Bruno Soares e Jamie Murray vencem e estão na final do US Open

Bruno Soares está de volta à final do US Open. O atual campeão do torneio e o seu parceiro, o britânico Jamie Murray, superaram a dupla do australiano John Peers com o eslovaco Filip Polasek em dois sets a um, com parciais de 6/3 3/6 6/4 em 1h45 de partida. Na final, a dupla enfrentará o norte-americano Rajeev Ram e o britânico Joe Salisbury.

“Sabíamos que não ia ser nada fácil. Eu não vinha jogando bem, estava sem ritmo nenhum e sabia que ia ser questão de sobrevivência nas primeiras rodadas. Na minha preparação para cá pude treinar apenas uma semana com intensidade. O meu físico não estava nas melhores condições, estava muito abaixo e, quando comecei a treinar mais forte, o meu corpo ficou muito dolorido”, destacou o mineiro.

O US Open foi o primeiro torneio de Bruno após ser diagnosticado com apendicite durante os Jogos Olímpicos de Tóquio e ter que passar por cirurgia. No total, o brasileiro ficou sem disputar torneios por dois meses, com o último sendo em Wimbledon.

“Eu sabia que ia ser na superação e que essas duas primeiras rodadas iam ser para sobreviver no torneio e pegar ritmo, confiança e subir o nível. E foi exatamente isso o que fizemos, desde a terceira rodada a gente está jogando num nível super bom e com o mental muito firme, não deixando se abalar com pequenas coisas ou situações que sabíamos que iam acontecer. Agora é curtir o momento e não abaixar a guarda. Ainda falta um jogo para conquistar o caneco”, continuou o atual número 11 do ranking de duplas.

Após a cirurgia, Bruno ficou parado por um mês em casa. A situação deixou o mineiro com dúvidas. “Por algumas vezes, ao longo desse mês parado, eu pensei em mudar a minha estratégia e até de não jogar mais neste ano, me preparando para o ano que vem. Num mês parado você perde todo o seu físico, massa múscular, explosão… Mas aí pensei: quer saber? É o último Grand Slam do ano e não sou mais tão jovem assim, então eu vou lá para curtir o momento e fazer o meu melhor. Curtir no sentido de ir com a cabeça aberta, lutando do início ao fim, mas aceitando mais as adversidades. E foi isso que aconteceu”, finalizou Bruno, contente com a escolha de ir para Nova Iorque. Bruno e Jamie voltam a fazer final no US Open após 5 anos da conquista de 2016.

O mineiro foi campeão de major nas duplas masculinas em três oportunidades: no Australian Open, em 2016 (com Jamie Murray), e duas vezes no próprio US Open, em 2016 (Murray) e 2020 (Mate Pavic). Além das duplas masculinas, Bruno tem também dois títulos de duplas mistas em Nova York com Ekaterina Makarova (2012) e Sania Mirza (2014).. “Difícil de explicar o que acontece comigo aqui em Nova York. É uma combinação de fatores. A energia desse lugar é diferente, o astral desse ano, a superação….”

Foto: Rhea Nall/USTA

Bruno Soares e Jamie Murray vencem outra, vão às 4as no US Open e jogam por vaga a semi nesta 3ª feira

Bruno Soares e Jamie Murray continuam embalados no US Open. Nesta segunda-feira, a dupla superou o alemão Dominik Koepfer e o finlandês Emil Ruusuvuori por 7/6(6) 6/7(4) 6/1 para se garantir nas quartas de final do Grand Slam americano.

“Foi mais um jogo duríssimo por aqui. Muito feliz mesmo de poder fazer mais uma quartas de final num Grand Slam, ainda mais em Nova York, que gosto muito das condições e é o meu melhor Slam. Foi uma partida muito disputada e decidida no detalhe. Acho que a chave do jogo foi ter começado o terceiro set bem firme. No fim do segundo set nós sentamos ali, conversamos e resetamos a cabeça. Sabíamos que era necessário começar o terceiro set com tudo e deu tudo certo. Espero que a gente consiga seguir assim, passo a passo e rumo à final”, disse o mineiro.

Bruno, que ficou dois meses sem jogar um torneio e passou por uma cirurgia de apendicite durante os Jogos Olímpicos de Tóquio, também refletiu o sucesso da campanha em seu primeiro torneio. “Toda vez que acontece esse tipo de coisa a nossa perspectiva de mundo muda um pouco, né? A gente começa a valorizar cada vez mais as coisas, mais detalhes que antes passavam batidos. Essa energia extra acabou funcionando muito bem”, finalizou.

Na próxima rodada, Bruno e Jamie terão a difícil missão de enfrentar o espanhol Marcel Granollers e o argentino Horacio Zeballos, os cabeças de chave 2.Atual campeão do US Open, o mineiro ergueu o trofeu ano passado ao lado do croata Mate Pavic. O último Grand Slam do ano é o major mais vencedor de Soares, tendo também sido campeão em 2016, ao lado de Jamie Murray, e em mais duas outras oportunidades nas duplas mistas, com Ekaterina Makarova (2012) e Sania Mirza (2014).

Foto: Darren Carroll/USTA

Soares, Demoliner e Monteiro vencem na chave de duplas do US Open. Melo perde na estreia

Quatro jogos e três vitórias. Esse foi o saldo brasileiro na chave de duplas masculinas nesta quinta-feira, pela primeira rodada do US Open, quarto e último Grand Slam da temporada, disputado no piso duro.

Bruno Soares o britânico Jamie Murray confirmaram bem a condições de favoritos diante do norte-americano Tommy Paul e do australiano Alexei Poyprin, conseguindo uma boa vitória em sets diretos, com parciais de 6/4 e 6/2.

Outro brasileiro que conseguiu uma boa vitória foi Marcelo Demoliner, que retomou recentemente a parceria com o neozelandês Marcus Daniell. Os dois superaram os britânicos Daniel Evans e Lloyde Glasspool, mas foi duro. Demoliner e Daniell venciam o jogo com parciais de 6/7(4) 6/4 e 2/1, quando os adversários abandonaram.

Thiago Monteiro foi mais um que venceu nesta quinta, ao lado do australiano John Millman. Os dois passaram pelos australianos Matt Reid e Alex De Minaur, com parciais de 6/3 e 6/2.

A única derrota brasileira na chave foi de Marcelo Melo, que perdeu ao lado do polonês Lukasz Kubot. A vitória ficou com os norte-americanos Evan King e Hunter Reese, que triunfaram por 7/6(2) e 6/4.

Foto: Manuela Davies/USTA

Depois de apendicite de Bruno Soares, Marcelo Melo joga em Tóquio com Demoliner

Marcelo Melo vai disputar os Jogos Olímpicos com o gaúcho Marcelo Demoliner. Nesta quarta-feira (21), Bruno Soares teve de desistir da participação em Tóquio por causa de um apendicite, impedindo que a dupla de mineiros jogasse a terceira Olimpíada junta. Soares passou por cirurgia e Melo e Demoliner já iniciaram os treinos visando a estreia. O tênis começa no sábado (24) – sexta-feira (23) no Brasil. O sorteio das chaves será nesta quarta, às 23h (horário de Brasília), já quinta-feira (22) no Japão.

“O Bruno não estava bem desde a chegada, tentou melhorar, fez tratamento com antibióticos, mas apendicite é perigoso e, em conjunto com o COB (Comitê Olímpico do Brasil), a organização da Olimpíada e o seu médico, a decisão foi pela cirurgia. Estamos todos torcendo para que se recupere logo”, explicou Marcelo.

Melo disputa em Tóquio a sua quarta Olimpíada (Pequim-2008, Londres-2012 e Rio-2016). Com Demoliner, já jogou pelo Brasil na Copa Davis, na Colômbia, em 2018, vencendo os colombianos Juan Sebastian Cabal e Robert Farah.

Inicialmente, Demoliner participaria em Tóquio com o cearense Thiago Monteiro, que também representa o País em simples. Com a desistência de Bruno, o Time Brasil passa a ter seis representantes: Monteiro e o mineiro João Menezes, em simples, Melo, Demoliner e as paulistas Luisa Stefani e Laura Pigossi nas duplas. 

“Vamos fazer o possível e o impossível para buscar uma medalha. Estamos preparados para fazer um bom resultado. A chave de duplas está forte, com as melhores parcerias do mundo aqui. Vamos passo a passo, treinando com todo o Time Brasil. Olimpíada é muito especial, a energia é muito boa. Temos que ir com tudo. Infelizmente, o Bruno teve de passar por isso, mas felizmente o Demoliner estava aqui também e, pelas regras, pudemos fazer a substituição”, completou Melo. 

Foto: @gasparnobrega/ Divulgação

Bruno Soares e Jamie Murray avançam e estão nas oitavas de final de Roland Garros

Bruno Soares e Jamie Murray estão nas oitavas de final de Roland Garros. Cabeças de chave 7 do Grand Slam disputado no saibro, o mineiro e o britânico superaram a dupla do austríaco Oliver Marach e do paquistanês Aisam-ul-Haq Qureshi em sets diretos, com parciais de 7/5 6/1 e 1h29 de duração. A dupla aguarda os vencedores do duelo entre Krawietz/Tecau e Lu/Nishioka.

“Hoje fizemos uma grande atuação. Bem melhor e bem diferente da primeira rodada, jogamos muito mais confiantes e executamos as coisas melhor. Muito feliz mesmo. O primeiro set foi muito disputado, com chances para os dois lados. O 5/5 foi o momento mais importante, nós salvamos alguns break points e dali crescemos muito no jogo, ganhamos 8 dos últimos 9 games e matamos o jogo em dois sets”, contou o mineiro.

Atual vice-campeão do torneio, Bruno destacou a evolução da dupla. “Roland Garros é um torneio que sempre me traz boas memórias, principalmente a minha primeira final aqui, no ano passado. Claro, ainda temos um longo caminho pela frente, mas sinto que estamos evoluindo a cada jogo. Agora é jogo a jogo, precisamos seguir firmes”, finalizou o atual número 12 do ranking.

Disputando a sua 14ª edição em Roland Garros, Bruno vai em busca do título inédito. Ao todo, o brasileiro possui 34 títulos em sua carreira e vai em busca de um quarto troféu do nível Grand Slam nas duplas masculinas. Além do título no US Open em 2020 com Pavic, Bruno também foi campeão do Australian Open e do US Open em 2016, ambos com Jamie Murray.

Bruno Soares e Marcelo Melo estreiam nesta terça-feira em Roland Garros

Bruno Soares está pronto para a estreia em Roland Garros. O mineiro e o seu parceiro, o britânico Jamie Murray, disputarão a primeira rodada de Roland Garros nesta terça-feira, enfrentando a dupla britânica de Luke Bambridge e Dominic Inglot.

“Foram bons dias de treino, realmente treinamos super bem. E o clima aqui em Paris também ajudou muito, fez muito sol. Estamos preparados para esse jogo, que vai ser muito difícil. Eu e o Jamie mais uma vez nessa situação de jogar ou contra brasileiro ou contra britânico, para dar aquela tensão extra de jogar contra um compatriota”, disse Bruno, que enfrentou Marcelo Melo e Marcelo Demoliner nos dois torneios preparatórios para Roland Garros.

Vindo de duas derrotas seguidas, Bruno confessa que é necessário recuperar a confiança. “É fazer o nosso e tentar recuperar a confiança. Obviamente que depois de duas derrotas na primeira rodada ela não está das maiores, mas também temos que ter tranquilidade. Somos experientes e sabemos que esse tipo de coisa acontece. É jogar focado, aqui é Grand Slam, é outro formato e aqui temos um pouco mais de margem”, continuou o número 12 do mundo.  

Além das duplas masculinas, Bruno também está na disputa das duplas mistas. A ideia original era tentar entrar na competição ao lado da compatriota Luisa Stefani, mas a tenista precisou se retirar da competição. “A Luisa infelizmente teve uma apendicite e não vai poder jogar em Roland Garros, nós tínhamos o plano de jogar juntos mais uma vez, uma pena. Hoje consegui uma parceira nova, a chinesa Yifan Xu. Vamos ver, é a primeira vez que a gente joga junto, então precisamos entrosar o mais rápido possível para fazer uma boa campanha”, finalizou o mineiro.

A dupla Marcelo Melo e Lukasz Kubot também entra em quadra nesta terça-feira para a estreia em Roland Garros. Os adversários, por volta das 10h30 (horário de Brasília), serão os norte-americanos Nicholas Monroe e Frances Tiafoe. O Grand Slam marca o retorno da parceria entre o mineiro e o polonês, que tinha sido encerrada ao final da temporada passada. Juntos, jogarão o quinto Roland Garros, o 15º consecutivo da carreira de Marcelo.

“Treinamos firme para esta estreia e temos tudo para fazer um bom retorno dessa parceria aqui em Roland Garros”, afirma Marcelo.

Vice-campeão no ano passado, Bruno Soares já treina em Paris para Roland Garros

Bruno Soares já está em Paris. Ao lado do britânico Jamie Murray, o mineiro está fazendo a adaptação final na capital francesa para a disputa de Roland Garros, o segundo Grand Slam do ano. No ano passado, ao lado do croata Mate Pavic, o duplista número 12 do mundo foi vice-campeão do torneio francês.

“Senti que treinei muito bem nessas últimas semanas e pude me preparar completamente. As energias estão recarregadas. A expectativa é muito boa, muito feliz de poder voltar aqui em Paris e competir em Roland Garros, que é um torneio tão especial para mim, para o tênis brasileiro e para todos os fãs de tênis do Brasil, e também feliz de voltar a competir aqui com o Jamie. Os Grand Slams são os nossos maiores objetivos no ano, então estamos muito empolgados para entrar em quadra. Me sinto pronto para encarar o desafio, então é a gente seguir com a energia lá em cima para buscar esse caneco”, disse o brasileiro.

Feliz em poder ver mais público, Bruno espera sentir a energia da torcida em Paris. “A situação nesta edição está um pouco diferente do ano passado, com mais flexibilidade para o público. Teremos mais pessoas torcendo, seguindo todos os protocolos de segurança do torneio e isso faz uma diferença enorme “, finalizou o tenista.

Bruno disputa a sua 14ª edição no Grand Slam francês, com a sua melhor campanha sendo o vice-campeonato alcançado em 2020, ao lado de Pavic. Ao todo, o mineiro possui 34 títulos em sua carreira e vai em busca de um quarto troféu do nível Grand Slam nas duplas masculinas. Além do título no US Open em 2020 com Pavic, Bruno também também foi campeão do Australian Open e do US Open em 2016, ambos com Jamie Murray.

No detalhe, Bruno Soares e Jamie Murray são superados em Miami

Bruno Soares e Jamie Murray se despediram de Miami. Neste domingo, a dupla deu adeus ao Masters 1000 da Flórida após serem superados pelos britânicos Daniel Evan e Neal Skupski por 5/7 7/6(4) 10-7, nas oitavas-de-final.

“Foi um jogo duro que escapou. Dominamos boa parte da partida, mas acabamos deixando escapar dois tie-breaks no final. A minha história em Miami volta a se repetir, é sempre esse tipo de jogo que a gente acaba perdendo aqui, paciência”, disse o mineiro, lamentando a derrota.

“Não voltarei para casa agora. Infelizmente a situação do Brasil está muito complicada, então vou ficar treinando por aqui em Miami até a semana de Monte Carlo. Temos que aguardar essa situação de liberação de entrada na Europa melhorar, porque quando saímos diretamente do Brasil são pouquíssimos os países em que podemos entrar. Então, pra não correr esse risco de ser barrado, vou permanecer aqui”, finalizou Bruno.

Agora a dupla parte para a gira de saibro europeia. Com início no dia 11 de abril, o Masters 1000 de Monte Carlo será o pontapé da dupla na Europa, que depois pretende seguir para o ATP 500 de Barcelona e os Masters 1000 de Madri e Roma, todos parte da preparação para Roland Garros. Bruno é o atual vice-campeão do Grand Slam francês, no qual disputou a final com o croata Mate Pavic, seu parceiro da última temporada.

Bruno Soares e Jamie Murray estão prontos para a estreia em Miami

Bruno Soares está pronto para a estreia em Miami. Disputando o Masters 1000 norte-americano, o mineiro e o seu parceiro, o britânico Jamie Murray, farão o seu primeiro jogo do torneio neste sábado, enfrentando o neozelandês Marcus Daniell e o austríaco Philipp Oswald, ambos especialistas em duplas.

“A expectativa é sempre boa. Miami é um lugar muito legal, apesar de estar em condições totalmente diferentes neste ano. Não vamos ter aquele calor da torcida brasileira pelo público estar muito reduzido, além de também estarmos numa bolha e não podermos curtir a cidade, mas sempre é um lugar especial. Masters 1000 e jogo duríssimo, espero que possamos fazer uma boa campanha aqui depois de muito anos de resultados não muito bons”, disse o mineiro.

“Além disso tudo, é muito legal ter a Oakberry representando o Brasil no torneio mais uma vez, para mim é um orgulho”, completou Soares. O mineiro é um dos sócios da rede saudável focada em açaí, que está presente no Masters 1000 de Miami pela segunda vez.

O brasileiro e atual número 4 do mundo vai em busca de um título inédito em Miami. Em sua 12ª participação no torneio, Bruno quer superar o seu melhor resultado no Masters 1000 da Flórida, que foi uma semifinal na edição de 2015. De seus 34 títulos de ATP, quatro são de torneios do mesmo nível, tendo levantado o troféu no Canadá (2013 e 2014), em Cincinnati (2018) e em Xangai (2019).

Bruno Soares e Jamie Murray vencem de virada na estreia do ATP 500 de Acapulco

Bruno Soares e Jamie Murray tiveram muito trabalho, mas passaram pela estreia do ATP 500 de Acapulco, no México, torneio que é disputado no piso duro.

Os dois perderam o 1º set, mas virada a partida pra cima do indiano Rohan Bopanna e o do paquistanês Aisam Ul-Haq Qreshi, com parciais de 6/7(4) 6/2 e 10/1.

Agora, por vaga na semifinal, eles terão pela frente os irmãos Ken e Neal Skupski. As duas duplas já se enfrentaram duas vezes, com duas vitórias do brasileiro e do britânico.