Medvedev não dá chances, impede recorde de Djokovic e conquista o título do US Open

Dannil Medvedev é o mais novo componente do seleto grupo de campeões de Grand Slam, logo depois da entrada da romena Emma Raducanu, que no sábado levou o título do US Open, quarto e último Grand Slam da temporada.

Neste domingo, em uma atuação memorável, o russo praticamente não deu chances ao sérvio e número 1 do mundo Novak Djokovic, vencendo por 3×0, com um triplo 6/4.

“Isso torna o sentimento definitivamente mais doce. Pela minha confiança e carreira, saber que venci alguém que estava com 27 vitórias seguidas em Grand Slams, perdi pra ele na Austrália, saber que ele estava buscando um feito e eu saber que o impedi, definitivamente deixa tudo mais doce eme traz confiança para o que está por vir” disse Medvedev depois da partida.

O russo estava se referindo à possibilidade de Djokovic superar o recorde de títulos de Grand Slams, já que está com 20, mesmo número de Roger Federer e Rafael Nadal.

Além disso, ele também poderia ter conquistado em Nova York o 4º dos 4 maiores torneios da temporada, depois de triunfar no Australian Open, Roland Garros e Wimbledon.

Hoje, ele tratou de reconhecer a superioridade do rival, apesar do abatimento pela chance perdida: “Medvedev estava muito determinado em quadra. Você podia sentir que ele estava no auge de suas habilidades em cada golpe. Tinha muita clareza sobre o que precisava fazer taticamente e executou perfeitamente.

Essa foi a terceira final de Medvedev em um Slam. Antes disso, ele havia ficado com o vice no mesmo US Open, em 2019, diante de Rafael Nadal. Já em 2021, ele perdeu a final do Australian Open, justamente para Djokovic.

Foto: Rhea Nall/USTA

Djokovic vira sobre Nishikori e garante sua vaga nas 8ªs do US Open. Berrettini vence em 5 sets e Sinner bate Monfils

Novak Djokovic teve certo trabalho, mas conseguiu virar a partida diante de Kei Nishikori e garantiu sua vaga nas oitavas de final do US Open, quarto e último Grand Slam da temporada, disputado no piso duro.

Na tarde deste sábado, o número 1 do mundo perdeu o primeiro para o japonês, no tiebreak, mas se recuperou e se impôs nas parciais seguintes, vencendo por 6/7(4) 6/3 6/3 6/2.

Outro favorito que garantiu vaga nas oitavas foi o italiano Matteo Berrettini, mas sem facilidade. Precisou de cinco sets pra superar o bielorrusso Ilya Ivashka. Agora, ele terá pela frente o alemão Oscar Otte, que bateu o italiano Andreas Seppi por 3×1.

Em outro jogo disputado e decidido apenas em cinco sets, o jovem italiano Jannik Sinner levou a melhor sobre o francês Gael Monfils, com parciais de 7/6(1) 6/2 4/6 4/6 e 6/4.

Foto: Garrett Ellwood/USTA

Djokovic vira sobre Berrettini, conquista o hexa em Wimbledon e alcança o recorde de 20 títulos de Grand Slam

Novak Djokovic chegou. Chegou e igualou o recorde de conquistas de títulos de Grand Slam, neste domingo, ao conquistar Wimbledon, terceiro Grand Slam da temporada, disputado na grama de Londres, na Inglaterra.

Depois de um início de jogo nervoso, com quebras de saque e chances perdidas, o sérvio viu o italiano Matteo Berrettini salvar set point e aproveitar pra levar o primeiro set no tiebreak, 7/6(4).

Depois disso, o número do mundo elevou o nível, devolveu melhor o potente saque do adversário e logo no primeiro game do 2º set conseguiu uma importante quebra de saque. Daí em diante, Berrettini não teve muitas forças e chances pra reagir.

Pouco a pouco, Djokovic foi mostrando o motivo de estar neste nível e venceu as parciais seguintes pra conquistar o título do Slam londrino pela sexta vez na carreira, com parciais de 6/7(4) 6/4 6/4 e 6/3.

Com o triunfo, Djokovic chegou ao incrível número de 20 títulos de Grand Slam, igualando a marca de Roger Federer e Rafael Nadal, sendo o seu 6º troféu no Slam disputado na grama.

“Estar aqui com o sexto título de Wimbledon é incrível. Foi uma partida difícil hoje. Matteo é um verdadeiro martelo italiano. Senti isso na pele hoje.” disse o número 1 do mundo depois da partida.

Depois de sua primeira final em um dos quatro maiores torneios da temporada, o italiano vai subir uma posição no ranking da ATP, chegando ao 8º posto.

Enquanto isso, Djokovic segue com dois sonhos possíveis para a temporada. O primeiro seria fechar o Grand Slam, conquistando os 4 na mesma temporada. Falta apenas o US Open. O segundo seria o Golden Slam, completando com uma possível conquista do ouro olímpico.

Foto: AELTC/Karwai Tang

Djokovic joga final de Wimbledon para igualar marca de Federer e Nadal. Berrettini quer seu primeiro Slam

Por tudo que jogaram ao longo da semana, Novak Djokovic e Matteo Berrettini não só mereceram, como devem fazer uma bela final em Wimbledon, terceiro Grand Slam da temporada, disputado na grama de Londres, na Inglaterra.

Nesta sexta-feira, o italiano garantiu sua vaga ao vencer o polonês Hubert Hurkacz por 3×1, com um jogo amplamente dominante, combinando muito bem seu saque pesado e uma direita que anda muito.

Depois, Novak Djokovic ratificou seu grande favoritismo contra o canadense Denis Shapovalov, vencendo por 3×0, apesar de ter enfrentado um tiebreak no primeiro set e ter vencido as outras com uma margem mínima de quebra. No fim, triunfo por 7/6(5) 7/5 e 7/5.

O sérvio chega para a final com apenas um set perdido ao longo da campanha, logo o primeiro que disputou, com méritos do jovem britânico Jack Draper.

O italiano está em sua primeira final de Grand Slam da carreira e também vai buscar pela primeira vez uma vitória sobre o número 1 do mundo. Nos dois confrontos anteriores, vitória do sérvio. A primeira foi no ATP Finals de 2019 e a segunda em Roland Garros, neste ano.

Se vencer, Djokovic vai igualar o número de Roger Federer e Rafael Nadal como maiores vencedores de títulos de Slam. O suíço e o espanhol estão com 20 conquistas.

Foto: AELTC/Jed Leicester

Djokovic passa tranquilamente por Garin e está nas 4ªs de Wimbledon. Fucsovics bate Rublev em 5 sets

Novak Djokovic garantiu sua vaga nas quartas de Wimbledon, terceiro Grand Slam da temporada, disputado na grama de Londres, na Inglaterra.

Nesta segunda-feira, o sérvio número 1 do mundo venceu com tranquilidade o chileno Christian Garin, em sets diretos, com parciais de 6/2 6/4 e 6/2, continuando firme sua caminhada em busca do hexacampeonato do torneio.

Para continuar avançando, Djokovic vai ter que passar pelo húngaro Marton Fucsovics, nº 48 do ranking, que conseguiu uma ótima virada diante do russo Andrey Rublev, vencendo o 5º set por 6/3. Os dois já se enfrentaram duas vezes ao longo da carreira. A primeira no US Open de 2018 e a segunda no ATP de Doha, no ano seguinte. Em ambas, o número 1 do mundo venceu, mas sempre cedendo um set.

Outro que precisou virar no 5º set pra conseguir sua classificação para as quartas foi o russo Karen Kachanov, que superou o norte-americano Sebastian Korda, com 10/8 na parcial decisiva.

Agora, ele terá pela frente o canadense Denis Shapovalov, que precisou de apenas três sets para superar o espanhol Roberto Bautista-Agut.

Foto: AELTC/David Gray

A 2ª rodada de Wimbledon começa nesta 4ª feira, com Djokovic e Anderson reeditando final

A quarta-feira vai marcar o início da segunda rodada de Wimbledon, terceiro Grand Slam da temporada, disputado na grama de Londres, na Inglaterra.

Depois do susto na estreia, quando perdeu um set para o jovem britânico Jack Draper, Novak Djokovic vai enfrentar em sua segunda partida o experiente sul-africano Kevin Anderson, nº 102, que já foi vice-campeão do torneio, em 2018, perdendo a final, na ocasião, justamente para o sérvio.

Na outra partida masculina na quadra 1, Andy Murray terá mais um desafio pela frente, já que encara o alemão Oscar Otte, que vem de três vitórias no qualifying, sem perder set, além da estreia vitoriosa na chave principal.

Vale destacar também que a quarta será o dia do complemento da partida de primeira rodada entre Nick Kyrgios e Ugo Humbert, em jogo equilibrado, que foi interrompido no 3/3 do 5º set, além da partida do italiano Matteo Berrettini contra o argentino Guido Pella, também válido pela primeira rodada.

Para conferir a programação completa, clique aqui.

Foto: AELTC/David Gray

Nesta 2ª feira, Murray, Djokovic e Tsitsipas estreiam em Wimbledon

Wimbledon vai começar nesta segunda-feira e logo com o número 1 do mundo em quadra, começando sua campanha no tradicional Grand Slam disputado na grama de Londres, na Inglaterra.

Na quadra central, Novak Djokovic terá pela frente o jovem britânico Jack Draper, nº 250 do mundo, em confronto que será inédito.

No mesmo lugar, Andy Murray fará o terceiro jogo da programação, enfrentando o georgiano top-30 Nikoloz Basilashvili, em outro confronto que vai acontecer pela primeira vez no circuito.

Na quadra 1, o destaque é para o jogo do grego Stefanos Tsitsipas contra o norte-americano Francis Tiafoe. Nos 3 confrontos anteriores entre eles, o grego venceu todos.

Para conferir a programação completa, clique aqui.

Foto: AELTC/Edward Whitaker

Djokovic vira mais uma vez, conquista o bi em Roland Garros e o seu 19º Slam da carreira

Mais uma vez, como se tivesse alguma necessidade, Novak Djokovic mostrou o motivo de ser o atual número 1 do mundo e um dos maiores jogadores da História do tênis.

Em mais uma partida incrível, o sérvio conseguiu uma virada histórica pra conquistar pela segunda vez na carreira o título de Roland Garros, segundo Grand Slam da temporada, disputado no saibro de Paris, na França.

Apesar de mais uma vez perder o primeiro set, Djokovic não começou mal. Pressionou o saque de Stefanos Tsitsipas, teve break point logo no primeiro game, mas salvou set point antes de sacar em 6/5. Não aproveitou e viu o adversário abrir 4/0 no tiebreak, ainda foi buscar, mas o grego fechou.

No segundo set, Tsitsipas jogou muito tênis. Estava inspirado, acertava quase tudo e viu o sérvio com a guarda um pouco baixa, especialmente no final da parcial. Buscando seu primeiro título de Slam, o grego não titubeou e abriu 2×0.

Porém, é Djokovic, né? Não se dá por vencido. Erro de quem pensa que ele vai se entregar. O número 1 do mundo foi subindo seu nível a partir do terceiro set, se impôs, errou menos e levou a partida para o 5º set.

Tsitsipas tentou de tudo, até o último game. Salvou match-point com muita coragem, mas na segunda oportunidade, deu o sérvio. Deu Novak Djokovic. Pela 19ª vez em um Grand Slam, ficando pertinho de Roger Federer e Rafael Nadal, com 20 títulos cada.

Em Paris, é sua segunda vez, depois de ficar com o troféu em 2016. E quanto ao grego, aparentemente está cada vez mais perto de conquistar um dos 4 maiores torneios da temporada.

Djokovic vence Nadal de virada e decide Roland Garros contra Tsitsipas

Foi incrível! Aquilo que todo mundo esperava e talvez um pouco mais. Foi absolutamente gigante a partida que Novak Djokovic e Rafael Nadal fizeram na semifinal de Roland Garros.

Nesta sexta-feira, os dois entraram em quadra para o 58º confronto entre eles, recheado de expectativas. Nadal em busca de uma vaga na decisão para buscar seu 14º título em Paris. Djokovic querendo seguir para buscar seu segundo. Fora o desafio que é vencer o espanhol na terra batida em um confronto de cinco sets.

Porém, é o número 1 do mundo. Não é qualquer um e de fato esse feito não é pra qualquer um. Somente os gigantes conseguem isso. E ele conseguiu. Depois de sair atrás, Djokovic não esmureceu. Pelo contrário, cresceu. E cresceu muito.

Venceu o segundo set e chegou a sacar pra fechar o terceiro. Aí Nadal mostrou toda sua força pra devolver a quebra e levar pro tiebreak. Djokovic não bobeou. Fechou o 3º set e o jogo na quarta parcial. No fim, vitória com parciais de 3/6 6/3 7/6(4) e 6/2.

O jogo foi tão grande que quase ofuscou o duelo anterior, aquele que definiu o primeiro finalista. E será o grego Stefanos Tsitsipas, que caminhava pra uma vitória tranquila diante de Alexander Zverev depois de abrir dois sets de vantagem, mas viu o alemão reagir e levar a partida pra parcial decisiva. No fim, vitória do grego por 6/3 6/3 4/6 4/6 e 6/3.

Djokovic e Tsitsipas se enfrentarão pela 9ª vez no circuito e a vantagem no retrospecto é do sérvio, que venceu 5 dos 8 confrontos até o momento, incluindo uma bela semifinal em Roland Garros, em 2020, decidida em 5 sets.

Djokovic entra em quadra pra buscar seu 19º título de Grand Slam e colar de vez em Federer e Nadal, com 20, enquanto Tsitsipas tenta entrar no hall dos vencedores de um dos quatro maiores torneios da temporada.

Djokovic, Nadal e Federer buscam nesta 5ª feira vaga na 3ª rodada de Roland Garros

A quinta-feira em Roland Garros terá o complemento da segunda rodada e com muitas atrações e estrelas da chave masculina do segundo Grand Slam da temporada.

Começando pela quadra Philipp-Chatrier, a principal do torneio, na qual Roger Federer e Marin Cilic farão o segundo jogo da programação, reeditando encontro que já foi final de dois Slams.

Depois, no mesmo local, Rafael Nadal encara um velho conhecido, o francês Richard Gasquet, seu adversário em 18 oportunidades, com um retrospecto de 16 vitórias do espanhol.

Já na quadra Suzanne-Lenglen, Novak Djokovic é o favorito diante do uruguaio Pablo Cuevas. Curiosamente, mesmo em tanto tempo de circuito de ambos, será o primeiro confronto entre eles.

Para conferir a programação completa, clique aqui.