Kohlschreiber surpreende e elimina Djokovic em Indian Wells. Federer bate Wawrinka

Ficou para esta terça-feira a principal zebra do Masters 1000 de Indian Wells, primeiro Masters 1000 da temporada, que é disputado no piso duro norte-americano.

O nº 1 do mundo e principal favorito ao título, Novak Djokovic, foi surpreendido pelo alemão Philipp Kohlschreiber, que triunfou em sets diretos, com um duplo 6/4, pra garantir sua vaga nas oitavas de final.

Seu adversário nesta quarta será o francês Gael Monfils, que vem de vitória sobre o espanhol Albert Ramos.

Rafael Nadal não teve grandes problemas pra passar pela terceira rodada, vencendo o argentino Diego Schwartzman por 6/3 e 6/1, e agora terá pela frente o sérvio Filip Krajinovic.

No confronto mais aguardado do dia, Roger Federer se impôs diante do compatriota Stan Wawrinka e venceu por 6/3 e 6/4, garantindo sua vaga para encarar o britânico Kyle Edmund, valendo vaga nas quartas de final.

Djokovic estreia neste sábado em Indian Wells. Wawrinka vira na estreia e Lopez elimina Berdych

Será neste sábado a estreia de Novak Djokovic no Masters 1000 de Indian Wells, primeiro Masters 1000 da temporada, disputado no piso duro norte-americano.

O nº 1 do mundo tem todo favoritismo diante do local Bjorn Fratangelo, nº 128 do mundo, que vem de vitória sobre o sueco Elias Ymer.

O único confronto entre eles até o momento foi justamente em Indian Wells, em 2016, quando Fratangelo chegou a tirar um set do sérvio antes de levar a virada.

O sábado também será o dia da estreia do alemão Alexander Zverev, cabeça 3, que terá pela frente o eslovaco Martin Klizan, enquanto austríaco Dominic Thiem, cabeça 7, faz sua primeira partida no torneio diante do australiano Jordan Thompson.

Na sexta-feira, Stan Wawrinka mostrou capacidade de recuperação ao virar sua partida diante do britânico Daniel Evans, enquanto Feliciano Lopez usou sua experiência pra bater Tomas Berdych em dois tiebreaks.

Foto: USA TODAY Sports

Djokovic pode derrotar Nadal também em Roland Garros em 2019?

Rafael Nadal é frequentemente mencionado como o rei do saibro, porque ele parece ser simplesmente invencível nesse tipo de superfície. Um exemplo disso é que ele é o atual detentor do maior recorde de vitórias em Roland Garros, com onze títulos a seu favor.

Fonte: Rafa Nadal via Facebook

Apenas dois homens conseguiram derrotá-lo neste torneio: um foi o tenista sueco (atualmente aposentado) Robin Soderling em 2009, e o outro é o atual número 1 do mundo, o sérvio Novak Djokovic, que fez o seu em 2015. Mas, embora o sérvio já tenha enfrentado este ano a Nadal, ele o venceu em três sets sem deixá-lo nem respirar. Na verdade, como a ESPN descreve, essa vitória foi dentro do Aberto da Austrália, que é jogado em piso sintético e não em terra batida, como em Roland Garros.

Djokovic como o único que pode derrotar Nadal hoje

A rivalidade entre Nadal e Djokovic é uma das mais fortes do mundo do tênis atual, e por isso os dois jogadores europeus habitualmente estão entre os favoritos para ganhar os torneios em que participam. No entanto, Roland Garros é um torneio separado em que Nadal parece simplesmente não ter competição.

De fato, desde 1º de fevereiro, o site de apostas Betfair já dá a Rafael Nadal como o favorito com 54,6%, acima de Novak Djokovic, quem fica como segundo com 36,4% de chances de levar o troféu para casa. Apesar do sérvio estar no topo do ranking da ATP, e de que está iniciando o ano bastante forte, o domínio de Nadal sobre o barro põe as apostas a seu favor.

 

Um fato curioso é que desde 2011 Djokovic já comentava que derrotar Nadal no saibro era o seu maior desafio, como mostra o site esportivo Globoesporte, e só conseguiu completar essa conquista quatro anos depois, superando o espanhol nas quartas de final de Roland Garros, mas ficando a um passo do título, porque perdeu para o suíço Stanislas Wawrinka na final.

Um novo ano, uma nova oportunidade

Em 2019, Djokovic tentará se manter no topo do ranking da ATP e conseguir mais uma vitória no segundo Grand Slam do ano. No entanto, poderá encontrar Nadal o meio do caminho, num jogo em que o espanhol buscaria vingança por sua derrota na Austrália, impondo seu título como o rei do barro.

Um ponto a considerar é que Nadal teve que se abster de participar do torneio ATP Finals em novembro passado, porque sofria de problemas físicos no abdômen e teve que passar por uma cirurgia no tornozelo. A partir daí, o espanhol perdeu o primeiro lugar no ranking mundial para Djokovic, e Roland Garros, será a quadra ideal para recuperar sua posição como o melhor do mundo.

A competição entre Nadal e Djokovic pode chegar a um novo clímax neste 2019 dentro do saibro de Roland Garros, já que, embora o espanhol seja o favorito para vencer o torneio, Djokovic vai chegar num grande momento físico e mental, depois de vencer Nadal de forma tão convincente no primeiro Grand Slam do ano.

Com grande atuação, Djokovic vence Nadal por 3×0 e conquista o hepta do Australian Open

Em uma bela apresentação, em grande forma e com um nível de tênis incrível, Novak Djokovic conquistou o seu sétimo título do Australian Open, primeiro Grand Slam da temporada, disputado no piso duro de Melbourne.

Já no primeiro set, o sérvio mostrou em que nível jogaria, errando o mínimo, sempre batendo mais uma bola e vendo o espanhol errar mais do que de costume. Sem sustos, o sérvio fechou a parcial em 6/3.

O segundo foi bem parecido, com Nadal mostrando grande dificuldade pra entrar nos games de saque do sérvio, que conseguiu suas quebras pra fechar em 6/2.

No terceiro set, praticamente nada mudou. Praticamente sem errar, Djokovic abriu vantagem logo no início e caminhou firme pra vitória por  6/3. No fim, coube ao espanhol reconhecer a grande atuação do nº 1 do mundo:

“Acho que ele jogou de forma fantástica”, disse Nadal. “Quando ele está jogando dessa maneira, acho que eu precisava de algo novo. Eu não pude ter aquela ‘coisa’ extra hoje à noite. Era inacreditável a forma como ele jogava, sem dúvida … Joguei um tênis fantástico durante as duas semanas, mas provavelmente jogando muito bem, não sofri muito. Cinco meses sem competir, tendo esse grande desafio na minha frente, eu precisava de outra coisa … Esse é o meu sentimento, competir nesse nível super alto.” afirmou..

Foi um torneio quase perfeito do sérvio, que mostrou um nível excelente de jogo desde a primeira partida, com um aproveitamento excelente e apenas dois sets perdidos, sendo um título mais do que merecido.

“Marian (Vajda), obrigado por ter voltado ao meu time” disse o sérvio,  homenageando a equipe de treinadores, cujo retorno no meio da temporada de 2018 ajudou nos seus títulos de Wimbledon e US Open, e na volta ao número 1 do mundo. Então, ele voltou seus pensamentos para a esposa Jelena e os filhos Stefan e Tara de volta à Europa.

“Espero que eles tenham assistido – pelo menos antes do jogo que disseram que assistiriam”, brincou. “Os troféus são ainda mais especiais quando tenho alguém tão querido, tão especial na minha vida para compartilhar isso. Eles são as pessoas mais queridas neste planeta ao lado dos meus dois irmãos e meus pais.

Além de ser o 7º título em Melbourne, Djokovic chega ao seu 15º título de Slam. Por ter conquistado Wimbledon e o US Open do ano passado, ele pode conseguir o feito de conquistar os quatro Slams de forma consecutiva, se triunfar em Roland Garros, neste ano.

Foto: Ben Solomon/Tennis Australia

Djokovic não dá chances ao francês Pouille e marca grande final de Melbourne contra Nadal

Mais uma vez, Novak Djokovic e Rafael Nadal farão a grande final masculina do Australian Open, primeiro Grand Slam da temporada, disputado no piso duro de Melbourne.

Depois da grande atuação do espanhol na quinta-feira, passando com facilidade pelo grego Stefanos Tsitsipas na semifinal, o sérvio deu sua resposta nesta sexta-feira e não deu chances ao francês Lucas Pouille, perdeu apenas 2 games e venceu com parciais de 6/0 6/2 e 6/2.

Com isso, Djokovic garantiu seu lugar na final em Melbourne pela sétima vez na carreira e, em todas as outras, saiu com o título. A épica final de 2012, contra o mesmo Nadal, em jogo de quase 6 horas de duração.

Esse foi, inclusive, o confronto mais recente entre eles em Melbourne, em uma longa lista de partidas entre eles, com 52 jogos, sendo 27 vitórias do atual nº 1 do mundo.

Nadal chega à decisão teoricamente mais descansado, pois não perdeu um único set ao longo do torneio e jogou a semi um dia antes do sérvio, mas este, por sua vez, perdeu apenas um parcial – nas oitavas, para o russo Daniil Medvedev – e nas quartas viu o japonês Kei Nishikori abandonar a partida ainda no meio do segundo set.

Sem dúvida, será uma grande final no domingo. Dois jogadores em forma, descansados e jogando um nível de tênis de outro mundo. Sem favoritismo, mas com muita qualidade. Vale a pena acompanhar.

A decisão está marcada para às 06:30hs de domingo, no horário de Brasília.

Foto: Ben Solomon/Tennis Australia

Pouille vence Raonic, faz sua melhor campanha em Slam e desafia Djokovic

Foi definida nesta quarta-feira a segunda semifinal masculina do Australian Open, primeiro Grand Slam da temporada, disputado no piso duro de Melbourne.

Na primeira partida do dia, Milos Raonic tinha todo favoritismo diante de Lucas Pouille. A atuação anterior, contra Alexander Zverev, e o histórico favorável ao canadense deixava esse favoritismo mais evidente.

Porém, isso ficou fora da quadra. O francês dominou a partida e teve até chances de encerrar a disputa em sets diretos, mas triunfou por 3×1, com parciais de 7/6(4) 6/3 6/7(2) e 6/4.

Pouille faz sua melhor campanha da carreira em um Slam e terá um dos maiores desafios ao enfrentar Novak Djokovic.

O sérvio praticamente não teve dificuldade diante do Kei Nishikori, que não tinha condições físicas de competir e abandonou a partida quando perdia por 6/1 4/1. Vale lembrar, o japonês vinha de um jogo de mais de cinco horas de duração nas quartas de final.

Djokovic e Pouille farão um confronto inédito na semi.

Foto: Ben Solomon/Tennis Australia

Nishikori luta por mais de 5hs e vira sobre Carreno Busta. Raonic supera Zverev

Em uma grande atuação, Milos Raonic garantiu sua vaga nas quartas de final do Australian Open, primeiro Grand Slam da temporada, disputado no piso duro de Melbourne.

Na madrugada desta segunda-feira, no horário de Brasília, o canadense simplesmente não tomou conhecimento do alemão Alexander Zverev nos dois primeiros sets e só teve trabalho na terceira parcial.

No fim, uma grande vitória por 6/1 6/1 e 7/6(5) e vaga para encarar nas quartas o francês Lucas Pouille, que anotou uma bela virada sobre o croata Borna Coric, com parciais de 6/7(4) 6/4 7/5 e 7/6(2).

Na rodada noturna, Kei Nishikori e Pablo Carreno Busta fizeram um incrível jogo de mais de 5hs de duração, que acabou com uma grande virada do japonês, por 3×2, depois de ficar dois sets abaixo.

O adversário de Nishikori foi definido na última partida do dia, entre Novak Djokovic e Daniil Medvedev, um jogo com muitas trocas de bola do fundo de quadra, no qual prevaleceu a consistência e o físico do sérvio, que levou a melhor com parciais de 6/4 6/7(5) 6/2 6/3.

As duas primeiras partidas das quartas de final serão disputadas a partir da noite desta segunda-feira, horário de Brasília, com a partida do grego Stefanos Tsitsipas, embalado pela vitória sobre Roger Federer, contra o espanhol Roberto Bautista-Agut, que vem de 9 vitórias seguidas.

Já na manhã de terça-feira, Rafael Nadal tem todo o favoritismo diante do norte-americano Francis Tiafoe, que vai fazer sua primeira semi de Grand Slam.

Foto: Luke Hemer/Tennis Australia

Djokovic perde set, mas vence Zverev e se garante como nº 1 até o fim do Australian Open

Mais um dia sem grandes surpresas na chave masculina do Australian Open, primeiro Grand Slam da temporada, disputado no piso duro de Melbourne.

O sérvio Novak Djokovic  enfrentou mais um adversário duro e pela primeira vez no torneio perdeu um set e quem teve essa chance foi o canadense Denis Shapovalov.

Mesmo assim, o Djokovic se impôs, inclusive com um pneu no quarto set. Com isso, ele se garantiu como nº 1 ATP ao final do torneio, independente do campeão.

Kei Nishikori teve trabalho apenas no 1º set, quando precisou de um tiebreak contra o português João Sousa. Depois, deslanchou e fechou sua vitória por 3×0.

Fabio Fognini e Pablo Carreno Busta fizeram um típico confronto de saibristas, com muitas quebras de saque, com o espanhol levando a melhor por 3×1, enquanto o russo Daniil Medvedev manteve seu ótimo ritmo ao vencer o belga David Goffin por 3×0.

Já na manhã deste sábado, Alexander Zverev conseguiu vencer uma partida com tranquilidade, ao anotar 6/3 6/3 e sobre o local Alex Bolt.

O 7º dia do torneio, na noite deste sábado, horário de Brasília, marca o início das oitavas de final, com um bom confronto entre Rafael Nadal e Tomas Berdych, no 3º jogo da Rod Laver Arena.

Na rodada noturna, Roger Federer deve encontrar mais resistência, mas é amplo favorito diante do jovem grego Stefanos Tsitsipas.

Na Margaret Court, o croata Marin Cilic, que vem de ótima virada sobre o espanhol Fernando Verdasco, encara outro espanhol, Roberto Bautista-Agut, enquanto Grigor Dimitrov enfrenta o embalado norte-americano Francis Tiafoe.

Djokovic enfrenta qualifier na estreia em Melbourne. Zverev encara Bedene

Será na noite desta terça-feira, em Melbourne, manhã no horário de Brasília, a estreia de Novak Djokovic no Australian Open, primeiro Grand Slam da temporada.

Na Rod Laver Arena, o sérvio faz o primeiro jogo da rodada noturna, encarando o qualifier norte-americano Mitchell Krueger, enquanto alemão Alexander Zverev, que busca uma grande campanha em um Slam, enfrenta o esloveno Aljaz Bedene.

Na noite de segunda-feira, Kei Nishikori joga na Margaret Court contra o polonês Kamil Majchrzak, com Dominic Thiem fechando a programação da mesma quadra no que promete ser um bom jogo contra o francês Benoit Paire.

Na Melbourne Arena, o destaque fica para a partida do australiano Nick Kyrgios, que terá um grande desafio contra o canadense Milos Raonic, cabeça de chave nº 16.

Para conferir a programação completa, clique aqui.

Federer começa a defesa do título em Melbourne diante de Istomin. Djokovic aguarda quali

Assim como a feminina, também foi sorteada, na manhã desta quinta-feira, horário de Brasília, a chave masculina do Australian Open, primeiro Grand Slam da temporada, disputado no piso duro de Melbourne.

Alguns jogos bem interessantes marcam a primeira rodada, com grandes jogadores que estão soltos na chave, principalmente se recuperando de lesão.

Esse é o caso de Andy Murray, que terá um desafio na primeira rodada, diante do espanhol Roberto Bautista-Agut, cabeça de chave nº 22. Assim como Tomas Berdych, que vai enfrentar em sua estreia logo do britânico Kyle Edmund, 13º favorito da chave.

Vale destacar também dois bons confrontos envolvendo australianos na primeira rodada, começando por Nick Kyrgios, que joga diante do canadense Milos Raonic, cabeça de chave nº 16. O outro é Bernard Tomic, que faz um confronto interessante contra o croata Marin Cilic, cabeça 6.

Entre os favoritos, Roger Federer, que defende o título do torneio, começa diante do uzbeque Denis Istomin, enquanto o nº 1 do mundo Novak Djokovic aguarda um qualifier, mas pode enfrentar o francês Jo-Wilfried Tsonga já na segunda rodada.

Cabeça de chave nº 2, Rafael Nadal encara o local James Duckworth, enquanto o alemão Alexander Zverev, 4º cabeça de chave, joga contra o esloveno Aljaz Bedene.

Destaque também para a partida do austríaco Dominic Thiem contra o francês Benoit Paire, outro bom jogo de primeira rodada.