Jovem canadense Andreescu vence Serena em NY e conquista o título do US Open

A canadense Bianca Andreescu fez História! Neste sábado, a jovem canadense conquistou o título do US Open, em sua primeira participação na chave principal do Grand Slam nova-iorquino.

Aos 19 anos, a canadense, que foi apenas a segunda tenista do seu país a chegar à final de um Grand Slam em toda História – a outra foi Eugenie Bouchard, em Wimbledon/2014 – conseguiu algo gigantesco diante de uma das maiores – ou maior – tenista de todos os tempos.

Jogando em um Arthur Ashe Stadium lotado, como era esperado, quase todo ele torcendo pra tenista da casa, claro, ela não se impôs, manteve seu jogo super agressivo, ótimo saque, excelente movimentação pra bater Serena Williams em sets diretos.

Mesmo assim, não foi fácil. Depois de anotar 6/3 no 1º set, ela abriu 5/1 no 2º, teve match-point, mas viu a reação da Serena que, apoiada pelo público, foi buscar a igualdade, devolvendo duas quebras de saque.

Porém, Andreescu mostrou toda sua personalidade pra voltar a confirmar o saque e anotar a quebra decisiva em seguida, com uma bela devolução vencedora. 7/5 e fim de jogo.

Com isso, a norte-americana mantém seus 23 títulos de Grand Slam e adia a chegada ao recorde de Margareth Court, que tem 24.

Andreescu ratifica seu ótimo momento, já que vem de uma temporada muito boa, inclusive com o título em Indian Wells e Toronto.

Foto: Cynthia Lum

 

Andreescu e Serena farão aguardada final do US Open, neste sábado

Aquele velho clichê: conflito de gerações. Assim será a grande final feminina do US Open, quarto e último Grand Slam da temporada, disputado no piso duro de Nova Iorque, nos Estados Unidos.

Serena Williams conseguiu sua vaga com certa tranquilidade na tarde desta quinta-feira ao bater o ucraniana Elina Svitolina, em sets diretos, com parciais de 6/3 e 6/1.

Com isso, a norte-americana segue pra tentar conquistar o 7º título do US Open, o que também significaria igualar a marca de 24 títulos de Grand Slam de Margareth Court.

Porém, a tarefa dela não deve ser fácil, já que terá pela frente uma das maiores revelações do circuito da atualidade, pois vai encarar a jovem Bianca Andreescu.

A canadense de apenas 19 anos, que disputa a chave principal do seu US Open pela primeira vez na carreira, conseguiu sua vaga depois de vencer a partida diante da suíça Belinda Bencic, com parciais de 7/6(3) e 7/5.

Vale lembrar a fase espetacular de Andreescu que, obviamente, busca seu primeiro título de Slam, e já conquistou neste ano os títulos de Newport, Indian Wells e Toronto, torneio no qual enfrentou Serena na final, mas viu a adversária abandonar a partida ainda no primeiro set, com uma lesão, quando a canadense vencia por 3/1.

A final feminina está marcada para este sábado, às 17h, horário de Brasília.

Foto: Cynthia Lum

 

 

 

Serena tem atuação impressionante e chega fácil à semi do US Open pra enfrentar Svitolina

A chave feminina do US Open tem a sua primeira e sem surpresa no Grand Slam disputado no piso duro de Nova Iorque.

Em uma das partidas mais avassaladoras dos últimos tempos, Serena Williams não tomou conhecimento da chinesa Qiang Wang, precisando de apenas 45 minutos pra vencer por 6/1 e 6/0, com uma quantidade impressionante de winners.

Essa foi a vitória nº 100 da norte-americana no Slam norte-americano e agora ela segue para mais uma semifinal.

Sua adversária conseguiu a vaga ainda na rodada diurna e será a ucraniana Elina Svitolina, que jogou de forma consistente pra bater a britânica Johanna Konta por duplo 6/4.

As duas já se enfrentaram cinco vezes ao longo da carreira, com 4 vitórias de Serena, sendo que Svitolina venceu o confronto mais recente, nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016.

 

Chinesa Wang surpreende, elimina Barty e enfrenta Serena nas quartas do US Open

Logo na primeira partida do dia, a chinesa Qiang Wang foi responsável por uma bela surpresa em Nova Iorque ao vencer a australiana Ashleigh Barty, nas oitavas de final do US Open.

Depois de começar muito bem e abrir vantagem no segundo set, a chinesa teve certa dificuldade pra fechar o jogo, confirmando o belo resultado em sets diretos, com parciais de 6/2 e 6/4.

Agora, ela deverá ter mais uma parada muito dura pela frente, já que enfrenta a norte-americana Serena Williams, que se impôs sobre a croata Petra Martic, vencendo também em sets diretos, por 6/3 e

Dessa forma, Serena segue em busca do heptacampeonato do torneio e fará seu primeiro confronto diante da chinesa que é nº 18 do mundo.

Pliskova vira sobre tunisiana e marca encontro com Konta nas 8ªs do US Open. Serena também vence

Algumas das principais favoritas da chave já estão nas oitavas de final do US Open, quarto e último Grand Slam da temporada, disputado no piso duro.

A tcheca Karolina Pliskova, nº 3 do mundo, fez um grande primeiro set, mas precisou de três parciais pra superar a tunisiana Ons Jabeur por 6/1 4/6 e 6/4.

Agora, ela marcou um belo confronto contra a britânica Johanna Konta, que teve vida mais fácil diante da chinesa Shuai Zhang, vencendo por 6/2 e 6/3.

Serena Williams foi outra que perdeu apenas cinco games ao passar pela tcheca Karolina Muchova, 6/3 6/2, e será favorita também nas oitavas diante a croata Petra Martic, que anotou 6/4 e 6/3 sobre a letã Anastasija Sevastova.

Serena arrasa Sharapova na estreia do US Open

O jogo teve toda a “antecipação” de uma final, desde que a chave foi sorteada na 5a. feira: Serena Williams x Maria Sharapova.

Apesar de não ser uma rivalidade, já que a americana vencera 19 dos 21 confrontos entre as duas até então, era um confronto que normalmente acontecia em finais de Grand Slam e entre duas das maiores campeãs dos últimos muitos anos da WTA. Serena com 23 trofeus de Grand Slam e Sharapova com 5.

Ambas não vivem a melhor fase, mas tenta ressurgir. Apesar de Serena estar bem melhor do que a russa que também já foi número um do mundo, tendo alcançado três finais de Slam desde que voltou a competir no início do ano passado, após o nascimento da filha Olympia, é a oitava do mundo e ainda não venceu um torneio desde o retorno. Sharapova não conseguiu voltar ao top 20 desde que retomou as competições após ter sido afastada do circuito pro mais de ano e vem sofrendo com diversas lesões, especialmente a de ombro que sempre a perseguiram na carreira.

Mas, mesmo assim era um duelo de duas grandes personalidades da história do circuito; dois grandes contrastes dentro e fora das quadras.

No entanto, quando o jogo começou, só Serena Williams brilhou. Venceu em apenas 59 minutos cedendo apenas dois games.

Sharapova saiu da quadra rapidamente. Vai sair do top 100 e provavelmente precisará repensar a carreira. Não esperava-se muito da russa, mas não se imaginava que não fosse oferecer resistência alguma, independente da performance da Serena.

“Vi que enfrentaria uma 5x campeã de Grand Slam e sabia que tinha que me preparar muito para esse confronto,” disse Serena, quando perguntada sobre o sorteio da chave. “Desde então venho treinando duro e me mantive muito focada. Sabia que contra uma grande jogadora precisava trazer o meu melhor jogo.”

A demonstração de gala foi diante de um Arthur Ashe Stadium lotado, na noite de abertura do US Open, uma experiência das mais especiais no circuito, com direito a homanagem para Rod Laver e os seus 2 calendar Slams e show de música e hino americano antes da entrada das estrelas em quadra.

“Eu já tive derrotas difícies, mas voltar aqui a cada ano e sentir esse amor de vocês é o que me faz continuar jogando,” finalizou Serena, que joga em busca do 24o. Grand Slam da carreira.

A próxima adversária da maior jogadora de todos os tempos da atualidade é a também americana Cathy Mcnally.

Para ver todos os resutlados da chave feminina no 1o. dia de jogos do US Open, clique aqui

Diana Gabanyi

US Open começa na segunda-feira com aguardado confronto entre Serena e Sharapova

O US Open, quarto Grand Slam da temporada, começa na próxima segunda-feira, horário de Brasília, e logo com um dos jogos mais aguardados da primeira rodada.

Serena Williams terá pela frente, jogando em casa, uma de suas principais rivais, a russa Maria Sharapova, que vem buscando sua melhor forma depois da suspensão por doping que enfrentou.

Hexacampeã do torneio que não conquista desde 2014, Serena, atual nº 8 do mundo, vai encarar uma adversária que, apesar da rivalidade, venceu apenas 2 dos 21 confrontos que fizeram, sendo que o triunfo mais recente da russa foi em 2014.

No ano passado, em Roland Garros, elas quase se enfrentaram pela primeira vez desde 2016, mas a norte-americana abandonou antes de entrar em quadra.

O aguardado jogo está marcado para abrir a programação noturna do Arthur Ashe Stadium.

Quem também joga na principal quadra do torneio é a australiana Ashleigh Barty, nº 2 da WTA, que abre a programação diurna diante da cazaque Zarina Diyas.

Destaque também para a partida da tcheca Karolina Pliskova contra a compatriota Tereza Martincova, no Louis Armstrong Stadium.

 

Halep joga muito, erra pouco e vence Serena em menos de 1 hora para conquistar Wimbledon

Simona Halep não apenas foi campeã, mas deu um show na final de Wimbledon, terceiro Grand Slam da temporada, disputado na grama de Londres, na Inglaterra.

Com um nível de atuação fora do normal, até mesmo para os seus padrões, ela correu muito, errou pouco – apenas 3 erros não forçados em toda a partida –  e simplesmente não tomou conhecimento de Serena Williams, que pouco fez para impedir a vitória de Halep por duplo 6/2 em apenas 55 minutos de partida.

“Ela jogou muito bem. Eu só estava tentando coisas diferentes. Hoje, nada realmente ajudou, mas eu também errei muito” disse Serena depois da partida.

Com o resultado, a norte-americana continua a um título de igualar o recorde de Slams de Margaret Court, que tem 24,, e a 2 de se tornar a maior detentora dos quatro principais torneios da temporada.

Já Halep faz História pro tênis romeno, já que se tornou a primeira tenista do país campeã de Wimbledon. Além disso, ela conquista seu segundo Slam, depois do triunfo em Roland Garros, no ano passado.

A conquista fará Halep subir 3 postos no ranking da WTA, indo ao 4º lugar, enquanto Serena subirá uma posição, chegando ao 9º.

Fotos: Cynthia Lum

 

 

Halep chega à final de Wimbledon pela 1ª vez e desafia heptacampeã Serena, que busca recorde

A quinta-feira foi de poucas surpresas em Wimbledon, com vitória das favoritas na chave feminina do terceiro Grand Slam da temporada, disputado na grama de Londres.

No primeiro jogo do dia, Simona Halep impôs toda sua solidez diante da ucraniana Elina Svitolina, perdeu apenas 3 games e venceu por 6/1 e 6/3.

Com isso, a romena chega à final de Wimbledon pela primeira vez na carreira, depois da semi de 2014 e as quartas de 2016 e 2017.

Na decisão deste sábado, ela terá pela frente nada menos do que Serena Williams, que cresceu ao longo da competição e que passou pela tcheca Barbora Strycova na semi, com parciais de 6/21 e 6/2.

Heptcampeã do torneio, Serena busca recuperar a hegemonia em Londres depois do vice-campeonato do ano passado, quando perdeu para a alemã Angelique Kerber.

Aos 37 anos, a norte-americana se tornou a tenista mais velha a alcançar uma final de Slam na era aberta e terá a chave de igualar a australiana Margaret Court, como a tenista com mais títulos dos quatro principais torneios da temporada, com 24 conquistas.

Serena e Halep já se enfrentaram 10 vezes ao longo da carreira, com 9 vitórias da norte-americana. O único triunfo da romena foi no WTA Finals de 2014.

Foto: Cynthia Lum

 

 

Bruno Soares e Melichar vencem Murray e Serena e avançam às quartas de Wimbledon

O tenista brasileiro Bruno Soares e a americana Nicole Melichar avançaram nesta quarta-feira às quartas de final de duplas mistas do torneio de Wimbledon com uma vitória diante da dupla mais falada do campeonato, a de Andy Murray e Serena Williams, por 6/3 4/6 6/2.

Apesar de já ter enfrentando Andy Murray anteriormente e de ter jogado ao lado de Serena Williams na IPTL, o brasileiro disse que foi uma quarta-feira especial:

“Na prática é um jogo bem diferente por causa da expectativa e dos rivais, apesar de ser uma oitavas de dupla mista que já jogamos várias vezes. Enfrentar a Serena e o Andy torna esse momento muito diferente e muito mais especial. Claro que tem uma pressão extra. Você sabe que o mundo todo está de olho, mas conseguimos administrar e jogar super bem. Independente da viória ou da derrota foi uma experiência especial. Toda vez que temos uma oportunidade de jogar com esses campeões do nosso esporte é algo diferente e especial. A atmosfera na quadra estava incrível e ter ganho foi a cereja do bolo. Tive um dia muito especial.”

Cabeças-de-chave 1 da chave de duplas mistas de Wimbledon, Bruno e Melichar voltam a jogar nesta quinta, contra o holandês Matwe Middelkoop e a chinesa Zhaouxuan Yang, valendo vaga na semifinal do Grand Slam.