Osaka vence o Australian Open e se torna a nova no1 do mundo

A japonesa Naomi Osaka, de apenas 21 anos, conquistou neste sábado o título do Australian Open em uma decisão emotiva na Rod Laver Arena. Ela derrotou a cabeça-de-chave 8, Petra Kvitova, por 6/7 7/5 6/4 para conquistar o seu segundo Grand Slam consecutivo.

Osaka, cabeça 4, de quebra foi alçada ao posto de número um do mundo no ranking da WTA.

 

Poucos meses depois de uma final das mais históricas, pelos motivos errados, de Grand Slam, em que derrotou Serena Williams no US Open, quando a tenista american perdeu pontos por ofender o juiz, se sentiu prejudicada, chorou em quadra, perdeu a compostura e fez Osaka perder o grande momento, enfim a jovem japonesa pôde sentir o gostinho de uma vitória de um torneio desta magnitude.

No entanto, no discurso de campeã, ao erguer o trofeu, a Daphne Ahkhurst Memorial Cup, Osaka parecia sofrer mais para falar diante do público do que para fechar os match points que teve durante a partida. O público pareceu entender. Ela tem apenas 21 anos de idade e mesmo cheia de graça, ainda está se acostumando a viver diante dos holofotes do mundo.

Kvitova, por outro lado, emocionou a todos ao dizer que o trofeu de vice era praticamente o trofeu de campeã para ela. Foi às lágrimas ao agradecer a equipe “por ter ficado com ela, mesmo quando não sabiam se voltaria a segurar uma raquete novamente.”

Uma final emotiva e uma nova número um para a WTA, uma número um jovem, com potencial para atrair novos fãs para o esporte.

Diana Gabanyi

Foto – Getty Images Cameron Spencer

Em final tumultuada, Naomi Osaka é campeã do US Open

O mundo inteiro esperava pelo título de Serena Williams, ou melhor desejava ver uma história de conto de fadas acontecendo em pleno Arthur Ashe Stadium. A americana jogava pelo 24o. título de Grand Slam, e o primeiro exatamente um ano depois de ter se tornado mãe e passado por uma série de complicações de saúde. A maior campeã de todos os tempos contra a japonesa de 20 anos Naomi Osaka.

O título ficou com a novata Osaka, que venceu Serena por 6/2 6/4, jogando um tênis perfeito, sem intimidação alguma por estar na sua primeira final de Grand Slam e diante da tenista que idolatrou por toda uma vida.

O placar, no entanto, não será lembrado por muita gente nesta final, a segunda seguida de Grand Slam que Serena disputa e perde.

A tenista, acusada de coaching, tomou uma advertência. Depois tomou outra por quebrar uma raquete frustrada e aí perdeu um ponto. Depois de perder um ponto, continuou discutindo com o juiz e perdeu um game. Daí pra frente, Serena não se conteve. Ou melhor, já não estava se contendo. Sucumbiu à pressão. Chamou o ábritro geral em quadra, a diretora da WTA e disse que isso acontece muitas vezes com ela no US Open, diz que não trapaceia para vencer e jamais trapaceou, chorou, se desesperou e perdeu.

A cerimônia de premiação foi um anti-climax, especialmente para a jovem campeã, que começou a jogar por causa de Venus e Serena. A primeira campeã de Grand Slam do Japão (Osaka nasceu no Japão e se mudou para os EUA aos 3 anos). Serena tentou apoiá-la e pediu aplausos do público. Na coletiva disse que não gostaria de afirmar que o árbitro, o português Carlos Ramos, que vem com frequência aos torneios do Brasi, influenciou no resultado do jogo, afinal Osaka estava jogando muito bem. Mas, o que todos vão lembrar deste sábado, 08 de setembro em Nova York, é da ira de Serena Williams.

Diana Gabanyi

fotos de Cynthia Lum

Brasil encara o Japão pela Davis no piso duro, em Osaka

Equipe 1 peqFoi definido nesta terça-feira que o Brasil jogará o próximo confronto da Copa Davis contra o Japão entre os dias 15 e 17 de setembro na cidade de Osaka, no Utsubo Tennis Center. A disputa é válida pelos Playoffs do Grupo Mundial e os brasileiros buscam a volta ao Grupo Mundial da principal competição por equipes do tênis.

O complexo Utsubo Tennis Center é descoberto e a quadra principal tem a capacidade para 5.500 pessoas. O piso escolhido foi o hard-courts de acrílico Poliuretano, o mesmo usado no Masters 1000 de Indian Wells.

A cidade de Osaka faz parte da região de Kansai e é a terceira cidade mais populosa do Japão, com mais de 2 milhões de habitantes. Fica a 503 km da capital Tóquio e a 50 km do aeroporto mais próximo, o Aeroporto Internacional de Kansai.

A última vez que o Japão jogou em Osaka foi ano passado também pela repescagem e venceu a Ucrânia por 5 x 0. O confronto entre brasileiros e japoneses será inédito em confrontos de Copa Davis.

A convocação das equipes será divulgada até o dia 5 de setembro, dez dias antes dos jogos, conforme regulamento da Federação Internacional de Tênis (ITF). A equipe brasileira terá duas quadras para treinos no Utsubo Tennis Center após a chegada em Osaka.