Osaka vence Azarenka de virada e conquista o bicampeonato do US Open

Naomi Osaka é bicampeã do US Open! Neste domingo, a japonesa conquistou seu segundo título do Grand Slam nova iorquino que, neste ano, não teve a presença do público.

Em uma final cheia de nuances, Osaka saiu atrás, viu Victoria Azarenka jogar um alto nível de tênis e praticamente não dar chances pra fechar por 6/1.

Depois, a japonesa ainda viu a bielorrussa abrir 2/0 na segunda parcial e rumar para o título, mas equilibrou as ações, voltou pro jogo e levou a decisão pro 3º set depois de um 6/3.

Na parcial decisiva, ela controlou o jogo. Dominou os pontos mais importantes com muita agressividade e precisão, abriu 4/1, viu a adversária encostar em 4/3, mas retomou o controle da partida pra fechar novamente por 6/3.

Esse é o terceiro título de Slam dela, que além do US Open desse ano e de 2018, venceu também o Australian Open de 2019.

“Sinto que há dois anos, talvez tivesse desistido com um set e uma quebra, mas acho que todas as partidas que fiz nesse me moldaram e me forçaram a amadurecer mais, especialmente todas as partidas que fiz aqui, foram muito difíceis.” disse Osaka, destacando a força para virar a partida.

“Acho que definitivamente sou uma jogadora mais completa agora. Sinto que estou mais ciente do que estou fazendo.” completou a atual nº 9 do mundo que, com o título, vai aparecer nesta segunda-feira na 3ª posição do ranking da WTA.

Azarenka vira sobre Serena e decide o US Open contra Osaka

Está definida a grande final feminina do US Open, Grand Slam disputado no piso duro de Nova York e, neste ano, sem a presença do público.

Foram duas semifinais de três sets, com equilíbrio. Primeiro, quem garantiu sua vaga foi a japonesa Naomi Osaka, que além do tênis, vem se destacando também por seus atos de apoio ao movimento Black Lives Matter.

Nesta quinta-feira, ela bateu a norte-americana Jennifer Brady, com parciais de 7/6(1) 3/6 e 6/3, e agora vai em busca do seu segundo título no torneio, depois da conquista de 2018.

“Significa muito para mim. Eu meio que considero Nova York a minha segunda casa. Eu realmente amo a atmosfera, embora, infelizmente, não haja ninguém aqui (público). Eu realmente acho que esta quadra cai bem em mim” disse a nº 9 do mundo.

Depois, no confronto das mamães ex-nº 1 do mundo, Victoria Azarenka levou a melhor sobre Serena Williams, de virada, vencendo com parciais de 1/6 6/3 e 6/3.

“Estou muito grata por jogar com alguém tão grande nas semifinais” agradeceu a bielorrussa, completando em seguida: “Eu saí de um grande buraco que ela me colocou no primeiro set. Tive que escalar pra sair de lá. Estou muito feliz por ter conseguido dar a volta por cima.”

A final de sábado vai marcar o 4º confronto entre Osaka e Azarenka. A bielorrussa levou a melhor no primeiro jogo entre elas, na terceira rodada do Australian Open de 2016. Depois, a japonesa venceu os dois jogos seguintes. Primeiro, no saibro de Roma, em 2018. Depois, em Roland Garros, no ano passado.

Foto: Simon Bruty/USTA

 

Brady e Osaka vencem e se enfrentam na semi em NY. Quarta-feira será o “dia das mães” no torneio

Saiu a primeira semifinal da chave feminina do US Open, Grand Slam disputado no piso duro de Nova York e, neste ano, sem a presença do público.

A primeira a garantir sua vaga foi a norte-americana Jennifer Brady, que não deu chances para a cazaque Yulia Putintseva, vencendo por 6/3 e 6/2.

Sua adversária será a favorita japonesa Naomi Osaka, que bateu a norte-americana Shelby Rogers por 6/3 e 6/4. Osaka, aliás, fez mais um protesto em apoio ao Black Lives Matter, usando uma máscara com o nome de George Floyd.

A quarta-feira será o dia das mamães em Nova York, já que três das quatro atletas que entrarão em quadra ficaram marcadas pela pausa na carreira para a maternidade.

Primeiro, Serena Williams encara a búlgara Tsvetana Pironkova, que volta ao circuito depois de três anos e com uma campanha muito surpreendente, já chegando às quartas.

Depois, Victoria Azarenka, outra ex-nº 1 do mundo, terá pela frente a belga Elise Mertens.

Osaka já está nas 4ªs do US Open. Kvitova perde match points e o jogo para Rogers. Serena joga nesta 2ª feira

Naomi Osaka segue muito bem e vai avançando na chave feminina do US Open, Grand Slam disputado no piso duro de Nova York e, neste ano, sem a presença de público.

Fechando a rodada noturna deste domingo, a japonesa se impôs como cabeça de chave nº 4 e não deu chances para a estoniana Anett Kontaveit, vencendo por 6/3 6/4 e garantindo sua vaga nas quartas de final.

Sua adversária será a norte-americana Shelby Rogers, que fez uma longa partida diante de Petra Kvitova, precisando salvar 4 match points antes de confirma sua vitória com parciais de 7/6(5) 3/6 e 7/6(6).

Outros quatro jogos das oitavas serão disputados nesta segunda-feira, com destaque para o reencontro de Serena Williams com a grega Maria Sakkari. As duas se enfrentaram há poucos dias, no Premier de Cincinnati, com vitória de Sakkari.

Outra norte-americana que entra em quadra por uma vaga nas quartas é Sofia Kenin, cabeça de chave nº 2, que tem o favoritismo e um retrospecto de duas vitórias em dois jogos diante da belga Elise Mertens.

Alize Cornet e Tsvetana Pironkova fazem um duelo de surpresas e sem cabeças de chave, enquanto a experiente Victoria Azarenka encara a tcheca Karolina Muchova.

Osaka tem trabalho, mas passa pela estreia do US Open. Pliskova também vence

A japonesa Naomi Osaka teve trabalho, mas passou pela estréia do US Open, disputado no piso duro de Nova York, sem público, em virtude da pandemia do novo coronavírus.

Na noite desta segunda-feira, Osaka, que na semana passada se destacou pelo seu posicionamento de apoio ao movimento Black Lives Matter, precisou de três sets para bater a compatriota Misaki Doi, com parciais de 6/2 5/7 e 6/2. Na segunda rodada, a nº 9 do mundo e campeã do torneio em 2018, encara a italiana Camila Giorgi.

Outra favorita que venceu na segunda-feira foi a tcheca Karolina Pliskova, nº 3 do mundo e principal cabeça de chave, que anotou 6/4 e 6/0 sobre a ucraniana Anhelina Kalinina, e agora deve fazer um bom jogo diante da francesa Caroline Garcia.

Retrospectiva 2019: Melbourne viu o hepta de Djokovic e a confirmação da japonesa Osaka

Como quase todos os anos na última década, Novak Djokovic chegou ao primeiro Grand Slam da temporada, o Australian Open, como um dos principais favoritos. E não deu muitas chances pra ninguém!

Depois da surpreendente eliminação na semifinal do ATP de Doha, na primeira semana do ano, diante do espanhol Roberto Bautista-Agut, o sérvio caminhou firme rumo ao seu 7º troféu em Melbourne, sendo seus principais obstáculos os sets perdidos para Denis Shapovalov e Daniil Medvedev.

Na grande final, cercada de expectativa, um sonoro 6/3 6/2 e 6/3 sobre Rafael Nadal e heptacampeonato garantido.

Já na chave feminina, a japonesa Naomi Osaka se consagrou na elite do tênis feminino. Depois da decisão polêmica contra Serena Williams no US Open 2018, no que foi seu primeiro título de Slam, ela entrou no torneio australiano pronta pra afastar qualquer possibilidade de acaso com a conquista anterior.

Caminhou na chave precisando virar algumas partidas e fez uma final muito equilibrada diante da tcheca Petra Kvitova, vencendo por 7/6 5/7 e 6/4. No fim, o 2º Slam da carreira e a confirmação de ser a primeira asiática líder do ranking da WTA.

Na chave de duplas, que não contou com o brasileiro Marcelo Melo, lesionado, e viu Bruno Soares perder nas quartas de final, ao lado do britânico Jamie Murray, para Kontinen/Peers, o título ficou com os Frances Nicolas Mahut e Pierre-Hugues Herbert.

Entre as mulheres, Samantha Stosur fez a festa da torcida da casa ao lado da chinesa Zhang Shuai.

No mais, Bia Haddad chegou a furar e entrar na chave principal, venceu um jogo, mas foi superada na segunda rodada pela alemã Angelique Kerber.

No mais, Thomaz Bellucci perdeu na primeira rodada do qualifying e Thiago Monteiro na terceira e última, também do quali.

 

Bencic leva a melhor contra Osaka e encara Vekic nas quartas do US Open. Mertens vence fácil

Já são conhecidas as primeiras quadrifinalistas da chave feminina do US Open, quarto e último Grand Slam da temporada, disputado no piso duro de Nova Iorque.

Nesta segunda-feira, a nº 1 do mundo, Naomi Osaka, que havia jogado muito bem diante da local Coco Gauff na rodada anterior, não resistiu ao jogo da suíça Belinda Bencic, que anotou uma bela vitória por 7/5 e 6/4.

Sua adversária nas quartas será a croata Donna Vekic, que precisou virar diante da alemã Julia Goerges, vencendo por 6/7(5) 7/5 e 6/3.

As duas já se enfrentaram três vezes, com duas vitórias da croata, sendo a mais recente na terceira rodada de Roland Garros, neste ano.

Depois, quem entrou em quadra pra confirmar com tranquilidade seu favoritismo foi a belga Elise Mertens que cedeu apenas dois games e venceu a local Kristie Ahn por duplo 6/1. Agora, ela aguarda o confronto entre Taylor Townsend e Bianca Andreescu.

 

 

Osaka se impõe sobre jovem Gauff e emociona com nobre atitude no US Open. Oitavas começam neste domingo

O aguardado confronto feminino deste sábado no US Open foi menos equilibrado, mas mais emocionante que o esperado.

A nº 1 do mundo, Naomi Osaka, se impôs diante da jovem norte-americana Coco Gauff, teve trabalho apenas no 1º set e garantiu sua vaga nas oitavas de final com uma vitória por 6/3 e 6/0.

Depois da partida, a japonesa se dirigiu à atleta da casa, que estava chorando, e pediu a ela pra participar da entrevista pós-jogo. Gauff foi falando entre lágrimas e depois viu Osaka também se emocionar. Atitude grandiosa e de nº 1 do mundo.

Agora, valendo vaga nas quartas de final, ela terá pela frente a suíça Belinda Bencic, que não precisou entrar em quadra diante da estoniana Annet Kontaveit.

Os primeiros jogos das oitavas serão realizados neste domingo, com Serena Williams encarando a croata Petra Martic no segundo jogo da programação do Arthur Ashe Stadium.

Também durante o dia, a australiana Ashleigh Barty, nº 2 do mundo, joga contra a chinesa Qiang Wang no Louis Armstrong Stadium, enquanto Johanna Konta faz um bom jogo contra a tcheca Karolina Pliskova.

Na rodada noturna, destaque para a partida da local Madison Keys contra a ucraniana Elina Svitolina.

O sábado em NY terá Wozniacki x Andreescu e aguardado confronto entre Osaka e Gauff

Continua neste sábado a terceira rodada da chave feminina do US Open, quarto e último Grand Slam da temporada, disputado no piso duro de Nova Iorque, nos Estados Unidos.

A programação do Arthur Ashe Stadium será aberta pela dinamarquesa Caroline Wozniacki, que terá pela frente a jovem e talentosa Bianca Andreescu, no confronto entre as cabeças de chave nº 19 e 15, respectivamente.

Ainda durante o dia, a norte-americana Taylor Townsend, embalada pela vitória sobre Simona Halep,  encara mais uma romena, a experiente Sorana Cirstea, no Louis Armstrong Stadium, mesmo local da partida entre Kiki Bertens e Julia Goerges.

A rodada noturna terá no Ashe a aguardada partida entre a japonesa Naomi Osaka, nº 1 do mundo, e a revelação local Cori Gauff, de apenas 15 anos.

Para conferir a programação completa, clique aqui.

Jovem Cori Gauff, de apenas 15, faz História e bate Venus na estreia em Wimbledon. Osaka é eliminada

Se os grandes torneios vivem de grandes Histórias, a edição deste ano de Wimbledon já tem a sua, logo depois do primeiro dia de disputa do terceiro Grand Slam da temporada.

A jovem norte-americana Cori Gauff, de apenas 15 anos, uma adolescente, escreveu seu nome na grama londrina ao bater nada mais, nada menos do que Venus Williams, pentacampeã do torneio.

A trajetória de Gauff é meteórica. Nesta idade, ela já é nº 1 do mundo juvenil e furou o qualifying de Wimbledon deste ano para bater uma lenda:

“Eu estou super chocada, mas super abençoada porque Wimbledon decidiu me dar esse convite”, disse ela, lembrando que só entrou na chave do quali com um Wild Card da organização.

“Na quadra, eu não estava pensando na Venus, estava apenas jogando meu jogo. Não importa com quem eu jogue, eu quero ganhar. Então é isso que eu estava pensando o tempo todo.” completou a confiante norte-americana, que agora terá pela frente a eslovaca Magdalena Rybarikova.

E o dia teve mais surpresas, como a eliminação da japonesa Naomi Osaka, cabeça de chave nº 2, que foi superada pela cazaque Yulia Putintseva, em sets diretos.

Simona Halep se impôs sobre a bielorrussa Aleksandra Sasnovic, vencendo por 2×0, assim como a tcheca Karolina Pliskova, que anotou 2×0 sobre chinesa Lin Zhu.

Foto: AELTC/Florian Eisele