segunda-feira, a partir das 15h locais (16h de Brasília) para enfrentar na quadra Grand Stand os colombianos Mariana Duque Marino e Eduardo Struvay, cabeças de chave 2.

“O jogo é ainda mais duro, por isso foi bom ter tido um teste hoje que a gente conseguiu se entrosar bastante. Amanhã teremos de jogar melhor, mas a gente está bem preparado para o que vem pela frente”, afirma Cé.

Quem também volta à quadra nesta segunda-feira é Paula Gonçalves, que folgou neste domingo. Ela enfrenta a paraguaia Veronica Cepede Royg em busca de uma vaga nas quartas de final. O jogo acontece às 11h locais (12h de Brasília) na quadra 1.

Na chave masculina de simples, João Menezes foi superado nos detalhes pelo equatoriano Gonzalo Escobar, cabeça de chave 9, com parciais de 7/6(5) 7/6(4), em 2h14min de partida.

“Tomei uma quebra no primeiro game e depois consegui recuperar. Até o final do primeiro set foi no detalhe, no tie-break ele jogou um pouco melhor. No segundo, eu tive uma quebra na frente e não soube administrar, diminui a intensidade do meu saque e tomei a quebra de volta. Demorei pra entrar bem no tie-break, até consegui me recuperar, mas foi tarde”, lamentou Menezes.

Pela chave feminina de simples, Beatriz Haddad Maia acabou eliminada ao perder para a chilena Fernanda Brito por 2 sets a 0, com 6/1 6/0. Bia entrou em quadra sentindo dores no ombro direito e teve dificuldades para conseguir sacar, o que prejudicou sua atuação. Após o jogo, a tenista brasileira passou por avaliação dos fisioterapeutas e médicos do Time Brasil, com trabalho de recuperação para poder jogar a semifinal de duplas na terça-feira.

“Eu estou bem, com um pouco de dor, mas normal, faz parte. Senti um pouco o ombro e hoje foi complicado para jogar. Mas já fui na fisioterapia, com todo o pessoal do COB, a gente trocou ideias e agora é tentar esquecer e tratar para jogar a dupla na terça-feira”, afirmou Bia.

Nas duplas masculinas, Orlando Luz e Marcelo Zormann foram superados pelos mexicanos Hans Hach e Luis Patiño, com 1/6 6/3 e 14/12, em 1h11min de partida, encerrando assim a participação dos tenistas brasileiros no Pan.