Nadal vence final épica contra Medvedev, conquista o tetra do US Open e seu 19º título de Grand Slam

UM JOGÃO! Assim mesmo, em letras garrafais, deve descrito o que foi esse jogo da final do US Open, neste domingo, em Nova Iorque.

Depois de sair na frente e assumir a dianteira com muita tranqüilidade, Rafael Nadal chegou a abrir dois sets a zero e ter quebra de vantagem na terceira parcial, caminhava em águas calmas, mas viu tudo mudar.

O russo Daniil Medvedev não se abateu. Foi frio. Calculista. Jogou seu jogo e reagiu. Reagiu tão bem que não apenas devolveu a quebra, como venceu o set. Não apenas o 3º, mas o 4º também. Teve chance de quebrar o saque do espanhol no primeiro game do 5º set, mas não o fez. Aí, já é demais. Nadal não perdoa e não perdoou. No fim, mais drama, salvando break point quando sacou pro jogo: 7/5 6/3 5/7 4/6 e 6/4 . Rafael Nadal é tetracampeão do US Open!

Neste domingo, o espanhol confirmou seu favoritismo e triunfou pela quarta vez no piso duro do Arthur Ashe Stadium, em Nova Iorque.

Depois de ver Roger Federer e Novak Djokovic – seus principais rivais – ficarem pelo caminho, Nadal assumiu o favoritismo não desperdiçou a oportunidade, ficando com o troféu do quarto e último Grand Slam da temporada.

Essa, aliás, foi a terceira vez que o número 2 do mundo chegou à final de um Slam sem precisar enfrentar um top-20, sendo campeão em todas as oportunidades.

O espanhol chega ao seu 18º título de Grand Slam, ficando mais perto do 20º do recordista Roger Federer, e eleva sua marca de títulos de ATP, com 88 conquistas. O nº 1 neste quesito, vale dizer, é Jimmy Connors, com 109. Federer tem 102.

Medvedev, sem dúvida alguma, também tem seus méritos e se destacou ao longo das últimas semanas, com um tênis sólido, que o levou às finais dos principais torneios pré-US Open.

Em Nova Iorque, porém, talvez até por imaturidade, deixou o extra-quadra falar alto e provocou o público norte-americano em algumas oportunidades. Mesmo assim, não se pode deixar de levar em consideração seu feito. O russo é, por exemplo, o mais novo tenista a chegar à final do torneio desde Djokovic, em 2010.

Medvedev marcou seu nome como um dos grandes potenciais da sua geração, mas ainda é cedo pra falar em transição ou passagem de bastão da velha pra nova guarda, principalmente com jogadores como Nadal querendo mais e mais.

Foto: Cynthia Lum

Medvedev vence Dimitrov, Nadal confirma o favoritismo e os dois se enfrentam pelo título do US Open

Sem surpresas, Rafael Nadal e Daniil Medvedev venceram seus jogos e farão a final do US Open, neste domingo.

O russo foi o primeiro a garantir sua vaga na decisão, depois de conseguir uma vitória firme sobre o búlgaro Grigor Dimitrov, em sets diretos, com parciais de 7/6(5) 6/4 e 6/3.

Depois de polemizar ao longo do torneio, com comportamento inadequado com um boleiro e provocações ao público, ele mostra toda sua qualidade e potencial ao ratificar seu grande momento, já que vem da conquista do Masters 1000 de Cincinnati, além de ter sido vice em Montreal e Washington.

O espanhol se classificou para a final ao bater o surpreendente italiano Matteo Berrettini, também em sets diretos, com parciais de 7/6(6) 6/4 e .

O italiano chegou a ter uma grande chance no 1º set, quando abriu 4/0 e teve dois set points antes de levar a virada.

Os dois já se enfrentaram uma vez, justamente na final de Montreal, neste anol, com vitória do espanhol por 6/3 e 6/0.

Foto: Cynthia Lum

 

Dimitrov vira sobre Federer, enfrenta Medvedev na semi e US Open terá estreante em final de Slam

Em uma grande atuação, Grigor Dimitrov eliminou Roger Federer e chegou pela primeira vez na carreira à semifinal do US Open, quarto e último Grand Slam da temporada, disputado no piso duro de Nova Iorque.

Na noite desta terça-feira, o búlgaro lembrou seus melhores tempos e foi buscar uma improvável virada diante do suíço. Improvável não apenas pela qualidade de tênis, mas que pelo que Federer vinha jogando nos últimos jogos e pelo que Dimitrov fez nas campanhas mais recentes.

Além disso, ainda tinha o histórico, totalmente favorável ao ex-nº 1 do mundo, que nunca havia perdido um confronto direto em sete partidas.

Depois de sair atrás e ficar perdendo por dois sets a um, Dimitrov, que é apenas o atual nº 78 do ranking da ATP, triunfou com parciais de 3/6 6/4 3/6 6/4 e 6/2.

“A única coisa que eu pensava era permanecer na partida. Apenas estou feliz.” disse ele, para completar em seguida, admitindo que Federer, ao final do jogo, não estava bem fisicamente: “No final, ele definitivamente não estava 100%. É melhor de cinco (sets), tudo pode acontecer.”

Agora, ele enfrenta outro estreante de Slam, já que encara o russo Daniil Medvedev, que mais cedo superou Stan Wawrinka, em quatro sets.

Os dois já se enfrentaram duas vezes, com uma vitória pra cada. Dimitrov, que já vai garantindo um retorno ao grupo dos 25 primeiros do ranking, venceu na grama de Queen’s, em 2017, enquanto Medvedev triunfou no piso duro de Washington, no mesmo ano.

Foto: Cynthia Lum

 

Medvedev bate Wawrinka, vai à semi do US Open e garante sua melhor campanha em Slam na carreira

É bom mesmo esse russo! Daniil Medvedev jogou contra Stan Wawrinka, contra a torcida nova-iorquina, mas manteve sua excelente forma para triunfar e garantir vaga na semifinal do US Open.

Depois de provocar a torcida nos últimos jogos, Medvedev não se intimidou e, mesmo aparentemente sentindo alguma lesão que limitava seu saque, se impôs, salvou set point na primeira parcial e garantiu sua melhor campanha em Grand Slam com uma vitória por 7/6(6) 6/3 3/6 e 6/1.

Depois do jogo, em um tom mais político, ele chegou a pedir desculpas e a agradecer o público que acompanhou a partida.

Além disso, ele garantiu uma vaga no ATP Finals neste ano e, pela primeira vez na carreira, vai disputar o torneio que reúne os oito melhores tenistas da temporada.

 

 

Djokovic supera Kudla e encontra Wawrinka nas 8ªs em NY. Medvedev tem atitude reprovável em vitória sobre Lopez

Em um jogo cercado de expectativa, Novak Djokovic jogou bem e chegou às oitavas de final  do US Open, quarto e último Grand Slam da temporada, disputado no piso duro de Nova Iorque.

Encerrando a rodada noturna desta sexta-feira, o sérvio não aparentou sentir as dores do jogo anterior, sacou bem, manteve sua ótima movimentação e quase não deu chances ao norte-americano Dennis Kudla, vencendo por 6/3 6/4 e 6/2.

Antes do jogo, porém, Djokovic mostrou toda tensão ao chegar a discutir com um torcedor durante o aquecimento pré-jogo, prometendo que encontraria o torcedor.

Agora, seu desafio deve ser bem maior, já que terá pela frente o suíço Stan Wawrinka, que superou o italiano Paolo Lorenzi em três sets e dois tiebreaks.

Na última vez que se enfrentaram, vitória de Wawrinka, justamente na final do US Open de 2016.

Ainda na rodada noturna, Daniil Medvedev precisou de quatro sets pra bater o Feliciano Lopez. O lamentável da partida, porém, foi o comportamento reprovável do russo, que chegou a discutir com o juiz e fazer gestos obscenos para a torcida, relembrando atos de anos atrás, quando chegou a ser eliminado de um torneio por atitudes racistas.

 

Medvedev elimina Djokovic nas 4ªs de Monte Carlo. Nadal vira set contra Pella e chega à semi

Novak Djokovic segue sem apresentar seu melhor tênis e, nesta sexta-feira, foi eliminado ainda nas quartas de final do Masters 1000 de Monte Carlo.

O sérvio, que vinha de campanhas abaixo do esperado em Indian Wells e Miami, parou no bom tênis do russo Daniil Medvedev, que triunfou com parciais de 6/3 4/6 e 6/2.

Com isso, Medvedev fará uma surpreendente semifinal diante do sérvio Dusan Lajovic, que bateu o italiano Lorenzo Sonego por 6/4 e 7/5.

O argentino Guido Pella teve tudo pra tirar um set de Rafael Nadal. Liderou a primeira parcial com duas quebras de vantagem, sacou pra fechar, mas viu o espanhol levar a melhor por 7/6(1). Depois, o nº 2 do mundo se impôs e fechou o 2º set por 6/3.

Melo e Kubot estreiam nesta quarta-feira em Monte Carlo. Demoliner vence ao lado de Medvedev

Marcelo Melo e Lukasz Kubot estreiam nesta quarta-feira (17) em Monte Carlo, no terceiro Masters 1000 da temporada 2019. Às 7h (horário de Brasília), dupla cabeça de chave número 2 enfrenta os espanhóis Marcel Granollers e Marc Lopez, na quadra 11 do Monte-Carlo Country Club, no Principado de Mônaco. O torneio dá início à sequência no saibro europeu, até chegar a Roland-Garros, o segundo Grand Slam do ano, no final de maio, em Paris, na França.

“Foram bons treinos aqui, na adaptação para o saibro, com foco nesta estreia em Monte Carlo, que dá início à gira”, disse Melo.

Em março, nos Estados Unidos, nos dois primeiros Masters 1000 do ano, Melo e Kubot foram  finalistas em Indian Wells e semifinalistas em Miami. Depois de Monte Carlo, dupla segue para o ATP 500 de Barcelona, a partir do dia 22 deste mês, e depois joga os Masters 1000 de Madri e Roma, respectivamente nos dias 5 e 12 de maio, até o Grand Slam na capital francesa, com início no dia 26.

Depois de Bruno Soares ter vencido na estreia ao lado de Jamie Murray, em entrou em quadra nesta terça-feira e também saiu vitorioso foi Marcelo Demoliner, jogando ao lado do russo Daniil Medvedev.

Os dois passaram pela parceria formada pelo belga David Goffin e o francês Lucas Pouille, em sets diretos, com parciais de 7/5 e 6/3. Nas oitavas, os dois terão pela frente os colombianos Juan Sebastian Cabal e Robert Farah.