Retrospectiva 2019: Nadal leva seu 12º Roland Garros. Barty conquista Slam pela 1ª vez e brasileiro Pucinelli repete título de Guga

O segundo Grand Slam do ano foi, mais um a vez, com alta expectativa pelo favoritismo de Rafael Nadal. E o espanhol, mais uma vez, não decepcionou. Sem dar chances, faturou seu 12º título no saibro parisiense.

Em uma campanha quase irretocável, Nadal perdeu somente dois sets ao longo de toda jornada, culminando com os triunfos sobre Roger Federer na semifinal e Dominis Thiem na grande decisão. Aliás, o austríaco parecia endurecer a partida, chegou a empatar ao vencer o segundo set, mas acabou superado com parciais de 6/3 5/7 6/1 e 6/1.

Na chave feminina, uma campeã inédita: A australiana Ashleigh Barty surpreendeu não pela bela campanha em um Slam, mas por ser justamente no saibro, que não é seu piso favorito.

E por falar na australiana, que também só perdeu dois sets ao longo das duas semanas de torneio, vale destacar que ela encerra o ano como nº 1 do mundo.

Na chave de duplas, uma surpresa: O título dos alemães Kevin Krawietz e Andreas Mies, frustrando a torcida francesa na final com a vitória sobre os locais Jeremy Chardy e Fabrice Martin. Nas duplas, porém, a torcida comemorou com o triunfo de Kristina Mladenovic e a húngara Timea Babos.

Se os brasileiros não se deram bem nos profissionais, com Bruno Soares perdendo na estréia e Marcelo Melo nas oitavas da chave de duplas, o mesmo não se pode dizer entre os juvenis.

Matheus Pucinelli foi bem longe e comemorou o título ao lado do argentino Thiago Tirante, repetindo feito de anos atrás de Gustavo Kuerten, em 1994, quando venceu ao lado do equatoriano Nicolas Lapentti.

Retrospectiva 2019: Melbourne viu o hepta de Djokovic e a confirmação da japonesa Osaka

Como quase todos os anos na última década, Novak Djokovic chegou ao primeiro Grand Slam da temporada, o Australian Open, como um dos principais favoritos. E não deu muitas chances pra ninguém!

Depois da surpreendente eliminação na semifinal do ATP de Doha, na primeira semana do ano, diante do espanhol Roberto Bautista-Agut, o sérvio caminhou firme rumo ao seu 7º troféu em Melbourne, sendo seus principais obstáculos os sets perdidos para Denis Shapovalov e Daniil Medvedev.

Na grande final, cercada de expectativa, um sonoro 6/3 6/2 e 6/3 sobre Rafael Nadal e heptacampeonato garantido.

Já na chave feminina, a japonesa Naomi Osaka se consagrou na elite do tênis feminino. Depois da decisão polêmica contra Serena Williams no US Open 2018, no que foi seu primeiro título de Slam, ela entrou no torneio australiano pronta pra afastar qualquer possibilidade de acaso com a conquista anterior.

Caminhou na chave precisando virar algumas partidas e fez uma final muito equilibrada diante da tcheca Petra Kvitova, vencendo por 7/6 5/7 e 6/4. No fim, o 2º Slam da carreira e a confirmação de ser a primeira asiática líder do ranking da WTA.

Na chave de duplas, que não contou com o brasileiro Marcelo Melo, lesionado, e viu Bruno Soares perder nas quartas de final, ao lado do britânico Jamie Murray, para Kontinen/Peers, o título ficou com os Frances Nicolas Mahut e Pierre-Hugues Herbert.

Entre as mulheres, Samantha Stosur fez a festa da torcida da casa ao lado da chinesa Zhang Shuai.

No mais, Bia Haddad chegou a furar e entrar na chave principal, venceu um jogo, mas foi superada na segunda rodada pela alemã Angelique Kerber.

No mais, Thomaz Bellucci perdeu na primeira rodada do qualifying e Thiago Monteiro na terceira e última, também do quali.