Bellucci vence outra e vai às 8ªs em Newport Beach. Monteiro bate Feijão no Uruguai

Thomaz Bellucci conseguiu sua segunda vitória seguida no Challenger de Newport Beach, nos Estados Unidos, que é disputado no piso duro.

Nesta terça-feira, o brasileiro passou bem pelo alemão Dominik Koepfer, em sets diretos, com um duplo 6/4, conquistado sua vaga nas oitavas de final do torneio.

Agora, por vaga nas quartas de final, ele terá um desafio que deve ser mais duro pela frente, já que enfrenta o sérvio Miomir Kecmanovic, nº 125 do mundo e cabeça de chave nº 7. Os dois já se enfrentaram duas vezes, ambos no ano passado e em Challengers, com Bellucci vencendo em Tallahassee e Kecmanovic levando a melhor em Lisboa.

Já no Challenger de Punta del Este, no Uruguai, disputado no saibro, Thiago Monteiro levou a melhor no confronto nacional contra João Souza, ao triunfar com parciais de 7/6(6) 6/2 e garantindo sua vaga nas oitavas para enfrentar na quinta-feira o chileno Gonzalo Lama, que superou o brasileiro nas duas partidas disputadas entre eles até o momento.

Também no Uruguai, Pedro Sakamoto perdeu na primeira rodada para o argentino Matias Descotte, com parciais de 6/4 e 6/1,

Para esta quarta-feira está marcada a estreia de Rogério Dutra Silva, o Rogerinho, já na segunda rodada, enfrentando o colombiano Alejandro Gonzalez, nº 326 da ATP. Os dois já se enfrentaram cinco vezes, com três vitórias de Gonzalez.

No Challenger de Burnie, na Austrália, disputado no piso duro, Guilherme Clezar parou na primeira rodada diante do local Jeremy Beale, que venceu por 6/2 e 6/4.

Bellucci vence português em Challenger nos EUA. Feijão e Sorgi vence no Uruguai

Thomaz Bellucci estreou com boa vitória no Challenger de Newport Beach, nos Estados Unidos, que é disputado no piso duro.

Nesta segunda-feira, o brasileiro superou o português Gastão Elias, em sets diretos, com parciais de 7/5 e 6/4, se classificando para a segunda rodada.

Seu próximo adversário, já nesta terça-feira, será o alemão Dominik Koepfer, nº 160 do mundo. Os dois já se enfrentaram uma vez, no quali do ATP de Wintson-Salem, no ano passado, com vitória do jogador europeu em três sets.

No Challenger de Punta del Este, no Uruguai, disputado no saibro, João Pedro Sorgi superou a primeira rodada ao bater o italiano Fabrizio Ornago por duplo 6/4, enquanto João Souza passou pelo norte-americano Preston Brown.

Sorgi, agora, enfrenta o eslovaco Andrej Martin, enquanto Feijão faz um confronto brasileiro contra Thiago Monteiro, já nesta terça.

Também em Punta del Este, Thiago Wild perdeu de virada para o argentino Gonzalo Villanueva, com parciais de 1/6  6/4 e 6/3, João Menezes perdeu para o francês Alexandre Muller por 6/2 6/1 e Oscar Gutierrez foi superado pelo chileno Gonzalo Lama por 7/6(2) e 6/2.

Bellucci estreia nesta 2ª feira em Challenger nos EUA. 5 brasileiros jogam no Uruguai

Thomaz Bellucci estreia nesta segunda-feira no Challenger de Newport Beach, nos Estados Unidos, que é disputado no piso duro.

O brasileiro, que vem do quali do Australian Open, terá pela frente um velho conhecido dos brasileiros, já que enfrenta o português Gastão Elias, nº 245 do mundo.

Os dois já se enfrentaram duas vezes, com o brasileiro vencendo no piso duro do ATP de Shenzen, em 2016, e o português levando a melhor no Challenger de Braunschweig, em 2017.

No Challenger de Punta del Este, no Uruguai, disputado no saibr, Thiago Wild joga a primeira rodada nesta segunda-feira, diante do argentino Gonzalo Villanueva. Em dois confrontos anteriores entre eles, uma vitória pra cada lado.

Mais quatro brasileiros entram em quadra nesta segunda, com João Souza enfrentando o jovem norte-americano Preston Brown, João Pedro Sorgi encarando o italiano Fabrizio Ornago e João Menezes jogando contra o francês Alexandre Muller.

Pra finalizar, Oscar Gutierrez terá pela frente o chileno Gonzalo Lama, nº 633 do mundo, em outro confronto que será inédito.

Rogerinho perde para britânico em Melbourne e Bellucci leva virada de Rosol

O segundo dia não foi bom pro Brasil no qualifying do Australian Open, primeiro Grand Slam da temporada, disputado no piso duro de Melbourne.

Primeiro a entrar em quadra pra fazer sua estreia, Rogério Dutra Silva não manteve o embalo após o título do Challenger de Playford, e foi facilmente superado pelo britânico Daniel Evans, com parciais de 6/2 e 6/3.

Depois, já na madrugada desta quarta-feira, horário de Brasília, Thomaz Bellucci fez um jogo equilibrado diante do tcheco Lukas Rosol, mas perdeu de virada, com parciais de 2/6 6/3 e 6/4.

O terceiro dia de quali terá a segunda partida do único brasileiro que segue na chave, Thiago Monteiro, que terá pela frente o francês Gregoire Barrere.

Monteiro vira sobre australiano no quali do Australian Open. Clezar perde

Thiago Monteiro conseguiu uma ótima virada e passou pela estreia do qualifying do Australian Open, primeiro Grand Slam da temporada, disputado no piso duro de Melbourne.

O brasileiro saiu atrás, mas conseguiu se recuperar e vencer o australiano Aleksandar Vukic, com parciais de 3/6 7/6(5) e 6/3, garantindo sua vaga na segunda rodada.

Agora, Monteiro terá pela frente o francês Gregoire Barrere, nº 158 do mundo. Os dois já se enfrentaram duas vezes, com o brasileiro levando a melhor no saibro do Challenger de Lyon, em 2016, enquanto o francês venceu no quali de Wimbledon, no ano passado.

Quem não conseguiu vencer foi Guilherme Clezar, que fez um jogo muito duro contra o alemão Rudolf Molleker, mas acabou superado em dois tiebreaks, com parciais de 7/6(10) e 7/6(6).

Na noite desta terça-feira, o Brasil entra em quadra novamente, com Rogério Dutra Silva fazendo sua estreia no quali diante do britânico Daniel Evans.

Já na madrugada de quarta-feira, Thomaz Bellucci fará sua primeira partida em Melbourne, enfrentando o experiente tcheco Lukas Rosol.

Monteiro e Clezar jogam no 1º dia do quali do Australian Open. Bellucci e Rogerinho conhecem adversários

Foi sorteada nesta segunda-feira a chave do qualifying do Australian Open, primeiro Grand Slam da temporada, disputado no piso duro de Melbourne.

O primeiro tenista do país a entrar em quadra será Guilherme Clezar, que terá pela frente, por volta da 0h da madrugada de terça-feira, o alemão Rudolf Molleker, nº 200 do mundo, em confronto que será inédito.

Quem também joga no primeiro dia é Thiago Monteiro, que enfrenta o local Aleksandar Vukic, nº 340 da ATP, em outro confronto inédito.

No segundo dia, quem vai jogar é Thomaz Bellucci, encarando o experiente tcheco Lukas Rosol. Os dois já se enfrentaram quatro vezes, com três vitórias do brasileiro.

Embalado pelo título do Challenger de Playford City, Rogério Dutra Silva joga contra o britânico Daniel Evans. Será o primeiro jogo entre eles.

Thomaz Bellucci já está na Austrália e joga o quali em Melbourne

O tenista brasileiro Thomaz Bellucci já está na Austrália para iniciar sua participação na temporada 2019. Após um mês de treinamento na IMG Academy, nos EUA, o paulista disputa na próxima semana o qualifying do Australian Open, o primeiro Grand Slam do ano, em Melbourne.

“A pré-temporada foi muito boa. Tanto na quadra quanto na parte física. Consegui trabalhar muitas coisas que durante a temporada é mais difícil pela falta de tempo, porque são muitos torneios seguidos. Consegui fazer quatro semanas de treino, focar em coisas bem específicas. Foi bem legal estar preparado para começar a temporada e ter um ano melhor que o ano passado”, disse Bellucci, atual 225º do ranking.

Ex-número 21 do ranking e campeão de quatro títulos de ATP, Bellucci é treinado pelo espanhol German Lopez. Em 2019, o ex-top 100 e atual treinador Thiago Alves também fará parte da equipe de Bellucci e viajará com o tenista em alguma competições, depois de ter feito parte do time na pré-temporada na Flórida, junto a Lopez. Paralelamente, Thiago Alves manterá o trabalho no Time Guga e no clube de São José do Rio Preto, com os tenistas Matheus Alves e Natan Rodrigues.

Bellucci jogará em Melbourne pela décima vez na carreira. O tenista de 31 anos tem como melhor desempenho no Slam australiano a segunda rodada da chave principal em 2010, 2011, 2012, 2014 e 2016. Ele tentará passar pelo qualifying pela segunda vez.

Depois de jogar o qualifying do Australian Open, Bellucci retorna aos Estados Unidos para disputar uma série de Challengers nos Estados Unidos, todos na quadra rápida: Newport Beach (21 janeiro), Cleveland (28 janeiro) e Dallas (04 fevereiro).

Bellucci inicia pré-temporada nos EUA e abre 2019 no quali do Australian Open

O tenista brasileiro Thomaz Bellucci, ex-número 21 do mundo, deixou o Brasil no início desta semana para começar a pré-temporada de 2019, nos Estados Unidos. Após um ano de mudanças e oscilações, o paulista busca estabilidade para retomar os bons resultados.

“É preciso olhar para frente agora, pensar em 2019 e tirar lições de tudo que aconteceu em 2018. Foi uma temporada abaixo do que costumo render, mas tenho a confiança de que posso voltar aos melhores resultados. Estou trabalhando duro para isso e acredito que seja questão de tempo para achar o caminho”, afirmou Bellucci, que treina na IMG Academy, em Bradenton, na Flórida, com o técnico espanhol German Lopez. O treinador estará ao lado de Bellucci durante parte do ano que vem, mas o brasileiro ainda definirá outro técnico para acompanhá-lo full time na temporada 2019.
Bellucci começará o ano disputando o qualifying do Australian Open, em Melbourne e depois partirá para a temporada sul-americana de saibro. “Com o meu ranking o planejamento de torneios é feito mais a curto prazo. A primeira meta é chegar perto dos 100 e disputar os qualifyings de torneios grandes, tentando sair um pouco dos Challengers. Depois disso, voltar para o top 100.”

Em 2018, brasileiros tiveram grande queda no aproveitamento em partidas contra top-100

Em uma rápida percepção, é possível notar que o tênis masculino brasileiro, pelo menos no que se refere aos simplistas, não vive uma boa fase. Pelo contrário.

Nos últimos anos, o Brasil vem perdendo força não apenas em relação ao ranking ou às conquistas de grandes títulos, mas também no que tange ao aproveitamento em quadra diante de jogadores bem posicionados na lista da ATP.

Fizemos um levantamento do número de vitórias dos brasileiros em partidas contra jogadores do top-100, comparando com anos anteriores, e o que se percebe é um declínio acentuado no número de vitórias dos atletas nacionais contra jogadores desta faixa do ranking que, vale dizer, nem é das mais privilegiadas quando se trata de grandes torneios.

Vale apontar que não foi levado em conta o torneio em disputa, mas sim o ranking do adversário em questão, sendo possível notar que um dos melhores números do Brasil foi em 2015, quando foram conquistadas, no total, 36 vitórias sobre top-100, com a seguinte distribuição e aproveitamento de 36%.

Em 2016, o número de vitórias já começou a cair, apesar do aumento no aproveitamento, para 41%, com destaque ainda para o triunfo de Thiago Monteiro sobre o francês Jo-Wilfried Tsonga, então número 9 do mundo, na primeira rodada do Rio Open, na partida que praticamente apresentou o cearense o mundo. Além disso, também se destaca a vitória de Thomaz Bellucci sobre o belga David Goffin (13º) durante os Jogos Olímpicos.

Já em 2017, os números continuavam piorando, com queda nas vitórias e no aproveitamento, apesar do bom resultado de Bellucci sobre o japonês Kei Nishikori (5º) na estreia do Rio Open e de Rogerinho sobre Monfils no ATP 250 de Umag, além da vitória de Feijão sobre o argentino Horacio Zeballos na estreia do Brasil Open, última vitória do brasileiro sobre um jogador nesta faixa de ranking, até o momento.

Na atual temporada, os números pioraram de vez, com os brasileiros conseguindo um número muito abaixo, impulsionado pela quase ausência de vitórias de Bellucci, que não vem em sua melhor fase, com lesões e uma pausa por doping recentemente. O aproveitamento na temporada? 28%, em apenas 39 jogos disputados contra top-100 em todo ano.

Vale destacar que a única vitória de Bellucci sobre um top-100 em 2018 foi sobre o eslovaco Martin Klizan, no Challenger de Gênova. Pior do que isso, o jogador melhor ranqueado batido por um brasileiro no ano foi o espanhol Fernando Verdasco, superado por Monteiro nas oitavas do ATP 500 de Hamburgo. Mesmo ex-top 10, Verdasco era o 33º do mundo na ocasião.

Também é importante mencionar que não são apenas os números de vitórias e aproveitamento que ficam bem abaixo neste ano, mas também o número de partidas realizadas. Isso aponta para o declínio dos brasileiros no próprio ranking da ATP, já que a faixa do top-100 joga, em boa parte das semanas, torneios ATP’s, enquanto os tenistas do país ficaram nos Challengers em boa parte da temporada.

Pelo 2º ano seguido, Brasil fecha o ano sem um top-100 no ranking de simples da ATP

Pelo segundo ano consecutivo, o Brasil vai fechar o ano sem um representante no top-100 masculino da ATP.

Neste ano, o melhor brasileiro ficou ainda mais longe em comparação ao ano de 2017, no que se refere à proximidade aos 100 melhores mundo, com Thiago Monteiro ocupando o 123º posto.

Em 2017, Rogerinho fechou o ano na 101ª posição, com Monteiro em 124º. Thomaz Bellucci perdeu muitos postos na comparação entre os dois anos, saindo do 113º lugar em 2017 para o 242º neste ano.

Guilherme Clezar era o 205º há um ano e agora é o 252º, enquanto João Souza fechou 2017 como 246º do mundo e atualmente é o 312º.