Osaka entra em quadra na noite de domingo em busca de vaga nas oitavas dos Jogos de Tóquio. Sabalenka joga na madrugada

Começa na noite deste domingo, no horário de Brasília, a segunda rodada da chave feminina dos Jogos Olímpicos de Tóquio, no Japão, competição disputada no piso duro.

Principal estrela do torneio e uma das principais de todos os jogos, a tenista da casa Naomi Osaka terá pela frente a suíça Viktorija Golubic, atual número 50 do mundo, em confronto que será inédito.

Depois da eliminação da australiana Ashleigh Barty na estreia, a japonesa, número 2 do mundo, é a principal cabeça de chave do torneio.

A terceira favorita da chave e número 3 do mundo é a bielorrussa Aryna Sabalenka, que terá que superar um retrospecto desfavorável diante da croata Donna Vekic, que venceu três dos quatro confrontos anteriores entre elas.

Vale destacar também a partida da espanhola Garbine Muguruza contra a chinesa Qiang Zhang, que tem 2×0 no confronto direto, além do jogo da campeã de Roland Garros, a tcheca Barbora Krejcikova contra a canadense Annie Leylah Fernandez.

Foto: AFP

Osaka confirma o favoritismo, vence Brady e conquista em Melbourne o seu 4º título de Grand Slam

Neste sábado, Naomi Osaka confirmou o seu favoritismo na grande final e conquistou o título do Australian Open, primeiro Grand Slam da temporada, disputado no piso duro de Melbourne.

Na decisão, ela se impôs diante da norte-americana Jennifer Brady e venceu com certa tranqüilidade, com parciais de 6/4 e 6/3, comemorando o triunfo para abrir muito bem sua temporada. Depois de um primeiro set equilibrado, com quebra de saque pros dois lados, Osaka conseguiu a quebra definitiva no 10º game, encerrando a parcial.

O segundo set foi bem mais tranqüilo, com a ex-nº 1 do mundo abrindo vantagem de 4/0 e só administrando pra fechar o jogo.

“Eu não joguei meu último Grand Slam com os fãs (se referindo ao US Open, disputado sem público), então ter essa energia significa muito” disse a campeã.

A norte-americana Brady reconheceu a importância da adversária, não apenas em quadra, mas por tudo que representa:

“Gostaria de parabenizar Naomi por mais um título do Grand Slam. Ela é uma inspiração para todos nós e o que ela está fazendo pelo jogo é incrível para divulgar o esporte, e espero que as meninas em casa estejam assistindo e sejam inspiradas pelo que ela está fazendo.”

Entretanto, engana-se quem pensa que a relativa tranqüilidade da final foi marcante em toda campanha da japonesa. Ao longo da trajetória, ela não teve vida fácil, a começar pela estréia, diante da russa Anastasia Pavlyuchenkova.

Ainda teve que passar pela francesa Caroline Garcia e, nas oitavas, o grande jogo contra a espanhola Garbine Muguruza, que chegou a liderar e ficar muito perto da vitória.

Na semi, o grande confronto contra Serena Williams, no qual começou bem nervosa e depois deslanchou pra também vencer em sets diretos.

Agora, Osaka já marcando cada vez mais seu lugar na História. O título em Melbourne já é seu 4º de Grand Slam, pois além de outro Australian Open, ela já acumula dois US Open.

Aos 23 anos, a japonesa surge como uma das maiores marcas do tênis mundial. Não apenas em quadra, em todo contexto. Com um tênis moderno, agressivo e com posicionamento em questões sociais, Osaka vai começando a pintar uma imagem além da tenista. Essa, por sinal, já é uma imagem muito bem construída e uma das mais vitoriosas do tênis recente.

Naomi Osaka supera Serena Williams e fará a final do Australian Open contra Jennifer Brady

Naomi Osaka e Jennifer Brady farão a grande final feminina do Australian Open, primeiro Grand Slam da temporada, disputado no piso duro de Melbourne.

Na madrugada desta quinta-feira, no horário de Brasília, a japonesa entrou em quadra para enfrentar uma de suas adversárias mais difíceis e respeitadas. Afinal, se tratava de Serena Williams.

Porém, Osaka não se intimidou. Longe disso, se impôs. Com muito respeito e fazendo que mais sabe: jogar um belo tênis. Agressiva, até nos momentos mais complicados, escapou de momentos complicados e sob pressão, mas fechou a partida em sets diretos, com parciais de 6/3 e 6/4.

Agora, ela pode repetir o resultado de 2019 e conquistar pela segunda vez na carreira o título em Melbourne:

“Eu acho, honestamente, que para mim é sempre uma honra enfrentá-la, eu simplesmente não quero me sair muito mal. Então, eu só queria tentar o meu melhor” disse a atual nº 3 do mundo, depois da vitória, afirmando que sentiu a pressão nos primeiros games, o que inclusive a levou a ter o saque quebrado logo no início.

“Acho que cometi muitos erros não forçados nos primeiros games. Eu estava muito nervosa e com medo no começo e então eu meio que facilitei meu caminho para isso. Para mim, acho que o mais importante é apenas me divertir, e depois de algum tempo é o primeiro dia que recebe o público.” afirmou, se referindo ao retorno do público ao Australian Open depois de cinco dias, respeitando as determinações do Estado de Victoria.

E vale destacar: Osaka foi à final de um Grand Slam três vezes na carreira. Venceu todas. O citado anteriormente, do próprio Australian Open, e o US Open de 2018 e 2020.

Já Serena terá que adiar mais uma vez a tentativa de chegar ao tão sonhado 24º título de Grand Slam. A norte-americana chegou a ir às lágrimas na entrevista após a partida.

A adversária de Osaka na decisão do próximo sábado será a norte-americana Jennifer Brady, que depois de bater na trave do US Open do ano passado, quando parou na semifinal, chegou agora à sua tão sonhada primeira final de um dos quatro maiores torneios da temporada.

Em um jogo nervoso diante da tcheca Karolina Muchova, que vinha embalada pela vitória sobre a nº 1 do mundo e tenista da casa Ashleigh Barty, Brady fechou o 1º set no detalhe, por 6/4.

Na segunda parcial, começou errática, viu a adversária abrir vantagem e dominar com tranquilidade os games de serviço, empatando o jogo com 6/3.

Muchova parecia ter o controle das ações no início do set decisivo, mas um game mal jogado, com muitos erros, foi o suficiente pra norte-americana voltar pro jogo, liderar e não perder a chance. No fim, 6/4 pra ela.

Osaka e Brady já se enfrentaram três vezes. A norte-americana venceu a primeira, em um ITF no Texas, em 2014. Depois, a japonesa levou a melhor no saibro de Charleston, em 2018, e justamente na semifinal do US Open, no ano passado.

 

 

 

 

Serena vence Halep e encara Osaka em uma das semis do Australian Open. Barty busca sua vaga

Depois de muito trabalho e uma bela virada nas oitavas de final, Naomi Osaka teve muito mais tranquilidade para chegar à semifinal, primeiro Grand Slam da temporada, disputado no piso duro de Melbourne.

Na noite desta segunda-feira, começando a sessão diurna da Rod Laver Arena, a japonesa triunfou em sets diretos sobre a taiwanesa Su-Wei Hsieh, que não conseguiu impacto com seu jogo de menos força e mais ângulo. No fim, valeu a maior força e agressividade da ex-nº 1 do mundo, que triunfou com um duplo 6/2.

“Estou definitivamente muito feliz com a forma que joguei hoje. Mesmo que o placar tenha sido assim, na verdade foi outra batalha pra mim.” disse Osaka.

Na rodada noturna, um grande confronto definiu a adversária da japonesa. E ela será Serena Williams, que passou pela romena Simona Halep por duplo 6/3, continuando sua busca pelo sonhado 24º título de Slam, no que seria o seu 8º triunfo em Melbourne.

Em grande atuação, Serena teve que sair de um 1/3 na segunda parcial, vencendo cinco games seguidos pra arrancar pra vitória.

A outra semifinal será definida na noite desta terça-feira, no horário de Brasília, começando com a partida da local Ashleigh Barty contra a tcheca Karolina Muchova. Depois, o jogo entre as norte-americanas Jennifer Brady e Jessica Pegula.

 

 

 

Osaka salva match-point e vence Muguruza em Melbourne. Serena bate Sabalenka e Halep vira sobre Swiatek

A rodada feminina deste domingo no Australian Open estava com uma grande expectativa e ela foi devidamente correspondida, com grandes jogos válidos pelo primeiro Grand Slam da temporada, disputado no piso duro de Melbourne.

Logo na primeira partida do dia, uma surpresa, mas digamos que nem mais tão surpreendente assim, com a vitória da taiwanesa Su-wei Hsieh sobre a jovem tcheca Marketa Vondrousova, em sets diretos, com parciais de 6/4 e 6/2.

Sua adversária nas quartas de final saiu na sequência, no aguardado confronto entre Garbine Muguruza e Naomi Osaka. A espanhol saiu na frente, teve chances no 3º set, perdeu dois match-points e chegou a sacar pro jogo, mas a japonesa continuou na partida, jogou bem os pontos decisivos e venceu 4 games seguidos pra triunfar com parciais de 4/6 6/4 e 7/5.

Em outro jogo muito aguardado, Serena Williams começou aproveitando melhor as oportunidades contra a bielorrussa Aryna Sabalenka, viu a adversária ser mais agressiva na parcial seguinte, mas fez valer sua experiência nos momentos decisivos e fechou a partida com parciais de 6/4 2/6 e 6/4.

Na última partida do dia, que definiu a adversária de Serena, a polonesa Iga Swiatek começou muito bem diante da romena Simona Halep, mas a ex-número 1 do mundo não desistiu e começou uma bela reação no segundo set.

 

 

Em dia com grandes jogos, Melbourne terá Muguruza x Osaka, Sabalenka x Serena e Swiatek x Halep

O primeiro dia das oitavas de final do Australian Open tem promessa de jogão na chave feminina. Ou melhor, pelo menos três confrontos muito aguardados nesta fase do primeiro Grand Slam da temporada.

Abrindo a programação da Rod Laver Arena, um belo confronto entre a espanhola Garbine Muguruza e a japonesa Naomi Osaka, duas jogadoras que estão em grande forma, nunca se enfrentaram e ainda não perderam sets no torneio.

Depois, na mesma quadra, outro jogo de primeira linha, que será entre a bielorrussa Aryna Sabalenka e a norte-americana Serena Williams. As duas também se enfrentarão pela primeira vez. Enquanto Sabalenka tem 9 vitórias em 10 jogos na temporada, Serena venceu todas as 7 partidas disputadas.

Abrindo a sessão noturna da principal quadra do complexo, a polonesa Iga Swiatek e a romena Simona Halep farão um confronto entre campeãs de Grand Slams.

Na Margaret Court Arena, a experiente taiwanesa Su-wei Hsieh terá pela frente o desafio de encarar a jovem e talentosa Marketa Vondrousova

Andreescu, Serena, Osaka e Sabalenka buscam vaga na 3ª rodada do Australian Open

O 3º dia de jogos da chave feminino do Australian Open vai ser marcado pelo começo da segunda rodada, com algumas favoritas entrando em quadra.

Campeã do US Open em 2019, mas que sofreu na primeira rodada, a jovem Bianca Andreescu, que é a cabeça de chave nº 8 do torneio, terá pela a experiente taiwanesa Su-Wei Hsieh, na abertura da programação da Rod Laver Arena.

Na sequência, Serena Williams tem todo o favoritismo para conseguir mais uma vitória tranquila, dessa vez contra a sérvia Nina Stojanovic, enquanto Naomi Osaka faz o último jogo feminino da principal quadra do complexo contra a francesa Caroline Garcia.

Vale destacar também que logo no primeiro horário de jogos, a bielorrussa Aryna Sabalenka deve fazer um jogo interessante contra a russa Daria Kasatkina.

Outra partida que tem tudo pra ser de qualidade será entre a polonesa Iga Swiatek e a italiana Camila Giorgi, em um confronto entre habilidade e agressividade.

 

 

 

Osaka vence Azarenka de virada e conquista o bicampeonato do US Open

Naomi Osaka é bicampeã do US Open! Neste domingo, a japonesa conquistou seu segundo título do Grand Slam nova iorquino que, neste ano, não teve a presença do público.

Em uma final cheia de nuances, Osaka saiu atrás, viu Victoria Azarenka jogar um alto nível de tênis e praticamente não dar chances pra fechar por 6/1.

Depois, a japonesa ainda viu a bielorrussa abrir 2/0 na segunda parcial e rumar para o título, mas equilibrou as ações, voltou pro jogo e levou a decisão pro 3º set depois de um 6/3.

Na parcial decisiva, ela controlou o jogo. Dominou os pontos mais importantes com muita agressividade e precisão, abriu 4/1, viu a adversária encostar em 4/3, mas retomou o controle da partida pra fechar novamente por 6/3.

Esse é o terceiro título de Slam dela, que além do US Open desse ano e de 2018, venceu também o Australian Open de 2019.

“Sinto que há dois anos, talvez tivesse desistido com um set e uma quebra, mas acho que todas as partidas que fiz nesse me moldaram e me forçaram a amadurecer mais, especialmente todas as partidas que fiz aqui, foram muito difíceis.” disse Osaka, destacando a força para virar a partida.

“Acho que definitivamente sou uma jogadora mais completa agora. Sinto que estou mais ciente do que estou fazendo.” completou a atual nº 9 do mundo que, com o título, vai aparecer nesta segunda-feira na 3ª posição do ranking da WTA.

Azarenka vira sobre Serena e decide o US Open contra Osaka

Está definida a grande final feminina do US Open, Grand Slam disputado no piso duro de Nova York e, neste ano, sem a presença do público.

Foram duas semifinais de três sets, com equilíbrio. Primeiro, quem garantiu sua vaga foi a japonesa Naomi Osaka, que além do tênis, vem se destacando também por seus atos de apoio ao movimento Black Lives Matter.

Nesta quinta-feira, ela bateu a norte-americana Jennifer Brady, com parciais de 7/6(1) 3/6 e 6/3, e agora vai em busca do seu segundo título no torneio, depois da conquista de 2018.

“Significa muito para mim. Eu meio que considero Nova York a minha segunda casa. Eu realmente amo a atmosfera, embora, infelizmente, não haja ninguém aqui (público). Eu realmente acho que esta quadra cai bem em mim” disse a nº 9 do mundo.

Depois, no confronto das mamães ex-nº 1 do mundo, Victoria Azarenka levou a melhor sobre Serena Williams, de virada, vencendo com parciais de 1/6 6/3 e 6/3.

“Estou muito grata por jogar com alguém tão grande nas semifinais” agradeceu a bielorrussa, completando em seguida: “Eu saí de um grande buraco que ela me colocou no primeiro set. Tive que escalar pra sair de lá. Estou muito feliz por ter conseguido dar a volta por cima.”

A final de sábado vai marcar o 4º confronto entre Osaka e Azarenka. A bielorrussa levou a melhor no primeiro jogo entre elas, na terceira rodada do Australian Open de 2016. Depois, a japonesa venceu os dois jogos seguintes. Primeiro, no saibro de Roma, em 2018. Depois, em Roland Garros, no ano passado.

Foto: Simon Bruty/USTA

 

Brady e Osaka vencem e se enfrentam na semi em NY. Quarta-feira será o “dia das mães” no torneio

Saiu a primeira semifinal da chave feminina do US Open, Grand Slam disputado no piso duro de Nova York e, neste ano, sem a presença do público.

A primeira a garantir sua vaga foi a norte-americana Jennifer Brady, que não deu chances para a cazaque Yulia Putintseva, vencendo por 6/3 e 6/2.

Sua adversária será a favorita japonesa Naomi Osaka, que bateu a norte-americana Shelby Rogers por 6/3 e 6/4. Osaka, aliás, fez mais um protesto em apoio ao Black Lives Matter, usando uma máscara com o nome de George Floyd.

A quarta-feira será o dia das mamães em Nova York, já que três das quatro atletas que entrarão em quadra ficaram marcadas pela pausa na carreira para a maternidade.

Primeiro, Serena Williams encara a búlgara Tsvetana Pironkova, que volta ao circuito depois de três anos e com uma campanha muito surpreendente, já chegando às quartas.

Depois, Victoria Azarenka, outra ex-nº 1 do mundo, terá pela frente a belga Elise Mertens.