Melo e Kubot perdem para Bryan e Sock na estreia do ATP Finals

O mineiro Marcelo Melo e o polonês Lukasz Kubot – cabeças de chave número 3 – não passaram pelos norte-americanos Mike Bryan e Jack Sock – cabeças 5 – nesta segunda-feira (12), na partida de estreia da fase de grupos do ATP Finals. O torneio reúne as oito melhores duplas da temporada, na O2 Arena, em Londres, na Inglaterra. Bryan e Sock – campeões em Wimbledon e no US Open – marcaram 2 sets a 0, parciais de 6/3 e 7/6 (7-5), em 1h27min.

Agora, Melo e Kubot vão em busca da primeira vitória nesta quarta-feira (14), pela segunda rodada do Grupo Knowles/Nestor, diante dos franceses Pierre-Hugues Herbert e Nicolas Mahut – cabeças 8 -, atuais campeões de Roland Garros, de quem ganharam no único confronto do ano, nas oitavas de final do US Open. Na outra partida, Bryan e Sock enfrentarão os principais favoritos, o austríaco Oliver Marach e o croata Mate Pavic – vencedores do Australian Open. Na estreia, Marach e Pavic derrotaram Herbert e Mahut por 2 a 0 – 6/4 e 7/6 (7-3).

“Este é o grupo mais difícil que já enfrentei nesses seis anos que disputo o Finals. Todos os nossos adversários foram campeões de Grand Slam nesta temporada. O jogo de hoje foi muito duro. Tínhamos perdido para eles na final do US Open, mas jogamos bem melhor. Foi uma partida de muitos detalhes, ainda mais no segundo set, quando chegamos a ter várias chances e até um set point. Agora é focar para o jogo diante os franceses, pois ainda temos chances de passar para as semifinais. A pressão aumenta um pouco, mas temos de saber lidar com isso”, disse Melo.

O ATP Finals será disputado até este domingo (18). Na primeira fase, as duplas são divididas em dois grupos, jogando todas contra todos dentro da chave. As duas melhores de cada um disputam as semifinais, no sábado (17). A decisão do título será no domingo.

Bruno Soares e Jamie Murray estreiam com vitória no ATP Finals

Neste domingo, Bruno Soares e Jamie Murray estrearam com vitória no ATP Finals, em Londres, na Arena 02. Abrindo a programação do primeiro dia de competições, o mineiro e o britânico derrotaram a dupla formada pelo sul-africano Raven Klaasen e o neozelandês Michael Venus por dois sets a um, com parciais de 7/6 4/6 10-5

Bruno e Murray precisaram de uma virada no primeiro set após seus adversários conseguirem uma quebra logo no primeiro game. Klaasen e Venus chegaram a sacar para o set em 5/4, mas o mineiro e o britânico salvaram os três set points disponíveis na parcial, devolvendo a quebra e equilibrando a partida. O set seguiu igual e foi decidido no tie-break, onde um único mini-break foi necessário para a dupla do brasileiro, que abriu 6-5 e confirmou a vitória da parcial no ponto seguinte.

O segundo set teve início parecido, vendo Klaasen e Venus abrindo quebra no início, no segundo game. Soares e Murray chegaram a devolver a diferença logo em seguida, mas seus adversários voltaram a ficar na frente no mais tardar do set, fechando a parcial e igualando a partida em um set para cada lado. Com tudo empatado, a decisão foi para o match tie-break. Lá, Bruno e Jamie ditaram o ritmo do jogo, dominando do início ao fim e chegando a abrir 6-3 antes de decretar a vitória.

“Foi uma vitória suada, primeiro jogo aqui nunca é fácil. Foi a semana inteira treinando na expectativa. Não começamos tão bem e demoramos pra entrar na partida, mas fomos evoluindo à medida que o jogo foi passando e jogamos muito bem no match tie-break. Acho que isso que é o importante, que nós saímos de quadra com essa sensação de que jogamos super bem. Na fase de grupos tudo vale e tudo conta, e agora é descansar e se preparar para o jogo na terça-feira”, declarou Soares, satisfeito com a estreia no Finals.

A vitória coloca a dupla na liderança provisória do Grupo Llodra/Santoro, que terá a primeira rodada finalizada no fim da tarde deste domingo. Agora, Bruno e Murray terão um dia de descanso e treinos antes de retornarem a quadra na terça-feira.

Soares e Murray estão disputando o ATP Finals pelo terceiro ano consecutivo. Semifinalistas na última edição, o time duas vezes campeão de Grand Slams busca superar seu melhor desempenho no último torneio do ano. Em 2018, a dupla foi campeã em três oportunidades, levantando os troféus no Masters 1000 de Cincinnati e nos ATPs 500 de Washington e Acapulco. Além dos três títulos no ano, Bruno e Murray também foram vice-campeões em Xangai, Queen’s e Doha.

Soares/Murray e Melo/Kubot conhecem adversários da fase de grupos no ATP Finals

As oito melhores duplas da temporada estarão reunidas em Londres, na Inglaterra, para a disputa do ATP Finals, torneio que encerra o ano. As disputas serão realizadas entre este domingo (11) e o dia 18, na O2 Arena, na capital inglesa. Marcelo Melo e Lukasz Kubot, vice-campeões no ano passado, estreiam na segunda-feira (12), diante dos norte-americanos Mike Bryan e Jack Sock. Cabeças de chave número 3, jogarão a primeira fase no Grupo Knowles/Nelson, após o sorteio dos grupos e definição da primeira rodada.

Mark Knowles, das Bahamas, e Daniel Nestor, do Canadá, campeões em 2007, dão nome ao forte grupo que terá, ao lado de Melo e Kubot, os cabeças de chave número 1, o austríaco Oliver Marach e o croata Mate Pavic – campeões do Australian Open; os norte-americanos Mike Bryan e Jack Sock – cabeças 5, que conquistaram os títulos em Wimbledon e no US Open; e os franceses Pierre-Hugues Herbert e Nicolas Mahut – cabeças 8, vencedores em Roland Garros. O Grupo Llodra/Santoro (homenagem aos franceses Michael Llodra e Fabrice Santoro, campeões em 2005) reúne as duplas Juan Sebastian Cabal (COL) / Robert Farah (COL), cabeças 2; Jamie Murray (GBR) / Bruno Soares (BRA), cabeças 4; Raven Klaasen (RSA) / Michael Venus (NZL), cabeças 6; e Nikola Mektic (CRO) / Alexander Peya (AUT), cabeças 7.

Melo e Kubot disputam a edição 2018 com muita confiança, após os resultados conquistados em setembro e outubro, como o vice-campeonato no US Open e os dois títulos na China – ATP 500 de Beijing e Masters 1000 de Xangai. Neste ano, no total, levantaram quatro troféus, com o ATP 250 de Sidney e o ATP 500 de Halle. Agora, a dupla inicia os treinos na O2 Arena nesta quinta-feira (8). Na semana passada, no Masters 1000 de Paris, na capital francesa, chegaram até as quartas de final.

“Estamos jogando muito bem, com confiança. Tivemos uma semana de intervalo entre Paris e Londres. Agora é iniciar os treinos na O2 Arena, aproveitar o momento e jogar o nosso melhor”, afirma Marcelo, patrocinado pela Centauro, BMG e Itambé, com o apoio da Volvo e Confederação Brasileira de Tênis.

Será a sexta participação seguida de Melo no Finals – recordista entre os brasileiros –, a quinta de Kubot e a segunda juntos. No ano passado, Melo e Kubot disputaram a final diante do finlandês Henri Kontinen e do australiano John Peers, que nesta edição não se classificaram entre os oito, após conquistarem os títulos em 2016 e 2017, ficando em nono, como dupla alternativa. Marcelo foi vice-campeão também em 2014, jogando ao lado do croata Ivan Dodig, contra os irmãos Bryan – Bob e Mike.

Na atualização desta semana na ATP, Melo e Kubot aparecem na terceira colocação no ranking mundial de duplas, com 5.430 pontos. A liderança é do austríaco Oliver Marach e do croata Mate Pavic, com 7.700, seguidos dos colombianos Juan Sebastian Cabal e Robert Farah, com 5.830. No ranking mundial individual de duplas, dividem a sétima colocação, com 5.160 pontos.

Bruno Soares e Jamie Murray, que foram semifinalistas nas últimas duas edições, estão com a expectativa alta para mais uma grande apresentação em terras inglesas.

“A expectativa é a maior possível. É o melhor torneio do ano, na quadra em que todo mundo quer jogar. É onde a gente sonha estar no começo da temporada e estamos aqui, de volta. Agora é treinar bastante nesta semana para se adaptar com essas condições. O bom daqui é que é o único torneio do ano em que a gente realmente tem tempo de se preparar no local, então é fazer uma boa semana de treino e ir com tudo no domingo,” disse Soares, animado por estar mais uma vez entre os melhores e destacando a preparação que já vem sendo feita na capital inglesa.

A partida de estreia de Bruno e Murray acontecerá no primeiro dia de competição, no domingo (11), abrindo a programação do Finals. “Muito legal que vamos jogar no domingo, abrindo o evento. Aqui não tem muito o que escolher, não. São as oito melhores duplas da temporada e, pra onde cair, é porrada. A gente estreia contra Klaasen/Venus e, no confronto direto, está 2 a 1 pra gente, com todos os jogos bem duros,” relatou o mineiro, que não espera vida fácil no último torneio da temporada.

Vindo de derrotas nas estreias do ATP 500 de Viena e do Masters 1000 de Paris, Bruno não vê um abalo na confiança da dupla para o Finals. “Foram duas semanas em que a gente não conseguiu jogar nosso melhor. Em Viena, a gente realmente jogou bem abaixo. Agora, em Paris, acho que não jogamos tão mal. Nós perdemos para uma dupla que estava inspirada, jogaram super bem naquele dia, tanto que o resultado mostrou e eles foram os campeões do torneio. Nós estamos acostumados com os altos e baixos e esses resultados não vão afetar a nossa confiança pro Finals. Agora, aqui em Londres é difícil de pegar ritmo ao longo do torneio, é pedreira pra todo lado. A gente tem que tentar chegar afiado desde o primeiro jogo,” finalizou Bruno, focado numa boa estreia.

É a quinta vez que o brasileiro disputa o ATP Finals, sendo a terceira ao lado de Murray. Soares atingiu a semifinal em três oportunidades, caindo para os campeões na últia edição. Em 2018, a dupla do mineiro e do britânico foi campeã no Masters 1000 de Cincinnati e nos ATP 500s de Washington e Acapulco, além dos vice-campeonatos em Xangai, Queen’s e Doha.

Novamente nº 1 do mundo, Djokovic lidera o Grupo Guga Kuerten no ATP Finals, que não terá Nadal

Foram sorteados nesta segunda-feira os grupos do ATP Finals, torneio que reúne na O2 Arena, em Londres, os oito melhores tenistas da temporada.

Também durante a segunda, pouco antes do sorteio, Rafael Nadal anunciou que não jogaria o torneio londrino, depois de não se recuperar de uma lesão abdominal, que o deixou de fora do Masters 1000 de Paris.

Com isso, o norte-americano John Isner garantiu sua primeira participação no Finals e ele ficará no grupo 1, que se chamará Grupo Guga Kuerten, em homenagem ao grande tenista brasileiro. Como favorito, esse grupo terá Novak Djokovic, que reassumiu o topo do ranking, além de Alexander Zverev e Marin Cilic.

No Grupo 2, que se chamará Grupo Lleyton Hewitt, o favorito é Roger Federer, que terá a companhia de Kevin Anderson, que o venceu nas quartas de final de Wimbledon, neste ano, Dominic Thiem e Kei Nishikori.

Vale lembrar que no ATP Finals, os tenistas se enfrentam dentro de cada grupo, com os dois melhores se classificando para as semifinais.

Além de nomear o Grupo 1, Guga será homenageado na decisão do ATP Finals

A ATP divulgou no final de semana que Guga Kuerten será homenageado no torneio que encerra o calendário de competições de 2018. Guga que se tornou No. 1 em 2000, depois de vencer os americanos Sampras e Agassi, no Masters de Lisboa, nomeará o Grupo 1 dos tenistas que disputam a liderança do ranking nas simples.

O tricampeão de Roland Garros viaja para Londres na próxima semana para participar de uma homanagem durante a final, no dia 18 de novembro.

“É uma alegria, uma satisfação muito especial, dessas que a gente não tem como imaginar. Receber uma homanagem como essa, traz muita motivação, traz muita convicção que estamos no caminho certo nesse processo de transformar o tênis no Brasil. Dá um “gás” enorme para continuar trabalhando próximo às quadras. É isso que essa homenagem representa! Esse prêmio transmite tudo o que já aconteceu na minha carreira, obviamente, mas também as conquistas atuais, tanto na parte social, com os projetos do Instituto Guga Kuerten, quanto no desenvolvimento do tênis, com a Escola Guga. Vamos para lá celebrar para voltar com pique total para 2019”, festejou Guga.

Essa é a segunda homenagem do ano que o tenista brasileiro recebe de instituições ligadas ao  tênis mundial. Durante o Aberto da França, em junho, a Federação Francesa de Tênis anunciou Guga como o primeiro tenista embaixador do Grand Slam francês.

Foto Cynthia Lum

Rio Open e Fedex levam jovens de projetos sociais cariocas para serem boleiros no ATP Finals

O Rio Open apresentado pela Claro dará mais uma oportunidade única para alunos de projetos sociais de tênis no Rio de Janeiro. A Fedex levará dois jovens das iniciativas apoiadas pelo maior torneio de tênis da América do Sul para serem boleiros no ATP Finals de Londres, o torneio que reúne os melhores tenistas do mundo para encerrar a temporada.

Guilherme Rodrigues Fernandes, 14 anos, do projeto Futuro Bom e Vitória Almeida, também de 14 anos, do projeto Tênis na Lagoa, se juntam a uma seleta equipe de 26 boleiros, que terão a chance de pegar bolas em jogos de lendas do tênis, como Rafael Nadal, Roger Federer e Novak Djokovic.

A adolescente que participa do projeto às margens da Lagoa Rodrigo de Freitas, vizinha ao Jockey Clube, onde acontece o Rio Open, revela o momento em que soube do convite. “Eu estava voltando da IMG Academy e soube pelo meu pai que tinha sido escolhida para boleirar no ATP Finals. Fiquei em choque, mal tinha acabado de viver algo tão incrível nos EUA e já tinha outra grande oportunidade na minha vida, graças ao Rio Open. Mas, apesar da felicidade, eu sei do peso desta função. O boleiro tem que ser muito comprometido, não pode se deixar abalar pelo calor do jogo e tem que se manter concentrado 100% do tempo. Vai ser uma experiência inesquecível. Algo que nunca sonhei na minha vida”, comenta Vitória, campeã da categoria 16 anos do Winners deste ano.

Guilherme, morador do Vidigal, na zona sul carioca, se disse surpreso pelo convite. “No início eu não sabia que iria boleirar, mesmo assim fiquei todo bobo porque assistir de perto um torneio tão importante quanto o ATP Finals é demais. Daí, quando soube que iria boleirar, senti uma emoção que não cabia em mim. Ainda não tenho a dimensão do que vai ser estar lá. O Rio Open já é sempre a melhor semana do meu ano, estar no Finals então, vai ser mais do que um sonho”, comentou o jovem carioca que já boleirou para o Fognini no Rio Open e sonha boleirar um jogo com algum top 10.

Além do Rio Open, somente o Masters 1000 de Xangai também indicará dois boleiros. Esta não é a primeira vez que o maior torneio de tênis da América do Sul é reconhecido por seus esforços sociais. A ATP já deu ao Rio Open o prêmio Aces for Charity, que destinou US$ 10 mil aos projetos parceiros.

Nos dois últimos anos, o Rio Open promoveu o Winners, torneio com alunos desses projetos, com premiações como uma semana de treinamento na IMG Academy, na Flórida, e participação na Copa Guga Kuerten, em Florianópolis. O torneio também mantém o NERO (Núcleo Esportivo Rio Open), que oferece aulas grátis para alunos de escola pública no Parque Olímpico, em parceria com a AGLO, Autoridade de Governança do Legado Olímpico.

Rio Open e Fedex levam jovens de projetos sociais cariocas para serem boleiros no ATP Finals

O Rio Open apresentado pela Claro dará mais uma oportunidade única para alunos de projetos sociais de tênis no Rio de Janeiro. A Fedex levará dois jovens das iniciativas apoiadas pelo maior torneio de tênis da América do Sul para serem boleiros no ATP Finals de Londres, o torneio que reúne os melhores tenistas do mundo para encerrar a temporada.

Guilherme Rodrigues Fernandes, 14 anos, do projeto Futuro Bom e Vitória Almeida, também de 14 anos, do projeto Tênis na Lagoa, se juntam a uma seleta equipe de 26 boleiros, que terão a chance de pegar bolas em jogos de lendas do tênis, como Rafael Nadal, Roger Federer e Novak Djokovic.

A adolescente que participa do projeto às margens da Lagoa Rodrigo de Freitas, vizinha ao Jockey Clube, onde acontece o Rio Open, revela o momento em que soube do convite. “Eu estava voltando da IMG Academy e soube pelo meu pai que tinha sido escolhida para boleirar no ATP Finals. Fiquei em choque, mal tinha acabado de viver algo tão incrível nos EUA e já tinha outra grande oportunidade na minha vida, graças ao Rio Open. Mas, apesar da felicidade, eu sei do peso desta função. O boleiro tem que ser muito comprometido, não pode se deixar abalar pelo calor do jogo e tem que se manter concentrado 100% do tempo. Vai ser uma experiência inesquecível. Algo que nunca sonhei na minha vida”, comenta Vitória, campeã da categoria 16 anos do Winners deste ano.

Guilherme, morador do Vidigal, na zona sul carioca, se disse surpreso pelo convite. “No início eu não sabia que iria boleirar, mesmo assim fiquei todo bobo porque assistir de perto um torneio tão importante quanto o ATP Finals é demais. Daí, quando soube que iria boleirar, senti uma emoção que não cabia em mim. Ainda não tenho a dimensão do que vai ser estar lá. O Rio Open já é sempre a melhor semana do meu ano, estar no Finals então, vai ser mais do que um sonho”, comentou o jovem carioca que já boleirou para o Fognini no Rio Open e sonha boleirar um jogo com algum top 10.

Além do Rio Open, somente o Masters 1000 de Xangai também indicará dois boleiros. Esta não é a primeira vez que o maior torneio de tênis da América do Sul é reconhecido por seus esforços sociais. A ATP já deu ao Rio Open o prêmio Aces for Charity, que destinou US$ 10 mil aos projetos parceiros.

Nos dois últimos anos, o Rio Open promoveu o Winners, torneio com alunos desses projetos, com premiações como uma semana de treinamento na IMG Academy, na Flórida, e participação na Copa Guga Kuerten, em Florianópolis. O torneio também mantém o NERO (Núcleo Esportivo Rio Open), que oferece aulas grátis para alunos de escola pública no Parque Olímpico, em parceria com a AGLO, Autoridade de Governança do Legado Olímpico.

Melo e Kubot perdem nas quartas em Paris e seguem para o ATP Finals

Marcelo Melo e Lukasz Kubot pararam nas quartas de final do Masters 1000 de Paris e, agora, deixam a capital francesa e voltam o seu foco para Londres, na Inglaterra. Lá, a partir do dia 11, disputam o ATP Finals, torneio que encerra a temporada, com a participação das oito melhores duplas de 2018. Nesta sexta-feira (2), os cabeças de chave número 3 e atuais campeões não passaram pelo espanhol Marcel Granollers e pelo norte-americano Rajeev Ram. Os adversários marcaram 2 sets a 0, parciais de 6/1 e 6/4, em 1h03min.

“Hoje, eles realmente jogaram um outro nível de tênis, muito bem, do começou ao fim. Nós tentamos de tudo, trocamos várias formas de jogar, mas nos surpreenderam, jogando muito bem. Faz parte, às vezes encaixa o dia e, hoje, estava no dia deles. Não jogamos mal, jogamos normal, mas não conseguimos encontrar uma saída pelo nível que estavam”, disse Melo.

“Agora é descansar um pouco e começar os treinos de novo já em Londres, pensando no Finals. Devemos chegar na segunda-feira próxima. Vamos focar. Estamos jogando bem, com confiança alta para Londres”, completou.

Será a sexta participação seguida de Melo no Finals – recordista entre os brasileiros –, a quinta de Kubot e a segunda juntos – foram vice-campeões em 2017. No ranking mundial de duplas, que define quem disputará o torneio, Melo e Kubot ocupam o terceiro lugar, com 5.250 pontos. Já no ranking mundial individual de duplas, dividem a quarta colocação, com 6.690 pontos.

Tênis de excelência retorna à O2 Arena

Para os amantes do tênis, o mês de novembro fica marcado pela realização da Nitto ATP Finals, na O2 Arena. Os melhores jogam na arena londrina entre 11 e 18 de novembro. Novak Djokovic poderá igualar Roger Federer como vencedor máximo da competição.

A elite do tênis mundial vai estar na O2 Arena, em Londres. Os oito melhores colocados do ranking ATP, assim como as oito melhores duplas da temporada, vão a jogo na arena britânica. Essa é considerada a prova mais importante do calendário a seguir aos quatro GrandSlams e as primeiras odds para o torneio já podem ser encontradas na Betfair.

Comecemos por introduzir a estrutura competitiva do evento. Contrariamente ao que sucede nos demais eventos do circuito mundial da ATP, esse torneio não se disputa por eliminação direta. A organização da prova divide os oito atletas a concurso em dois grupos de quatro, sendo que o mesmo se aplica na categoria das duplas. Em cada grupo, todos jogam contra todos e os dois melhores de cada grupo se apuram para as semis, disputando posteriormente a final.

Desde 1997 que esse torneio se disputa em piso duro. A O2 Arena, com capacidade para 20 mil espetadores, recebe o certame desde 2009 e, segundo a ATP, a prova permanecerá em Londres até 2020.

Federer é o vencedor máximo  

O vencedor máximo em singulares é Roger Federer, tenista suíço que venceu a prova em seis ocasiões, duas delas na O2 Arena, em Londres. A primeira vitória do atleta helvético remonta a 2003, ano em que derrotou o norte-americano Andre Agassi. Um ano depois, levou a melhor sobre o australiano Lleyton Hewitt. Roger tem essa particularidade: em seis vitórias no torneio, triunfou sempre em pares de anos consecutivos: após as conquistas de 2003 e 2004, venceu James Blake em 2006 e David Ferrer em 2007; mais tarde, Federer venceu Rafael Nadal em 2010 e Tsonga em 2011.

Na última edição do torneio, em 2017, o búlgaro Grigor Dimitrov superou ao belga David Goffin na final ao vencer por dois a um (7-5, 4-6, 6-3).

Novak Djokovic pode igualar o suíço

2008, 2012, 2013, 2014 e 2015. Novak Djokovic já conquistou esse Nitto ATP em cinco ocasiões, quatro delas de forma consecutiva e, nessas quatro, três ante Federer – em 2014, o suíço desistiu. O domínio de Novak na competição terminou às mãos de um atleta da “casa”, em 2016, perdendo para Andy Murray por dois a zero (6-3, 6-4).

O Niito ATP reúne os oito melhores do ranking ATP da temporada e podem existir alterações na classificação até o torneio que antecede a realização da prova na O2 Arena. Porém, são várias as presenças já confirmadas, entre elas as de Novak Djokovic e Roger Federer, a menos que questões físicas impeçam os tenistas de irem a Londres. Além de Roger e Novak, Juan Martin Del Potro, Rafael Nadal e Alexander Zverev foram os primeiros tenistas a confirmarem presença na prova.

Dimitrov vence Goffin e é campeão invicto do ATP Finals

Grigor Dimitrov encerra de forma sensacional sua temporada, com o título do ATP Finals, torneio que reúne na O2 Arena, em Londres, os oito melhores tenistas da temporada.

Neste domingo, o búlgaro encerro sua ótima semana com vitória sobre o belga David Goffin, depois de mais de duas horas, que acabou com parciais de 7/5 4/6 e 6/3.

Com isso, Dimitrov fechou sua participação no torneio de forma invicta, com três vitórias na primeira fase – incluindo um 6/0 e 6/2 sobre o próprio Goffin – além da semi e da final deste domingo.

Na temporada, além do Finals, o búlgaro também foi campeão do Masters 1000 de Cincinnati, dos ATP’ 250 de Brisbane e Sofia, além de chegar à semi do Australian Open e ficar com o vice do ATP de Estocolmo.