Depois da vitória da Bélgica em Uberlândia, João Zwetsch não é mais o capitão do Brasil na Davis

Mesmo com uma equipe reserva, os belgas levaram a melhor e eliminaram o Brasil no qualifying do Grupo Mundial da Copa Davis.

Neste sábado, no ginásio Sabiazinho, em Uberlândia, a equipe nacional sofreu uma dura derrota com os duplistas Bruno Soares e Marcelo Melo, que foram surpreendidos por Sander Gille e Joran Vliegen, que triunfaram com parciais de 6/4 e 7/6(4).

Depois, Thiago Monteiro não se encontrou diante de Kimmer Coppejans, que anotou 6/3 e 6/4, fechando o confronto para os visitantes por 3×1.

Neste domingo, a Confederação Brasileira de Tênis informou que João Zwetsch não ocupará mais a função de capitão. Ele colocou o cargo à disposição na noite do dia 02/02. “Eu e a CBT já vínhamos conversando sobre esse ciclo e no meu entendimento chegou o momento de fechamento”, avaliou Zwetsch.

“Foi um ciclo importante, que abrangeu várias gerações de atletas, um ciclo de aglutinação de jogadores, com grandes momentos como a vitória do Brasil sobre a Espanha, com a participação no Grupo Mundial da competição. Toda a equipe possui muito respeito com o trabalho desenvolvido pelo João, que sempre priorizou um clima de parceria e respeito na equipe, dentro e fora das quadras”,  salientou Westrupp.

“Gostaria de agradecer a confiança depositada em mim, primeiramente pelo Jorge Lacerda e depois por Rafael Westrupp. Também agradecer a todos os profissionais que estiveram comigo nesse desafio, o técnico Daniel Melo, o preparador físico Eduardo Faria, os médicos Ricardo Diaz e Gilbert Bang, os fisioterapeutas Paulo Roberto Santos e Otávio Kiefer. Agradecer aos atletas que passaram pela equipe brasileira enquanto estive nela. Vivi momentos de muito crescimento com cada um da equipe”, falou João.

O próximo confronto da equipe brasileira na Copa Davis será no mês de setembro e até lá será definido o próximo capitão.

Foto: Luiz Cândido/CBT

Brasil e Bélgica no 1ª dia da Davis, que teve homenagem ao mineiro Marcelo Melo

Bastou uma hora e sete minutos para que Thiago Monteiro vencesse o belga Arthur de Greef, 202o do mundo, no primeiro jogo do confronto da Copa Davis by BNP Paribas, na cidade de Uberlândia (MG). Com parciais de 6/3, 6/2, o cearense canhoto, número 107o do mundo, levantou a torcida que acompanhou o primeiro dia de confronto entre Brasil e Bélgica, na Arena Sabiazinho. “Vim de uma fase boa, gosto muito das condições da quadra, com um pouco de altura, um pouco mais rápido, no saibro. Consegui executar um jogo que eu gosto, sacar muito bem, a torcida ajudou! Estou muito feliz com esse resultado!” ressaltou Thiago Monteiro.

O paulista Rogério Dutra Silva, 139o do mundo, lutou até o final, empurrado pela torcida brasileira, mas acabou superado pelo número 1 da Bélgica, Kimmer Coppejans, 195o colocado, por duplo 6/4. Mas o raquete 2 do Brasil garantiu que está preparado e confiante para fazer o quinto jogo contra De Greef, caso seja necessário. “Não tive um dia feliz, não me encontrei em quadra, faltou um pouquinho de sorte também. Infelizmente, não foi como planejamos, mas temos que manter a cabeça erguida, estamos na luta ainda. Logicamente ninguém gosta de perder, mas agora é olha para a frente, torcer para a dupla amanhã e, se precisar entrar em quadra de novo, vou entrar a mil por hora denovo e vou lutar até o último minuto”, assegurou Rogerinho.

Apesar de não entrar em quadra, o mineiro Marcelo Melo, número 12 do mundo em duplas, foi o grande homenageado do dia, recebendo um troféu de cristal do “Commitment Award” da ITF (Federação Internacional de Tênis) pela quantidade de participações na Copa Davis, sendo homenageado em quadra pelo representante da ITF, Ricardo Aguirre e pelo presidente da Confederação Brasileira de Tênis, Rafael Westrupp.

O duplista vestiu a camisa verde e amarela em 21 partidas, vencendo 17 de duplas e uma de simples. Desde 2008 Marcelo participa de confrontos da Copa Davis. Essa foi mais uma conquista de Marcelo, que em 2018 passou a ser o tenista brasileiro com maior número de semanas no topo do ranking mundial, 56 semanas, e o jogador nacional que mais disputou o ATP Finals. “Fiquei muito feliz de ter recebido. Todos sabem quanto é importante essa competição para nós tenistas. Então ser reconhecido foi muito legal, especialmente estando jogando em casa. Muito obrigado à ITF, à CBT e aos que fizeram essa homenagem. Foi muito gratificante. Agora é focar na dupla amanhã (sábado)”, afirmou Marcelo.

 

 

Amanhã ele entra em quadra juntamente com o também mineiro Bruno Soares, número 7 do mundo em duplas, no terceiro jogo do confronto e buscando colocar o Brasil em vantagem. Eles jogam contra a dupla belga formada por Sander Gille, número 83 do mundo em duplas, e Joran Vliegen, número 86 do mundo.

 

 

Ainda acontecem mais dois jogos de simples neste sábado, com Thiago Monteiro jogando contra Kimmer Coppejans e com Rogério Dutra Silva contra Arthur De Greef. Entre o jogo de duplas e o de simples haverá outra homenagem do “Commitment Award” da ITF. Desta vez para o brasileiro Tomas Koch, que disputou nada menos do que 74 partidas de Copa Davis, vencendo 44 delas, entre duplas e simples.

Marcelo Melo confirma presença e busca título inédito no Rio Open em 2019

Grande ídolo do tênis brasileiro, Marcelo Melo buscará seu primeiro título no Rio Open apresentado pela Claro em 2019. O mineiro se junta ao conterrâneo Bruno Soares e ao escocês Jamie Murray na chave de duplas do maior torneio de tênis da América do Sul, a ser realizado entre 16 e 24 de fevereiro, no Jockey Club Brasileiro. Os ingressos estão à venda pelo site tudus.com.br/rioopen.

Campeão de Roland Garros em 2015 e de Wimbledon em 2017, Melo foi eleito nesta semana o melhor tenista brasileiro de 2018 no Prêmio Brasil Olímpico, do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), pelo segundo ano consecutivo. Na última temporada, ele venceu quatro títulos: o Masters 1000 de Xangai, os ATPs 500 de Pequim e de Halle e o ATP 250 de Sydney ao lado do polonês Lukasz Kubot. A dupla também foi vice-campeã do US Open. Aos 35 anos, Melo já soma incríveis 32 troféus ATP.

Assim como Soares, Melo tentará ser o primeiro brasileiro a levantar o troféu do Rio Open. O mineiro foi vice-campeão em 2014, ao lado do espanhol David Marrero. “Vai ser um prazer jogar novamente o Rio Open, um torneio tão importante no calendário mundial e especialmente por ser no Brasil. É uma oportunidade de jogar diante da torcida que apóia a gente o ano todo, mas nem sempre tem a oportunidade de ir para fora. Fico muito feliz com essa chance de jogar mais uma vez no Rio, espero todo mundo lá, não só para apoiar a nossa dupla, seja com quem for, mas todos os brasileiros que jogarão o torneio”, disse Melo. O parceiro habitual, Lukasz Kubot ainda está decidindo se virá ou não ao Brasil em fevereiro.

Com a confirmação de três dos 10 melhores tenistas de duplas do mundo, o Rio Open continua oferecendo tênis da maior qualidade nas duas chaves da competição. A Quadra 1 é o caldeirão em que o público brasileiro incentiva nossos jogadores e cria um clima de Copa Davis em momentos decisivos, como o match-tiebreak.

“É sempre um prazer receber dois dos grandes nomes do tênis brasileiro na última década. O Marcelo é um campeão de dois Grand Slams, já chegou ao topo do ranking mundial, um exemplo para os nossos jovens tenistas e uma presença muito importante no nosso evento. Quem sabe esse não seja o ano de termos um brasileiro campeão? “, afirmou Luiz Carvalho, Diretor do Torneio.

Além dos duplistas já estão confirmados Dominic Thiem, Diego Schwartzman, Fabio Fognini e o brasileiro Thiago Wild que venceu a Maria Esther Bueno Cup e ganhou wild card para a chave principal.

PROGRAMAÇÃO RIO OPEN 2019

O Rio Open começa no dia 16 com o qualifying e no dia 18 tem início a chave principal, com a Grande Final acontecendo no dia 24 de fevereiro.

Monteiro, Rogerinho, Soares e Melo defendem o Brasil na Davis, contra a Bélgica

O Brasil irá com força total em busca de uma vaga no Grupo Mundial da Copa Davis, contra a Bélgica. A equipe comandada pelo capitão João Zwetsch será formada pelos dois brasileiros mais bem colocados no ranking de simples da ATP, o cearense Thiago Monteiro (123o) e o paulista Rogério Dutra Silva (165o), e terá a forte dupla composta pelos mineiros Bruno Soares (7o) e Marcelo Melo (9o), além do paranaense Thiago Wild (530o), de apenas 18 anos, como quinto jogador.

O confronto será disputado nos dias 1 e 2 de fevereiro de 2019 no saibro do Ginásio Sabiazinho, em Uberlândia-MG. (Clique aqui para adquirir seu ingresso).

“A equipe está bem formada. Rogerinho e Monteiro são os dois jogadores que tiveram os melhores resultados em 2018. A volta do Bruno também é importante para a equipe. O Bruno e o Marcelo são uma das melhores duplas da Copa Davis nos últimos anos, apesar de o Marcelo Demoliner ter demonstrado que pode suprir uma eventual ausência de um dos dois com qualidade. E o Thiago Wild como quinto jogador, de acordo com nosso critério de sempre chamar um garoto na fase de transição, que tenha qualidade e possa jogar eventualmente”, explicou Zwetsch.

O capitão brasileiro acredita em um confronto duro contra os belgas, que devem ter David Goffin, atual 22 do mundo e ex-top 10, na equipe. Mas Zwetsch aposta no fator casa para fazer a diferença. A última vez que o Brasil jogou em casa na Copa Davis foi em 2016, em Belo Horizonte, quando venceu o Equador por 3 a 1.

“A gente prevê um jogo muito difícil contra a Bélgica do Goffin, que vem jogando em um nível muito alto nos últimos anos e consequentemente eleva o nível da equipe. Será um confronto difícil, mas o fator local ainda é importante na Copa Davis. O apoio da torcida, a energia que ela traz para dentro do jogo é muito importante. Temos que aproveitar bem isso. Nossa torcida é sempre forte, nos ajuda muito e tenho certeza que dessa vez será da mesma forma”, destacou.

O número 1 do Brasil, Thiago Monteiro também confia na força do fator local. O tenista, que está em pré-temporada com sua nova equipe na Argentina, está bastante motivado para o confronto contra a Bélgica e tem como uma das metas para 2019 obter um bom resultado na Copa Davis.

“Sem dúvida jogar em casa depois de cinco confrontos fora será uma motivação a mais. Sentir o calor da torcida, aquele clima diferenciado que a Davis proporciona. Estou muito motivado com minha nova equipe fazendo a pré-temporada, pretendo ter um grande ano em 2019 e jogar bem na Davis, ajudando a classificar o Brasil para o Grupo Mundial. Essa é uma meta não apenas minha, mas de toda a equipe”, ressaltou Monteiro.

De volta à equipe, após priorizar seu calendário na ATP em 2018, Rogerinho também está motivado. “Muito legal estar voltando para a Copa Davis, uma das competições que eu mais gosto. Jogar em casa, ainda mais agora que será diferente daqui pra frente. Então, vai ser muito bacana jogar, espero que possamos sair com a vitória em casa e quem sabe jogar o Grupo Mundial”, projetou.

Bruno Soares, que também não jogou os confrontos da Davis em 2018 por questões pessoais – o nascimento do segundo filho –, também está feliz por voltar a representar o Brasil na competição entre países. “Depois de um ano afastado por questões pessoais será legal demais voltar para a equipe. Jogar em casa para classificar nesse formato novo. Muito bacana para o Brasil. Estou muito feliz em ser chamado e ter a confiança do capitão. Expectativa boa demais de jogar em terras mineiras. Muito especial. Espero que eu e Marcelo possamos contribuir com nosso ponto”, afirmou o tenista de Belo Horizonte.

Sétimo jogador que mais defendeu o Brasil em Copa Davis com 21 participações, Marcelo Melo comemorou mais uma convocação. “Estou muito feliz em mais uma vez ser convocado para fazer parte da equipe. Todos sabem a importância que eu dou para a Copa Davis, tenho um orgulho enorme em defender o Brasil”, revelou.

Por fim, o jovem Thiago Wild, que fez uma excelente temporada em 2018, conquistando o inédito título do US Open juvenil para o Brasil, e fazendo bons jogos no profissional, também ficou feliz com a convocação.

“Fazer parte da equipe da Davis é sempre muito interessante, o ambiente é bom e a convivência é legal. Eu já faço parte da equipe da Davis há dois anos, mas como jogador será a segunda vez. Como estou começando agora, acho que aos poucos irei me acostumando com o torneio, com o modo dos jogos e irei ganhando espaço na equipe”, avaliou Wild, que foi convocado pela primeira vez em Santo Domingo e participou do Programa Juniors/Pró da CBT, que dá a oportunidade para jovens tenistas acompanharem os profissionais na Copa Davis e em grandes torneios.

Este será o quarto confronto entre Brasil e Bélgica e a equipe brasileira tentará quebrar o tabu de nunca ter vencido os belgas na Copa Davis. Os europeus venceram os três duelos anteriores, todos em casa, em 1960, em 1993 (quando o Brasil perdeu o mando de quadra) e em 2016.

Caso vença a Bélgica, o Brasil garantirá vaga na fase final da competição, na Espanha, entre os dias 18 e 24 de novembro. Em 2019, a tradicional competição terá novo formato com 18 países disputando o cobiçado troféu em Madri, ao fim da temporada, depois do ATP Finals.

Melo e Kubot encerram participação no ATP Finals com vitória e seguem juntos em 2019

Marcelo Melo e Lukasz Kubot precisavam vencer o austríaco Oliver Marach e o croata Mate Pavic por 2 sets a 0 para continuar sonhando com a classificação para as semifinais do ATP Finals. Venceram. Terminaram a primeira fase com uma vitória e duas derrotas, no Grupo Knowles/Nestor. Mas, acabaram encerrando sua participação, na O2 Arena, em Londres, na Inglaterra, pelo critério de desempate, de porcentagem de games. Melo e Kubot  – cabeças de chave 3 – marcaram 7/6 (7-4) e 6/4, em 1h40min, nesta sexta-feira (16), jogando muito bem na despedida do torneio e da temporada.

Foi a terceira vitória do ano diante de Marach e Pavic – cabeças 1 e melhor dupla de 2018 – as outras duas na final do ATP 500 de Beijing e na semifinal do Masters 1000 de Xangai, em que também foram campeões. Melo e Kubot encerram a temporada com a conquista de quatro títulos. Além de Beijing e Xangai, na China, comemoraram no ATP 250 de Sidney, Austrália, e no ATP 500 de Halle, na Alemanha, sendo ainda vice-campeões no Grand Slam norte-americano, o US Open.

“Ficamos felizes com a temporada que tivemos. Começamos o ano complicado, depois conseguimos terminar muito bem, especialmente classificando para o Finals. E hoje, com essa vitória, jogamos bem. Encerrar com uma vitória é sempre muito bom, especialmente em um Finals. Foi mais um excelente ano, muito feliz por estar aqui jogando pela sexta vez”, explicou Marcelo, patrocinado pela Centauro, BMG e Itambé, com o apoio da Volvo e Confederação Brasileira de Tênis.

“Eu e o Lukasz continuamos firme em 2019 com a parceria. Logicamente queríamos ter classificado, mas não deu. Fizemos o que foi possível. Agora é descansar para começar bem a temporada ano que vem”, completou.

No Finals, Melo e Kubot perderam para os norte-americanos Mike Bryan e Jack Sock, na estreia, e para os franceses Pierre-Hugues Herbert e Nicolas Mahut, na segunda rodada, e passaram a depender de uma combinação de resultados e do percentual de games vencidos para seguir no torneio. Bryan e Sock estão classificados para as semifinais. Marach/Pavic e Herbert/Mahut disputam a outra vaga. Grupo termina nesta tarde com o jogo entre Bryan/Sock e Herbert/Mahut.

Na terceira rodada da fase de grupos, Melo e Kubot fizeram sua melhor partida no ATP Finals deste ano. Começaram o jogo com um break, viram os adversários devolverem no quarto game e a definição ir para o tie-break, quando dominaram para marcar 7/6 (7-4), iniciando o segundo set buscando ainda manter as chances de classificação. Jogando com confiança, muita determinação, não se abalaram quando foram quebrados no terceiro game, empataram em 3 a 3 e, com mais uma break, fecharam em 6/4 para garantir a primeira vitória no Finals.

O torneio reúne as oito melhores parcerias da temporada, tradicionalmente encerrando o ano, e será disputado até este domingo (18). Na primeira fase, as duplas são divididas em dois grupos, jogando todas contra todos dentro da chave. As duas melhores de cada um disputam as semifinais, neste sábado (17), com a decisão do título no domingo.

Esta foi a sexta participação seguida de Melo no Finals – recordista entre os brasileiros –, a quinta de Kubot e a segunda jogando juntos – terminaram como vice-campeões no ano passado. Marcelo foi vice, também, em 2014, ao lado do croata Ivan Dodig. Melo e Kubot estão na terceira colocação no ranking mundial de duplas. A liderança é de Marach e Pavic. No ranking mundial individual de duplas, dividem a sétima colocação.

Foto: ATP / Divulgação

Bruno Soares e Jamie Murray encerram a 1ª fase invictos e em 1º do grupo no ATP Finals

Bruno Soares e Jamie Murray terminaram a fase de grupos do ATP Finals invictos. A primeira dupla a se classificar para as semifinais do torneio que reúne as oito melhores duplas da temporada na Arena O2, em Londres, derrotou os atuais campeões Henri Kontinen e John Peers de virada, com parciais de 3/6 7/6(3) 10-3.

Inicialmente programados para enfrentar Nikola Mektic e Alexander Peya, Bruno e Murray viram seus adversários serem trocados no dia anterior. Peya desistiu da competição por lesão no cotovelo, com a dupla sendo substituída por Henri Kontinen e John Peers.

“Estou super feliz. Conseguimos fechar o grupo com 100% de aproveitamento e jogando bem, com confiança. E agora é mais uma oportunidade de jogar semifinal aqui, já é a minha quarta. Mas vale lembrar que nas três vezes que caí na semifinal, eu também me classifiquei em primeiro no grupo. Ou seja, num torneio como esse, isso não diz nada. Quem vai pra semifinal está jogando muito”, disse Soares, reconhecendo a dificuldade dos futuros adversários.

É a terceira semifinal consecutiva que a dupla disputa no ATP Finals. Classificados em primeiro lugar no Grupo Llodra/Santoro, Bruno e Jamie enfrentarão os segundos colocados do Grupo Knowles/Nestor, que conta com Marach/Pavic, Kubot/Melo, Bryan/Sock e Herbert/Mahut na disputa. A semifinal acontecerá neste sábado, com horário a ser definido.

“O outro grupo é o grupo da morte, pela qualidade dos jogadores. Os dois que saírem daquele grupo vão sair muito fortes, todo mundo ali já ganhou Grand Slam. Agora é se preparar. Amanhã temos um dia de descanso, mais um dia pra estudar os adversários. O que vier é pedreira, mas estamos confiantes e jogando bem, agora é tentar executar isso aí mais uma vez”, finalizou o mineiro, confiante com a forma atual.

Soares e Murray estão disputando o ATP Finals pelo terceiro ano consecutivo. Semifinalistas na última edição, o time duas vezes campeão de Grand Slams busca superar seu melhor desempenho no último torneio do ano. Em 2018, a dupla foi campeã em três oportunidades, levantando os troféus no Masters 1000 de Cincinnati e nos ATPs 500 de Washington e Acapulco. Além dos três títulos no ano, Bruno e Murray também foram vice-campeões em Xangai, Queen’s e Doha.

Melo ainda busca difícil classificação

Marcelo Melo e Lukasz Kubot vão decidir a classificação para as semifinais do ATP Finals na terceira e última rodada da fase de grupos, na O2 Arena, em Londres, na Inglaterra. Nesta quarta-feira (14), Melo e Kubot – cabeças de chave número 3 – foram derrotados pelos franceses Pierre-Hugues Herbert e Nicolas Mahut – cabeças 8 – por 2 sets a 0, parciais de 6/2 e 6/4, em 1h10min. Com duas derrotas no Grupo Knowles/Nestor, enfrentam nesta sexta-feira (16) o austríaco Oliver Marach e o croata Mate Pavic – cabeças 1.

Melo e Kubot precisam vencer Marach e Pavic  em dois sets e dependem, ainda, de uma derrota de Herbert e Mahut também em sets diretos, para tentar a vaga no critério de game average. Herbert e Mahut jogam contra os norte-americanos Mike Bryan e Jack Sock- cabeças 5 -, que tem duas vitórias e lideram o grupo.

Melo e Kubot perdem para Bryan e Sock na estreia do ATP Finals

O mineiro Marcelo Melo e o polonês Lukasz Kubot – cabeças de chave número 3 – não passaram pelos norte-americanos Mike Bryan e Jack Sock – cabeças 5 – nesta segunda-feira (12), na partida de estreia da fase de grupos do ATP Finals. O torneio reúne as oito melhores duplas da temporada, na O2 Arena, em Londres, na Inglaterra. Bryan e Sock – campeões em Wimbledon e no US Open – marcaram 2 sets a 0, parciais de 6/3 e 7/6 (7-5), em 1h27min.

Agora, Melo e Kubot vão em busca da primeira vitória nesta quarta-feira (14), pela segunda rodada do Grupo Knowles/Nestor, diante dos franceses Pierre-Hugues Herbert e Nicolas Mahut – cabeças 8 -, atuais campeões de Roland Garros, de quem ganharam no único confronto do ano, nas oitavas de final do US Open. Na outra partida, Bryan e Sock enfrentarão os principais favoritos, o austríaco Oliver Marach e o croata Mate Pavic – vencedores do Australian Open. Na estreia, Marach e Pavic derrotaram Herbert e Mahut por 2 a 0 – 6/4 e 7/6 (7-3).

“Este é o grupo mais difícil que já enfrentei nesses seis anos que disputo o Finals. Todos os nossos adversários foram campeões de Grand Slam nesta temporada. O jogo de hoje foi muito duro. Tínhamos perdido para eles na final do US Open, mas jogamos bem melhor. Foi uma partida de muitos detalhes, ainda mais no segundo set, quando chegamos a ter várias chances e até um set point. Agora é focar para o jogo diante os franceses, pois ainda temos chances de passar para as semifinais. A pressão aumenta um pouco, mas temos de saber lidar com isso”, disse Melo.

O ATP Finals será disputado até este domingo (18). Na primeira fase, as duplas são divididas em dois grupos, jogando todas contra todos dentro da chave. As duas melhores de cada um disputam as semifinais, no sábado (17). A decisão do título será no domingo.

Soares/Murray e Melo/Kubot conhecem adversários da fase de grupos no ATP Finals

As oito melhores duplas da temporada estarão reunidas em Londres, na Inglaterra, para a disputa do ATP Finals, torneio que encerra o ano. As disputas serão realizadas entre este domingo (11) e o dia 18, na O2 Arena, na capital inglesa. Marcelo Melo e Lukasz Kubot, vice-campeões no ano passado, estreiam na segunda-feira (12), diante dos norte-americanos Mike Bryan e Jack Sock. Cabeças de chave número 3, jogarão a primeira fase no Grupo Knowles/Nelson, após o sorteio dos grupos e definição da primeira rodada.

Mark Knowles, das Bahamas, e Daniel Nestor, do Canadá, campeões em 2007, dão nome ao forte grupo que terá, ao lado de Melo e Kubot, os cabeças de chave número 1, o austríaco Oliver Marach e o croata Mate Pavic – campeões do Australian Open; os norte-americanos Mike Bryan e Jack Sock – cabeças 5, que conquistaram os títulos em Wimbledon e no US Open; e os franceses Pierre-Hugues Herbert e Nicolas Mahut – cabeças 8, vencedores em Roland Garros. O Grupo Llodra/Santoro (homenagem aos franceses Michael Llodra e Fabrice Santoro, campeões em 2005) reúne as duplas Juan Sebastian Cabal (COL) / Robert Farah (COL), cabeças 2; Jamie Murray (GBR) / Bruno Soares (BRA), cabeças 4; Raven Klaasen (RSA) / Michael Venus (NZL), cabeças 6; e Nikola Mektic (CRO) / Alexander Peya (AUT), cabeças 7.

Melo e Kubot disputam a edição 2018 com muita confiança, após os resultados conquistados em setembro e outubro, como o vice-campeonato no US Open e os dois títulos na China – ATP 500 de Beijing e Masters 1000 de Xangai. Neste ano, no total, levantaram quatro troféus, com o ATP 250 de Sidney e o ATP 500 de Halle. Agora, a dupla inicia os treinos na O2 Arena nesta quinta-feira (8). Na semana passada, no Masters 1000 de Paris, na capital francesa, chegaram até as quartas de final.

“Estamos jogando muito bem, com confiança. Tivemos uma semana de intervalo entre Paris e Londres. Agora é iniciar os treinos na O2 Arena, aproveitar o momento e jogar o nosso melhor”, afirma Marcelo, patrocinado pela Centauro, BMG e Itambé, com o apoio da Volvo e Confederação Brasileira de Tênis.

Será a sexta participação seguida de Melo no Finals – recordista entre os brasileiros –, a quinta de Kubot e a segunda juntos. No ano passado, Melo e Kubot disputaram a final diante do finlandês Henri Kontinen e do australiano John Peers, que nesta edição não se classificaram entre os oito, após conquistarem os títulos em 2016 e 2017, ficando em nono, como dupla alternativa. Marcelo foi vice-campeão também em 2014, jogando ao lado do croata Ivan Dodig, contra os irmãos Bryan – Bob e Mike.

Na atualização desta semana na ATP, Melo e Kubot aparecem na terceira colocação no ranking mundial de duplas, com 5.430 pontos. A liderança é do austríaco Oliver Marach e do croata Mate Pavic, com 7.700, seguidos dos colombianos Juan Sebastian Cabal e Robert Farah, com 5.830. No ranking mundial individual de duplas, dividem a sétima colocação, com 5.160 pontos.

Bruno Soares e Jamie Murray, que foram semifinalistas nas últimas duas edições, estão com a expectativa alta para mais uma grande apresentação em terras inglesas.

“A expectativa é a maior possível. É o melhor torneio do ano, na quadra em que todo mundo quer jogar. É onde a gente sonha estar no começo da temporada e estamos aqui, de volta. Agora é treinar bastante nesta semana para se adaptar com essas condições. O bom daqui é que é o único torneio do ano em que a gente realmente tem tempo de se preparar no local, então é fazer uma boa semana de treino e ir com tudo no domingo,” disse Soares, animado por estar mais uma vez entre os melhores e destacando a preparação que já vem sendo feita na capital inglesa.

A partida de estreia de Bruno e Murray acontecerá no primeiro dia de competição, no domingo (11), abrindo a programação do Finals. “Muito legal que vamos jogar no domingo, abrindo o evento. Aqui não tem muito o que escolher, não. São as oito melhores duplas da temporada e, pra onde cair, é porrada. A gente estreia contra Klaasen/Venus e, no confronto direto, está 2 a 1 pra gente, com todos os jogos bem duros,” relatou o mineiro, que não espera vida fácil no último torneio da temporada.

Vindo de derrotas nas estreias do ATP 500 de Viena e do Masters 1000 de Paris, Bruno não vê um abalo na confiança da dupla para o Finals. “Foram duas semanas em que a gente não conseguiu jogar nosso melhor. Em Viena, a gente realmente jogou bem abaixo. Agora, em Paris, acho que não jogamos tão mal. Nós perdemos para uma dupla que estava inspirada, jogaram super bem naquele dia, tanto que o resultado mostrou e eles foram os campeões do torneio. Nós estamos acostumados com os altos e baixos e esses resultados não vão afetar a nossa confiança pro Finals. Agora, aqui em Londres é difícil de pegar ritmo ao longo do torneio, é pedreira pra todo lado. A gente tem que tentar chegar afiado desde o primeiro jogo,” finalizou Bruno, focado numa boa estreia.

É a quinta vez que o brasileiro disputa o ATP Finals, sendo a terceira ao lado de Murray. Soares atingiu a semifinal em três oportunidades, caindo para os campeões na últia edição. Em 2018, a dupla do mineiro e do britânico foi campeã no Masters 1000 de Cincinnati e nos ATP 500s de Washington e Acapulco, além dos vice-campeonatos em Xangai, Queen’s e Doha.

Melo e Kubot perdem nas quartas em Paris e seguem para o ATP Finals

Marcelo Melo e Lukasz Kubot pararam nas quartas de final do Masters 1000 de Paris e, agora, deixam a capital francesa e voltam o seu foco para Londres, na Inglaterra. Lá, a partir do dia 11, disputam o ATP Finals, torneio que encerra a temporada, com a participação das oito melhores duplas de 2018. Nesta sexta-feira (2), os cabeças de chave número 3 e atuais campeões não passaram pelo espanhol Marcel Granollers e pelo norte-americano Rajeev Ram. Os adversários marcaram 2 sets a 0, parciais de 6/1 e 6/4, em 1h03min.

“Hoje, eles realmente jogaram um outro nível de tênis, muito bem, do começou ao fim. Nós tentamos de tudo, trocamos várias formas de jogar, mas nos surpreenderam, jogando muito bem. Faz parte, às vezes encaixa o dia e, hoje, estava no dia deles. Não jogamos mal, jogamos normal, mas não conseguimos encontrar uma saída pelo nível que estavam”, disse Melo.

“Agora é descansar um pouco e começar os treinos de novo já em Londres, pensando no Finals. Devemos chegar na segunda-feira próxima. Vamos focar. Estamos jogando bem, com confiança alta para Londres”, completou.

Será a sexta participação seguida de Melo no Finals – recordista entre os brasileiros –, a quinta de Kubot e a segunda juntos – foram vice-campeões em 2017. No ranking mundial de duplas, que define quem disputará o torneio, Melo e Kubot ocupam o terceiro lugar, com 5.250 pontos. Já no ranking mundial individual de duplas, dividem a quarta colocação, com 6.690 pontos.

Melo e Kubot vencem dupla de Tsitsipas e, nesta 6ª feira, buscam vaga na semi em Paris

Marcelo Melo e Lukasz Kubot conquistaram nesta quinta-feira (1º), na estreia do Masters 1000 de Paris, a 40ª vitória do ano. Cabeças de chave número 3 e atuais campeões na capital francesa, venceram, de virada, a dupla formada pelo paquistanês Aisam Ul-Haq Qureshi e o grego Stefanos Tsitsipas para garantir lugar nas quartas de final: 2 sets a 1, parciais de 5/7, 6/2 e 10-7, em 1h43min. Nesta sexta-feira (2), buscam um lugar na semifinal diante do espanhol Marcel Granollers e do norte-americano Rajeev Ram. Jogo será por volta das 11h30 (horário de Brasília).

“Começamos bem aqui em Paris. Tivemos uma estreia complicada. Saímos abaixo o primeiro set, melhoramos muito no segundo e finalizamos bem o match tie-break. Ficamos contentes por ter superado os altos e baixos durante o jogo, especialmente em uma estreia. Agora é continuar firme. Pela frente, uma dupla que não tem o costume de jogar junta, mas os dois jogam muito bem. Vamos aproveitar, tirar os melhores momentos dessa rodada para começar mais forte ainda o próximo jogo”, disse Melo.

Após um primeiro set muito equilibrado, definido apenas no 12º e último game, com os adversários conseguindo a quebra para fechar em 7/5, Melo e Kubot dominaram totalmente a segunda série. Com dois breaks – no terceiro e no quinto games – marcaram 6/2 para levar a definição para o match tie-break. Qureshi teve de ser atendido por duas vezes pelo fisioterapeuta nesse set, mas seguiu no jogo. No match tie-break, quebras para as duas duplas. Com duas de vantagem, Melo e Kubot fecharam em 10-7 para dar o primeiro passo na defesa do título em Paris.

A dupla já está classificada para o ATP Finals, torneio que encerra a temporada em Londres, na Inglaterra, entre os dias 11 e 18 deste mês, com a presença das oito melhores parcerias de 2018. Será a sexta participação seguida de Melo – recordista entre os brasileiros –, a quinta de Kubot e a segunda juntos. No ranking mundial de duplas, que define quem disputará o Finals, Melo e Kubot  ocupam o terceiro lugar, com 5.250 pontos. Já no ranking mundial individual de duplas, Melo e Kubot dividem o quarto lugar, com 6.690 pontos.