Nadal passa tranquilamente por Gasquet em Roland Garros. Goffin e Fognini vencem em 5 sets

Estão definidos mais classificados para as oitavas de final de Roland Garros, segundo Grand Slam da temporada, disputado no saibro parisiense.

Na manhã deste sábado, o russo Karen Khachanov concluiu sua vitória sobre o francês Lucas Pouille, por 3×0, enquanto o italiano Fabio Fognini foi ao 5º set pra vencer de virada o britânico Kyle Edmund, garantindo sua vaga.

Rafael Nadal, mais uma vez, teve uma atuação muito firme, vencendo o francês Richard Gasquet por 6/3 6/2 e 6/2, em jogo no qual chegou a abrir 3×0 no 1º set sem perder um único ponto. Nas oitavas, seu adversário será o alemão Maximilian Marterer, que passou pelo estoniano Jurgen Zopp por 3×0.

O argentino Diego Schwartzman vai disputar pela primeira vez as oitavas em Paris, depois de bater o croata Borna Coric por 3×0, enquanto seu próximo adversário, o sul-africano Kevin Anderson, precisou de quatro parciais pra vencer o alemão Mischa Zverev.

Nadal encara Fognini nas 4ªs do Masters 1000 de Roma. Djokovic enfrenta Nishikori

Quartas de final definidas no Masters 1000 de Roma, na Itália, que é disputado no saibro e último torneio Masters 1000 antes de Roland Garros.

Nesta quinta-feira, o dia começou com uma boa vitória do italiano Fabio Fognini sobre o alemão Peter Gojowczky, por duplo 6/4. Porém, agora ele terá um jogo muito duro nas quartas, já que terá pela frente Rafael Nadal, que não teve grandes dificuldades pra vencer o canadense Denis Shapovalov por 6/4 e 6/1.

Outro confronto definido será entre o croata Marin Cilic, que venceu Benoit Paire por 2×0, e o espanhol Pablo Carreno Busta, que passou pelo esloveno Aljaz Bedene por 2×1.

Novak Djokovic teve uma boa atuação diante do espanhol Albert Ramos, venceu por 6/1 7/5 e agora vai tentar fazer o histórico de 12×2 contra o japonês Kei Nishikori, que que perdeu apenas três games diante do alemão Philipp Kohlschreiber, vencendo por 6/1 e 6/2.

O último confronto das quartas será entre o embalado Alexander Zverev, que precisou de dois sets pra eliminar o britânico Kyle Edmund, e o belga David Goffin, que contou com o abandono do argentino Juan Martin Del Potro.

Djokovic, Nadal e Zverev vencem e vão às 8ªs em Roma. Thiem perde para Fognini

Foi finalizada a segunda rodada do Masters 1000 de Roma, na Itália, que é disputado no saibro e último torneio desse nível antes de Roland Garros.

Nesta quarta-feira, a principal surpresa foi a eliminação do austríaco Dominic Thiem, que vinha do vice do Masters 1000 de Madri, sendo superado em três sets pelo italiano Fabio Fognini.

Rafael Nadal estreou sem dar chances ao bósnio Damir Dzumhur, cedendo apenas um game e vencendo por 6/1 e 6/0. Agora, seu adversário por vaga nas quartas de final será o canadense Denis Shapovalov, que precisou de três sets para passar pelo holandês Robin Haase.

Novak Djokovic teve mais uma firme vitória, anotando 6/4 e 6/2 sobre o georgiano Nikoloz Basilashvili. Nas oitavas, o sérvio joga contra o espanhol Albert Ramos, que superou o norte-americano John Isner depois de três tiebreaks.

Outro bom jogo marcado pra essa quinta-feira será entre o argentino Juan Martin Del Potro, que vem de vitória sobre o grego Stefanos Tsitsipas, e o belga David Goffin.

No fim da rodada desta quarta, Alexander Zverev garantiu sua vaga nas oitavas ao vencer o jogador da casa Matteo Berrettini por 7/5 e 6/2, marcando encontro com o britânico Kyle Edmund, que superou o francês Lucas Pouille por 6/2 e 7/6(3).

Fognini vira sobre chileno Jarry e conquista o título do Brasil Open. Argentinos vencem nas duplas

Em sua 18ª edição, o Brasil Open teve seu primeiro campeão italiano. Fabio Fognini derrotou o chileno Nicolas Jarry, por 1/6, 6/1 e 6/4 neste domingo, no Ginásio do Ibirapuera. Fognini dedicou o título a Davide Astori, jogador de futebol Fiorentina encontrado morto na manhã de domingo.

Fognini ganhou 250 pontos no ranking da ATP, subindo para a 19ª colocação, e embolsou US$ 92.805 de premiação (cerca de R$ 302 mil). Este foi o sexto troféu da carreira do jogador de 30 anos, sendo todos no saibro. Jarry subiu para 61º com os 150 pontos que recebeu e foi o primeiro chileno em uma decisão de simples na ATP desde Fernando Gonzalez em 2009.

Jarry começou de forma arrasadora a partida, vencendo o primeiro set em 22 minutos. Porém, o chileno começou a cometer erros não-forçados e Fognini aproveitou para devolver o placar. O terceiro set foi bastante disputado, mas Jarry pareceu ter sentido o desgaste físico de sua quinta partida de três sets na semana.

“No primeiro set, ele (Jarry) me atropelou em velocidade, em winners, em saque. O segredo foi continuar lutando”, afirmou Fognini. “Acho que ele começou muito bem, pegando muito forte, com as bolas novas. Ele não tinha nada a perder. Esperei um pouco para o saque dele cair, que é o seu ponto forte. Depois disso, comecei a tomar um pouco a iniciativa. Na hora que ele quebrou no terceiro set, também foi mérito dele. Não pude fazer nada. Fez dois, três winners em um game, mas segui acreditando”, acrescentou o campeão.

Fognini havia ficado com o vice-campeonato em nove de suas 14 finais anteriores no circuito. “Perdi muito mais finais do que ganhei. Então tenho que curtir, porque faz parte do esporte. Estou no top 20 e o objetivo é continuar trabalhando. Mas estou me sentindo bem na quadra, estou feliz, lutando, tentando”, comemorou.

A vitória de Fognini é uma nota positiva em um dia triste para a Itália, com a morte do capitão da Fiorentina, o zagueiro Davide Astori. “Espero ter causado um sorriso em um dia de tanta tristeza para o esporte italiano. Obviamente, dedico a vitória a ele e a sua família. Ele um cara que eu não conhecia pessoalmente, mas os amigos jogadores que eu conheço sempre falaram que ele era uma pessoa muito alegre”, afirmou o italiano.

O experiente italiano também elogiou Jarry, que mostrou um excelente nível em São Paulo.  “É um jogador muito jovem, que certamente terá muitas outras oportunidades de jogar partidas como esta. É muito difícil jogar contra alguém tão alto e que saca assim. Acredito que a tática dele era essa, jogar dentro da quadra e terminar os pontos rapidamente. Coisas que me prejudicam um pouco”, analisou o cabeça de chave 2.

Grande revelação da temporada sul-americana, Jarry quer manter o embalo na sequência do ano. “Sempre trabalho para alcançar cada vez mais alto, ser a melhor versão de mim mesmo. Agora estou conquistando os frutos. Espero seguir subindo. Acho que posso dar mais, muito mais. Cometi alguns erros durante o torneio, mas é seguir em frente, tentar minimizar isso e tentar ganhar meu primeiro ATP”, disse o jogador de 22 anos.

 

Argentinos Delbonis e González ficam com o título de duplas

O título de duplas do Brasil Open ficou com a América do Sul, representada pelos argentinos Federico Delbonis e Maximo Gonzalez. Eles derrotaram os cabeças de chave 4 Wesley Koolhof, da Holanda, e Artem Sitak, da Nova Zelândia, por 6/4 e 6/2. Ambos recebem 250 pontos no ranking da ATP e dividem a premiação de US$ 27.980.

Este foi o primeiro troféu de Delbonis nas duplas e o quarto de Gonzalez. Os compatriotas começaram a campanha tirando os cabeças de chave 2 Hans Podlipnik-Castillo e Andrei Vasilevski, depois “aposentaram” o mineiro André Sá, que jogou com Thomaz Bellucci, e, na semifinal, superaram Rogério Dutra Silva e o tcheco Roman Jebavy.

O único argentino que havia vencido nas duplas no Brasil Open anteriormente havia sido Horacio Zeballos, em 2016, com o chileno Julio Peralta. “Fomos sólidos o tempo inteiro. Estou feliz e muito agradecido por esta cidade”, comentou Delbonis. “É difícil para ele, porque um dia ele jogou até tarde simples. Eu estou aqui só para isso e tenho sorte de poder ajudá-lo com isso”, complementou Gonzalez.
Resultados finais do Brasil Open 2018

Final – Simples
[2] Fabio Fognini (ITA) d Nicolas Jarry (CHI), 1/6 6/1 6/4


Final – Duplas
Federico Delbonis (ARG) / Maximo Gonzalez (ARG) d [4] Wesley Koolhof (NED) / Artem Sitak (NZL), 6/4 6/2

Foto: Gaspar Nóbrega/DGW Comunicação

Verdasco mantém boa fase, elimina Fognini e faz final do Rio Open contra Schwartzman

Depois de eliminar o austríaco Dominic Thiem, em grande atuação, Fernando Verdasco manteve a boa fase e, neste sábado, garantiu vaga na grande final do Rio Open, ATP 500 disputado na capital carioca e maior torneio de tênis da América do Sul.

O espanhol jogou bem, mas também contou com uma atuação abaixo da média do italiano Fabio Fognini para triunfar em sets diretos, com parciais de 6/1 e 7/5.

Campeão de 7 torneio da ATP, o italiano terá pela frente, em busca do 8º troféu, o argentino Diego Schwartzman, que mais cedo passou pelo chileno Nicolas Jarry, com parciais de 7/5 e 6/2.

Está sendo uma semana incrível, eu já queria vir para o Rio há muito tempo e agora está tudo perfeito. Amanhã a final contra o Schwartzman vai ser muito dura, ele é um jogador completo e consistente, com ótimos golpes de fundo de quadra”, previu o espanhol que ainda largou um “obrigado galera” antes de sair da quadra central para descansar e voltar na decisão de duplas.

A final será disputada neste domingo, às 17hs, na quadra Guga Kuerten, no Jockey Club Brasileiro.

Foto: Fotojump

Rio Open começa nesta 2ª feira com estreia de Cilic, Bellucci x Fognini e dupla Monfils/Demoliner

A edição 2018 do Rio Open apresentado pela Claro, maior torneio de tênis da América do Sul, começa nesta segunda-feira, em grande estilo. A quadra Guga Kuerten , com capacidade para 6.200 pessoas, será palco da estreia do croata Marin Cilic, número 3 do ranking mundial, contra o argentino Carlos Berlocq, que veio do qualifying, por volta das 19h. O primeiro dia de disputas do ATP 500 do Rio, nas quadras de saibro do Jockey Club Brasileiro, tem início às 16h30, e também marcará o confronto entre o brasileiro Thomaz Bellucci e o italiano Fabio Fognini, vice-campeão do torneio em 2015. Os ingressos estão à venda no site www.tudus.com.br/rioopen . Os dias 23 e 24 já estão com ingressos esgotados.

O Rio Open faz parte do ATP World Tour, que reúne 13 torneios desse porte, sendo apenas três deles no piso de saibro – os outros são Barcelona e Hamburgo. O campeão do torneio soma 500 pontos no ranking e recebe premiação de aproximadamente R$ 1,2 milhão.

Pela primeira vez jogando o Rio Open, Cilic, vice-campeão do Aberto da Austrália neste ano e campeão do US Open 2014 enfrentará pela segunda vez na carreira Berlocq – venceu o argentino no Masters 1000 de Roma de 2011. O croata chegou no Rio na quinta-feira e teve alguns dias para se adaptar às condições do torneio. “Melhorei muito meu jogo no saibro e será um desafio enfrentar jogadores especialistas nessa superfície aqui. A quadra está ótima, as condições são boas”, disse o simpático jogador, que no sábado teve a oportunidade de conhecer o Cristo e de desfilar na Mangueira.

O croata tem 29 anos, e também tem no currículo o vice-campeonato de Wimbledon, no ano passado. Soma 17 títulos na carreira, dois deles conquistados no saibro.

O duelo entre Thomaz Bellucci e Fabio Fognini, o último da quadra central, também promete agitar o primeiro dia de Rio Open. O retrospecto é favorável ao italiano, ex-número 13 do mundo, que venceu os quatro jogos entre os dois. Mas Bellucci tem a torcida a seu favor. No ano passado, o brasileiro eliminou o então favorito, o japonês Kei Nishikori. Fognini foi vice-campeão do Rio Open em 2015, e Bellucci tem como melhor resultado na competição as quartas de final em 2014.

“Ele é favorito, tem ranking melhor, retrospecto favorável, mas cada jogo tem uma história diferente. Vou jogar em casa, com o apoio da torcida, e estou muito motivado porque venho melhorando a cada semana. É um jogo que tem tudo para ter um final diferente do esperado”, disse o canhoto, que recebeu convite da organização para entrar na chave.

Atual 123º do mundo, Bellucci perdeu na primeira rodada em Quito e alcançou as oitavas em Buenos Aires, depois de passar pelo qualifying. Já Fognini, 21º do ranking, tem como melhor resultado nesta temporada a semifinal do ATP de Sydney.

O primeiro jogo da quadra central, às 16h30, será entre o brasileiro Rogério Dutra Silva e o espanhol Albert Ramos Vinolas. O espanhol fez a semifinal do Rio Open no ano passado, e chega embalado pelo vice-campeonato em Quito, há duas semanas. Rogerinho, atual 106º do mundo, busca melhor resultado neste ano, depois de parar na estreia na edição passada.

Em outra partida, o experiente espanhol Fernando Verdasco, cabeça de chave número 8 do torneio, enfrenta o argentino Leonardo Mayer. Já o americano Tennys Sandgren, que foi às quartas de final do Aberto da Austrália, em janeiro, pega o espanhol Roberto Carballes Baena.

Foto: Fotojump

ORDER OF PLAY – MONDAY, FEBRUARY 19, 2018
QUADRA CENTRAL start 4:30 pm
[4] A. Ramos-Vinolas (ESP) vs R. Dutra Silva (BRA)

Not Before 7:00 pm
[1] M. Cilic (CRO) vs [Q] C. Berlocq (ARG)
[5] F. Fognini (ITA) vs [WC] T. Bellucci (BRA)

QUADRA 1 start 4:30 pm
G. Garcia-Lopez (ESP) vs N. Jarry (CHI)
[8] F. Verdasco (ESP) vs L. Mayer (ARG)
M. Demoliner (BRA) / G. Monfils (FRA) vs P. Carreno Busta (ESP) / P. Cuevas (URU)

QUADRA 2 start 5:30 pm
[Q] Roberto Carballes Baena (ESP) vs T. Sandgren (USA)
[Q] Corentin Moutet (FRA) vs G. Pella (ARG)

Fognini consegue virada incrível sobre Nadal no US Open. Atual campeão, Cilic vence em cinco sets

Fabio Fognini - Rafael Nadal Men's Singles - Round 3Foi disputado nesta sexta-feira o que foi considerado, até o momento, o melhor jogo dessa edição do US Open, quarto Grand Slam da temporada, disputado no piso duro.

O espanhol Rafael Nadal chegou a abrir dois sets de vantagem sobre o italiano Fabio Fognini, mas viu o adversário reagir e virar a partida, fechando com parciais de 3/6 4/6 6/4 6/3 e 6/4. Foi a primeira vez na carreira que Nadal perdeu um jogo de Grand Slam depois de vencer os dois primeiros sets.

Nas oitavas, Fognini terá pela frente o espanhol Feliciano Lopez, que bateu o canadense Milos Raonic em três sets, com parciais de 6/2 7/6(4) e 6/3.

Novak Djokovic, mais uma vez, não perdeu sets, mas teve trabalho com Andreas Seppi e venceu por 6/3 7/5 e 7/5, e terá nas oitavas o espanhol Roberto Bautista-Agut, que perdia para o belga David Goffin por 2/6 5/7 6/3 e 3/1 quando viu o adversário abandonar por problemas físicos.

Benoit Paire precisou de três sets para vencer Tommy Robredo por 7/6(3) 6/1 e 6/1 e nas oitavas enfrenta Jo-Wilfried Tsonga, que anotou 6/3 7/5 e 6/2 sobre o ucraniano Sergiy Stakhovsky.

Campeão no ano passado, o croata Marin Cilic precisou de cinco sets para passar pelo cazaque Mikhail Kukushkin, com parciais de 6/7(5) 7/6(1) 6/3 6/7(3) e 6/1. Seu adversário por um lugar nas quartas de final será o francês Jeremy Chardy, que venceu o espanhol David Ferrer por 7/6(6) 4/6 6/3 e 6/1.

Foto: USTA/Andrew Ong

Nadal é campeão em Buenos Aires e gira sul-americana termina com êxito

Nadal - Buenos Aires peqA gira de torneios da ATP pela América do Sul terminou com o maior dos campeões do saibro conquistando o título em Buenos Aires. Rafael Nadal venceu Juan Monaco na final do Argentina Open para erguer o 65º trofeu da carreira.

Com a vitória de Nadal no Buenos Aires Lawn Tennis Club, a Gira termina em alta.

Mesmo sem grandes estrelas no circuito, além de Nadal, que optem por deixar os petrodólares de Dubai de lado ou as quadras rápidas da Europa, Estados Unidos e até mesmo de Acapulco, que já chegou a integrar a Gira, o tour da América do Sul cumpriu o seu papel.

Os fãs, com poucas exceções, encheram as arquibancadas de Quito a Buenos Aires. Tênis foi televisionado por horas e horas diariamente nos respectivos países, sem falar da exposição da região para o resto do mundo. E os tenistas latinos aproveitaram a chance única no ano de jogar por aqui e no saibro, para subirem no ranking. Espanhóis e latino-americanos brilharam nas quadras de Quito, São Paulo, Rio de Janeiro e Buenos Aires.

A gira começou em Quito, marcando o primeiro título de Victor Estrella Burgos, da República Dominicana, no circuito. Ganhou de Feliciano Lopez na final. Ele e Fernando Verdasco eram as grandes atrações no Equador.

A chave ainda contou com o bom resultado de Thomaz Bellucci, que foi à semifinal e de João Souza, o Feijão, disputando a sua primeira final nas duplas. Jogou com Burgos e perdeu para Kretschmer e Satschko 7/5 7/6(3).

O Brasil Open viu Feijão alcançar o melhor resultado da carreira e chegar à semifinal. O colombiano Santiago Giraldo também foi à semi no Ibirapuera. O uruguaio Pablo Cuevas foi o grande campeão, derrotando a surpresa italiana, Luca Vanni na final.

Ainda teve Marcelo Melo na semi de duplas e os colombianos Juan Sebastian Cabal e Robert Farah ganhando nas duplas.

O Rio Open consagrou o espanhol David Ferrer, conquistando o 23º título da carreira, diante de Fabio Fognini. Nadal, a grande atração, foi até a semifinal. Feijão continuou brilhando e foi quadrifinalista na cidade que escolheu para viver. O austríaco Hauder Maurer, que eliminou Feijão, foi o único não latino nas quartas no Rio. Bruno Soares foi o melhor duplista do Brasil, chegando à semi.

E ainda teve as mulheres no Rio Open. Gabriela Cé venceu o seu primeiro jogo na chave de um WTA e Bia Maia foi às quartas-de-final, tendo 3 match points contra a eventual campeã, Sara Errani.

Em Buenos Aires, a final dos sonhos para qualquer diretor de torneio. A grande estrela, Nadal, e o jogador local, Juan Monaco. Vitória de Nadal. 11 argentinos na chave principal e 2 na semi. O torneio que ficou na ingrata data que era de São Paulo, conseguiu se recuperar.

Quadro de campeões
Gira Sul-Americana

ATP Quito
Victor Estrella Burgos(DOM) d. Feliciano Lopez (ESP) 6/2 6/7(5) 7/6(5)
Kretschmer /Satschko d. Souza/Estrella Burgos 7/6 7/6(3)

Brasil Open
Pablo Cuevas (URU) d. Lucas Vanni (ITA) 6/4 3/6 7/6(4)
Cabal/Farah d. Lorenzi/Schwartzmann 6/4 6/2

Rio Open
David Ferrer (ESP) d. Fabio Fognini (ITA) 6/2 6/3
Klizan/Oswald d. Andujar/Marach 7/6(3) 6/4

Sara Errani (ITA) d. Anna Schmiedlova (SVK) 7/6(2) 6/1
Bonaventura/Peterson d. Begu/Irigoyen 3/0 des.

Argentina Open
Rafael Nadal (ESP) d. Juan Monaco (ARG) 6/4 6/1
Sá/Nieminen d. Andujar/Marach 4/6 6/4 10-7

Diana Gabanyi

Ferrer vence Fognini em dois sets e é campeão do Rio Open, conquistando o 23º título da carreira

Ferrer - 4 peqNeste domingo, o espanhol David Ferrer conquistou o título do Rio Open, ATP 500 disputado nas quadras de saibro do Jockey Club Brasileiro, no Rio de Janeiro.

Depois da grande atuação do sábado, quando eliminou o espanhol Rafael Nadal, o italiano Fabio Fognini não repetiu o desempenho, ofereceu pouca resistência e ainda viu um adversário inspirado, que venceu em sets diretos, com parciais de 6/2 e 6/3.

Esse é o 23º título da carreira do espanhol, o segundo na temporada. Além do torneio carioca, Ferrer também ficou com o título do ATP 250 de Doha, em janeiro.

O resultado do nº 9 do mundo supera a sua campanha no ano passado, quando parou na semifinal, diante do ucraniano Alexandr Dolgopolov.

Foto: Agif

Fognini elimina Nadal e decide o título do Rio Open contra Ferrer. Klizan e Oswald são campeões de duplas

Fognini - 2 peqO italiano Fabio Fognini derrotou o espanhol Rafael Nadal, de virada, por 2 sets 1, com parciais de 1/6, 6/2 e 7/5, e vai disputar o título do Rio Open apresentado pela Claro contra o também espanhol David Ferrer, neste domingo, por volta das 18h. A derrota para Fognini foi a primeira de Nadal em uma semifinal no saibro desde 2003. Além disso, o nove vezes campeão de Roland Garros perdeu sua primeira partida no Brasil em quatro competições que participou – foi campeão do ATP 500 do Rio em 2014 e duas vezes do Brasil Open (2005/2013). A final deste domingo colocará frente a frente o cabeça 2 Ferrer e o cabeça 4, Fognini. Antes disso, a também italiana Sara Errani decide o título do WTA contra a eslova Anna Schmidlova.

Fognini , atual 28º colocado no ranking mundial, nunca tinha vencido o dono de 64 títulos na carreira em quatro confrontos entre os dois. Na partida deste sábado, iniciou jogando mal, errando muito. No segundo set, parou de cometer erros e passou a levar a melhor nas trocas de bola. O set decisivo seguiu igual até Fognini abrir 6 a 5 e Nadal sacar para ir ao tie-break. Em um final emocionante, o espanhol rebateu uma bola, que raspou na rede e caiu lentamente no lado da quadra do italiano. Fognini chegou e devolveu com uma curta, que Nadal não chegou. “Ganhei do melhor do mundo no saibro, estou muito feliz, é uma vitória para ser valorizada”, comemorou.

Nadal ainda tenta ganhar ritmo e confiança, depois de só atuar sete vezes no segundo semestre do ano passado, devido a duas cirurgias – pulso direito e apêndice. Neste ano, foi eliminado na estreia em Doha e nas quartas do Aberto da Austrália. Por não defender os pontos do título no Rio Open, vai cair uma posição no ranking mundial, passando para quarto lugar. “Fiz um bom primeiro set, perdi oportunidades no segundo, e no final foi mérito dele. Também fiquei cansado muito rápido e senti cãibras, algo que nunca tive na carreira”, disse o espanhol. “Ainda sinto a falta de ritmo, mas já estou melhor do que há um mês. Tenho que aceitar e continuar trabalhando, passo a passo, para voltar a competir de igual para igual com os melhores jogadores”.

Grande estrela do Rio Open, Nadal espera voltar ao torneio em 2016. “Quero estar nas Olimpíadas no Rio, mas ainda é cedo para falar de calendário. Gosto de jogar no Brasil, na América Latina, então pode ser que volte”.

Na outra semifinal, Ferrer eliminou o austríaco Andreas Haider-Maurer por 7/5 e 6/1. O espanhol só teve trabalho no primeiro set na vitória sobre o 74º do mundo. Os dois tenistas sofreram para confirmar o saque na série inicial. Quando um quebrava, o outro devolvia e assim foi até Ferrer usar da sua experiência para fechar. No segundo set, Ferrer cresceu e, depois de quebrar o saque de Haider-Maurer logo no início, fazendo 3 a 1, se manteve sempre à frente para fechar. “Não comecei jogando bem, no segundo melhorei e ele estava mais cansado. Estou contente por jogar minha primeira final no Rio”, disse Ferrer, que já conquistou seis títulos na América Latina.

Ferrer tem um retrospecto favorável contra Fognini. Sete vitórias em sete jogos. Nesta temporada, Fognini foi campeão de duplas no Aberto da Austrália, ao lado do compatriota Simone Bolelli. Em simples, soma três títulos na carreira. Sua última final foi em abril do ano passado, quando ficou com o vice-campeonato do ATP 250 de Munique, na Alemanha. “Preciso descansar bem, porque fiquei muito mais tempo na quadra do que David (Ferrer). Será duro, outro especialista no saibro, já foi terceiro do mundo. Também me venceu várias vezes, então terei de lutar muito” .

Klizan e Oswald conquistam o título de duplas do Rio Open

Neste sábado, penúltimo dia do Rio Open, a parceria formada pelo eslovaco Martin Klizan e pelo austríaco Philipp Oswald bateu o espanhol Pablo Andujar e o austríaco Oliver Marach e conquistou o título de duplas da principal competição de tênis da América do Sul. Klizan e Oswald precisaram de 1h24 e dois sets para selarem o triunfo com parciais de 7/6 (3) e 6/4. Foi o segundo troféu da ATP levantado pela dupla, que venceu, em Nice, no ano passado.

Para chegar ao título, Klizan e Oswald superaram os brasileiros Fabiano de Paula e Marcelo Demoliner, a dupla formada pelo uruguaio Pablo Cuevas e o espanhol David Marrero e, na fase semifinal, os colombianos campeões do torneio em 2014, Juan Sebastian Cabal e Robert Farah. “Tivemos sorte na segunda rodada com uma desistência, mas uma estreia muito dura com um super tie-break e precisamos salvar um match point na semifinal, então acredito que o nível foi bem alto, como se espera de um ATP 500. Estou muito feliz por termos conquistado o título e jogado nosso melhor tênis na final. Espero que tenhamos uma grande temporada juntos”, disse o empolgado Oswald.
Rio Open rende homenagem a Braguinha, mecenas do esporte

A quadra central do Rio Open recebeu outra homenagem neste sábado. Coube a Gustavo Kuerten entregar uma placa a Antonio Carlos de Almeida Braga, o Braguinha. O ex-banqueiro, apaixonado por esporte, ajudou diversos atletas em suas trajetórias. Guga e o piloto Ayrton Senna estão entre os esportistas que contaram com a ajuda financeira de Braguinha no início de suas carreiras. Braguinha acompanhou todas as Copas do Mundo desde 1950 e compareceu a todos as Olimpíadas nos últimos 40 anos. “Você fez eu acreditar que podia chegar lá, e com outros atletas também. Agradeço por tudo o que fez pelo esporte brasileiro”, disse Guga.

Foto: Agif